Jump to content

Dos de cada tres españoles quieren que IAG compre a Latam Airlines


leelatim

Recommended Posts

Dos de cada tres españoles quieren que IAG compre a Latam Airlines

 

IAG da motivos de apuntar Latam: crecer en el hemisferio sur

 

 

TEMAS RELACIONADOS: Antonio Vázquez, British Airways, Enrique Cueto, España, IAG, Iberia, LATAM airlines, Londres, M&A, Marsans, Oneworld, Spanair, Willie Walsh

 

iberia-compra-latam-airlines-lan-iag

 

Una encuesta realizada por el digital líder de Noticias de Turismo en España, preferente.com, refleja que el 66 por ciento de los participantes querría que la matriz de Iberia, IAG, comprase a Latam Airlines, luego de conocerse las declaraciones de Willie Walsh, el CEO del grupo aéreo europeo, sobre su interés en acercarse a la aerolínea controlada por los Cueto.

 

Por el contrario, el 34 por ciento, prácticamente uno de cada tres, responde que No a la pregunta de si Le gustaría que la matriz de Iberia comprase Latam Airlines, cuestionada en la encuesta del medio de comunicación con más audiencia y prestigio en España entre los profesionales turísticos de ese país (Preferente.com triplica al segundo en páginas vistas anuales: 23,7 millones).

 

Cinco años después de la fusión entre LAN y TAM, el grupo Latam Airlines se encamina a su cuarto ejercicio consecutivo con pérdidas tras cerrar el tercer trimestre de 2015 con un resultado negativo de 203 millones de dólares desde el principio del año, cuando el grupo perdió 77 millones de dólares en 2014.

 

Antonio Vázquez, presidente de IAG, el holding que engloba entre otras a British Airways e Iberia, aseguraba la pasada semana que el grupo busca incorporar compañías que tengan sentido desde el punto de vista estratégico y financiero, pues tenemos vocación consolidadora desde el principio, y hemos actuado en consecuencia, y agrega en que su grupo tiene margen para más compras (Presidente de IAG avala compras estratégicas tras apuntar a Latam).

 

Sobre los objetivos, matizaba que no es una condición que sea una compañía rentable ahora mismo, siempre que haya una seguridad de que, en algún momento, será una inversión positiva y creará valor, una premisa que encajaría a la perfección con Latam Airlines, que por diversos motivos no vive hoy sus mejores días, como había recogido REPORTUR.com.ar (Banco UBS confirma los problemas en Avianca, Latam Airlines y Copa).

 

Junto a esta condición, Antonio Vázquez también expone otra opinión que serviría para avalar su interés por la aerolínea controlada por la familia Cueto, ya que señaló que le parecía ridícula la limitación que tienen las aerolíneas europeas en operaciones corporativas fuera de Europa, ya que no pueden superar el 49 por ciento.

 

Esa restricción no existe en ningún otro sector e impide que haya grupos verdaderamente globales, reprocha el presidente de IAG, en una de las contadas críticas que salen de su boca y que concretamente sirven para esclarecer que el interés prioritario en las compras del grupo se ubica fuera del Viejo Continente, con compañías que les supongan un complemento estratégico, y que además ahora puedan estar en pérdidas.

 

Willie Walsh ya había apuntado que cree que hay oportunidades para una mayor consolidación en el sector aeronáutico, ante lo cual dijo que su grupo está disponible para aprovechar alguna operación, agregando que IAG tiene una clara voluntad de trabajar más de cerca con Latam Airlines Group, y agregó que cuando sea el momento adecuado y (los Cueto) estén dispuestos a sentarse con nosotros, vamos a tener discusiones más constructivas (La matriz de Iberia confirma su interés en Latam Airlines).

 

Tras estas declaraciones, la aerolínea latina con mayor flota sufrió un acusado repunte en Bolsa, y tuvo que informar que respecto de recientes publicaciones de prensa, Grupo Latam Airlines aclara que no mantiene conversaciones con IAG que involucren la entrada de este último a la propiedad de Grupo Latam, aunque en ningún momento medio alguno se refirió a que ambos grupos aéreos estuvieran manteniendo conversaciones, sino que simplemente se apuntó a que el líder de IAG había revelado públicamente su interés por Latam (Latam Airlines ve disparado su valor tras el interés de IAG).

 

Tres semanas atrás, IAG había detallado los motivos que justificaban su interés en Latam Airlines, y Willie Walsh, dejó entrever que su prioridad se centra en una adquisición en el hemisferio sur, por tener temporadas de verano e invierno distintas a las de Europa, pues disponer de una aerolínea con una temporada de verano en diciembre supondría para el grupo una buena diversificación para sus resultados, cuyos beneficios ahora se concentran en los meses de julio y agosto, donde más necesidad tienen de aviones, mientras en el hemisferio sur en esa época ocurre lo contrario (IAG da motivos de apuntar Latam Airlines: crecer en el hemisferio sur).

 

Fonte:Reportur.com

Link to comment
Share on other sites

Dos de cada tres españoles quieren que IAG compre a Latam Airlines

....

Una encuesta realizada por el digital líder de Noticias de Turismo en España, preferente.com, refleja que el 66 por ciento de los participantes querría que la matriz de Iberia, IAG, comprase a Latam Airlines, luego de conocerse las declaraciones de Willie Walsh, el CEO del grupo aéreo europeo, sobre su interés en acercarse a la aerolínea controlada por los Cueto.

....

 

Willie Walsh ya había apuntado que cree que hay oportunidades para una mayor consolidación en el sector aeronáutico, ante lo cual dijo que su grupo está disponible para aprovechar alguna operación, agregando que IAG tiene una clara voluntad de trabajar más de cerca con Latam Airlines Group, y agregó que cuando sea el momento adecuado y (los Cueto) estén dispuestos a sentarse con nosotros, vamos a tener discusiones más constructivas (La matriz de Iberia confirma su interés en Latam Airlines).

.....

 

Fonte:Reportur.com

Prezado leelatim

Los Cueto aqui, los Cueto alí. Os Rolins não existem. Quero ver até quando o nome Latam vai existir. Dizem que o idioma dos primeiros níveis da Latam, em São Paulo, já é o espanhol.

Link to comment
Share on other sites

Prezado leelatim

Los Cueto aqui, los Cueto alí. Os Rolins não existem. Quero ver até quando o nome Latam vai existir. Dizem que o idioma dos primeiros níveis da Latam, em São Paulo, já é o espanhol.

 

os Rolins são acionistas da empresa, não possuem posição executiva, ao contrário dos Cueto.

 

não vejo problema ser espanhol na LATAM, inglês na GOL, chinês na Azul, desde que sejam empresar formalmente registradas e seguindo as leis brasileiras.

 

o controlador é de menos. claro que seria melhor que fossem tupiniquins, mas aí é um problema com o Estado brasileiro e não com setor privado.

Link to comment
Share on other sites

os Rolins são acionistas da empresa, não possuem posição executiva, ao contrário dos Cueto.

 

não vejo problema ser espanhol na LATAM, inglês na GOL, chinês na Azul, desde que sejam empresar formalmente registradas e seguindo as leis brasileiras.

 

o controlador é de menos. claro que seria melhor que fossem tupiniquins, mas aí é um problema com o Estado brasileiro e não com setor privado.

Se a gestão da Latam é pra melhorar com um novo controlador,,porque não mudar de majoritários chilenos para britânicos ? Afinal de contas o que importa é que a empresa siga saudável financeiramente e continue a crescer, imagina a Iberia se não fosse a associação com a Britsh Airways? Hoje são o grupo mais rentável da Europa e em pleno vapor ao passo de outros estarem em crise ou sendo vendidos para não fechar as portas

Link to comment
Share on other sites

Alguém poderia nos informar como seria a frota de aeronaves, malha aérea e tamanho da empresa em comparação com outros grupos se realmente houvesse essa fusão entre LATAM e IAG. Imagino que estaria entre os Top 5 da aviação mundial fácil.

Link to comment
Share on other sites

Em grandes números:

 

10M15

 

................................................IAG............LAJJ

RPK.(milhões)...........................186.901.......92.548 (49,5%)

PAX (mil)....................................74.710.......56.437 (75,5%)

 

 

9M15

 

Faturamento (USD milhões)..........19.110........7.719 (40,4%)

Lucro (prejuízo)...............................1.317..........(203)

 

 

LAJJ é só volume e dor de cabeça pro IAG. Primeira coisa que teriam que fazer, cortar uns 10-20% na LA e uns 30-50% na JJ, igual fizeram na IB, vai?

Link to comment
Share on other sites

No máximo é 10%, chorando muito.

 

A IAG não vai gastar anos de reestruturação dolorosa para gastar na LATAM. Talvez uma participação acionária só para ter direito a um assento e sacramentar a parceria, nada mais.

 

JV basta para criar sinergia, rede integrada e aumento de receitas para as empresas.

Link to comment
Share on other sites

No máximo é 10%, chorando muito.

 

A IAG não vai gastar anos de reestruturação dolorosa para gastar na LATAM. Talvez uma participação acionária só para ter direito a um assento e sacramentar a parceria, nada mais.

 

JV basta para criar sinergia, rede integrada e aumento de receitas para as empresas.

 

JV é um dos passos para uma fusão.

 

e é óbvio que no longo prazo teremos fusões intercontinentais - o prelúdio são as alianças.

Link to comment
Share on other sites

 

JV é um dos passos para uma fusão.

 

e é óbvio que no longo prazo teremos fusões intercontinentais - o prelúdio são as alianças.

Exato!

 

Há muito venho dizendo que a OW trabalha como se fosse uma só empresa de múltiplas culturas. Acredito sim que veremos mais fusões e principalmente entre empresas desta aliança. Pode parecer loucura mas a IAG deve tentar a fusão com a LATAM e num futuro não muito distante com a AA. Talvez a única grande a não ter interesse em fusões seja a QATAR mas essa porque ainda tem um poder econômico diferenciado das demais e não sofre com variações do mercado já que tem suas operações amplamente subsidiadas pelo ESTADO qatari.

Link to comment
Share on other sites

Mas AF085, acho que não se fala única e exclusivamente de uma fusão e sim uma aquisição , que pode ser apenas parcial , o presidente da IAG não pára de citar seguidamente o interesse na Latam, seja via JV ou outra forma

Link to comment
Share on other sites

Esse Grupo Bethia tem 6% da LAJJ, também estão com problemas: http://www.economiaynegocios.cl/noticias/noticias.asp?id=209477

 

Até AV Holdings acompanhando a tendência de desvalorização: http://www.financialmagazin.com/after-todays-huge-decline-is-avianca-holdings-sa-adrs-near-term-analysis-negative/

 

Economias da Am. do Sul pro fundo do poço. :cry:

Link to comment
Share on other sites

Faltou: IAG deve estar querendo é um acordo (JV)...

 

 

27 A350 + 16 789 (+ opções 15 789 e 5 A350) devem estar preocupando os gringos lá fora, ainda mais no momento atual, até porque LAJJ só pensa em MAD e MIA territórios de IB e AA respectivamente.

Link to comment
Share on other sites

Isso não quer dizer que futuramente não teremos novos destinos, prova que a LÁ/JJ não pensam só em Mia e Madri é o fato de estarem lançando Wahington, Barcelona e Johanesburgo , por ora, fora Cancun

Link to comment
Share on other sites

Isso é merreca, tudo 3 vps com 76W, JNB ainda não sabemos mas pode ser até com 788. Já pensou GRU, SCL, LIM e até EZE (se as coisas se flexibilizarem) MAD 2x diário de A350? atrapalha bastante o crescimento da IB (e UX). Isso ocupa 16 A350, ainda sobram 11 que cobrem com folga todas as rotas dos 77Ws. LAJJ não vai voar LHR/FRA/CDG de SCL ou LIM, duvido, muito menos dobras as saídas de GRU ou do futuro (quase improvável) hub nordeste.

Link to comment
Share on other sites

Corrigindo, são 2 320N e 3 A350 pro ano que vem.

 

Latam receives first round RFP offers

23 September 2015

Latin American airline group seeks financing proposals for A350s and A320 neos.

Latam is receiving bids in response to a request for proposal (RFP) for the financing of five Airbus aircraft delivering next year, Airfinance Journal understands.

http://www.airfinancejournal.com/Article/3491022/Latam-receives-first-round-RFP-offers.html

Link to comment
Share on other sites

 

JV é um dos passos para uma fusão.

 

e é óbvio que no longo prazo teremos fusões intercontinentais - o prelúdio são as alianças.

 

Exato!

 

Há muito venho dizendo que a OW trabalha como se fosse uma só empresa de múltiplas culturas. Acredito sim que veremos mais fusões e principalmente entre empresas desta aliança. Pode parecer loucura mas a IAG deve tentar a fusão com a LATAM e num futuro não muito distante com a AA. Talvez a única grande a não ter interesse em fusões seja a QATAR mas essa porque ainda tem um poder econômico diferenciado das demais e não sofre com variações do mercado já que tem suas operações amplamente subsidiadas pelo ESTADO qatari.

ZUD e TopGun,

 

JV pode ser um dos passos, mas não vejo fusões que se originaram a partir de JV. JAL+AA, ANA+UAL, AA+BA estão todas aí, unidas sem compra acionária. JV tem os benefícios da fusão sem abrir mão da independência de cada cia.

 

Acho que o modelo de aliança precisa ser revisado. Não adianta ter uma rede global se apenas meia dúzia de parceiras trabalham efetivamente. Acho que o relacionamento da BA e CX é meio "frio" entre HKG-LHR. Korean e Delta não se conversam. Elas vão ser menos abrangentes porém com parceiros-chaves. É o que vem acontecendo com a indústria, a Gol mesmo prefere ter alguns acordos-chaves (AFR e DAL) e outros complementares.

 

O modelo equity-stake também vem crescendo, com êxito da Delta e da Etihad.

 

Fusões mesmo veremos quando relaxarem as regras acionárias de cada país. Por enquanto vai ser apenas 5, 10 ou 20%, salvo exceções.

 

Star Alliance foi criada em 1997, Oneworld em 1999, nem por isso LH comprou SQ, BA se fundiu com a AA, pra não enumerar as diversas possibilidades.

De fato não ocorreram, porém uma operação interessante (não necessariamente de aliança), foi quando a United e Lufthansa ajudaram socorrer financeiramente a Air Canada.

 

Fusões não ocorreram por entraves governamentais. E o barulho que fizeram quando a AA e BA anunciaram joint-venture em 1996 (?), era tão abrangente que caracterizava uma fusão operacional. Aliás a OneWorld surgiu pelo fracasso da primeira joint-venture entre AA/BA.

 

Obs: a OW é de 1998 :thumbsup:

Link to comment
Share on other sites

Corrigindo, são 2 320N e 3 A350 pro ano que vem.

 

 

Latam receives first round RFP offers

23 September 2015

Latin American airline group seeks financing proposals for A350s and A320 neos.

Latam is receiving bids in response to a request for proposal (RFP) for the financing of five Airbus aircraft delivering next year, Airfinance Journal understands.

 

http://www.airfinancejournal.com/Article/3491022/Latam-receives-first-round-RFP-offers.html

Então dos 7 A350 que chegam até o 3TR de 2016 apes tres tem os contratos de financiamento já garantidos ?

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade