Jump to content

Ampliação do aeroporto JK levará até sete anos para conclusão


jambock

Recommended Posts

3 hours ago, TheJoker said:

Absurdo. O governo não deveria colocar 1 centavo nessa categoria. Eles é que devem se unir e locar/comprar seus espaços. Vão fazer até campo de futebol. Não tem cabimento uma coisa dessas.

Link to post
Share on other sites

  • Replies 266
  • Created
  • Last Reply
15 hours ago, trichesjr said:

Absurdo. O governo não deveria colocar 1 centavo nessa categoria. Eles é que devem se unir e locar/comprar seus espaços. Vão fazer até campo de futebol. Não tem cabimento uma coisa dessas.

Exato. 

O sindicato que faça. 

Fico imaginando a revolta do dox taxistas caso o governo fizesse algo nesse estilo pro Uber/99.

Link to post
Share on other sites

cnc_630461_283351.jpg

Viabilizado estudo para implantação de megacomplexo multiuso


BRASÍLIA - Encontra-se em estudo de viabilidade, com estimativa de evolução no decorrer do segundo semestre deste ano, o novo complexo multiuso previsto para a cidade de Brasília. A área é de 721 mil m², o projeto contará com shopping, hotel, centro de eventos e cultural, parque de entretenimento, clube, espaço multiuso, instituições educacionais e hospital, dentre outros. A Inframérica ainda não divulga as empresas que vão se instalar no local, nas proximidades do Aeroporto Internacional Presidente Juscelino Kubitschek.

Fonte: http://www.convisao.com.br/publicacao/sites/cnc/2020/2020_03/materias/630461_283351/index.htm

Link to post
Share on other sites
On 16/03/2020 at 10:11, Leonardo de Paula said:

Também já ergueram um galpão que, ao que tudo indica, será para as cargas da Gol e Latam (com a estrutura pintada nas cores dessas cias). Está localizado entre a via de acesso a BABR e o Terminal de Cargas (na imagem acima, aquele retângulo amarelo próximo ao Píer Sul).

Esses dias eu vi uma daquelas gruas por aquela região. Então deve vir mais obras para lá pelo visto.

Link to post
Share on other sites
On 16/03/2020 at 10:11, Leonardo de Paula said:

Também já ergueram um galpão que, ao que tudo indica, será para as cargas da Gol e Latam (com a estrutura pintada nas cores dessas cias). Está localizado entre a via de acesso a BABR e o Terminal de Cargas (na imagem acima, aquele retângulo amarelo próximo ao Píer Sul).

E por falar nesses novos hangares. Me lembro, quando se cogitou a construção do Pier Internacional que todos aqueles hangares perto do Pier Norte até o finado hangar da Transbrasil, seriam derrubados para liberar espaço para o Pier Internacional. A Tam seria uma das primeiras. Vamos aguardar a inauguração desses hangares novos, para os antigos serem demolidos.

Link to post
Share on other sites
On 02/03/2019 at 00:46, Pesquisadorbsb said:

 

Busca, junto ao Banco de Brasília (BRB), recursos para expansão dos terminais internacional de passageiros e de carga. A ampliação deverá atender o plano do Governo do Distrito Federal (GDF) de fazer de Brasília um ponto de distribuição de cargas internacionais, aos moldes dos aeroportos internacionais de Guarulhos (SP) e Tom Jobim (RJ).

A expansão do terminal internacional foi a ampliação do freeshop, acessos para pax em conexão, e-gates, etc, e os galpões de carga. Deve ter sobrado um troco pra praça do Uber.

PAX tombou 1.2 milhões (17.9 milhões em 2018 pra 16.7 em 2019), carga  inter (maioria imp)  também caiu, e a doméstica aumentou.

Com dólar a R$5 vai cair +ainda.

jan18  imp  403 t    exp    7  = 410

jan19          354              37   = 391

jan20          258             121 = 379

Vai ser difícil alguém querer investir em aviação nos próximos 1-2 anos, com as incertezas de como vai ser a retomada das operações.

Em julho, vence a outorga das primeiras concessões. O Governo vai ter que aliviar multa e juros por atraso, porque ninguém vai ter o valor integral pra pagar, com exceção do GIG que só volta a pagar em 2023 porque antecipou vários pagamentos.

Link to post
Share on other sites
3 hours ago, TheJoker said:

A expansão do terminal internacional foi a ampliação do freeshop, acessos para pax em conexão, e-gates, etc, e os galpões de carga. Deve ter sobrado um troco pra praça do Uber.

PAX tombou 1.2 milhões (17.9 milhões em 2018 pra 16.7 em 2019), carga  inter (maioria imp)  também caiu, e a doméstica aumentou.

Com dólar a R$5 vai cair +ainda.

jan18  imp  403 t    exp    7  = 410

jan19          354              37   = 391

jan20          258             121 = 379

Vai ser difícil alguém querer investir em aviação nos próximos 1-2 anos, com as incertezas de como vai ser a retomada das operações.

Em julho, vence a outorga das primeiras concessões. O Governo vai ter que aliviar multa e juros por atraso, porque ninguém vai ter o valor integral pra pagar, com exceção do GIG que só volta a pagar em 2023 porque antecipou vários pagamentos.

O investimento agora é PRIVADO de parceiros da Inframerica, ainda mais que ela terá apenas o Aeroporto de Brasília como concessionária. Como na avião vai demorar a deslanchar, resta apelar para área imobiliária. E claro para não gerar expectativas e ficar chupando dedo. Não será a Inframerica a anunciar o projeto, mas sim, os investidores.

Link to post
Share on other sites
On 16/03/2020 at 09:56, Leonardo de Paula said:

Iniciaram uma obra próximo à via de acesso aos hangares e a cabeceira 11L, já terraplanaram todo o terreno e estão colocando umas estacas... alguém sabe do que se trata?

Passei por lá ontem e me pareceu que estão instalando painéis solares em todo o terreno. 

Link to post
Share on other sites
4 hours ago, Leonardo de Paula said:

Passei por lá ontem e me pareceu que estão instalando painéis solares em todo o terreno. 

ENGIE e Inframerica fornecerão energia renovável para aviões no aeroporto de Brasília

Solução prevê suprir aeronaves em solo por meio das pontes de embarque, reduzindo emissões de CO2 e custo com querosene ou geradores a diesel.

4 DE DEZEMBRO DE 2019

A ENGIE, líder global em energia e soluções, e a Inframerica, concessionária do Aeroporto de Brasília, firmaram uma parceria inédita para fornecimento de energia de fontes renováveis a aviões estacionados no terminal brasiliense.

Uma solução inovadora, desenvolvida pela ENGIE, prevê a instalação de equipamentos em 22 pontes de embarque e desembarque do aeroporto para manter a parte elétrica e de ar condicionado das aeronaves em solo em funcionamento.

Atualmente, a energia elétrica e o ar condicionado das aeronaves nas pontes de embarque/desembarque são providas por geradores externos a diesel, conhecido como GPU (Ground Power Unit), ou por microturbina a querosene do próprio avião. “A nova solução reduz a pegada de carbono, elimina o uso desses equipamentos na área de pátio, tornando-a mais segura, com menos obstáculos para manobras de veículos e pessoas e reduz o nível de ruídos das operações. Buscamos, com isso, mostrar nosso comprometimento com a redução dos gases de efeito estufa (GEE) e reforçar nossas ações em prol de uma operação mais sustentável”, explica Roberto Luiz, diretor de Negócios Aéreos da Inframerica.

Recentemente o Aeroporto de Brasília foi reconhecido com o Selo Ouro no Programa Brasileiro GHG Protocol (Greenhouse Gas Protocol), que realiza a publicação de inventários de emissões de gases de efeito estufa (GEE). O Conselho Internacional de Aeroportos (ACI) também reconheceu o terminal brasiliense com a certificação internacional de controle de carbono.

No Aeroporto de Brasília, as principais companhias aéreas já aderiram ao serviço. Espera-se, com isso, uma redução de cerca de 20 mil toneladas de CO2 por ano no terminal, o equivalente ao plantio de mais de 120 mil árvores.

“Essa iniciativa está em linha com a ambição da ENGIE, que é a de liderar a transição energética rumo a uma economia de baixo carbono, auxiliando empresas a descarbonizarem os seus processos, se tornando mais sustentáveis e mais eficientes”, afirma Leonardo Serpa, diretor-presidente da ENGIE Soluções. “Além disso, as companhias aéreas terão também seus custos otimizados, a energia elétrica tende a ter preços mais competitivos”, completa o executivo.

PARCERIA DE LONGO PRAZO

A ENGIE e o Aeroporto de Brasília também são parceiras no fornecimento de energia renovável, iniciativa que entrará em vigor a partir de 2022. De acordo com Serpa, a empresa negocia também com outros terminais aeroportuários, um segmento estratégico para a companhia, soluções de mobilidade elétrica e outros serviços.

Roberto Luiz, da Inframerica, afirma que a parceria com a ENGIE é de longo prazo e ressalta que o objetivo é replicar este novo projeto em outros aeroportos do Grupo, tanto no Brasil como no exterior.

A previsão é que todas as pontes de embarque e desembarque do Aeroporto de Brasília estejam adaptadas para o fornecimento de energia elétrica em até 12 meses.

https://www.engie.com.br/imprensa/press-release/engie-e-inframerica-fornecerao-energia-renovavel-para-avioes-no-aeroporto-de-brasilia/

Link to post
Share on other sites

Meio fora do tópico mas hj várias lojas estavam fechando no aeroporto depois do decreto imposto pelo Governador do DF. Acredito que vai meio que virar um aero fantasma. 

No Duty Free quase não há mais vôos,e toda a rede da Dufry/Hudson da área nacional agora a noite receberam a notícia que ficarão fechados até o dia 05/04 (podendo ser prorrogado mediante decreto do governo do DF).

Fora eles que são a maior rede no aeroporto também teve uma boutique de carnes, Loccitane, aramis, La Vie, Baccio e algumas outras lojas/quiosques.

É torcer pra que tudo isso passe logo e a aviação mundial possa crescer novamente.

Várias famílias dependem desse negócio magnífico que é a aviação. 

Link to post
Share on other sites
6 hours ago, A220 said:

Meio fora do tópico mas hj várias lojas estavam fechando no aeroporto depois do decreto imposto pelo Governador do DF. Acredito que vai meio que virar um aero fantasma. 

No Duty Free quase não há mais vôos,e toda a rede da Dufry/Hudson da área nacional agora a noite receberam a notícia que ficarão fechados até o dia 05/04 (podendo ser prorrogado mediante decreto do governo do DF).

Fora eles que são a maior rede no aeroporto também teve uma boutique de carnes, Loccitane, aramis, La Vie, Baccio e algumas outras lojas/quiosques.

É torcer pra que tudo isso passe logo e a aviação mundial possa crescer novamente.

Várias famílias dependem desse negócio magnífico que é a aviação. 

Estimativa do sindicato dos varejistas do DF é de 20 mil demissões, isso em um montante de de 100 mil funcionários que o setor emprega hoje na capital. A crise que virá depois será terrível.

Vai levar muito tempo para economia se recuperar e consequentemente o setor aéreo que sempre é muito afetado. Tomara que a Inframérica consiga sobreviver a isso tudo, o trabalho que estão fazendo no aeroporto é primoroso. 

Link to post
Share on other sites
32 minutes ago, Schonarth said:

Tomara que a Inframérica consiga sobreviver a isso tudo, o trabalho que estão fazendo no aeroporto é primoroso. 

Verdade. O pagamento da outorga será suspenso, acho que já ajuda...

Link to post
Share on other sites
1 hour ago, MRN said:

Verdade. O pagamento da outorga será suspenso, acho que já ajuda...

Por enquanto o Governo só postergou de julho pra dezembro, resta saber se as concessionárias vão ter a mesma tolerância com os lojistas.

Link to post
Share on other sites
2 minutes ago, TheJoker said:

Por enquanto o Governo só postergou de julho pra dezembro, resta saber se as concessionárias vão ter a mesma tolerância com os lojistas.

Acho que sim...

Link to post
Share on other sites
  • 1 month later...

Balanço de 2019 da ICAB e da Inframerica PAR publicado no DODF de hoje (22/04).

http://www.dodf.df.gov.br/index/visualizar-arquivo/?pasta=2020/04_Abril/DODF 075 22-04-2020/&arquivo=DODF 075 22-04-2020 INTEGRA.pdf

Aporte de R$210 milhões em 2019, e prejuízo de R$395 milhões em BSB.

Link to post
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.




×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade