Jump to content

GRU Airport pode entrar em recuperação judicial


Rafaelguimaraes

Recommended Posts

Aeroporto de Guarulhos: recuperação judicial à vista?


A GRU Airport, concessionária que opera o Aeroporto Internacional de Guarulhos, corre sério risco de paralisar suas operações. A afirmação é da Grant Thornton, responsável pela auditoria de seu balanço.


Entre os fatores que podem levar a empresa a um pouso forçado, estão o prejuízo acumulado de R$ 666 milhões no semestre; o patrimônio líquido negativo de R$ 894 milhões (isto é, se a empresa vendesse tudo o que possui, ainda ficaria devendo); e o fato de que a GRU não reservou dinheiro para pagar a outorga fixa da concessão, que venceu em 11 de julho. Uma coisinha de R$ 1,1 bilhão.


A GRU é formada pela Invepar e pela sul-africana ACSA. As informações são do Valor.

Link to comment
Share on other sites

Lembro que há um tempo atrás me ofereceram debentures da GRU Airport. As taxas eram super atrativas, mas acabei não entrando. Acho que fiz a coisa certa...vendo o balanço parece que a casa (ou o aeroporto) caiu! Superestimaram muito o aeroporto. O mesmo aconteceu com VCP e GIG.

 

Sds

Link to comment
Share on other sites

Lembro que há um tempo atrás me ofereceram debentures da GRU Airport. As taxas eram super atrativas, mas acabei não entrando. Acho que fiz a coisa certa...vendo o balanço parece que a casa (ou o aeroporto) caiu! Superestimaram muito o aeroporto. O mesmo aconteceu com VCP e GIG.

 

Sds

 

Infelizmente o modelo de concessão furado da nisso. Os 5 aeroporto que foram "concedidos" são fumos totais!

 

Considero CNF o menos pior, foi o menor valor de compra de todos os 5 alem de demandar menores investimentos que os outros 4. De patinho feio, CNF pode ter sido o menos pior de todos.

Link to comment
Share on other sites

Entre uma estrada e um aeroporto, o mais lucrativo é a estrada.

 

Lucro = Receita - Deespesa

 

Se os custos nos aeroportos não fossem tão altos, talvez não estariam tão ruins financeiramente.

 

Alimentação, taxas de embarque, aluguel, estacionamento...

 

Mas o "estacionamento" para avião no pátio não é caro, vai ver se uma empresa deixaria de voar para GRU por causa disso...

Link to comment
Share on other sites

Lembro que há um tempo atrás me ofereceram debentures da GRU Airport. As taxas eram super atrativas, mas acabei não entrando. Acho que fiz a coisa certa...vendo o balanço parece que a casa (ou o aeroporto) caiu! Superestimaram muito o aeroporto. O mesmo aconteceu com VCP e GIG.

 

Sds

Eu comprei

 

:cry: :cry: :cry: :cry: :cry: :cry: :cry:

Link to comment
Share on other sites

Eu também achei para falar a verdade mas andei pensando melhor e se a minha memoria não me falha eles não fizeram o pagamento de outorga porque ficaram sem receber o valor do BNDES. Isso tambem aconteceu com a concessionária do GIG, NAT entre outros.

 

Mas de qualquer forma é preocupante.

Link to comment
Share on other sites

só eu achei esquisito a empresa responsável pela auditoria dar esse tipo de declaração? Pode isso?

 

Acho que a conclusão sobre a Recuperação Judicial é do colunista....

Segundo consta o balanço foi aprovado com ênfase na dúvida sobre a capacidade da continuidade operacional da companhia, em razão do prejuízo acumulado e do passivo circulante superando os ativos circulantes (o que não chega a ser uma novidade) e a falta de previsionamento do pagamento da outorga (Foi feito um parcelamento unilateral pela concessionária).

A questão da GRU airport é que os valores da outorga tem um impacto muito grande sobre o balanço.

 

 

A recuperação Judicial resolveria este problema?

Provavelmente não. Seria bastante controverso incluir as dívidas da contrapartida da outorga na Recuperação Judicial, a tendência é que elas tenham o mesmo tratamento das dívidas fiscais, pois o seu inadimplemento é meramente contratual, o que poderia levar a extinção da concessão.

 

Em outras palavras a Auditoria disse que se for necessário cumprir as atuais condições da outorga, a concessionária deixará de operar, o que os auditores podem e devem fazer.

 

O caminho é o Criador salvar a criatura, renegociando os contratos de concessão (por qualquer instrumento jurídico válido) que se mostram completamente desequilibrados para os concessionários

 

A divulgação de um balanço com estas resssalvas feitas pelos auditores é mais um instrumento de pressão político para isso.

 

Eu também achei para falar a verdade mas andei pensando melhor e se a minha memoria não me falha eles não fizeram o pagamento de outorga porque ficaram sem receber o valor do BNDES. Isso tambem aconteceu com a concessionária do GIG, NAT entre outros.

 

Mas de qualquer forma é preocupante.

 

A GRU decidiu parcelar o valor da outorga...com que o BNDES concordou....em nenhum momento citou problemas de repasse.

Acho que a questão é mais conjectural mesmo.

 

Abraços

Link to comment
Share on other sites

Gente a situação certamente é séria mas MUITO CUIDADO com notícias do Antagosnista.

 

Eles escrevem o que eles querem que ocorra como se já fosse notícia e isso confunde mais do que esclarece!

Link to comment
Share on other sites

Nestes dias teremos aeroportos voltando para Infraero.

Dilma fora do poder as construtoras e consórcios se ferraram. Dilma com certeza passaria a mão na cabeça deles

visando apoio a campanha de Lula em 2018.

Lascou-se

Link to comment
Share on other sites

Sem querer defender, mas a taxa de acerto do O Antagonista anda bem alta...

 

E vamos lá, não sejamos ingênuos. Esse modelo petista-bolivariano de concessão que foi utilizado em GRU, VCP, BSB e CNF é uma tremenda fria para as empresas. Outorgas caríssimas seguidas de uma baita crise criada por quem concedeu os ativos. As empresas nem tiveram tempo de imaginar lucrar alguma coisa. E, à exceção do pensamento comunista, empresa depende de lucro.

 

O governo atual tem totais condições de ajustar essa situação se quiser. Vamos ver e torcer/cobrar para que não fiquem sentados em cima do problema.

Link to comment
Share on other sites

O GIG tb, inclusive a RioGaleao venceu oferecendo bem mais do que foi oferecido por GRU.

 

So q nao estavamos nessa crise. Devem ajustar os pagamentos a realidade atual.

 

Provavelmente devem vender a parte que ainda ficou com a Infraero ( 49 % ).

 

Diga-se que essa participacao eh enorme para quem nao faz quase nada.

Link to comment
Share on other sites

Essa participação de 49% nada mais é do q populismo. E quando a conta do populismo chega, haja dinheiro capitalista pra pagar...

 

É o mesmo caso dos 30% de participação da Petrobrás no pré sal.

 

A ideia era muito clara na época: "privatizar" mas sem cara de privatização. Mas certas coisa são binárias e não funcionam no meio isso, meio aquilo.

 

Agora o problema aterrissou nessas empresas e quero ver como elas vão sair dessa enrascada.

Link to comment
Share on other sites

Se era um péssimo negócio como alguns afirmam, porquê entraram na disputa?

O cenário econômico era mais favorável, tinha interesses políticos, dinheiro do BNDES na jogada (privatização com dinheiro público...) etc.

Link to comment
Share on other sites

O cenário econômico era mais favorável, tinha interesses políticos, dinheiro do BNDES na jogada (privatização com dinheiro público...) etc.

Isso é fato, mas acredito que faltou uma melhor análise de riscos

Link to comment
Share on other sites

Essa história é velha. Na hora de comprar ativos do governo ou ganhar concessões, oferecem uma fortuna, sabendo que não vão poder pagar.

O calote era certeza. Na época dos leilões, todos ficaram sem acreditar como os concessionários pagariam a outorga.

O calote está aí.

Link to comment
Share on other sites

Posted · Hidden by A345_Leadership, August 23, 2016 - No reason given
Hidden by A345_Leadership, August 23, 2016 - No reason given

Essa história é velha. Na hora de comprar ativos do governo ou ganhar concessões, oferecem uma fortuna, sabendo que não vão poder pagar.

O calote era certeza. Na época dos leilões, todos ficaram sem acreditar como os concessionários pagariam a outorga.

O calote está aí.

Link to comment

Essa história é velha. Na hora de comprar ativos do governo ou ganhar concessões, oferecem uma fortuna, sabendo que não vão poder pagar.

O calote era certeza. Na época dos leilões, todos ficaram sem acreditar como os concessionários pagariam a outorga.

O calote está aí.

Dissestes a mais pura verdade, me recordo que a operadora do aeroporto de Frankfurt ainda mencionou que os valores pagos jamais dariam retorno ao operador, agora está aí o porquê de oferecer tanto...era para não pagar depois

Link to comment
Share on other sites

Quando vimos as maiores operadoras do mundo perdendo o leilão do mais importante aeroporto da América do Sul, para mequetrefes que administram aeroportos sabe-se lá onde, algo de mal cheiroso estava no ar.

 

Está aí.

 

Desculpem-me mas GRU merecia um administrador do porte de Shangi, Munique ou Frankfurt. E sem empreiteiras locais e Infraero no meio.

Link to comment
Share on other sites

Na época dos leilões estavam todos anestesiados com as injeções do BNDES em qualquer coisa (leia: qualquer coisa que rendesse uma graninha pros companheiros).

 

Como mencionou nosso colega acima, foi um caso bem típico nosso de dar nó em pingo dágua: privatizações com dinheiro público! Vai explicar isso para um gringo...

 

Com certeza as empresas deveriam ter feito uma análise melhor, mas se assim fosse, as "privatizações", na minha visão, nem teriam acontecido.

 

Vejam como esse histórico horrível começa a nós impactar hoje. Além do calote das concessionárias (que nós iremos pagar), novas privatizações serão muito mais criteriosas, principalmente do ponto de vista das empresas (vide caso da CELG-D).

Link to comment
Share on other sites

Isso é fato, mas acredito que faltou uma melhor análise de riscos

 

 

Todo mundo sabia que o Brasil entraria em crise desde 2013. Era só uma questão de tempo!

Link to comment
Share on other sites

Na época dos leilões estavam todos anestesiados com as injeções do BNDES em qualquer coisa (leia: qualquer coisa que rendesse uma graninha pros companheiros).

Todos? Antes de responder essa sua afirmação que tal ver quem ganhou os leilões:

  • OAS, em Guarulhos;
  • Engevix, em Brasília;
  • UTC, em Viracopos

 

Agora vejamos algumas das pessoas juridicas que se envolveram na lava jato:

  • Engevix
  • OAS
  • UTC
  • Queiroz Galvão
  • Odebrecht
  • Camargo Correa
  • Mendes Junior

 

Eu talvez esteja vendo padrão onde não existe, mas ninguém pagaria a outorga que foi pedido nos aeroportos de VCP, GRU e BSB.

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade