Jump to content

Após três anos de retração, Azul aumenta oferta e traz de volta aviões


teiacontabil

Recommended Posts


Após três anos de retração, Azul aumenta oferta e traz de volta aviões

Depois de se desfazer de 34 aviões nos últimos três anos por causa da queda de demanda, a Azul começa a trazer de volta parte dessas aeronaves













image.JPG

Após três anos de retração, Azul aumenta oferta e traz de volta aviões



PUBLICADO EM 14/06/17 - 09h41


AGÊNCIA ESTADO


Depois de se desfazer de 34 aviões nos últimos três anos por causa da queda de demanda, a Azul começa a trazer de volta parte dessas aeronaves. Duas delas, que haviam sido arrendadas para a portuguesa TAP e cujos retornos estavam programados para 2018 e 2019, chegarão no Brasil neste ano - a primeira já em julho. A empresa tem ainda ampliado sua oferta introduzindo aviões maiores na frota. A estratégia, diz o presidente da companhia, Antonoaldo Neves, é "criar demanda".


"Chegamos a cortar 20% da oferta (medida por assento-quilômetro disponível) na crise. Hoje já estamos voltando. Claro que ainda não está no nível anterior (a 2014)", disse Neves ao Estado, em entrevista em que fez questão de ressaltar que não deixará seu cargo. "A notícia está totalmente errada", frisou, em referência aos rumores que circulam no mercado sobre sua possível saída da Azul.


Em relação à retomada da oferta, o executivo explicou que a intenção não é aumentar os assentos de forma indiscriminada, mas apenas em rotas em que os atuais aviões estão pequenos para atender a procura. "Estamos cirurgicamente tentando apertar os parafusos." No acumulado dos cinco primeiros meses do ano, a empresa já aumentou sua oferta em 8,3%.


Dos 34 aviões que a Azul se desfez nos últimos três anos, 15 foram arrendados à TAP e 19 vendidos ou devolvidos. Atualmente, a maior parte dos aviões da empresa é composta por aeronaves da Embraer com 118 lugares. Em 2014, a Azul encomendou 65 aviões da Airbus com capacidade para 174 pessoas. Esses modelos já começaram a ser entregues e tem garantido a ampliação da oferta


"Hoje, eu voo de Confins (em Minas Gerais) para Buenos Aires de E-Jet (modelo da Embraer). Não é a operação mais eficiente. Deveria ser de Airbus, mas não tenho um para colocar na rota. O que buscamos é diminuir nosso custo unitário", disse o executivo - aviões maiores, desde que cheios, permitem que o custo de operação por passageiro embarcado se dissolva. "Tenho mercados que cresceram muito e preciso colocar um avião que leve mais passageiros na rota, fica mais econômico do que colocar dois E-Jet."


A troca de aeronaves em algumas rotas fará com que aviões menores sejam liberados para atender novos destinos. A Azul pretende entrar em dez cidades em 12 meses e analisa outras 20 para os três anos seguintes. "Serão novas rotas nesse mesmo conceito da Azul (cidades em que não atuam concorrentes). A gente está em um jogo de criar um mercado que hoje não existe."


O especialista em aviação André Castellini, da Bain & Company, vê essa estratégia de ampliação da oferta mais relacionada ao "apetite da Azul para crescer" do que com o cenário do consumo brasileiro. Segundo Castellini, não há um fortalecimento significativo da demanda no País. "A impressão é que o (resultado econômico do) primeiro trimestre foi um soluço."


No setor de aviação houve um aumento de demanda doméstica de 0,5% nos quatro primeiros meses do ano. A oferta recuou 0,8%, o que indica que as empresas ainda estão cortando o número de assentos oferecidos. A demanda por voos internacionais no país, porém, cresceu 11,1% no mesmo período.



Fonte: http://www.otempo.com.br/capa/economia/ap%C3%B3s-tr%C3%AAs-anos-de-retra%C3%A7%C3%A3o-azul-aumenta-oferta-e-traz-de-volta-avi%C3%B5es-1.1485803



Link to comment
Share on other sites

  • Replies 58
  • Created
  • Last Reply

"Hoje, eu voo de Confins (em Minas Gerais) para Buenos Aires de E-Jet (modelo da Embraer). Não é a operação mais eficiente. Deveria ser de Airbus, mas não tenho um para colocar na rota. O que buscamos é diminuir nosso custo unitário", disse o executivo - aviões maiores, desde que cheios, permitem que o custo de operação por passageiro embarcado se dissolva. "Tenho mercados que cresceram muito e preciso colocar um avião que leve mais passageiros na rota, fica mais econômico do que colocar dois E-Jet."

 

Comentario: Isso tá me cheirando a entrada do 320N logo logo na rota e seguramente um desses dois E195 na rota hoje iniciará VCP-MVD-MVD até se consolidar e entrar tb o 320N.

Link to comment
Share on other sites

O ruim de colocar um A320 em EZE é que talvez não consiga oferecer 2 diários. 2 voos com E195, mesmo não sendo a operação mais eficiente deve ser melhor que oferecer 1 diário de Neo.

Link to comment
Share on other sites

 

A troca de aeronaves em algumas rotas fará com que aviões menores sejam liberados para atender novos destinos. A Azul pretende entrar em dez cidades em 12 meses e analisa outras 20 para os três anos seguintes. "Serão novas rotas nesse mesmo conceito da Azul (cidades em que não atuam concorrentes). A gente está em um jogo de criar um mercado que hoje não existe."

 

 

 

Alguém arrisca quais serão? Na Bahia, Guanambi deve entrar. A Seinfra está fazendo estudos para ajuste da pista, para o ATR operar lá.

 

Outras que já li sobre possíveis operações: Caruaru, Serra Talhada, Mossoró (já no hotran)...

Link to comment
Share on other sites

^^

Com a reforma do aeroporto de Salinas, eu acredito que a cidade entre na malha, assim como Paragominas.

Deus te ouça!

 

Não vejo a hora de ter um voo direto pra lá, sempre vou pra Rio Pardo de Minas que é bem próximo e hoje a única opção é ir ate MOC e de lá pegar um táxi, carona ou ônibus, levando mais 4 a 5h de viagem.

Link to comment
Share on other sites

O ruim de colocar um A320 em EZE é que talvez não consiga oferecer 2 diários. 2 voos com E195, mesmo não sendo a operação mais eficiente deve ser melhor que oferecer 1 diário de Neo.

 

Pro passageiro, 2 diários é melhor que 1. Permite escolher a cia por achar opções adequadas de ida e volta.

Além do que, voar no 2-2 do 190 é mais confortável que no 3-3 do 320.

Link to comment
Share on other sites

O ruim de colocar um A320 em EZE é que talvez não consiga oferecer 2 diários. 2 voos com E195, mesmo não sendo a operação mais eficiente deve ser melhor que oferecer 1 diário de Neo.

 

Mesmo com 2 diários de A320 da pra sustentar e manter os voos cheios, pois o custo por assento no E195 para voos longos é mais alto, com o A320neo conseguem baixar os custos e o valor das passagens, além de que esse voo sempre vai carregado de conexões.

Link to comment
Share on other sites

O ruim de colocar um A320 em EZE é que talvez não consiga oferecer 2 diários. 2 voos com E195, mesmo não sendo a operação mais eficiente deve ser melhor que oferecer 1 diário de Neo.

 

Quem sabe podem colocar um ANeo pela manha e um E195 na parte da noite e juntando os dois baratear um pouco os preços.

Link to comment
Share on other sites

Parintins deve voltar.

 

JJD é questao de tempo apenas.

 

Parintins depende do aeroporto voltar com operações diurnas, que ainda não foram liberadas, e do remanejamento de malha aérea para liberar aeronave.

 

Por curiosidade, CNF/EZE tem mais ou menos uma duração aproximada em relação ao CNF/PVH.

Link to comment
Share on other sites

 

Mesmo com 2 diários de A320 da pra sustentar e manter os voos cheios, pois o custo por assento no E195 para voos longos é mais alto, com o A320neo conseguem baixar os custos e o valor das passagens, além de que esse voo sempre vai carregado de conexões.

Mas isso até os E195-E2 entrarem em operação. Li em uma reportagem que o custo por assento do 195-E2 é "semelhante ao de aeronaves maiores remotorizadas". Isso de o embraer não ser muito eficiente em rotas longas deve acabar agora com os novos motores.

Link to comment
Share on other sites

 

Parintins depende do aeroporto voltar com operações diurnas, que ainda não foram liberadas, e do remanejamento de malha aérea para liberar aeronave.

 

As operacoes diurnas estao liberadas em PIN desde o inicio do mes.

Link to comment
Share on other sites

Quem sabe Franca tenha uma oportunidade

Prometeram que em 2011/12 iniciaria, mas...

 

Na minha opinião a demanda deve ser reprimida para Franca, pois tem RAO e UBA já operando próximos.

Link to comment
Share on other sites

As operacoes diurnas estao liberadas em PIN desde o inicio do mes.

Apenas umabdas cabeceiras, foi identificado risco de pousar e nao sair por causa do vento. Adicionalmente nem tudo foi ajustado, tem buraco na pista, risco de fauna prevalece...

Link to comment
Share on other sites

Azul quer antecipar devolução de dois aviões arrendados à TAP

 

TAP diz que a devolução está programada desde 2016

 

A companhia aérea brasileira Azul, futura accionista da TAP, antecipou os retornos de dois aviões que arrendou à companhia portuguesa, escreve a imprensa brasileira, que diz que os retornos estavam programados para 2018 e 2019, mas serão efectivados já este ano, o primeiro deles em Julho.

 

A informação foi avançada ao “Estadão” pelo presidente da companhia, Antonoaldo Neves, que afirma que a Azul está de novo numa fase de expansão. “Chegamos a cortar 20% da oferta (medida por assento-quilómetro disponível) na crise. Hoje já estamos voltando. Claro que ainda não está no nível anterior (a 2014)”, afirmou.

 

Contactada pelo PressTUR, a TAP diz que a devolução desses dois aviões, de modelo A330, está programada desde 2016 e não irá afectar a operação da transportadora.

 

A TAP recebe três aviões A330 este ano, o que corresponde a um aumento de uma aeronave desse modelo face ao ano passado, porque dois desses aviões vão substituir os dois que devolve à Azul.

 

O primeiro desses três A330 já está em operação na TAP, o segundo deverá entrar na próxima semana e o terceiro será entregue à companhia portuguesa em Julho.

 

O presidente da Azul, Antonoaldo Neves, que aproveitou para desmentir que esteja de saída da companhia aérea, especificou que a Azul chegou retirar 34 aviões, de que a notícia do “Estadão” diz que “15 foram arrendados à TAP e 19 vendidos ou devolvidos”.

 

Antonoaldo afirma que além de mais aviões a companhia está a apostar em utilizar aviões de maior porte, dizendo que “o que buscamos é diminuir nosso custo unitário”.

 

Os aviões de menor capacidade actualmente na frota, por sua vez, serão pata abrir novas rotas, com a Azul a indicar que pretende chegar a dez cidades em 12 meses.

 

Fonte: Presstur.com

 

Comentarios: Será q a pressa dessa aeronave é só pra tornar o VCP-LIS-VCP Diário ou vem novidade de novas rotas por ahi?

 

Link to comment
Share on other sites

^^

Com a reforma do aeroporto de Salinas, eu acredito que a cidade entre na malha, assim como Paragominas.

Salinas e Paragominas na malha da azul? com atr72?

 

So se for no flight simulator ou então de caravan.

 

Paragominas tem um agronegocio ate razoavel mas sao 300 km de distancia da capital em estrada boa.

 

Salinas é um balneario que fora de julho é uma cidade fantasma.alem disso sao 250 km para bel.

Link to comment
Share on other sites

No Pará

Salinas e Paragominas na malha da azul? com atr72?

 

So se for no flight simulator ou então de caravan.

 

Paragominas tem um agronegocio ate razoavel mas sao 300 km de distancia da capital em estrada boa.

 

Salinas é um balneario que fora de julho é uma cidade fantasma.alem disso sao 250 km para bel.

No Pará é mais possível um retorno à Itaituba que acrescentar esses dois municípios. Itaituba, apesar de estar próximo à Santarém, é uma cidade de quase 100 mil habitantes e faz parte do chamado Arco Norte, um novo corredor de exportação do agronegócio brasileiro, especialmente produtos oriundos do Mato Grosso, com perspectiva de instalação de empresas para operar portos na localidade, sendo atendido hoje apenas pela MAP em operações que não são diárias.

Link to comment
Share on other sites

Apenas umabdas cabeceiras, foi identificado risco de pousar e nao sair por causa do vento. Adicionalmente nem tudo foi ajustado, tem buraco na pista, risco de fauna prevalece...

Garanto a voce que buraco na RWY nao tem.

 

Pousos apenas pela THR predominante, 06, é suficiente para mitigar o risco da fauna, visto que nao se sobrevoa a cidade/aterro.

 

Decolagens pela THR 24 segue o mesmo principio.

 

Vejo com muito mais preocupacao a operacao VFR noturna sem AFIS do que o risco da fauna, hoje. O Black Hole la é sinistro

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.


×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade