Jump to content

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

MLN-SJP

LATAM J: Consistencia do produto

Recommended Posts

Ola Pessoal,

 

 

Nos últimos 6 meses fiz diversos trechos em executiva pela TAM. Estes voos foram para diversos destinos (MIA, MCO, MEX, FRA e MAD) e equipamentos (767, 77W e 350). Percebo que existe uma enorme inconsistência no produto e não estou falando apenas de hardware. Obviamente o assento do 350 e muito melhor que o do 77W e do 767, mas considero todos bastante aceitáveis. Na verdade mesmo o tao mal falado assento do 77W eu nada achei ruim, e de fato acho ate melhor que o assento J do 772 da BA (olhando para trás e mais apertado).

O serviço em si eu considero inconsistente. Por exemplo no 350 havia distribuição de pijamas (ainda que com a marca TAM), recepcao com meu nome, acompanhamento ate o assento, etc.. e nunca vi isto em nenhum outro voo. A única coisa consistente e que o serviço de catering e MUITO abaixo de outras companhias para o mesmos serviço.

Não estou aqui tentando criar guerra LATAM X Singapore, não e este, mas tentar entender qual e o perfil do produto. Qual o padrão? O do voo para o MEX onde não teve nada, nem recepção, nem pijamas ou do voo de MAD, com recepção pelo nome, ajuda na cadeira, pijamas a bordo (não que eu me importe, mas chama a atenção)?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Eu sinto a mesma coisa, uns voos surpreendem pela gentileza, outros pelo descaso, sempre é assim comigo na JJ.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Na verdade a Tam morreu e a Latam faz o que quer e não liga para o passageiro como era pra se importar no tópico ''livre para voar'' verá que a Gol está bem a frente da Latam em vários aspectos, se aqui tivessemos concorrência de verdade a Latam em 3 anos já teria se esgotado de vez.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Na verdade a Tam morreu e a Latam faz o que quer e não liga para o passageiro como era pra se importar no tópico ''livre para voar'' verá que a Gol está bem a frente da Latam em vários aspectos, se aqui tivessemos concorrência de verdade a Latam em 3 anos já teria se esgotado de vez.

 

G3 e JJ só não quebraram de vez porque encolheram, fizeram ajustes de oferta, devolveram aviões, pegaram empréstimos, venderam participações acionárias, etc.

 

 

6M17/6M17 doméstico

 

G3 -590mil PAX (-3,9%)

JJ -906mil PAX (-6.3%)

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

G3 e JJ só não quebraram de vez porque encolheram, fizeram ajustes de oferta, devolveram aviões, pegaram empréstimos, venderam participações acionárias, etc.

 

 

6M17/6M17 doméstico

 

G3 -590mil PAX (-3,9%)

JJ -906mil PAX (-6.3%)

quebraram ou deram uma quebrada? eu refiro a falencia,mas creio que que é mais facil a latam quebrar que a gol

Share this post


Link to post
Share on other sites

Ambas têm muita coisa pra cortar (rotas deficitárias vs aumentar tarifas) ou vender...

 

A G3 por exemplo vai vender +1% de participação do SMLE3 pra captar R$76.3 milhões.

 

http://ri.voegol.com.br/download_arquivos.asp?id_arquivo=42CD79A7-2ED7-46B5-B0EA-78F9EBD7E6DA

 

A) Voltou ao prejuízo no 2T;

B) Está sem caixa pro "relifting" da frota;

C) Dívidas vencendo;

D) Todas as alternativas anteriores;

E) Nenhuma das alternativas anteriores? a conferir no próximo ITR.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Acho que você utilizou uma palavra perfeita: inconsistência!

 

A Latam realmente precisa arrumar a casa e obviamente nossa expectativa é que o serviço de classe executiva, para quem não tem primeira classe, deveria ser uma espécie de vitrine (e por isso uma das primeiras tarefas na qual existe necessidade de gastar energia), mas obviamente não é.

 

Na época dos A330 a vantagem é que era o único equipamento long haul e por isso a Tam conseguiu marcar (quando eram só 10 aeronaves e algumas inclusive foram depois alugadas). Depois que trocaram o então inovador assento 180 graus pelos lie-flat parece que começaram a perder o rumo. Tiveram oportunidades com os 77W e não aproveitaram, daí veio o 767-300ER com o assento da LAN, e passaram a ser tres modelos.

 

Agora vem o A350 e com a saida do A330, continuamos tendo 3 modelos. Era de se esperar que a empresa, ao menos, anunciasse a modernização e/ou padronização. Toda cia busca isso, nem que seja para dizer que tal aeronave vai ficar de jeito B e vai operar rotas diferenciadas.

 

O catering é algo mais fácil de resolver, mas depende da Latam olhar para fora (como toda cia sempre faz) e rever seu serviço. Isto pode ser afinado em poucas semanas.

 

O mesmo para o serviço em si... padronizar é preciso. Surpreender é necessário, Exceder expectativas tem que ser o foco.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sua última frase diz tudo Lipe!,!!

 

Tem coisas que a Latam faz umas vezes por opção , outras não ....no quesito pijamas , realmente ouvi falar que foram distribuídos , mas única e exclusivamente na rota Madri, para aproveitar que estavam guardados no estoque desde quando a Tam teve primeira classe.....apenas desovaram.

Os deliciosos futons parece que serão um serviço para toda malha internacional, mas como no B777 e B767 não há espaço onde pôr, ficam limitados ao A350.. ...

Já chamar pelo nome ou não , fica a critério do tripulante dispor ou não da lista( e tb da boa vontade ) com os nomes, que nem sempre chega ou não consta no tablet do chefe do voo.....

Já as refeições , melhoraram muito, mudarám todo cardápio depois das críticas do simplório cardápio que chegou na fusão , é motivo de elogios, mas é claro, sempre há o que melhorar

Share this post


Link to post
Share on other sites

Voei no A350 na Business premium, também foram distribuídos estes pijamas tanto na ida como na volta, nos trechos GRU/CDG/GRU. A necessaire era de Salvatore ferragamo e, o restante do serviço, achei impecáveis (futons, menu com camarões e vieiras ou escondidinho de carne, atendimento personalizado por sobrenome pelos comissários). Muito boa impressão!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Voei no A350 na Business premium, também foram distribuídos estes pijamas tanto na ida como na volta, nos trechos GRU/CDG/GRU. A necessaire era de Salvatore ferragamo e, o restante do serviço, achei impecáveis (futons, menu com camarões e vieiras ou escondidinho de carne, atendimento personalizado por sobrenome pelos comissários). Muito boa impressão!

 

Isso mesmo....Mas ai vc pega o 767 de J para MEX ou MCO e o serviço e COMPLETAMENTE diferente......

Share this post


Link to post
Share on other sites

Acho que você utilizou uma palavra perfeita: inconsistência!

 

A Latam realmente precisa arrumar a casa e obviamente nossa expectativa é que o serviço de classe executiva, para quem não tem primeira classe,

 

O mesmo para o serviço em si... padronizar é preciso. Surpreender é necessário, Exceder expectativas tem que ser o foco.

 

 

Pois e Lipe. A TK não tem First, mas tem uma executiva absurda de boa.... Alias em outubro tenho GRU-IST-SGN-HAN-IST-GRU tudo de J na TK....

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sua última frase diz tudo Lipe!,!!

 

Tem coisas que a Latam faz umas vezes por opção , outras não ....no quesito pijamas , realmente ouvi falar que foram distribuídos , mas única e exclusivamente na rota Madri, para aproveitar que estavam guardados no estoque desde quando a Tam teve primeira classe.....apenas desovaram.

Os deliciosos futons parece que serão um serviço para toda malha internacional, mas como no B777 e B767 não há espaço onde pôr, ficam limitados ao A350.. ...

Já chamar pelo nome ou não , fica a critério do tripulante dispor ou não da lista( e tb da boa vontade ) com os nomes, que nem sempre chega ou não consta no tablet do chefe do voo.....

Já as refeições , melhoraram muito, mudarám todo cardápio depois das críticas do simplório cardápio que chegou na fusão , é motivo de elogios, mas é claro, sempre há o que melhorar

 

 

Eu havia imaginado que o pijama era uma coisa dos 350 e sobra da F...Ate porque eles tem a marca TAM e não LATAM neles...

Continuo achando fraco o cardápio, mas meu ultimo voo J foi em marco/abril

 

Mas de novo..No geral inconsistente.

Share this post


Link to post
Share on other sites

O produto é inconsistente e genérico.

 

Hoje, pelo que vejo, as maiores tarifas na J para os EUA são da AA e para a Europa da AF (ex GRU). Motivo: melhor hardware do mercado.

 

A JJ é exclusiva apenas em GRU-BCN e GRU-MXP e não é de se estranhar que utilizem o péssimo 767-300 neles.

 

Classe Executiva é 90% hardware para o público cativo da rota. Isso que me deixa impressionado. No início da década de 2000 a Lan Chile era uma das poucas Cias Aéreas com assento full flat na Business - assim como a TAM.

 

Enquanto tem umas com suíte, muitas outras com assentos de mais de 2 metros, com acesso ao corredor a todos, com colchão, travesseiro de gel, chef a bordo, Live TV e Wi-fi grátis, Bar, Snack Area, a LA/JJ parou no tempo.

 

Eu cansei de reclamar. Agora opto por quem oferece qualidade de assento e facilidade de dormir, assim como um bom Serviço de atendimento ao cliente (outro ponto PÉSSIMO da Latam).

 

E parem de culpar os Chilenos. Eu fiz SCL-BOG e v/v assim como SYD a pouco tempo com a LA e os Comissários eram INFINITAMENTE mais educados e polidos do que os da JJ.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Nem só na J, lá no fundão é a mesma coisa. Oscila de aviões velhos extremamente apertados, a outros bem reformados e com conforto apenas aceitável.

 

Os voos de A320 na América do Sul são sofríveis. Fiz um ASU-EZE essa semana, era o PR-MHQ, aeronave surrada e extremamente apertada. Já o AEP-GRU num LAN ARGENTINA, com bancos em couro, apesar de sujo e apresentando idade, era bem confortável. Já o PR-MAZ semanas atrás, era espaçoso e estava reformado. Vai entender...

 

Enfim, realmente não tem um padrão. Tenho optado por congêneres.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Nem só na J, lá no fundão é a mesma coisa. Oscila de aviões velhos extremamente apertados, a outros bem reformados e com conforto apenas aceitável.

 

Os voos de A320 na América do Sul são sofríveis. Fiz um ASU-EZE essa semana, era o PR-MHQ, aeronave surrada e extremamente apertada. Já o AEP-GRU num LAN ARGENTINA, com bancos em couro, apesar de sujo e apresentando idade, era bem confortável. Já o PR-MAZ semanas atrás, era espaçoso e estava reformado. Vai entender...

 

Enfim, realmente não tem um padrão. Tenho optado por congêneres.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Isso mesmo....Mas ai vc pega o 767 de J para MEX ou MCO e o serviço e COMPLETAMENTE diferente......

O treinamento, o serviço de bordo são o mesmo, só deixa a desejar a acanhada poltrona do B767 com seu 1,84m de comprimento e apenas 0,50 de largura

Share this post


Link to post
Share on other sites

Tão nem aí...lotam aviões na base do preço, e ainda estão melhor avaliados que TP (maior transportadora BR-Europa), AA e CM (maiores transportadoras pros EUA).

 

DC22h49VoAAA6-h.jpg

Share this post


Link to post
Share on other sites

O produto é inconsistente e genérico.

 

Hoje, pelo que vejo, as maiores tarifas na J para os EUA são da AA e para a Europa da AF (ex GRU). Motivo: melhor hardware do mercado.

 

A JJ é exclusiva apenas em GRU-BCN e GRU-MXP e não é de se estranhar que utilizem o péssimo 767-300 neles.

 

Classe Executiva é 90% hardware para o público cativo da rota. Isso que me deixa impressionado. No início da década de 2000 a Lan Chile era uma das poucas Cias Aéreas com assento full flat na Business - assim como a TAM.

 

Enquanto tem umas com suíte, muitas outras com assentos de mais de 2 metros, com acesso ao corredor a todos, com colchão, travesseiro de gel, chef a bordo, Live TV e Wi-fi grátis, Bar, Snack Area, a LA/JJ parou no tempo.

 

Eu cansei de reclamar. Agora opto por quem oferece qualidade de assento e facilidade de dormir, assim como um bom Serviço de atendimento ao cliente (outro ponto PÉSSIMO da Latam).

 

E parem de culpar os Chilenos. Eu fiz SCL-BOG e v/v assim como SYD a pouco tempo com a LA e os Comissários eram INFINITAMENTE mais educados e polidos do que os da JJ.

Concordo plenamente sobre a simpatia e serviço dos comissários da LAN. Peguei tb o SCL/AKL/SCL e me surpreendeu.

Share this post


Link to post
Share on other sites

O mesmo para o serviço em si... padronizar é preciso. Surpreender é necessário, Exceder expectativas tem que ser o foco.

 

Lipe, como eu disse n'outro tópico, a Latam de hoje me lembra muito a Tam nos tempos pré-Barioni, quando, numa tremenda crise de identidade e baixa qualidade nos serviços, lançaram a campanha paixão por voar e servir.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Revivendo o topico.

 

Semana passada peguei um SJP-CGH e estava na 23A (como sempre) e nave estava lotado. Um pouco antes dotai (ja com portas fechadas) o chefe de cabine veio, me chamou pelo nome (alias sobrenome) e disse que a tinha vaga tanto na emergencia quanto na primeira fileira e que eu tinha direito a estes assentos (Black) e me ofereceu. Eu ja estava bem (e sozinho nos 3 assentos) e agradeci. Mas NUNCA havia sido abordado pelo nome dentro dum avião da LATAM sem ser em J. Existe uma nova política?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Revivendo o topico.

 

Semana passada peguei um SJP-CGH e estava na 23A (como sempre) e nave estava lotado. Um pouco antes dotai (ja com portas fechadas) o chefe de cabine veio, me chamou pelo nome (alias sobrenome) e disse que a tinha vaga tanto na emergencia quanto na primeira fileira e que eu tinha direito a estes assentos (Black) e me ofereceu. Eu ja estava bem (e sozinho nos 3 assentos) e agradeci. Mas NUNCA havia sido abordado pelo nome dentro dum avião da LATAM sem ser em J. Existe uma nova política?

 

Engraçado que a LAN sempre teve esse foco. Seja Chile, Colômbia ou Peru. Clientes Emerald recebem boas-vindas pessoais.

 

Eu quando voava LAN mesmo sendo cliente American Airlines, sempre fui chamado pela comissária chefe, recebia as boas vindas de forma pessoal, com a pessoa me cumprimentando pelo nome antes da decolagem.

Isso aconteceu em voos SCL-GIG, GRU-SCL, JFK-LIM, BOG-MIA, MIA-BOG, BOG-MDE-BOG, SCL-JFK e MIA-SCL.

 

Todas as vezes, independente de cabine.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sim, existe essa política. O tablet do chefe serve inclusive para isso. Para saudarmos os clientes top tier a bordo.

 

Revivendo o topico.

 

Semana passada peguei um SJP-CGH e estava na 23A (como sempre) e nave estava lotado. Um pouco antes dotai (ja com portas fechadas) o chefe de cabine veio, me chamou pelo nome (alias sobrenome) e disse que a tinha vaga tanto na emergencia quanto na primeira fileira e que eu tinha direito a estes assentos (Black) e me ofereceu. Eu ja estava bem (e sozinho nos 3 assentos) e agradeci. Mas NUNCA havia sido abordado pelo nome dentro dum avião da LATAM sem ser em J. Existe uma nova política?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Eu também sou Black e numa recebi boas vindas de forma pessoal na a Latam. Seja em vôos nacionais ou internacionais.

Também sou EP na American e sempre fui bem recebido ao entrar no avião. Já recebi na Cathay Pacific, Japan Airlines, British e Iberia por ser Emerald.

Na LATAM/LA somente no trecho FRA-MAD. Mas foi daquelas abordagens onde era melhor nem ter feito. O chefe de cabine foi como um robô nos assentos e antes lia o nome do passageiro em uma folha e repetia a mesma frase em alto e bom som. Rsrs

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sou Black Signature, e somente algumas vezes sou cumprimentado.

Share this post


Link to post
Share on other sites

×
×
  • Create New...