Jump to content

No aeroporto de Congonhas, festas atrapalham descanso de tripulação


Leirbag

Recommended Posts

Segue matéria que saiu hoje no Globo sobre as festas que têm rolado no estacionamento de CGH.

 

No aeroporto de Congonhas, festa atrapalha descanso de tripulação.

 

Pousos e decolagens encerram às 23, mas a noitada continua até às 6h.

 

SÃO PAULO — Segundo mais movimentado do país, o aeroporto de Congonhas fecha para pousos e decolagens às 23 horas, mas tem sido transformado em palco de festas raves nas madrugadas de sábado e domingo, causando transtorno aos moradores do entorno. As festas começaram há cerca de dois meses, depois da criação de um espaço multicultural na praça do edifício garagem do aeroporto. À época, a Infraero informou que a área era subutilizada e abrigaria atrações culturais alternadas para dar entretenimento às pessoas que utilizam o aeroporto.

A professora Maria Lúcia Martinelli, que mora na Avenida Invernada, vizinha ao aeroporto, afirma que, na madrugada do último sábado, a música eletrônica começou às 23 horas, depois do fechamento do aeroporto, e só parou às 6h da manhã, quando ele reabriu.

— Foi a quarta festa do tipo e o som é ensurdecedor. A batida é constante e o som tão alto que vibra tudo, as janelas trepidam. Ninguém dorme. Da última vez teve morador que foi dormir no carro, na garagem, porque o som fica mais abafado - diz ela.

— Não temos nada contra festas, mas é preciso ter proteção acústica. Ali não tem nada — explica.

A área de eventos é, na prática, o teto do estacionamento do aeroporto. Na internet, há um anúncio para a próxima festa, dia 5 de agosto, com duração de 12 horas, entre 18h e 6h. "A festa aterrissa no aeroporto de Congonhas para realizar sua maior edição", diz a publicação.

Marco Aurélio Marchetto, também morador do bairro, afirmou que chegou a ir ao aeroporto durante a madrugada, mas os seguranças lhe disseram que a festa tinha alvará da Prefeitura e autorização da Infraero. Funcionários de companhias aéreas moram nas proximidades já começam a se preocupar.

PUBLICIDADE

Segundo o dentista Fábio Silvestre, outro morador da vizinhança, os eventos estrearam com um baile funk, que também varou a noite e só terminou na manhã de domingo. Desta vez, com a mulher recém-operada, ele foi dormir na casa de um parente.

— É um desrespeito. O aeroporto fecha justamente para que as pessoas possam dormir e descansar. Agora vem o pancadão.

Há alguns anos, a Igreja Nossa Senhora do Guadalupe, na Rua Moraes de Barros, nas proximidades de Congonhas, parou de tocar o sino da igreja nas manhãs de domingo justamente porque o barulho era considerado acima do permitido por lei. A quantidade de decibéis das badaladas foi medida e o sino acabou proibido depois de reclamações de vizinhos.

Funcionários de companhias aéreas moram nos bairros próximos ao aeroporto, como Campo Belo, e já começam a se preocupar.

— A gente se apresenta no aeroporto perto de 5h30m da manhã para voar. A falta de descanso afeta a segurança do voo e já levamos o assunto para o Sindicato dos Aeronautas. Vários comissários e pilotos moram, inclusive, no mesmo prédio que o meu. Como vamos voar sem dormir? - conta a comissária de bordo Luciana Patrocínio, moradora da Rua Vieira de Moraes, que fica bem na direção do aeroporto.

Luciana explica que, como as festas acontecem ao ar livre e no alto, o som se propaga com o vento.

— Não tem nada para barrar o som. Os vidros das janelas tremem.

A comissária conta que até mesmo uma atividade rotineira de segurança de voo já foi impactada pelo barulho.

 

— É uma espécie de prova oral que fazemos dentro da aeronave, geralmente à noite, depois que o aeroporto fecha. Fizemos, mas o barulho atrapalhou bastante — relata.

Procurada, a assessoria da Infraero confirmou que a praça do estacionamento foi alugada para a empresa Drago Live em abril passado, um contrato comercial para realização de eventos no local. Informou que a empresa havia informado que faria testes para determinar o revestimento acústico das tendas. Agora, com a reclamação dos vizinhos, vai entrar em contato com a empresa para verificar as queixas e apurar o que está acontecendo.


Leia mais: https://oglobo.globo.com/brasil/no-aeroporto-de-congonhas-festa-atrapalha-descanso-de-tripulacao-21623753#ixzz4nm7LrBWr
stest

Link to comment
Share on other sites

Segue matéria que saiu hoje no Globo sobre as festas que têm rolado no estacionamento de CGH.

 

No aeroporto de Congonhas, festa atrapalha descanso de tripulação.

 

Pousos e decolagens encerram às 23, mas a noitada continua até às 6h.

 

SÃO PAULO — Segundo mais movimentado do país, o aeroporto de Congonhas fecha para pousos e decolagens às 23 horas, mas tem sido transformado em palco de festas raves nas madrugadas de sábado e domingo, causando transtorno aos moradores do entorno. As festas começaram há cerca de dois meses, depois da criação de um espaço multicultural na praça do edifício garagem do aeroporto. À época, a Infraero informou que a área era subutilizada e abrigaria atrações culturais alternadas para dar entretenimento às pessoas que utilizam o aeroporto.

 

A professora Maria Lúcia Martinelli, que mora na Avenida Invernada, vizinha ao aeroporto, afirma que, na madrugada do último sábado, a música eletrônica começou às 23 horas, depois do fechamento do aeroporto, e só parou às 6h da manhã, quando ele reabriu.

— Foi a quarta festa do tipo e o som é ensurdecedor. A batida é constante e o som tão alto que vibra tudo, as janelas trepidam. Ninguém dorme. Da última vez teve morador que foi dormir no carro, na garagem, porque o som fica mais abafado - diz ela.

— Não temos nada contra festas, mas é preciso ter proteção acústica. Ali não tem nada — explica.

A área de eventos é, na prática, o teto do estacionamento do aeroporto. Na internet, há um anúncio para a próxima festa, dia 5 de agosto, com duração de 12 horas, entre 18h e 6h. "A festa aterrissa no aeroporto de Congonhas para realizar sua maior edição", diz a publicação.

Marco Aurélio Marchetto, também morador do bairro, afirmou que chegou a ir ao aeroporto durante a madrugada, mas os seguranças lhe disseram que a festa tinha alvará da Prefeitura e autorização da Infraero. Funcionários de companhias aéreas moram nas proximidades já começam a se preocupar.

PUBLICIDADE

Segundo o dentista Fábio Silvestre, outro morador da vizinhança, os eventos estrearam com um baile funk, que também varou a noite e só terminou na manhã de domingo. Desta vez, com a mulher recém-operada, ele foi dormir na casa de um parente.

— É um desrespeito. O aeroporto fecha justamente para que as pessoas possam dormir e descansar. Agora vem o pancadão.

Há alguns anos, a Igreja Nossa Senhora do Guadalupe, na Rua Moraes de Barros, nas proximidades de Congonhas, parou de tocar o sino da igreja nas manhãs de domingo justamente porque o barulho era considerado acima do permitido por lei. A quantidade de decibéis das badaladas foi medida e o sino acabou proibido depois de reclamações de vizinhos.

Funcionários de companhias aéreas moram nos bairros próximos ao aeroporto, como Campo Belo, e já começam a se preocupar.

— A gente se apresenta no aeroporto perto de 5h30m da manhã para voar. A falta de descanso afeta a segurança do voo e já levamos o assunto para o Sindicato dos Aeronautas. Vários comissários e pilotos moram, inclusive, no mesmo prédio que o meu. Como vamos voar sem dormir? - conta a comissária de bordo Luciana Patrocínio, moradora da Rua Vieira de Moraes, que fica bem na direção do aeroporto.

Luciana explica que, como as festas acontecem ao ar livre e no alto, o som se propaga com o vento.

— Não tem nada para barrar o som. Os vidros das janelas tremem.

A comissária conta que até mesmo uma atividade rotineira de segurança de voo já foi impactada pelo barulho.

 

— É uma espécie de prova oral que fazemos dentro da aeronave, geralmente à noite, depois que o aeroporto fecha. Fizemos, mas o barulho atrapalhou bastante — relata.

Procurada, a assessoria da Infraero confirmou que a praça do estacionamento foi alugada para a empresa Drago Live em abril passado, um contrato comercial para realização de eventos no local. Informou que a empresa havia informado que faria testes para determinar o revestimento acústico das tendas. Agora, com a reclamação dos vizinhos, vai entrar em contato com a empresa para verificar as queixas e apurar o que está acontecendo.

Leia mais: https://oglobo.globo.com/brasil/no-aeroporto-de-congonhas-festa-atrapalha-descanso-de-tripulacao-21623753#ixzz4nm7LrBWr

stest

AHAHAHHHAHHAHAHAHAHAHAHAH

 

Brigaram tanto e a aviação se curvou e hj CGH fecha cedo.

 

Quero ver baterem de frente com os grande empresários da indústria fonográfica

 

Acho pouco!

Link to comment
Share on other sites

Peguei voo sabado de manha.... e era uma multidao de gente esquisita perambilando por congonhas... nao entendi nada... agora ta explicado.

Link to comment
Share on other sites

Já cheguei 2x em CGH de manhã cedo em fds e as festas estavam bombando ainda, música alta e muita gente. O som só acaba entre 7 e 8h.

Link to comment
Share on other sites

Mais uma visão comercial fatastica da estatal!
Já que o aeroporto fica ocioso das 23 as 6 vamos ganhar dinheiro fazendo uma balada!
E pensar que achávamos que o espaço de "eventos" era apenas um circo!

Link to comment
Share on other sites

E não precisa o aeroporto estar fechado...no ano passado a Infraero autorizou uma festa rave durante do funcionamento do aeroporto de jacarepagua, no estacionamento do aeroporto...

 

https://oglobo.globo.com/rio/bairros/aeroporto-de-jacarepagua-recebe-segunda-edicao-do-happy-holi-18428271

Link to comment
Share on other sites

Peguei voo sabado de manha.... e era uma multidao de gente esquisita perambilando por congonhas... nao entendi nada... agora ta explicado.

 

 

Aqui no SDU as festas não acontecem no aeroporto, mas em vários clubes e casas noturnas do entorno. Mas a "gente esquisita perambulando", fazendo sexo e as necessidades fisiológicas na rua, na frente de todos é a mesma.

Link to comment
Share on other sites

Engraçado né..
O AD fecha as 23h , devido - a rigor - ao barulho.
Aí, um iluminado pensa lá dentro: opa, vamos ganhar dinheiro?
Faz um evento queee..... é puro barulho.
Aí, a população reclama, imprensa veicula, mas....... a grana pingou na conta da Infrazero.
E eles disseram que estão fazendo TESTES?
apam3rda viu...

Mas não sei se o mal do BR é só a Infrazero... se colocar outra autarquia semelhante lá, vai ser a mesma pegada.
O mal do BR é o brasileiro, que se acha mais esperto que o outro e aí o motocontínuo social brasileiro nunca mais para.

Link to comment
Share on other sites

Engraçado né..

O AD fecha as 23h , devido - a rigor - ao barulho.

Aí, um iluminado pensa lá dentro: opa, vamos ganhar dinheiro?

Faz um evento queee..... é puro barulho.

Aí, a população reclama, imprensa veicula, mas....... a grana pingou na conta da Infrazero.

E eles disseram que estão fazendo TESTES?

apam3rda viu...

 

Mas não sei se o mal do BR é só a Infrazero... se colocar outra autarquia semelhante lá, vai ser a mesma pegada.

O mal do BR é o brasileiro, que se acha mais esperto que o outro e aí o motocontínuo social brasileiro nunca mais para.

 

E o mais irônico é que as companhias aéreas que pernoitam aeronaves em CGH não podem fazer manutenção que envolvam alto ruído (girar motor, por exemplo) devido ao barulho!

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade