Jump to content

Empresa aérea perde corpo, troca caixão em translado, e família se desespera


Silva

Recommended Posts

Empresa aérea perde corpo, troca caixão em translado, e família se desespera; “Queremos justiça!”

 

 

WhatsApp-Image-2018-06-28-at-12.57.11-1.

Leila Rosas Rodrigues era funcionária da Aleac e faleceu após um ataque do coração em Goiânia/GO

 

 

Uma família de Rio Branco/AC está indignada com o descaso da empresa aérea Gol. Em relato emocionado à equipe da ContilNet, Paulo Rosas Rodrigues, 59 anos de idade, relatou como o translado do corpo de sua irmã falecida, Leila Rosas Rodrigues, 56 anos, teve um atraso de dois dias para chegar à Capital acreana. “Leila faleceu no sábado (23) de um ataque do coração em Goiânia, quando fazia um tratamento na coluna. O procedimento do embalsamento foi feito corretamente. O corpo, cujo translado foi contratado pela empresa aérea GOL, era para chegar na madrugada de segunda-feira (25). Quando terminamos de ver todas as malas desaparecendo, ficamos em desespero. Minha outra irmã, que estava no mesmo voo, também se surpreendeu ao perceber que o caixão se perdeu no translado”, disse Paulo. A família entrou em contato com a empresa, que só atendeu aos familiares no dia seguinte, informando apenas que um contato com Brasília seria necessário. “Foi prometido que o corpo chegaria (no caixão) na terça-feira (26) ao meio-dia. Fomos enganados mais uma vez: o corpo só chegou à noite da terça-feira a noite”, afirmou Paulo.

 

De acordo com os familiares, outro agravante piora ainda mais a situação: o caixão comprado não veio, tendo sido substituído por outro de preço inferior e sem explicações à família da falecida. De Goiânia pra Brasília, não transportaram o caixão de um avião para outro. Nossa mãe tem 90 anos, e quando isso aconteceu, ela desabou ainda mais. Outro agravante foi a troca de caixões: havíamos comprado uma unidade com vidro na frente, em que é possível ver o rosto do falecido. Quando chegou, foi um caixão todo arranhado, velho”, disse Paulo. “Queremos justiça. Isso é um absurdo, não podemos deixar que nos tratem assim, com descaso e indiferença”, disse Paulo.

 

Fonte: https://contilnetnoticias.com.br/2018/06/empresa-aerea-perde-corpo-troca-caixao-em-translado-e-familia-se-desespera-queremos-justica/

 

Bom, nunca se sabe se essas reportagens relatam tudo como realmente aconteceu... mas porque foi preciso trocar o caixão?

Link to comment
Share on other sites

Respondendo a sua pergunta Silva, podem ser muitas coisas, inclusive violação, ou o caixão pode ter sido danificado no transporte.

Link to comment
Share on other sites

Como se confundem caixões em aeroportos? Quantos caixões passam por aeroportos todos os dias? Qual a chance de simplesmente extraviarem um CAIXÃO com um corpo dentro?

Link to comment
Share on other sites

Respondendo a sua pergunta Silva, podem ser muitas coisas, inclusive violação, ou o caixão pode ter sido danificado no transporte.

 

Certo, pode acontecer esses problemas como ocorre em outras bagagens despachadas. Em todo caso, imaginamos que esse tipo de carga, por ser bem menos frequente, seja mais bem "cuidada". E fico imaginando como essa situação deve ser dolorosa para as famílias...

Link to comment
Share on other sites

A outra irmã foi no mesmo voo que deveria ter ido a falecida no respectivo caixão, nesses casos não é aberta uma exceção para que um familiar acompanhe o carregamento do caixão no avião??

Link to comment
Share on other sites

eu já tive que lidar com esse tipo de situação e posso assegurar que algo deu muito errado neste caso; pra transporte de corpo, a companhia exige caixão com proteção extra de zinco, são necessárias licenças da polícia e atestados de óbito de médico/hospital, certidão do cartório, fora os formulários da propria companhia aérea que exige inclusive várias hórias de antecedência no terminal de cargas para despacho... enfim!

 

não é uma bagagem qualquer pra ser extraviada, é uma carga e nem tem como confundir com carga comum, é bizarro isso tudo.

Link to comment
Share on other sites

eu já tive que lidar com esse tipo de situação e posso assegurar que algo deu muito errado neste caso; pra transporte de corpo, a companhia exige caixão com proteção extra de zinco, são necessárias licenças da polícia e atestados de óbito de médico/hospital, certidão do cartório, fora os formulários da propria companhia aérea que exige inclusive várias hórias de antecedência no terminal de cargas para despacho... enfim!

 

não é uma bagagem qualquer pra ser extraviada, é uma carga e nem tem como confundir com carga comum, é bizarro isso tudo.

Iria falar exatamente isso...

Link to comment
Share on other sites

Quando entrei na aviação nos anos 80 a ocorrencia de problemas nos embarques de corpoos eram raras mas existiam . O cuidado no transporte de Restos Mortais , Animais Vivos e outros embarques especiais tinham uma atenção especial . O primeiro ponto era uma central de reserva eficiente registrando todas as informações pertinentes antes da chegada dos familiares para despacho do corpo, seja na parte documental , embalsamamento e outros dados . Quando o cliente se apresentava todas as informações já haviam sido previamente tratadas. No momento do despacho a primeira informação a ser confirmada pelo setor de cargas era ter a informação que a chance de cancelamento do voo era minima . Quando tinha escala o aviso ao gestor da base de conexão era garantia maxima para evitar qualquer contratempo . Mesmo assim ocorriam alguns problemas como cancelamento na conexão . Neste caso para minimazar os problemas presenciei fretamentos de taxi aereo para minimizar o transtorno dos familiares . Hoje o que vemos é um grande descaso com embarques especiais . Quantas vezes vemos crianças desacompanhadas, animais vivos , restos mortais se perderem nas conexões, tudo simplesmente pelo enxugamento das estruturas das empresas . Hoje apesar da automatização dos processos se não existir um corpo de funcionarios atentos aos embarques , principalmente nas conexões a chance de dar alguma coisa errada é muito grande . Pois aquela maxima do cachorro que tem dois donos se aplica , pois invariavelmente o cachorro vai morrer por falta de comida . Mas voltando ao embarque do post há inumeras suposições mas a que muito provavelmente se aplica é que o voo na base de conexão tenha saido no horário e tenha faltando um pequeno cuidado em verificar se havia alguma conexão especial que não podia ficar no chão e simplesmente tenha o voo sido liberado e quando chegou a conexão pelo prazo curto o reembarque não tenha sido honrado para não computar o atraso na conexão . Mas novamente reforço as vezes um pouco de cuidado no monitoramento destes embarques evitam desgates desnecessários a imagem da empresa que passa um descuido ,ineficiencia e principalmente descaso perante a opinião por não cuidar do minimo.

Link to comment
Share on other sites

Um chute meu, mas acredito que aconteceu um "acidente" com o caixão e a cia. resolveu trocar...arranjaram outro e colocaram o corpo nele; SE isto aconteceu não foi transparente por parte da empresa, vício maldito de um país que não preza pela transparencia ( não somos os únicos ok ) e deixa uma bizarrice destas acontecerem.

Link to comment
Share on other sites

Pode ser só impressao, mas desde que a Gol abandonou a Swissport o cuidado com as malas e cargas piorou bastante. Mês passado perderam pela 1a vez a mala da minha mãe num BSB-SSA e foram devolver a ela já em Aracaju bastante danificada. Agora, atrasar a entrega de um caixao e ainda por cima trocá-lo, além de absurdo, dá margem a uma série de interpretações.

Link to comment
Share on other sites

Um chute meu, mas acredito que aconteceu um "acidente" com o caixão e a cia. resolveu trocar...arranjaram outro e colocaram o corpo nele; SE isto aconteceu não foi transparente por parte da empresa, vício maldito de um país que não preza pela transparencia ( não somos os únicos ok ) e deixa uma bizarrice destas acontecerem.

 

Pode ser, mas um caixão pra traslado aéreo não é um caixão de madeira comum... é de zinco, é bem maior que o normal inclusive, é sem dúvida uma história bizarra, onde um juiz irá aplicar uma bela multa na empresa sem dúvidas.

Link to comment
Share on other sites

 

Pode ser, mas um caixão pra traslado aéreo não é um caixão de madeira comum... é de zinco, é bem maior que o normal inclusive, é sem dúvida uma história bizarra, onde um juiz irá aplicar uma bela multa na empresa sem dúvidas.

"De acordo com os familiares, outro agravante piora ainda mais a situação: o caixão comprado não veio, tendo sido substituído por outro de preço inferior e sem explicações à família da falecida"

 

Como funciona ? despacha em um caixão comprado pela família, em alguma hora transfere o corpo colocando em um de zinco e depois coloca de volta no caixão comprado pela familia ? ou ele é colocado neste caixão de zinco antes do voo e o comprado pela familia segue sem nada durante o voo e na entrega é recolocado no comprado pela familia ? ou... sai do necroterio ja em um caixao de zinco e para entrega do corpo é colocado no caixao comprado ?

 

Bizarro !

Link to comment
Share on other sites

A família diz que o caixão era diferente do que foi comprado. Mas não afirmam que o caixão que saiu da funerária era o que foi comprado.

 

Então, não dá para saber se, no caso do caixão, a funerária entregou o caixão errado ou a Gol arrumou alguma confusão e trocou o caixão.

Link to comment
Share on other sites

até onde sei (pois foi como aconteceu na minha experiência) proteção de zinco é interna do caixão, uma camada extra que visa proteger contra vazamento de líquidos.

Link to comment
Share on other sites

"De acordo com os familiares, outro agravante piora ainda mais a situação: o caixão comprado não veio, tendo sido substituído por outro de preço inferior e sem explicações à família da falecida"

 

Como funciona ? despacha em um caixão comprado pela família, em alguma hora transfere o corpo colocando em um de zinco e depois coloca de volta no caixão comprado pela familia ? ou ele é colocado neste caixão de zinco antes do voo e o comprado pela familia segue sem nada durante o voo e na entrega é recolocado no comprado pela familia ? ou... sai do necroterio ja em um caixao de zinco e para entrega do corpo é colocado no caixao comprado ?

 

Bizarro !

 

A "carga" deve ser entregue nas especificações exigidas, com documentação, embalagem especial e tal, por isso que me surpreende essa bizarrice toda, como o Hugo disse é interno, só que isso faz o esquife ser maior do que um normal.

Link to comment
Share on other sites

Resolução da ANVISA que aborda o transporte de restos mortais:

RDC 68, de 10/10/2007.

http://direito.folha.uol.com.br/uploads/2/9/6/2/2962839/resolucao-rdc_68_2007_vigilancia-sanitaria_restos-mortais.pdf

 

- até 48h da morte, o corpo é 'formolizado' e o caixão ganha o forro das placas de zinco, firmemente soldadas (isso impede o vazamento de líquidos);

- pós 48h, o corpo é obrigatoriamente embalsamado, além do caixão com zinco.

 

No transporte Internacional o embalsamamento é obrigatório.

 

agora, o que está no Art 13, e é FUNDAMENTAL:

 

 

...

"Parágrafo único. Na superfície externa da urna funerária deverá constar o nome, a idade e o sexo da pessoa falecida; a origem e destino final dos restos mortais humanos e a orientação quanto aos cuidados em seu manuseio."

 

se faltou isso, aí o problema cresce exponencialmente.

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade