Jump to content

Era dos aviões turboélices chega ao fim nos Estados Unidos


PP-CJC

Recommended Posts

O fim dessa "era dos aviões turboélices" é, de fato, positivo? Em voos de curta duração, os novos modelos de turboélices têm custo de assento por km voado inferior ao dos jatos. Este abandono dos turboélices mais parece uma medida para favorecer os fabricantes americanos (em especial a Boeing) que sequer cogitaram lançar esse tipo avião.

Link to comment
Share on other sites

já li em foruns americanos, que as pessoas lá tem uma rejeição muito maior a aviões com hélice do que em outros locais do globo

Link to comment
Share on other sites

já li em foruns americanos, que as pessoas lá tem uma rejeição muito maior a aviões com hélice do que em outros locais do globo

Sempre há mercados em que tal rejeição é menos expressiva do que a necessidade de possuir pelo menos 1 voo regular diário.

Link to comment
Share on other sites

O fim dessa "era dos aviões turboélices" é, de fato, positivo? Em voos de curta duração, os novos modelos de turboélices têm custo de assento por km voado inferior ao dos jatos. Este abandono dos turboélices mais parece uma medida para favorecer os fabricantes americanos (em especial a Boeing) que sequer cogitaram lançar esse tipo avião.

Mas seu post é estranho, favorece a industria local que não quer este nicho.....então...não favorece né ?

Link to comment
Share on other sites

Mas seu post é estranho, favorece a industria local que não quer este nicho.....então...não favorece né ?

Não propriamente as principais aéreas americanas quiseram satisfazer as vontades dos fabricantes de lá, o mais provável é que tiveram de fazerem assim, pois elas estão nas mãos deles, assim como estão nas mãos de Trump, que quer privilegiar a indústria deles. Enfim, as aéreas tiveram que dar tiro no pé.

Link to comment
Share on other sites

Matéria estranha, os turbohélices sempre venderam muito bem nos EUA, EMB120 por exemplo teve seus maiores operadores por lá, o próprio Dash 8 nas versões iniciais, só quem não grudou por lá foi o ATR. Dornier 328 e Saab 340 tiveram dezenas também e o Q400 segue vivo, bem com o 42-600 na SilverJet algo assim. Sairam das 3 grandes, mas seguem em dezenas de operadores menores.

Link to comment
Share on other sites

"Apesar da modernização implementada (...)".

 

Grande bola-fora! Quem disse que trocar um turboélice moderno por um jato mais antigo é modernizar?

Link to comment
Share on other sites

"Apesar da modernização implementada (...)".

 

Grande bola-fora! Quem disse que trocar um turboélice moderno por um jato mais antigo é modernizar?

Já voei no Q400 da Philippine Airlines e achei melhor que muito 737 por aí, ele é rápido, silencioso e espaçoso!

Link to comment
Share on other sites

"Apesar da modernização implementada (...)".

 

Grande bola-fora! Quem disse que trocar um turboélice moderno por um jato mais antigo é modernizar?

 

problema é convencer o cliente comum...

 

pra ele, Jato = moderno.. turboélice = velho, lento e com algum barulho...

Link to comment
Share on other sites

Não propriamente as principais aéreas americanas quiseram satisfazer as vontades dos fabricantes de lá, o mais provável é que tiveram de fazerem assim, pois elas estão nas mãos deles, assim como estão nas mãos de Trump, que quer privilegiar a indústria deles. Enfim, as aéreas tiveram que dar tiro no pé.

Satisfazer? As americanas são as maiores vira-casacas desde o final dos anos 80: Northwest/A320, US Airways/A320/A330, United/A320, CO Express/E145... enfim elas preferem aviões que custem barato, mas que seja padrão americano.

 

Matéria estranha, os turbohélices sempre venderam muito bem nos EUA, EMB120 por exemplo teve seus maiores operadores por lá, o próprio Dash 8 nas versões iniciais, só quem não grudou por lá foi o ATR. Dornier 328 e Saab 340 tiveram dezenas também e o Q400 segue vivo, bem com o 42-600 na SilverJet algo assim. Sairam das 3 grandes, mas seguem em dezenas de operadores menores.

Pois é, mas isso porque o QAV ainda não está estratosférico e as 3 Majors tem preferido focar no mercado 70 assentos para cima. Foi a época de apostar nos ERJ-135/145 e CRJ-200.

 

Faltou mais clareza no título da matéria. Outras "majors" continuam apostando, como a Ohana by Hawaiian.

 

 

problema é convencer o cliente comum...

 

pra ele, Jato = moderno.. turboélice = velho, lento e com algum barulho...

Acho que este sentimento de avião a hélice ser sinônimo de antigo é mais de países onde a aviação não está tão amadurecida.

 

Fazer DAL-AUS de turbo ou jato, o ganho em tempo é mínimo.

Link to comment
Share on other sites

Pena. Eu adoro os turboélices. Sempre que posso, se eu tiver a escolha, vou preferir voar neles. Até hoje o ápice da minha "carreira" de passageiro foi ter voado duas vezes em um DC-3.

Link to comment
Share on other sites

já li em foruns americanos, que as pessoas lá tem uma rejeição muito maior a aviões com hélice do que em outros locais do globo

Só lá?? Conheço vários lugares inclusive aqui em CNF já algum tempo uma senhora dando chilique na hora que viu que ia embarcar num atr, e ainda falou que não viajava num avião que não tivesse no mínimo 3 assentos de cada lado. Fóruns de viagens nos comentários infelizmente é nítido o preconceito e a falta de inteligência.
Link to comment
Share on other sites

Só lá?? Conheço vários lugares inclusive aqui em CNF já algum tempo uma senhora dando chilique na hora que viu que ia embarcar num atr, e ainda falou que não viajava num avião que não tivesse no mínimo 3 assentos de cada lado. Fóruns de viagens nos comentários infelizmente é nítido o preconceito e a falta de inteligência.

 

Estava conversando com uma menina que veio de algum país da Europa e depois de algumas conexões chegou em POA, ai me solta a seguinte:

Tive que pegar um "téco-t'eco" até minha cidade natal.

Fiz umas perguntas e descobri que o tal téco-téco era um ATR...

Link to comment
Share on other sites

O povo prefere ir de jato porque é mais rápido.

 

Exato.

Existem dois públicos muito diferentes, os que usam como transporte e os que amam voar.

Se me pedissem para escolher ir de SBCT para SBPA de 738, A321, etc ou de DC-3, iria no DC-3 com certeza :dente:

Mas somos 0,01% do tráfego de pax,

Link to comment
Share on other sites

Pena. Eu adoro os turboélices. Sempre que posso, se eu tiver a escolha, vou preferir voar neles. Até hoje o ápice da minha "carreira" de passageiro foi ter voado duas vezes em um DC-3.

 

Tive a oportunidade de voar nos F27-600 e Dash8-200 da TAVAJ, Dash8-300 da TABA (no FH-227 desta, também) e PENTA, além dos EMB-120 da RICO, e já estava com saudades de voar num turboélice, já que a última vez foi em 2001. Bons tempos. Mas, matei essa saudade ao voa no ATR72-600 da AZUL recentemente.

Link to comment
Share on other sites

O povo prefere ir de jato porque é mais rápido.

 

Ai pega um trecho tipo REC-MCZ, SSA-AJU, SSA-IOS, GRU-RAO e a rapidez é nula ou de 5 minutos.

Link to comment
Share on other sites

 

Ai pega um trecho tipo REC-MCZ, SSA-AJU, SSA-IOS, GRU-RAO e a rapidez é nula ou de 5 minutos.

 

Sim, mas vai convencer o povo....

Link to comment
Share on other sites

Fazendo um chute grosseiro, possivelmente 80-90% dos clientes são leigos em aviação. Se o turboélice gasta apenas 5 min a mais na rota, o cliente prefere o jato, pela aparência de ser "mais moderno", mesmo que esteja voando em um 737-300 de 25 anos. E se os clientes americanos podem bancar o jato na rota, as cias vão atender.

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade