Jump to content

Embraer estima demanda de 10.550 aeronaves para até 150 assentos em 20 anos


jambock

Recommended Posts

Meus prezados

Embraer estima demanda de 10.550 aeronaves para até 150 assentos em 20 anos

(Reuters) - A Embraer informou neste domingo que estima demanda de 10.550 novas aeronaves com capacidade para até 150 assentos nos próximos 20 anos, mercado avaliado em 600 bilhões de dólares.

Segundo nota da empresa, a frota de aeronaves em serviço deve aumentar para 16 mil unidades no período, sobre nove mil que estão atualmente em operação. O crescimento do mercado vai estimular 65 por cento dessa demanda, enquanto os 35 por cento restantes serão para reposição de aviões antigos, explicou a Embraer.

“Apesar do crescimento da indústria ter superado todas as expectativas nos últimos anos, estamos nos preparando para um período de aumento de custos, com contínua pressão por aumento da rentabilidade. Os lucros estão caindo e os ganhos desaparecendo com o aumento de custos”, disse em nota o presidente & CEO da Embraer Aviação Comercial, John Slattery.

No início deste mês, a Embraer acertou um acordo com a norte-americana Boeing para formação de joint venture que vai envolver a área de aviação comercial da fabricante brasileira, em uma etapa de transformação do duopólio global de jatos para passageiros.

A nova companhia a ser criada após aval de autoridades que incluem o governo brasileiro, marcará a entrada da Boeing no segmento de aviões comerciais de menor porte e dará mais competição para os jatos CSeries, projetados pela canadense Bombardier e apoiados pela europeia Airbus.

Fonte: Reuters via CECOMSAER 16 JUL 2018

Link to comment
Share on other sites

A Embraer não vai ficar no prejuízo com essa jogada da Airbus/Bombardier, com o A220, pelo que andei lendo, tem custo/ben bem melhor que os Ejet ?

Link to comment
Share on other sites

A Embraer não vai ficar no prejuízo com essa jogada da Airbus/Bombardier, com o A220, pelo que andei lendo, tem custo/ben bem melhor que os Ejet ?

Não dá nem pra chamar custo-benefício, tá mais pra de graça-benefício pela indecência de práticas que a Airbus tem adotado nas vendas do modelo.

 

Será que há alguma possibilidade dessa distorção ser corrigida pela OMC ?

Link to comment
Share on other sites

Pois é, vejo todo mundo falando q o A220 é um avião fantástico, mas se fosse tão fantástico assim não precisaria de 75% de desconto para vender.

Link to comment
Share on other sites

Pois é, vejo todo mundo falando q o A220 é um avião fantástico, mas se fosse tão fantástico assim não precisaria de 75% de desconto para vender.

Nossa, maior verdade!!!! A própria história dele já diz muito! Não acho que seja um avião tão péssimo, mas é um projeto que estava morto só n foi enterrado, única encomenda expressiva foi a da DELTA que já está comprovado que se deveu a um preço absurdamente baixo, aí a Airbus veio maquiou, usou sua força pra conseguir dar quase de graça...

Link to comment
Share on other sites

o c-series é considerado um baita avião, a ponto de ser considerado meio overkill; lembro de ler sobre CEOs falando como o avião é bom até demais em termos de performance, que nem precisava tanto.

 

o problema sempre foi o custo de aquisição pois o avião saiu caro demais - inclusive por conta da série de atrasos no programa - além de atender um nicho restrito, o qual as empresas vêm preferindo atender com seus A320/B738 da vida.

 

como resolver isso? faz dumping (o que é ilegal), o que a Airbus tem fôlego pra fazer, a Bombardier não. e como não tem santo na história, nem duvido que os descontos que a Embraer deu nessas aquisições de E-175 sejam da mesma ordem, pois o modelo tem um CASK alto! grosso modo, ele só vai bem mesmo no nicho regional dos EUA, que é bem mais barato de operar, começando pelos salários da tripulação, e ainda assim baixando também o custo de aquisição.

Link to comment
Share on other sites

Seria bom se esta estimativa da Embraer fosse detalhada por região (pode ser que tenha, mas não é de acesso público).

 

Pois abocanhar 25% disso são 2.500 aeronaves, ou 125 por ano.

 

Mas lembrando que tem chineses, que devem responder por 35-40% desse número, russos e japoneses (5%). Ainda tem mercados que os chineses e russos podem entrar: África, Sudeste Asiático, alguns países "bolivarianos" da América Latina, Irã e Índia.

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade