Jump to content
Sign in to follow this  
FCRO

Un fiscal federal pidió suspender los vuelos de Flybondi

Recommended Posts

Después del incidente del fin de semana en Iguazú, Jorge Di Lello solicitó una medida cautelar hasta que se investigue si se cumplen los controles de seguridad.

El domingo a la noche un avión de la aerolínea Flybondi tuvo un incidente cuando la cola de la aeronave golpeó contra la pista justo cuando estaba a punto de despegar. Eso provocó miedo y pánico por parte de los pasajeros, a quienes le cancelaron el vuelo. Lo que ocurrió en el aeropuerto de Iguazú motivó también a que un fiscal federal pidiera al juez Sergio Torres que se evalúe la posibilidad de suspender todas las operaciones de la empresa.

 

“A raíz de haber tomado conocimiento a través de distintos medios periodísticos respecto de un episodio ocurrido en la provincia de Misiones, en un vuelo de la empresa 'Fly-Bondi', y siendo que dicha empresa ha registrado irregularidades en cuanto a su funcionamiento, solicito al tribunal se evalúe la posibilidad de disponer de manera cautelar la suspensión de las operaciones, hasta tanto se constate de forma fehaciente y de manera urgente si se están llevando a cabo controles regulares en tanto sea de la seguridad en las terminales, la de los pasajeros, como de las unidades utilizadas”, dice parte del escrito.

 

La medida es del fiscal Jorge Di Lello, aunque está firmada por Franco Picardi, quien lo subroga por la feria judicial. Ahora es el juez Torres quien deberá decidir si hace o no lugar al pedido de la medida cautelar.

 

El motivo de este pedido es por lo que se conoció el domingo, cuando se supo que un avión de la empresa Flybondi no pudo despegar desde el Aeropuerto Internacional de Puerto Iguazú. El piloto decidió cancelar el vuelo porque que la nave rozó su parte trasera con la pista antes de elevarse.

Entre los pasajeros del avión estaban los integrantes de un club de handball que habían ido a participar de un torneo nacional que se jugaba en Misiones. Se disponían a volver desde el aeropuerto de Puerto Iguazú al de El Palomar en el vuelo FO 5111 cuando empezaron los inconvenientes.

Uno de los deportistas le contó a Clarín que la aeronave estaba carreteando cuando se escuchó un golpe muy fuerte desde el fondo. En ese momento una chica gritó, otros se miraron y muchos se asustaron. “El piloto dijo que hubo una falla y volvimos al aeropuerto. Después nos enteramos lo que había pasado”, dijo.

Desde la low cost contaron a este diario que hasta el momento no fueron notificados de este pedido de suspensión de vuelos y explicaron que lo que pasó no fue un accidente: “Es el primer incidente para la firma que motiva la intervención de la Junta de Investigación de Accidentes de Aviación Civil (JIAAC)”.

ByQUxN5m7_720x0__1.jpg

Share this post


Link to post
Share on other sites

Se suspender todas as linhas aéreas por tail Strike, nenhuma vai durar mais de 1 ano.....

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

Se suspender todas as linhas aéreas por tail Strike, nenhuma vai durar mais de 1 ano.....

Pois é. O menor dos problemas foi o tail Strike, lá o buraco é mais embaixo....

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não. Foi no lift-off.

 

Então foram para o rotate, tail, e abortaram a decolagem ?

Ou balanceamento errado ?

 

Sou muito ruim no idioma do texo, alguém poderia dar uma versão brasilis do que aconteceu ?

 

El piloto decidió cancelar el vuelo porque que la nave rozó su parte trasera con la pista antes de elevarse.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Então foram para o rotate, tail, e abortaram a decolagem ?

Ou balanceamento errado ?

 

Sou muito ruim no idioma do texo, alguém poderia dar uma versão brasilis do que aconteceu ?

 

El piloto decidió cancelar el vuelo porque que la nave rozó su parte trasera con la pista antes de elevarse.

 

Fala que o piloto decidiu cancelar o voo pq a aeronave raspou com a parte traseira (cauda) contra a pista antes de voar(decolar), ou seja, tail strike na decolagem e o comandante decidiu retornar por segurança.

 

abs

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Fala que o piloto decidiu cancelar o voo pq a aeronave raspou com a parte traseira (cauda) contra a pista antes de voar(decolar), ou seja, tail strike na decolagem e o comandante decidiu retornar por segurança.

 

abs

Então decolou e voltou a pousar, não abortou a decolagem?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Então decolou e voltou a pousar, não abortou a decolagem?

Abortar a decolagem depois do tail-strike? Impossível, pois a aeronave já passou da V2.

 

(opinião de leigo no assunto);

Share this post


Link to post
Share on other sites

Confuso isso, ou abortou ou decolou....não tem como bater a bunda do avião e depois abortar? Teve que decolar, impreterivelmente né ?

Share this post


Link to post
Share on other sites

O tail strike acontece durante a rotação da aeronave e essa velocidade já está além da V1. Não tem como abortar a decolagem e é possível que os pilotos sequer tenham notado o contato com o solo. Quem percebe geralmente são os comissários sentados na galley traseira.

 

A aeronave decola, sobe até uma altitude livre de obstáculos, os pilotos leem um checklist apropriado e retornam. O dano estrutural pode afetar a pressurização, não sendo prudente continuar o voo.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Accident: Flybondi B738 at Iguazu on Jul 15th 2018, tail strike

By Simon Hradecky, created Monday, Jul 16th 2018 14:21Z, last updated Wednesday, Jul 18th 2018 17:13Z

A Flybondi Boeing 737-800, registration LV-HQY performing flight FO-5450 from Mendoza,MD to Iguazu,MI (Argentina), landed on Iguazu's Catarates Airport's runway 31 at about 23:28L (Jul 16th 02:28Z).

The aircraft was due to depart as flight FO-5433 to Cordoba,CD (Argentina), the flight was cancelled however. According to Mode-S data the aircraft did not become airborne for that flight.

Argentina's JIAAC reported LV-HQY suffered an incident at 03:30Z (Jul 16th), there were no injuries, the damage to the aircraft is being assessed. The JIAAC have opened an investigation into the occurence.

It thus remained unclear whether the tail strike happened during landing on flight FO-5450 or on departure for flight FO-5433 which possibly could have prompted a rejected takeoff (which would have remained invisible to the Mode-S receiver in use). Aviation sources in Argentina are considering a mass and balance problem (which tend to lean towards the takeoff scenario as does the time stamp given by the JIAAC) and report structural damage.

The airline reported a technical flaw in the takeoff process for flight FO-5433 to Cordoba forced the aircraft to return to the apron, the flight was cancelled.

On Jul 18th 2018 Argentina's JIAAC released additional information stating that during the start of the takeoff phase the aircraft experienced a pitch up causing the rear lower area of the fuselage to contact the runway surface. The aircraft sustained substantial damage. The occurrence was rated an accident and is being investigated.

 

http://avherald.com/h?article=4bb39191&opt=0

Share this post


Link to post
Share on other sites

Especulando: será que esqueceram de colocar amarras em alguma carga que estava no compartimento traseiro, e com a corrida de decolagem (antes da V1) essa foi pra traseira, mudou o centro de gravidade de lugar, consequentemente levantando o nariz da aeronave e por isso deu o tail strike?

Ao abortar a decolagem (e consequentemente reduzir a aceleração), a carga pode ter rolado pra frente e consequentemente o nariz deve ter baixado novamente...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Se suspender todas as linhas aéreas por tail Strike, nenhuma vai durar mais de 1 ano.....

De fato, mas um pedido semelhante, feito em um certo pais vizinho, para restricoes de operacoes em um certo aeroporto "Porta-avioes", teria salvo quase 200 Vidas...

Fazer pedidos juridicos sem embasamento tecnico nao e bom...

Rejeita-los com menosprezo, quando o unico argumento e baseado em preconceito na crenca da seguranca do status quo, acaba sendo pior ainda! Porque depois que o fogo derrete o aluminio... A culpa e sempre de quem era de Pele e osso e queimou primeiro.

Edited by PT-WRT

Share this post


Link to post
Share on other sites

Pelo relato do pax e no avherald, parece que o trem principal estava ainda na pista e o comandante meteu o pé no freio quando do contato da cauda com o solo.

Uma explicação possível para isso ter sido feito é a apresentada acima por um colega forista, que o deslocamento de carga tenha provocado a subida do nariz antes da V1, tornando viável a rejeição. Situação absurdamente perigosa essa. Lapa feelings. Hermanos... Siempre Los mismos.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Já aconteceu algo quase parecido em um lugar não muito distante...

 

Carregamento e distribuição de pax de forma errada em SBLO, no momento em que a potência de decolagem foi setada, a aeronave teve um forte momento de pitch up.

 

Se bem me lembro, não houve tail strike. Pousou no destino final com alguma dificuldade de controle, mas sem maiores problemas.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Estou morando aqui em Buenos Aires e posso compartilhar alguns comentários que tenho escutado por aqui.

A Flybondi é uma low cost que chegou recentemente e está tirando o sono das grandes, primeiro porque o preço é melhor, mas além disso quem usa elogia muito a experiencia desde o check-in até receber a bagagem no destino (funcionários atenciosos, ambiente/linguagem descontraída, informações claras, etc).

Minha professora de espanhol por exemplo, é uma senhora com mais de 60 anos que estava acostumada voar com o glamour das cias áreas desde os anos 80, inclusive disse que foi cliente assídua da Varig. Ela contou que ainda é difícil se acostumar com a maneira que se voa hoje e por isso foi resistente em experimentar a Flybondi. Mas agora é só elogios, e tem usado o serviço direto.

Colegas de trabalho também compartilham da mesma experiencia.

 

A Flybondi está agradando os argentinos e desagradando a concorrência, então, qualquer "pelo no ovo" sempre aparece uma pressão para colocá-la no chão... Para mim é a mesma resistência que aconteceu quando a Gol começou no Brasil.

Edited by atairlines
  • Like 6

Share this post


Link to post
Share on other sites

A aeronave não decolou. Sofreu o incidente na corrida de decolagem, tripulação abortou e retornou ao pátio. Segundo um amigo argentino, o problema foi devido ao balanceamento da aeronave. Na decolagem, o nariz inclinou-se antes da VMU. Por isso a tripulação teve tempo para abortar. De fato, todo incidente tem que ser investigado e quaisquer petição com sustentação, certamente, deverá ser considerada. Mas venhamos e convenhamos, o estatismo dos argentinos é coisa de outro mundo. Por qualquer coisinha, fazem um estardalhaço, desde que não seja com a Aerolíneas/Austral. Se for com a Aerolíneas ou Austral, os sindicatos encobrem. Mas se for com alguma privada, é uma campanha midiática pesada.

Edited by ErickCF
  • Like 5

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não sei como vocês conseguem entender isso como "pelo em ovo"... "qualquer coisinha"... Um desbalanceamento, deslocamento de cargas pode derrubar a aeronave, ponderemos.

Edited by MissedApproach

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não sei como vocês conseguem entender isso como "pelo em ovo"... "qualquer coisinha"... Um desbalanceamento, deslocamento de cargas pode derrubar a aeronave, ponderemos.

Na verdade não foi falado exatamente isto, mas ficou confusa a descrição do ocorrido.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não sei como vocês conseguem entender isso como "pelo em ovo"... "qualquer coisinha"... Um desbalanceamento, deslocamento de cargas pode derrubar a aeronave, ponderemos.

 

verdade, o problema que houve é grave e pode causar uma tragédia. Mas a pressao política que as "grandes" estao fazendo na Flybondi através das "otoridades" é coisa de novela mexicana.

Outro exemplo: dia 30/jun todos aeroportos de Buenos Aires fecharam devido a neblina, ou seja, condicao climática, nenhuma aérea tinha culpa. Milhares de passageiros tiveram que dormir nos aeroportos devido voos cancelados, mas a imprensa mostrou e criticou apenas a Flybondi porque nao deu assistencia para os passageiros, sendo que Latam e Aerolíneas também nao fizeram nada a respeito. Eu testemunheii isso pois fui a Ezeiza nesse dia buscar um casal de brasileiros para dormirem em casa pois a Latam nao deu suporte nenhum pra eles e pra ninguém.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Isso está com cara de pressão dos sindicatos ou até mesmo das "empresas estabelecidas". Ou de ambos...

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
Sign in to follow this  

×
×
  • Create New...