Jump to content

Trem direto para GRU estreia; trajeto em 35 minutos


Recommended Posts

Amigo, em momento algum eu informei que fiz o melhor trajeto, apenas citei a minha maratona realizada com o objetivo de conhecer o novo serviço, visto que eu estava com tempo de sobra até meu voo internacional sair de GRU.

 

Até que não fugi do caminho, pois um novo ônibus com destino à Barra Funda saria somente após mais de 30 minutos de espera em VCP.

E de uma forma ou de outra, encontraria a linha vermelha mais abarrotada de gente, com o pico do horário do rush.

 

Mas de qualquer forma, não vi problemas em andar uma estação pela CPTM e algumas pela ViaQuatro.

Pois o problema da superlotação sempre foi e será sendo a linha vermelha.

 

E por fim, a minha crítica ao serviço do Connect, que usou trem muito velho, depredado, em uma estação mal sinalizada, para uma linha que teoricamente transporta muitos turistas e com os inúmeros pedintes e vendedores ambulantes.

 

Abraço!

 

De fato é uma saga...;;

Mas permita-me pontuar algumas coisas, até como dicas para quem for enfrentar a "maratona" nos trilhos (Não faça isso em casa, nem na frente das crianças e muito menos com malas grandes).

Vindo de VCP a Barra Funda somente não será a melhor opção para GRU se a diferença entre os horários de saída dos ônibus, for mais de uma hora. A BF fica na "porta" da Bandeirantes então o ônibus da Azul chega nela antes do que qualquer outro destino, além disso na BF, você já esta no corredor leste-oeste, os deslocamento entre os dois eixos (Sul_leste) são sempre complicados em São Paulo. A BF ainda leva vantagem porquê você pode pegar direto a CPTM e com uma baldeação na estação intermediária LUZ esta no Brás ou o Metro, em sua estação final, que apesar de lotado, se esperar um ou dois trens, consegue ir sentado.

O serviço connect, não é feito para turistas e sim para a população de Guarulhos. Os trens são novos, mas sempre tem vandalismo.

Ao menos ontem, os seguranças estavam fazendo rondas e inibindo os ambulantes e as pessoas sentadas no chão dos vagões.

A comunicação visual e sofrível mesmo, até aquela placa amarela na frete do trem é horrível, parece ônibus do PAESE ou lotação.

O expresso aeroporto, este sim destinado aos turistas (cobrado R$ 8,30) que sai da Luz e vai direto, não sofre com ambulantes e ma sinalização, só falta horário, pois segundo o A345 (vivendo e aprendendo) circula apenas nos hora´rios de vale,

 

Abraços!

Edited by PT-WRT
  • Like 5
Link to post
Share on other sites

  • Replies 68
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

Top Posters In This Topic

Popular Posts

Concordo plenamente contigo! A cada vez que estive em NY acabei preferindo andar de Uber, já que entre linhas diferentes na mesma plataforma, estações separadas com o mesmo nome, trens que param onde

De fato é uma saga...;; Mas permita-me pontuar algumas coisas, até como dicas para quem for enfrentar a "maratona" nos trilhos (Não faça isso em casa, nem na frente das crianças e muito menos com mal

Tudo bem que o Air Train é bem mais prático (apesar de parar lá na PQP), mas achei o sistema de metrô de NY muito confuso, até mesmo para quem domina o idioma. Esse lance de ter 4 linhas parando na me

Vão sim, mas não tem muita margem para ter partidas de hora em hora, creio eu, por causa da sinalização arcaica da L12, acho que nem o ATO foi implantado.

 

Pois é constroem a linha mas não fazem um pequeno investimento na sinalização.... Coisas de Brasil.

 

Link to post
Share on other sites

Tem dois pontos que poderiam ajudar muito esse sistema do trem de GRU

 

Primeiro essa coisa de depender de uma só linha para fazer o trajeto Luz-Bras na maior parte do tempo - sim fruto de gares inadequadas e sem capacidade de conexão - mas deviam pensar em algum investimento para tirar esse gargalo.

 

Segundo, quando fizeram a linha do aeroporto deveriam ter feito um terceiro ramal - isso ja resolveria o problema pois a linha GRU podia muito bem operar com 1 linha só no ramal (penso que ali ele gastaria uns 10 minutos) GRU.

 

Se rodasse Luz-GRU, seria mais eficiente.

 

Na minha visão essa coisa de pega Metro, pega trem, pega trem de novo e pega outro trem (e ainda querem aumentar a saga com monotrilho)... é bem modelo Brasil... Puxadinhos !

  • Like 1
Link to post
Share on other sites

Tem dois pontos que poderiam ajudar muito esse sistema do trem de GRU

 

Primeiro essa coisa de depender de uma só linha para fazer o trajeto Luz-Bras na maior parte do tempo - sim fruto de gares inadequadas e sem capacidade de conexão - mas deviam pensar em algum investimento para tirar esse gargalo.

 

Segundo, quando fizeram a linha do aeroporto deveriam ter feito um terceiro ramal - isso ja resolveria o problema pois a linha GRU podia muito bem operar com 1 linha só no ramal (penso que ali ele gastaria uns 10 minutos) GRU.

 

Se rodasse Luz-GRU, seria mais eficiente.

 

Na minha visão essa coisa de pega Metro, pega trem, pega trem de novo e pega outro trem (e ainda querem aumentar a saga com monotrilho)... é bem modelo Brasil... Puxadinhos !

Na minha opinião, o maior erro que fizeram com a L13 é não ter preparado áreas para expansão, até discutimos isto aqui no CR.

 

A parte elevada poderiam ter vigas mais largas para poderem acomodar duas vias de trem (o Expresso). Depois, quando a economia estivesse melhor, colocava o tabuleiro e a estrutura.

 

Aí quando fizesse a expansão até a região da Chácara Klabin (a Secretaria de Transportes Metropolitanos está estudando outra área para terminar a Linha 13), este ramal teria duas opções: unisse com a L13 e ela seria expressa apenas do cruzamento com a L11/12 em diante. A outra seria a parte expressa continuasse até a L11/12 e os trens prosseguiriam para Luz.

  • Like 1
Link to post
Share on other sites

Na minha opinião, o maior erro que fizeram com a L13 é não ter preparado áreas para expansão, até discutimos isto aqui no CR.

 

A parte elevada poderiam ter vigas mais largas para poderem acomodar duas vias de trem (o Expresso). Depois, quando a economia estivesse melhor, colocava o tabuleiro e a estrutura.

 

Aí quando fizesse a expansão até a região da Chácara Klabin (a Secretaria de Transportes Metropolitanos está estudando outra área para terminar a Linha 13), este ramal teria duas opções: unisse com a L13 e ela seria expressa apenas do cruzamento com a L11/12 em diante. A outra seria a parte expressa continuasse até a L11/12 e os trens prosseguiriam para Luz.

 

A linha de metro 7 de Nova York tem uma solução bem legal para o trem expresso.

 

Ela tem 3 ramais - de manhã o rush é de Flushing para Queens e então o expresso roda nessa terceira linha indo.

No fim do dia no rush da tarde o trem roda expresso de Manhattan até Flushing usando essa terceira linha.

  • Like 1
Link to post
Share on other sites
  • 4 weeks later...

Dias atrás eu estava no Tatuapé e vi um Airport Express passando rumo a Luz por volta das 15h30. Vazio! O que tinha de passageiros dava para colocar em um único carro, todos sentados.

 

É um serviço que deveria ser extinto, feito por ação eleitoreira e que prejudica a operação de 2 linhas. Não acho que o APM vai resolver a linha, pode melhorar sim, mas o problema é a outra ponta (Luz). Imaginando que o passageiro chegue em um voo de manhã, ele vai querer entrar na Linha 1 lotada? Ou na L4, menos lotada?

 

Ainda acho que a L13 ampliada terá melhor aceitação, poderiam até fazer uma terceira via, que seria reversível e funcionaria como Expresso Aeroporto.

 

O Connect, ao contrário, tem boa aceitação.

Link to post
Share on other sites

Nem os ambulantes e pedintes não entraram neste trem!? E parece que não entram mesmo! (ainda não utilizei este serviço)
No Connect entram tantos, que os passageiros acabam se sentindo mal, sem falar que a Estação Brás precisa de uma reforma.

Link to post
Share on other sites

 

A linha de metro 7 de Nova York tem uma solução bem legal para o trem expresso.

 

Ela tem 3 ramais - de manhã o rush é de Flushing para Queens e então o expresso roda nessa terceira linha indo.

No fim do dia no rush da tarde o trem roda expresso de Manhattan até Flushing usando essa terceira linha.

Tudo bem que o Air Train é bem mais prático (apesar de parar lá na PQP), mas achei o sistema de metrô de NY muito confuso, até mesmo para quem domina o idioma. Esse lance de ter 4 linhas parando na mesma plataforma, de ter linhas express sem muita definição de quantas estações eles suprimem, eu mesmo peguei trem errado umas 2 ou 3 vezes... Não sei se NY seria o melhor exemplo de transporte ferroviário ao aeroporto, até agora a melhor experiencia que tive foi Helsinki, Arlanda também é bom, mas é pornográfico o valor que eles cobram pelo ticket, até mesmo para a realidade econômica escandinava.

  • Like 3
Link to post
Share on other sites

Tudo bem que o Air Train é bem mais prático (apesar de parar lá na PQP), mas achei o sistema de metrô de NY muito confuso, até mesmo para quem domina o idioma. Esse lance de ter 4 linhas parando na mesma plataforma, de ter linhas express sem muita definição de quantas estações eles suprimem, eu mesmo peguei trem errado umas 2 ou 3 vezes... Não sei se NY seria o melhor exemplo de transporte ferroviário ao aeroporto, até agora a melhor experiencia que tive foi Helsinki, Arlanda também é bom, mas é pornográfico o valor que eles cobram pelo ticket, até mesmo para a realidade econômica escandinava.

No início é complicado mesmo, ainda tive o azar de pegar um feriadão onde diversas linhas estavam alteradas devido a manutenção.

 

Mas depois de dois dias acostumei e inclusive achei a experiência de usar transporte público lá bem mais tranquila do entrar na ilha de carro.

 

Sem falar que 1 hora em qualquer estacionamento pago já da o valor do bilhete semanal ilimitado de metrô/ônibus.

  • Like 1
Link to post
Share on other sites

Tudo bem que o Air Train é bem mais prático (apesar de parar lá na PQP), mas achei o sistema de metrô de NY muito confuso, até mesmo para quem domina o idioma. Esse lance de ter 4 linhas parando na mesma plataforma, de ter linhas express sem muita definição de quantas estações eles suprimem, eu mesmo peguei trem errado umas 2 ou 3 vezes... Não sei se NY seria o melhor exemplo de transporte ferroviário ao aeroporto, até agora a melhor experiencia que tive foi Helsinki, Arlanda também é bom, mas é pornográfico o valor que eles cobram pelo ticket, até mesmo para a realidade econômica escandinava.

 

O expresso tem a finalidade de criar capacidade exponencial nas linhas.

Um ramal como a Linha Vermelha do Metro de SP , se tivesse um ramal expresso, mais que dobraria sua capacidade.

 

De fato, voce nao tem muita informacao ate' entender o mapa do Sistema e a representacao do mesmo, mas depois disso voce tira de letra (penso que Londres tem o mesmo problema). O problema do Metro de NY e' a sujeira e o fato de nunca ter sido modernizado (estacoes). A maioria das estacoes nao tem acessibilidade, o cheiro no verao e' pessimo, e o calor muitas vezes insuportavel.

Link to post
Share on other sites

Tudo bem que o Air Train é bem mais prático (apesar de parar lá na PQP), mas achei o sistema de metrô de NY muito confuso, até mesmo para quem domina o idioma. Esse lance de ter 4 linhas parando na mesma plataforma, de ter linhas express sem muita definição de quantas estações eles suprimem, eu mesmo peguei trem errado umas 2 ou 3 vezes... Não sei se NY seria o melhor exemplo de transporte ferroviário ao aeroporto, até agora a melhor experiencia que tive foi Helsinki, Arlanda também é bom, mas é pornográfico o valor que eles cobram pelo ticket, até mesmo para a realidade econômica escandinava.

 

 

Concordo plenamente contigo! A cada vez que estive em NY acabei preferindo andar de Uber, já que entre linhas diferentes na mesma plataforma, estações separadas com o mesmo nome, trens que param onde querem... só fiz me perder e passar raiva, hahaha

 

Nesse aspecto o sistema de transportes de Paris para mim é um dos mais inteligentes, já que apesar dos pesares a organização é clara até para quem não fala a língua e a cobertura é bastante extensa: são 250 estações intra-muros para uma área 30km2 menor do que a Zona Sul/Centro do Rio de Janeiro.

 

Apesar de não rodar em horário de pico, o serviço expresso do RER B é correto (30min de viagem). Já o parador, que chega à Gare du Nord em 45min, está sempre lotado e é um suplício. Mas pelo menos os trens estão sendo renovados e o novo material com dois andares deve ser entregue a partir de 2025, assim como a via dedicada CDG Express que permitirá fazer CDG-Gare de l'Est em 20min.

 

Sds

  • Like 5
Link to post
Share on other sites

OFF TOPIC

Algum amigo sabe informar se o trem que liga MUC ao centro da cidade é 24h, é de fácil acesso e rápido?

Link to post
Share on other sites

Usei ontem uma linha da CPTM e estavam anunciando a L13, ressaltando que é possível sair do aeroporto e ir para diversos pontos com apenas um bilhete.

 

Foi legal por divulgar a linha, mas faltou dizer sobre os serviços Connect, Express e as conexões com os terminais da EMTU.

Link to post
Share on other sites

Para quem está na Av. Paulista, vale a pena testar este serviço ou é melhor o ônibus executivo?

Depende do horário e se tiver com mala de pouco volume.

 

Se for o caso, acho mais comodo, apesar de ter que fazer baldeação no Paraíso, Sé, Tatuapé e Comendador Ermelino. No caso do Tatuapé a integração com o Metrô vai até as 17h00.

  • Like 1
Link to post
Share on other sites

Na última segunda estava com tempo e resolvi testar o serviço "convencional" até GRU, levando uma bagagem de mão.
Saí da Faria Lima por volta de 14:30, baldeando na República, Brás e por fim na Engenheiro Goulart.

Consegui ir sentado nos dois últimos trajetos e, exceto na linha vermelha, todas as composições estavam com ar funcionando a contento e bem limpos. Sem dúvida é uma via sacra, mas considerando que custou apenas R$ 4,30, não consigo dar bomba para essa alternativa.

Como curiosidade, já na estação Guarulhos-Aeroporto, diria que dois terços do trem - que não estava cheio - tomaram a saída para a "cidade". Já em direção ao aeroporto, foi uma quantidade de pessoas suficiente para lotar o ônibus da VIX que faz o traslado até os terminais.

Edited by hectorbonilla
  • Like 1
Link to post
Share on other sites

Para quem está na Av. Paulista, vale a pena testar este serviço ou é melhor o ônibus executivo?

Já fiz este trajeto, pegando o metrô na Paulista, com mala pequena ou mochila (não vou dizer que não faça isso com mala grande, na Europa já vi muita gente fazendo isso, eu inclusive, rs.), troque de trem na estação Paraíso para a linha 1 azul, sentido Tucuruvi e desça na estação Luz, ali você poderá pegar o expresso aeroporto, só tem que ver antecipadamente, os horários do expresso, são poucos durante a semana, você teria que se programar vendo no site da cptm.

  • Like 1
Link to post
Share on other sites
  • 1 year later...

Projeto trava em Brasília e ligação de trem a Cumbica deve atrasar de novo

Monotrilho leve ligaria estação da CPTM a terminais de embarque, mas ainda não saiu do papel

 
SÃO PAULO

As obras deveriam ter começando há um ano para que a nova ligação entre o aeroporto de Guarulhos e a estação de trem mais próxima fosse entregue em maio do ano que vem, conforme prometido pelo governador João Doria (PSDB) no ano passado. Mas o projeto travou em Brasília e não há nem prazo para sair do papel, em um novo atraso da novela que se arrasta há quase duas décadas.

O projeto de ligação do trem para Cumbica dependia de uma negociação entre a concessionária do Aeroporto (GRU Airport, controlada pela Invepar) e o governo federal, dono do contrato, articulação que foi encampada por Doria desde o início de seu governo.

Quando anunciou o "people mover", monotrilho leve que ligaria a estação Aeroporto-Guarulhos, da CPTM (empresa de trens urbanos), de fato ao aeroporto, o governador afirmou que as obras começariam em setembro de 2019.

Um ano depois, o Ministério da Infraestrutura, que concedeu a administração do aeroporto em 2012 à concessionária GRU Airport e precisa aprovar a obra, diz a Folha que "o processo [de aprovação dos projetos apresentados ao governo federal] segue em tramitação, havendo necessidade de análise, por diferentes instâncias, da documentação relativa à proposta e quanto à comprovação do interesse público do projeto."

"Ao mesmo tempo, seguem as tratativas da Anac [Agência Nacional de Aviação Civil] com a concessionária sobre as condições do investimento no contrato de concessão", diz o governo federal.

Em 2002, ano de eleição, o governador Geraldo Alckmin (PSDB), em seu primeiro mandato, assinou um convênio com a Infraero para implementar a linha de trem que ligaria a capital a Guarulhos. A promessa era de que as obras começariam em 2003 e ficariam prontas até 2005.

A obra atrasou e, em 2012, o projeto da estação mudou. Se antes deixaria os passageiros na entrada do terminal 2 do aeroporto, a nova estação passou para o outro lado da rodovia Hélio Smidt, a mais de 2 km de distância, demandando que quem desembarca lá pegue um ônibus para chegar aos terminais de check-in.

O impasse se deu porque, naquele ano, o aeroporto foi concedido pelo governo Dilma Rousseff (PT) à iniciativa privada e a nova concessionária, a GRU Airport, disse que pretendia usar parte do terreno para a construção de um empreendimento, que poderia ser um hotel ou um shopping, o que inviabilizou a construção da estação de trem.

Para compensar a ausência da estação de trem dentro de Cumbica, a GRU Airport se comprometeu então a fazer um meio alternativo de ligação entre o trem entregue pelo governo do estado, que hoje é feito por linhas de ônibus.

Com a crise econômica a partir de 2014, a concessionária não fez o seu empreendimento e nem avançou a ideia das estações dentro do aeroporto, alegando que esses não eram compromissos contratuais.

Quando assumiu o governo, João Doria chegou a chamar de bizarra a desconexão entre a estação de trem e o aeroporto. "Não faz sentido transporte público que não leva até o aeroporto. É tão bizarro que é difícil acreditar que isso tenha sido feito no estado de São Paulo", disse.

A gestão encampou a ideia de um "people mover", um monotrilho leve que levaria os passageiros da estação de trem até as portas dos terminais, que seria tocado pela concessionária do aeroporto ao custo de R$ 175 milhões, em troca da redução da outorga anual que a GRU Airport paga ao governo federal.

Ou seja, embora as empresas que farão a obra e a operação sejam escolhidas pela GRU, o governo federal é que deixa de arrecadar para que o monotrilho exista.

Questionada sobre o novo atraso, a GRU diz apenas que analisou as propostas recebidas e as encaminhou ao governo federal, sem dar detalhes nem novos prazos.

O governo estadual diz que "a responsabilidade pela construção do 'people mover', que vai interligar a Linha 13 ao saguão de passageiros do Aeroporto de Guarulhos, é da concessionária GRU Airport e da Anac".

Pelo modelo proposto, o passageiro que chegar à estação Aeroporto da CPTM atravessará uma passarela já existente e embarcará no monotrilho leve. O veículo terá três paradas, uma em cada um dos terminais do aeroporto.

Segundo o mapa apresentado pelos governos federal e estadual, a estação diante do Terminal 1 deverá ficar na área onde hoje ocorre o embarque e desembarque de carros. No Terminal 2, a parada deverá ser entre as alas A e B. No terminal 3, internacional, a estação deve ficar próxima ao prédio do estacionamento do aeroporto.

GOVERNO TERMINA OBRA EM CONGONHAS E LIBERA AERONAVES DE GRANDE PORTE

Após um mês de obras de recapeamento na pista principal do Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, aeronaves de grande porte poderão voltar a fazer pousos e decolagens no local a partir deste domingo (6).

O governo federal aproveitou a redução da demanda dos aeroportos durante a pandemia da Covid-19 para fazer a obra, que custou R$ 11,5 milhões. A reforma aumentou a capacidade de drenagem da pista, facilitando o escoamento da água da chuva e permitindo mais aderência aos pneus das aeronaves.

A primeira aeronave de grande porte a pousar lá deve chegar no voo 3009, entre Belo Horizonte e São Paulo, marcado para as 10h05 de domingo.

Em junho, o governo Doria também concluiu no aeroporto o túnel que ligará o terminal à futura estação Congonhas, do monotrilho da linha 17-ouro do Metrô. No último sábado (30), no entanto, o Metrô rompeu um dos contratos da construção da linha, o que deve atrasar ainda mais sua conclusão, hoje prevista para 2022.

https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2020/09/projeto-trava-em-brasilia-e-ligacao-de-trem-a-cumbica-deve-atrasar-de-novo.shtml?origin=folha

  • Haha 1
Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.




×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade