Jump to content
Sign in to follow this  
Léo Almeida

Voos internacionais em Fortaleza dobraram em 1 ano; o que está acontecendo?...

Recommended Posts

A cidade de Fortaleza (CE) tem demonstrado potencial para ser um novo centro de conexão de voos internacionais no Nordeste, atendendo diversas companhias aéreas internacionais. Somente no mês de agosto, o aumento no número de voos internacionais em Fortaleza foi de 96,5% em relação ao mesmo mês do ano passado, enquanto total de passageiros cresceu 60,8%. Qual o segredo desse aumento?... -

 

De janeiro a agosto, a capital cearense apresentou um aumento de 46,4% de voos e de 38,7% no número de passageiros em viagens internacionais em relação ao mesmo período do ano passado Dados do Ministério do Turismo apontam que até abril de 2019 o número de voos internacionais em Fortaleza deve triplicar em relação a 2017. No ano passado, a cidade tinha, em média, 14 voos internacionais por semana, que chegavama oito destinos no exterior. Até abril do ano que vem, deverão ser 48 voos internacionais por semana para 14 cidades da América, Europa e África

 

Somente neste ano, três companhias aéreas estrangeiras já iniciaram operações internacionais tendo Fortaleza como destino: Air France, KLM e Copa, com voos para Paris (França), Amsterdã (Holanda) e Cidade do Panamá (Panamá) A Air France e a KLM começaram com dois voos semanais cada. No final deste mês, serão três voos por semana de cada empresa. Em abril, a KLM terá sua quarta frequência semanal

 

No início de novembro, a Gol estreia dois voos diários a partir de Fortaleza para Miami e Orlando, ambas nos Estados Unidos. No ano que vem, deve ser a vez de a Air Europa começar a voar de Fortaleza para Madri (Espanha)

 

O secretário de turismo do Ceará, Arialdo Pinho, esteve em Estocolmo (Suécia) no início de setembro para uma reunião com a diretora de Comunicação e Relações Públicas da Norwegian Charlotte Holmbergh Jacobsson, para apresentar Fortaleza com uma opção de destino para as futuras operações da companhia no Brasil.

 

O segredo: estado está cobrando menos impostos.

 

O secretário de turismo do Ceará afirmou que a cidade tem aumentado sua campanha de promoção no exterior com o objetivo de atrair mais turistas. No entanto, para atrair companhias aéreas estrangeiras, era preciso aumentar também a conectividade com as empresas nacionais

 

Para aumentar o número de voos domésticos, o governo do Ceará criou um programa de incentivos fiscais para reduzir a alíquota do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre o querosene de aviação e outros custode operação aérea.

 

Caso a empresa tenha operações internacionais em Fortaleza, a alíquota do ICMS sobre o combustível cai de 25% para 12%. Para empresas nacionais, o ICMS vai a zero se houver mais de 50 voos domésticos por dia

 

"Hoje, as quatro empresas brasileiras já têm voos internacionais a partir de Fortaleza", afirmou o secretário de turismo do Ceará

 

Esses benefícios atraíram especialmente a Gol e Latam. A Gol aproveitou sua parceira com a Air France e KLM para ampliar suas operações na capital cearense em cerca de 35%. A Gol afirmou que já tem 50 voos diários em Fortaleza com destino a 15 cidades.

 

Para atender ao aumento do número de voos, a Gol criou uma base de tripulantes em Fortaleza. "A função dela é gerar mais flexibilidade às operações da Gol no hub [centro de conexão de voos] cearense Com essa base, a companhia passa a ter tripulações residentes no Ceará oferecendo mais comodidade a todos eles, que passam a iniciar e terminar suas programações de voos sempre na cidade", afirmou a empresa, em nota

 

Segundo a empresa, atualmente são 71 tripulantes, entre pilotos e comissários, na base de Fortaleza. Até janeiro, a empresa afirmou que esse número deve subir para 583, sendo 82 contratações e as demais promoções e movimentações internas.

 

mais em https://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/2018/10/11/voos-internacionais-fortaleza/

 

 

 

 

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Eu acho que há uma euforia, como se tivesse descoberto o Brasil.

 

Primeiro que a redução de impostos não é aplicada a companhias estrangeiras, o que atraia de fato são os incentivos que as operadoras dão às companhias. São negociações que nem sempre são públicas e com a vantagem de negociar nas duas pontas. Então uma Air France pode negociar com a Fraport daqui e com a ADP de Paris.

 

Segundo é como o bolo dos voos internacionais ficou. Não se cria demanda colocando voos diários entre SSA e LHR, pode até criar algo, mas não é a ausência o impeditivo do baiano de ir para Londres, pode ir via TAP, Air Europa ou backtrack até o Sul. Para viabilizar estes voos vai ter que roubar paxs de GRU e GIG. E aí que está o segredo, se antes a Infraero pouco se importava se o baiano fosse direto ou via algum aeroporto, o dela estava garantido. Agora, em mãos privadas a Vinci tem que segurar este passageiro para evitar de perder ele para GRU Airport, RioGaleao ou Fraport.

 

Basta ver a oferta entre GRU e MIA, com cerca de 5 diários e, talvez por causa da concorrência e a LATAM fazer alguns NE-Flórida, a AA cancelou o terceiro diário sazonal.

 

E isto é muito bom. São Paulo geralmente concentra 65% dos voos internacionais, com o GIG entre 22-23%, o restante é pulverizado entre BSB, POA, SSA, REC, CNF e FOR.

 

Há um termo, geralmente quem trabalha com mobilidade, que se encaixa neste panorama da aviação: o conceito de rede. Não é mais concentrado em GRU e GIG, a rede pulveriza e com possibilidade de manobras.

 

Por outro lado, há um crescente papel dos operadores aeroportuários em atrair empresas aéreas em nível global. Por que a Emirates preferiu FLL em vez de MIA? Tampa irá conceder benefícios de USD 1 milhão para Copa por alguns anos, no site da GRU Airport e da RioGaleão têm as tabelas de incentivo. Para os gestores aeroportuários, o importante não é uma LATAM pagar as taxas de pouso e estadia, mas que ela traga passageiros de conexão que usufruam da infra do aeroporto (duty-free, lojas, hotéis, etc.).

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

Resta saber até quando vai esse espetáculo de crescimento. Vou dar alguns exemplos.

 

G3 FOR-EZE (ida+volta)

2015 10.700 pax 102 voos LF 59,3%

2016 13.874 101 77,6% +29,7%

2017 16.297 120 76,7% +17,5%

 

8M17 11.725 84 78,9%

8M18 10.675 80 74,3% -9% foi a alta do dólar/crise argentina

 

Até maio não tinha

5M17 5.702 42 76,7%

5M18 7.577 57 75,1% +32,9% porém não tem pax suficiente pra 2vps, muito menos 4 vps como chegou a ser pedido, por isso ela mudou pra BSB centralizando conexões para todo N e NE, além de Florida.

 

JJ

FOR-MIA 8M17 11.585pax 67voos LF 78,2%

8M18 26.125 162 68,5% +225,5% OOOH, mas está dando prejuízo :lol: Até maio tinha 80-90% agora está com 55%. Imagina a G3 com dois diários, quanto vai ter de prejuízo!

 

AF-KL são comedidas, começou com 4, depois 5, o 6º só no final do mês (out) pra alta. Ano que vem com uma base melhor de dados referentes a yield, elas decidem se vale a pena aumentar mais a oferta.

 

 

Aproveitando o assunto, já que especulam sobre voos da UX para FOR.

 

AENA 9M18 SSA-MAD 59.117 pax 234 voos 253 pax/voo (mas inclui grátis) LF 84,6%

REC-MAD 35.355 156 227 75,8% pra UX é fraco

 

9M17 SSA-MAD 50.671 186 272 pax/voo LF 91,0% se todos os voos foram com A332 299 assentos

+16,7% só SSA. Se considerar NE, a UX +86,4% +43.801pax

 

TP NE+BEL 8M17 354.463 pax

8M18 412.604 +16,4% + 58.141 pax

 

AF-KL mai a ago18 35.680 pax

Share this post


Link to post
Share on other sites

Em relação à Florida, a latam nao ajuda por nao criar bancos de conexão efetivos em for. Deve ser a 4a,ou 5a base em. Número de destinos e nao permite conexões, um erro. A gol terá isso, não só para a Florida, mas para a air europa tbm, se conseguirem costurar legal. O risco do dólar e da sazonalidade existe, mas hub é pra isso.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Em relação à Florida, a latam nao ajuda por nao criar bancos de conexão efetivos em for. Deve ser a 4a,ou 5a base em. Número de destinos e nao permite conexões, um erro. A gol terá isso, não só para a Florida, mas para a air europa tbm, se conseguirem costurar legal. O risco do dólar e da sazonalidade existe, mas hub é pra isso.

 

A JJ já tem voos de MAO, BEL, REC e SSA para MIA. Vai fazer conexão em FOR pra que? Também não vai tirar pax que voam direto do GIG e de GRU pra fazer movimento em FOR. No caso da europeias, é diferente concentrando em FOR, distribui pra outras cidades com menos movimento. Saiu que no primeiro mês, AF/KL tiveram 20% de conexões, no último comunicado à imprensa disseram que já está nos 30%.

Share this post


Link to post
Share on other sites

As conexões em for seriam importantes até para os domésticos for nordeste que não chegam a 80%. For-rec, ssa, nat, deixam a desejar. O melhorzinho é o for - the. For é a unica coisa q distingue a latam da avianca no nordeste. Então conexões são sempre bem vindas, principalmente para REC e ssa não terem q esperar dois dias da semana para voos direto ou com 0 backtrack para os eua.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Em relação à Florida, a latam nao ajuda por nao criar bancos de conexão efetivos em for. Deve ser a 4a,ou 5a base em. Número de destinos e nao permite conexões, um erro.

Convenhamos o que motivou (ou um dos principais fatores) da LATAM abrir internacionais em FOR foi a questão tributária, bem diferente da G3/AF-KL.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sim, sem dúvidas. Só lamento por ela não fazer a sinergia entre as estruturas internacionais e domésticas q a legislação a força a ter.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Convenhamos o que motivou (ou um dos principais fatores) da LATAM abrir internacionais em FOR foi a questão tributária, bem diferente da G3/AF-KL.

 

 

Quantos voos internacionais são necessários em FOR pra receber o desconto de ICMS?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Nao sei se ainda existem as duas modalidades, mas 1vps ja havia um benefício. O da gol, latam, coligadas e demais (acho q para ter isenção) é de 5vps.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Convenhamos o que motivou (ou um dos principais fatores) da LATAM abrir internacionais em FOR foi a questão tributária, bem diferente da G3/AF-KL.

Mas a Gol tb só está abrindo esses voos aos EUA por conta do incentivo, vide Latam, senão nenhuma delas operária lá esses voos internacionais

Share this post


Link to post
Share on other sites

Mas a Gol tb só está abrindo esses voos aos EUA por conta do incentivo, vide Latam, senão nenhuma delas operária lá esses voos internacionais

 

Claro que não, isso faz parte do projeto do Hub. Vai dizer que exigiram voos diários para os EUA? Isso não existe, o incentivo já chegou ao máximo, que é a isenção do ICMS para G3 e suas parceiras. A parte acordada já foi quebrada há certo tempo, que previa 5 voos semanais com WB e 50 operações diárias. Esta além disso e virá muito mais, destinos nacionais e internacionais.

 

Quanto à Latam, concordo sobre a questão do ICMS. Por mais que suas operações não façam sentido, incrementou o número de pax em FOR. Eu tiraria MCO, deixaria apenas MIA, e mesmo assim, não vejo sentido dessas operações ocorrendo e concorrendo com a G3, que vai ter boa conectividade e horários fixos em ambas as pontas.

Edited by fel486
  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

Mas a Gol tb só está abrindo esses voos aos EUA por conta do incentivo, vide Latam, senão nenhuma delas operária lá esses voos internacionais

Bem diferente Leelatim.

 

A Gol iria abrir alguma base no Nordeste, com ou sem incentivo, aproveitou o oportunismo dos políticos para proveito próprio. Talvez não seria 14x FOR-Flórida, mas teria voos. Basta ver a Azul que montou um hub em REC.

 

O motivo da Gol fazer isso é simples: LATAM pode fazer GRU-Flórida direto, ela não. Precisaria de uma escala do mesmo jeito.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Bem diferente Leelatim.

 

A Gol iria abrir alguma base no Nordeste, com ou sem incentivo, aproveitou o oportunismo dos políticos para proveito próprio. Talvez não seria 14x FOR-Flórida, mas teria voos. Basta ver a Azul que montou um hub em REC.

 

O motivo da Gol fazer isso é simples: LATAM pode fazer GRU-Flórida direto, ela não. Precisaria de uma escala do mesmo jeito.

Para costurar um desconto, a Gol inclusive negociou a entrada de sua sócia AF/Klm para reforçar o acordo, não tá colocando à toa 14 frequencias em For e outras 14 em BSB porque não vai ganhar absolutamente nenhum incentivo, com o dólar nas alturas, não faz o menos sentido voltar aos EUA com o dobro de frequencias que abandonou,quando o dólar nem sequer tinha alcançado 2,5

Share this post


Link to post
Share on other sites
Aeroporto de Fortaleza registra aumento de 19,4% no número de passageiros em setembro
07:00 / 13 de Outubro de 2018
Foram mais de 555 mil passageiros movimentados. No acumulado do ano, cerca de 4,7 milhões de pessoas passaram pelo terminal
Mais de 4,7 milhões de pessoas passaram pelo terminal no anoFoto: Natinho Rodrigues

O aumento da malha da Latam em conjunto com o hub da Air France-KLM e Gol fizeram o número de passageiros aumentar 19,4% em setembro, registrando o embarque e desembarque de mais de 555,3 mil passageiros no Aeroporto Internacional de Fortaleza. Segundo dados do boletim da Fraport AG, no acumulado do ano, passaram pelo terminal da Capital cerca de 4,7 milhões de pessoas, uma elevação de 6,4%, na comparação com igual período de 2017.

"Apesar de agosto e setembro serem meses de baixa estação, houve incremento na malha da Latam. Com certeza o próprio hub também colaborou para termos esses resultados positivos", analisa o engenheiro aeronáutico Igor Pires.

De acordo com ele, o mês de outubro deve ser ainda melhor. "Justamente porque outubro já não é tão 'cara' de baixa estação. Se o aeroporto mantiver esse crescimento no número de passageiros devemos fechar o ano melhor ou igual que 2014, quando tivemos a Copa do Mundo e quando foi o melhor resultado da série histórica", explica.

Segundo a Fraport AG, em setembro houve aumento também no movimento de aeronaves. Foram 5,2 mil no mês passado, um crescimento de 29,2%. No acumulado do ano, foram mais de 42,4 mil movimentos, alta de 9,6% ante igual período de 2017.

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
Movimentação de cargas no Aeroporto cresce 30,4% em setembro
00:00 / 13 de Outubro de 2018
Segundo os dados da Fraport AG, foram 3,960 mil toneladas transportadas em setembro. Analista aponta maior competitividade no Terminal
Calçados, frutas, flores e peixes, além de produtos têxteis e confecções são os principais artigos transportados por avião do CearáFOTO: NATINHO RODRIGUES

A eficiência logística e os preços competitivos foram responsáveis pelo aumento de 30,4% na movimentação de cargas no Aeroporto Internacional de Fortaleza em setembro deste ano, ante igual mês de 2017.

Segundo dados da Fraport AG, concessionário do Aeroporto, foram 3,960 mil toneladas transportadas.

Com esse resultado, no acumulado do ano, foram 32,510 mil toneladas movimentadas, avanço de 23,4% ante igual período do ano anterior. "O impacto que nós percebemos é resultado da eficiência logística por conta de um maior número de voos e consequentemente maior capacidade nos porões para carga. Além disso tem o preço competitivo. Nós sempre alertamos que apesar de termos o hub nós precisávamos ter condições especiais para as empresas", explica Karina Frota, gerente do Centro Internacional de Negócios do Ceará (CIN-CE).

Segundo ela, normalmente são transportados via modal aéreo calçados, frutas, flores, peixes ornamentais e produtos têxteis e confecções.

Fonte: Diário do Nordeste - 15/10/2018

PALAVRAS-CHAVES:

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
NOVAS ROTAS
Hub global: como Gol ligará Nordeste e Norte ao mundo no Ceará
20/10/2018 18:29 | Leonardo Ramos
Jhonatan Soares
default.jpgAnderson Wolff explica planos da Gol para ligar regiões Norte e Nordeste ao globo através de hub em Fortaleza

JOÃO PESSOA - Para quem pensa que a Gol Linhas Aéreas se deu por satisfeita com os diversos anúncios deste ano de voos partindo de seu novo hub, em Fortaleza, para destinos nacionais e internacionais, a companhia fez questão de garantir que não. O supervisor comercial corporativo da empresa, Anderson Wolff, revelou durante o segundo dia do JPA Travel Market um pouco dos planos da aérea a partir da capital cearense.

E o sonho é alto: ligar as regiões Nordeste e Norte, por meio de "conexões rápidas em Fortaleza", ao resto do globo - isso tanto através de voos próprios, para Orlando e Miami e que estreiam em duas semanas (5 de novembro) no período da tarde, quanto os da parceira Air France-KLM, que ligam a cidade às capitais francesa, Paris, e holandesa, Amsterdam, com voos noturnos.

BANCOS DE CONEXÕES Segundo Anderson Wolff, a ideia principal para isso é simples: alimentar os voos internacionais da Gol e da Air France-KLM saindo de Fortaleza, com as dezenas de voos da aérea que vêm das capitais nordestinas e do Norte, lançados principalmente após a criação do novo hub. Recife, Manaus, Teresina, Natal, João Pessoa, Maceió, Belém, Salvador e Porto Seguro são alguns dos exemplos de destinos conectados à Fortaleza pela Gol.

"Mas tudo isso tem que ser feito com estratégia bem calculada dos horários", explica o executivo. Segundo ele, para abastecer de forma eficiente os voos ao Exterior, com escalas rápidas, dois "bancos de conexões" foram criados: um entre 7h e 8h, e outro das 18h às 19h.

O primeiro deles trará os passageiros que farão conexão com os voos para Orlando (14h25) e para Miami (14h05); já a segunda janela de tempo permitirá que brasileiros do Norte e Nordeste façam uma escala rápida para os voos da Air France-KLM para Paris (19h35) e Amsterdam (19h50) saindo de Fortaleza.

"Então essas dezenas de voos entre Norte e Nordeste e nosso hub permitirá que, com conexões curtas e rápidas, qualquer passageiro das duas regiões possam ir aos Estados Unidos ou à Europa em um voo de maior qualidade e menor tempo. A experiência será muito melhor do que eles tem acesso atualmente", argumenta Anderson Wolff.

Já nos destinos norte-americano e europeus, as parcerias da Gol - além da Air France-KLM, a Delta é sócia da companhia brasileira - seriam as responsáveis por completar a conexão global dos passageiros brasileiros para o resto do mundo.

"Com elas, 700 destinos do globo estão disponíveis, tudo com uma ou duas conexões apenas", destaca Wolff.

MAIS EUROPA? E a ideia da Gol não é parar por aqui. Graças às novas aeronaves Max 8, da Boeing, o lançamento de mais voos internacionais operados pela própria aérea são viáveis - Europa e África são citados como possíveis novos destinos da companhia brasileira.

Um período de testes após a inauguração dos destinos Orlando e Miami, em que será avaliado como os horários escolhidos e se a demanda de Norte e Nordeste acompanhará a ampliação da oferta da Gol, definirá os próximos passos da companhia na região.
  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

 

Exportações pelo hub aéreo da Capital já somam 18 toneladas por semana

 

12:33 / 23 de Outubro de 2018

 

Lagostas, peixes ornamentais, frutas e flores são os principais produtos exportados pelo Estado por meio dos voos da KLM e da Joon

 

Com quase seis meses de operação, o hub da Air France-KLM e Gol no Aeroporto Internacional de Fortaleza já proporcionou um incremento no número de passageiros e na movimentação de cargas. De acordo com o titular da Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Ceará, Cesar Ribeiro, somente pelo hub, já são exportadas 18 toneladas de cargas por semana.

"São 14 pelos voos da KLM e 4 pelos voos da Air France (operados pela companhia aérea Joon). Isso nos deixa muito satisfeitos, pois agrade muito valor, não só para o turismo, mas para a economia do Estado como um todo", destaca Cesar Ribeiro. Ele acrescenta que os principais produtos exportados pelo hub aéreo do Ceará são lagostas, peixes ornamentais e frutas, além de flores produzidas no Estado, cujo destino principal é Amsterdã, na Holanda.

O secretário visitou, na manhã desta terça-feira (23), ao lado do governador Camilo Santana e de outros membros do Governo do Estado, as obras de ampliação do Aeroporto de Fortaleza, administrado pela concessionário Fraport

Fonte: Diario do Nordeste.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

haveria alguma chance de sucesso se uma outra nacional, além da Azul, montasse um hub em Recife, um hub para vôos intra-Nordeste e com vôos internacionais? Pergunto Recife porque a meu ver é a cidade mais bem situada geograficamente pra ligar o "norte" do NE com o "sul" do NE, via hub

Share this post


Link to post
Share on other sites

haveria alguma chance de sucesso se uma outra nacional, além da Azul, montasse um hub em Recife, um hub para vôos intra-Nordeste e com vôos internacionais? Pergunto Recife porque a meu ver é a cidade mais bem situada geograficamente pra ligar o "norte" do NE com o "sul" do NE, via hub

Depende de vários fatores, principalmente econômico.

 

Não montaria no REC, NE é local de uma empresa por focus-cities (vejo mais como focus-cities do que hubs de fato).

 

REC e FOR já são territórios da AD e G3. SSA seria bem ótimo como ponto doméstico entre NE-SE, mas perde no internacional. NAT dependeria de muita conexão, apesar de ser ótimo para carga.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Depende de vários fatores, principalmente econômico.

 

Não montaria no REC, NE é local de uma empresa por focus-cities (vejo mais como focus-cities do que hubs de fato).

 

REC e FOR já são territórios da AD e G3. SSA seria bem ótimo como ponto doméstico entre NE-SE, mas perde no internacional. NAT dependeria de muita conexão, apesar de ser ótimo para carga.

 

montaria em Salvador então? estava pensando em cidade pra eervir principalemte de hub intra Nordeste

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

montaria em Salvador então? estava pensando em cidade pra eervir principalemte de hub intra Nordeste

Sim, das 3 grandes cidades da região é a única sem uma empresa com hub. E é uma das duas que tem gestão privada.

 

O tráfego intra-NE não é tão grande quanto o SE-NE. Uma empresa pode priorizar mais esta última do que a primeira. Do ponto de vista dos sulistas, SSA é a primeira parada. O ruim é que para Europa e EUA dependerá de aeronaves com alcance maior que os MAX e NEO. Mas por que não fechar acordos com as empresas que já operam lá?

Share this post


Link to post
Share on other sites

O tráfego intra-NE não é tão grande quanto o SE-NE.

 

ANAC 9M18

 

Embarques em FOR 2.219.533 100,0%

FOR-GRU 637.620 28,7%

CGH 55.304 2,5% SAO 31,2%

BSB 288.648 13,0%

GIG 234.187 10,6%

REC 227.653 10,3%

SSA 149.990 6,8%

BEL 143.067 6,4%

SLZ 85.567 3,9%

NAT 77.526 3,5%

MAO 75.443 3,4%

VCP 58.184 2,6%

THE 53.873 2,4%

CNF 47.552 2,1%

 

O que está em negrito 59,5%.

 

SSA 2.729.444 100%

SSA- GRU 739.098 27,1%

CGH 348.790 12,8% SAO 39,9%

GIG 338.799 12,4%

SDU 9.281 0,3% RIO 12,7%

BSB 280.084 10,3%

CNF 177.517 6,5%

VCP 136.915 5,0

POA+CWB+IGU+VIT+GYM 68.207 2,5% até aqui 76,9%

 

SSA-THE/SLZ 955 cnx JJ

BEL/MAO 0 vai tudo via FOR com a G3 ou AD via REC

 

Embarques em REC 2.891.353 100,0%

REC-GRU 763.062 26,47%

CGH 228.021 7,9% SAO 34,3%

GIG 311.766 10,8%

SDU 2.138 0,1%

BSB 256.030 8,9%

VCP 155.373 5,4%

CNF 119.495 4,1%

CWB+POA+GYN 49.588 1,7% até aqui 65,3%

 

REC-BEL+MAO 66.425 2,3%

REC-SLZ+THE 77.439 2,7%

 

Não tem muito o que fazer, quem lançar SSA-BEL ou MAO vai tirar da G3 em FOR.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
Sign in to follow this  

×
×
  • Create New...