Jump to content
Sign in to follow this  
Léo Almeida

Voos internacionais em Fortaleza dobraram em 1 ano; o que está acontecendo?...

Recommended Posts

Minha opinião seria a mesma se o trecho partisse de BSB, CNF, VIX ou POA. É fato que GRU é a rota, no BR, que recebe mais atenção da AF. Tanto é que já existe há pelo menos 30 anos.

De modo implícito, você está dizendo que os comentários sobre aeronave etc, se dão porque é uma cidade do nordeste. Pare com isso. Chega de vitimismo.

  • Like 3

Share this post


Link to post
Share on other sites

E só pra provar que você falou besteira, mal deve saber que o 772 da AF tem config de 312pax, enquanto o A332 tem config de apenas 208pax, com 40 assentos na executiva.

 

Mal sei mesmo.... vou para CDG de AF só de 60/60 dias.

 

E você acha mesmo que eu estou bravo que a AF vai mudar o equipamento?! Me poupe né....

 

Apenas acho que os planos podem ter mudado com o fim da Joon e a incorporação à AF Mainline.

 

Não acredito que os A350 virão com configuração leisure e uma classe executiva que não seja de primeira linha.

 

Talvez por isso a dificuldade na definição da aeronave correta.....

Share this post


Link to post
Share on other sites

Tanto faz a aeronave, importa é que o destino está aí.

 

E se a Air France não tem aeronave adequada, a KLM tem.

 

Melhor diário de NEO do que 2 semanais de A380...

 

Alias, sobre os A350 da AF:

 

Air France CEO: A350s to be ‘the heart of our fleet’
April 11, 2019
Air France CEO Anne Rigail said A350s on order will be “the heart of our fleet along side the Boeing 777s” (Le Point, 08-Apr-2019). Initial deliveries will have a three class configuration with 34 business seats in 1-2-1 layout, 24 premium economy seats and 266 economy seats.
  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Daqui para o ano que vem vai ter, pessoas da empresa já estão falando, e eu também ouvi falar, mas a data era outra.

 

Até o fim do ano. A manutenção da KLM já está se planejando para fazer o curso do avião na Holanda.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

De qualquer modo, já da pra ver que uma notícia dessas incomoda muito, principalmente se colocarem uma aeronave nova numa rota para FOR, enquanto GRU e GIG vão continuar com aeronaves "antigas".

 

Não sei de "novos" 777..

.

A questão não é aeronave nova ou antiga mas a configuração das mesmas. Em GRU, a AF operará TODOS OS DIAS com seus 773 mais premiuns, com First Class e até 5 classes. Os 772 da segunda operação diária possuem já há bastante tempo a nova configuração da Business.

 

No GIG, por outro lado, os 773 diários ainda mantêm a antiga configuração 2-3-2 na Business. Não sei como será em FOR.

Share this post


Link to post
Share on other sites

A questão não é aeronave nova ou antiga mas a configuração das mesmas. Em GRU, a AF operará TODOS OS DIAS com seus 773 mais premiuns, com First Class e até 5 classes. Os 772 da segunda operação diária possuem já há bastante tempo a nova configuração da Business.

 

No GIG, por outro lado, os 773 diários ainda mantêm a antiga configuração 2-3-2 na Business. Não sei como será em FOR.

Cinco classes?!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Confirmado para os funcionários da KLM em FOR, mudança para B777 a partir de dezembro

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Cinco classes?!

Sim.

https://seatguru.com/airlines/Air_France/Air_France_Boeing_777-300ER_Four_Class_V3.php

Seats: Business 40 | Economy 202 | La Première 4 | Premium Economy 28 | Seat Plus 48

 

Às vezes, vem o 773 com 4 classes, mais premium ainda:

Seats: Business 58 | Economy 206 | La Première 4 | Premium Economy 28

 

O importante foi a decisão da AF de oferecer a First diariamente em GRU concorrendo de igual para igual com a LX, LH e BA nas rotas Brasil - Europa.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Considerando voos dentro do Nordeste, a GOL tem conectividade muito ruim de FOR para boa parte da região. Não sei se o 737 é "muito avião" para trechos como FOR-JPA, FOR-MCZ, FOR-AJU.

 

Pelo que vi em algumas pesquisas, até FOR-SLZ, ou FOR-THE apesar de diretos não são diários.

 

É muito complicado falar do HUB FOR com precisão; É tudo muito novo dentro da empresa e há uma série de ajustes de ofertas e testes de demandas dentro por lá. Mas pelo que tenho acompanho, a G3 faz constatemente ajustes pontuais tanto no hub diurno como noturno, no final, um hub no meio da tarde com junção dos dois resolveria. A Air France como KLM pode ajustar a decolagem tanto de CDG como AMS para 10h, o que não teria percas de conexões em seus hubs, com isso a G3 ajustaria o HUB para o meio da tarde... A questão só é slot.

 

Sobre esses voos citados cabe lembrar: FOR-JPA já operou 2 voos diários com a Azul, FOR-MCZ começa em Julho com voos sazonais para testes de demanda e FOR-AJU já foi atendida via REC com a Latam. Acredito que é questão de tempo tais voos de concretizarem, até como porque, como já foi dito em matéria... O interesse maior é oferecer conexões para o Norte do Brasil atraves do HUB, assim como Europa.

Edited by Approach-Air

Share this post


Link to post
Share on other sites

Um dos JPA-FOR se iniciava justamente em Mcz com atr. A partir de agosto, o FOR-SLZ será diário e o THE será 15vpmes. Se o MCZ FOR nao for bom suficiente em julho, o que acho difícil, a gol poderia voltar com Mcz e Aju para Ssa às 05h da manhã e, de SSA, estariam ligados aos bancos de FOR. A gol precisa ligar, ainda mais agora, JDO ao hub.

Share this post


Link to post
Share on other sites

A questão não é aeronave nova ou antiga mas a configuração das mesmas. Em GRU, a AF operará TODOS OS DIAS com seus 773 mais premiuns, com First Class e até 5 classes. Os 772 da segunda operação diária possuem já há bastante tempo a nova configuração da Business.

 

No GIG, por outro lado, os 773 diários ainda mantêm a antiga configuração 2-3-2 na Business. Não sei como será em FOR.

 

Na verdade estão operando 6 vps com 77W.

 

https://www.flightradar24.com/data/flights/af454 5 vps

 

https://www.flightradar24.com/data/flights/af456 1 vps

 

Só a partir de agosto fica diário, considerando os dois voos. E não são os 77s mais premiuns, vão ter muitos voos com J reduzida, principalmente em julho-agosto.

 

HAF0454 AF0457 23JUL18AUG 0200507 32277W CDGCDG0625 1510CDGCDG JJ
HAF0454 AF0457 24JUL17AUG 0030060 32277W CDGCDG0625 1510CDGCDG JJ
HAF0454 AF0457 25JUL19AUG 1004000 32277W CDGCDG0625 1510CDGCDG JJ essa config 322 só tem 38J, contra 58 do 296.
HAF0456 AF0459 31MAR07APR 0000007 312772 CDGCDG1655 1855CDGCDG JJ
HAF0456 AF0459 01APR02JUL 1200000 312772 CDGCDG1655 1855CDGCDG JJ
HAF0456 AF0459 03APR14JUN 0034500 312772 CDGCDG1655 1855CDGCDG JJ
HAF0456 AF0459 06APR15JUN 0000060 312772 CDGCDG1655 1855CDGCDG JJ a 312 tem 28J, contra 40J na 280.
HAF0456 AF0459 12JUL16AUG 1234500 316772 CDGCDG1655 1855CDGCDG JJ
HAF0456 AF0459 13JUL18AUG 0000067 316772 CDGCDG1655 1855CDGCDG JJ esse só tem 16J
HAF0456 AF0459 19AUG25OCT 1230500 312772 CDGCDG1655 1855CDGCDG JJ
HAF0456 AF0459 22AUG24OCT 0004000 280772 CDGCDG1655 1855CDGCDG JJ
HAF0456 AF0459 24AUG26OCT 0000067 312772 CDGCDG1655 1855CDGCDG JJ
Configurações de alta temporada, mais leisure.
Edited by TheJoker

Share this post


Link to post
Share on other sites

Um dos JPA-FOR se iniciava justamente em Mcz com atr. A partir de agosto, o FOR-SLZ será diário e o THE será 15vpmes. Se o MCZ FOR nao for bom suficiente em julho, o que acho difícil, a gol poderia voltar com Mcz e Aju para Ssa às 05h da manhã e, de SSA, estariam ligados aos bancos de FOR. A gol precisa ligar, ainda mais agora, JDO ao hub.

 

Sim, mas a demanda O&D era majoritamente de JPA...Os voos perfomaram muito bem e só chegaram ao fim por causa da proposta do HUB REC.

 

Quanto à THE e SLZ, os voos entram com aeronaves que pernoitavam na base ou com reduções de NAT, BEL ou MAO. O que quero chamar atenção: A companhia não está disponibilizando novas aeronaves para o HUB, apenas ajustando às que já operam na base. Vai demorar muito para ela colocar pelo menos 10 aeronaves/hora porque tudo é sinônimo de testes e reduções.

 

Para se ter ideia como o amigo citou, nem FOR-JDO a companhia cogita. FOR-LIS ainda é um sonho com o MAX.

Edited by Approach-Air
  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Sim, mas a demanda O&D era majoritamente de JPA...Os voos perfomaram muito bem e só chegaram ao fim por causa da proposta do HUB REC.

 

Quanto à THE e SLZ, os voos entram com aeronaves que pernoitavam na base ou com reduções de NAT, BEL ou MAO. O que quero chamar atenção: A companhia não está disponibilizando novas aeronaves para o HUB, apenas ajustando às que já operam na base. Vai demorar muito para ela colocar pelo menos 10 aeronaves/hora porque tudo é sinônimo de testes e reduções.

 

Para se ter ideia como o amigo citou, nem FOR-JDO a companhia cogita. FOR-LIS ainda é um sonho com o MAX.

 

Perfeito o que disseste, apenas para ajustar algo, eles criaram o 4o FOR-GIG para fazer o THE (ou SLZ), o que desejar. De fato, a única adição de vôo pós início do hub, retirando os max, foi esse o GIG-FOR-THE(SLZ)-FOR-GIG.

 

Acreditei que haveria aumento por força de legislação, mas eles já estão acima do mínimo permitido. Não é possível que, com a saída da avianca, eles não incrementem nem que seja FOR-SAO, aí poderia surgir o análogo da avianca GRU-JDO-FOR-JDO-GRU, pelo menos 1. Uma aposta natural seria substituindo os vôos noturnos da avianca, porque ligaria JDO ao banco da Noite. Um 737-700 seria ideal, e ganharia mto o mercado do ATR, ao invés de fazer JDO-REC-NE, faria JDO-FOR-NE-FOR-JDO.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Um outro fato importante é que a companhia possui 4 hubs operando na mesma faixa de horário:

 

GIG focus: Nordeste, CNF, VIX > Sudeste-Sul-EZE-MVD-SCL (além de uma oferta razoavel no SDU)

FOR focus: Nordeste > intra-nordeste, Europa, EUA e Norte

GRU focus: Sul, Sudeste, Nordeste, Centro-Oeste > Sudeste, Sul, intra-sudeste, internacional geral (oferta consideravel em CGH > reduções p/ o NE em JUL)

BSB focus: Norte, Nordeste > intra-nordeste, intra-norte, intra-centro oeste, EUA e EZE.

 

GIG, FOR, BSB e mais recente GRU: Operam os quatro entre 06h30 e 09h30

GIG: Hub entre 11h30/13h...16h30-17h30 (Apenas Sul/Sudeste > Nordeste < Sul/Sudeste). Operações minimas.

GIG, FOR, BSB e mais recente GRU: Operam os quatro entre 20h e 22h30

 

Não há um hub alternativo como a Latam faz em BSB (06h às 07h30 - 23h às 00h) e relação a GRU (08h-11h / Meio da tarde/ 20h às 23h30)

 

Falta a cia aproveitar de fato esses horários de fim da noite / começo da manhã e meio da tarde. Apesar de saber que o foco de FOR é Norte, intra-nordeste e Europa... Ela por vezes usa o Hub de BSB para isso (Intra-Nordeste / Norte e EUA/EZE), acaba que ela mesmo confunde os hubs e deixa para o pax decidir de acordo com a tarifa e não pelos horários. Um outro exemplo claro, é o pax que seguem para EZE, em uma mesma faixa de horário ele tem os 3 hubs e fica descoberto o resto do dia.

Edited by Approach-Air

Share this post


Link to post
Share on other sites

Na verdade estão operando 6 vps com 77W.

 

https://www.flightradar24.com/data/flights/af454 5 vps

 

https://www.flightradar24.com/data/flights/af456 1 vps

 

Só a partir de agosto fica diário, considerando os dois voos.

 

Por isto que escrevi “OPERARÁ”. Há algum tempo que a AF não oferecia P diariamente em GRU. Sinal que a demanda mais premium que voa First Class está aquecida entre SP e Paris. Na América Latina, somente MEX também tem a honra de receber “La Première”.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Sim, mas a demanda O&D era majoritamente de JPA...Os voos perfomaram muito bem e só chegaram ao fim por causa da proposta do HUB REC.

 

Quanto à THE e SLZ, os voos entram com aeronaves que pernoitavam na base ou com reduções de NAT, BEL ou MAO. O que quero chamar atenção: A companhia não está disponibilizando novas aeronaves para o HUB, apenas ajustando às que já operam na base. Vai demorar muito para ela colocar pelo menos 10 aeronaves/hora porque tudo é sinônimo de testes e reduções.

 

Para se ter ideia como o amigo citou, nem FOR-JDO a companhia cogita. FOR-LIS ainda é um sonho com o MAX.

 

Prefiro aguardar a conclusão das obras para ver. Nos horários mais importantes, o aeroporto já está no limite, não tem como colocar mais voos do que os atuais. Já colocaram as principais cidades do Norte e Nordeste, outras como JPA, MCZ, AJU, PVH, JDO, etc.. são secundárias. Por isso que acho que substituem um voo por outro, ao invés de acrescentar. Acredito que haja demanda para todas essas que citei e algumas outras, mesmo que não sejam voos diários.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

777 parece-me um tremendo avião. As ocupações abaixaram, apesar do enorme êxito no começo. O ideal seria o A332 para 224 lugares. 787 é Premium para o mercado.

Não duvido do potencial do hub, no entanto, é preciso levar em conta a situação delicada e as péssimas projeções do país -sobretudo- se uma reforma da previdência necessária não passar.

Share this post


Link to post
Share on other sites

777 parece-me um tremendo avião. As ocupações abaixaram, apesar do enorme êxito no começo. O ideal seria o A332 para 224 lugares. 787 é Premium para o mercado.

Não duvido do potencial do hub, no entanto, é preciso levar em conta a situação delicada e as péssimas projeções do país -sobretudo- se uma reforma da previdência necessária não passar.

 

Algo normal para a baixa temporada na região.. No entanto, a ocupação no sentido FOR/CDG se mantem muito boa.

 

Se trabalharem, conseguem melhorar essa taxa de ocupação na baixa temporada. 224 assentos não seriam suficientes para cumprir a perna FOR/CDG, mesmo na baixa.

 

Tomara que a KLM também coloque o 772 no futuro.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Para manter incentivos do hub, Gol precisa de mais 10 voos na Capital

Por Hugo Renan do Nascimento, hugo.Renan@diariodonordeste.com.br 23:00 / 02 de Maio de 2019

Após um ano de operação do centro de conexões em Fortaleza, a companhia possui média de 40,8 voos diários. A partir do 2º ano, a empresa deve operar pelo menos 50 operações domésticas, todos os dias, para manter isenções

NEGÓCIOS

gol hub aeroporto

gol hub aeroporto

Companhia usufrui de isenções fiscais por manter centro de conexões em Fortaleza

Foto: Benito Latorre

A Gol Linhas Aéreas precisa anunciar, já a partir de hoje (3), mais 10 voos (decolagens e pousos) de/para Fortaleza para continuar usufruindo a isenção do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), garantido pelo decreto de incentivo à instalação de centros de conexão no Estado. A companhia completa nesta sexta-feira um ano de operações do hub, em parceria com o grupo Air France/KLM, e possui uma média de 40,8 voos diários, pouco mais que o mínimo necessário para ter direito ao incentivo fiscal. O decreto estadual, no entanto, exige, a partir do segundo ano de hub, 50 operações domésticas por dia.

 

"Na fase de implantação, assim considerado o primeiro ano de operação dos voos, a companhia aérea terá direito à sistemática de tributação diferenciada de que trata este Decreto desde que, por meio de operações próprias ou coligadas, apresente a frequência de cinco voos semanais internacionais, operados com aeronave de corredor duplo (widebody), e 40 voos diários com interligação nacional, considerada a totalidade de chegadas e partidas no aeroporto internacional", estabelece o decreto estadual de 13 de dezembro de 2017.

 

A Gol, em parceria com o grupo franco-holandês, possui sete voos internacionais e cumpre em sua totalidade a sistemática de tributação do decreto. "Na minha opinião, inicialmente, esse crescimento no número de passageiros e voos em Fortaleza não é sustentável. Ele está vinculado ao decreto, porque se não houvesse o documento, ou se ele viesse a ser revogado, as companhias teriam outras opções, como deslocar o hub para outro Estado", analisa o presidente da Comissão de Direito Aeronáutico e Espacial da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-CE), Bruno Rabelo.

 

Segundo o advogado, na sua totalidade, o decreto é positivo para o desenvolvimento da aviação comercial no Estado. "Mas com reservas, porque eu defendo a liberdade de mercado. Para mim, sempre o melhor para o consumidor é a liberdade de mercado com a concorrência. Na medida em que esse decreto torna o Ceará atrativo, ele abre outras possibilidade que seriam inviáveis, como uma empresa de pequeno porte querer operar um voo internacional não regular. Essa empresa não teria os mesmos benefícios que as companhias grandes têm por estarem em uma categoria diferente", aponta.

 

Atratividade

 

Para Luís Felipe de Oliveira, diretor-executivo da Associação Latino-Americana e do Caribe de Transporte Aéreo (Alta), os incentivos são necessários para gerar atratividade ao local.

 

"Na verdade, quando você gera atratividade, gera investimentos no aeroporto, por exemplo, que está sendo realizado. E segundo, você gera um fluxo de passageiros. Você faz com que o destino passe a ser desejado pelos passageiros que vêm a Fortaleza. É claro que se o local se torna muito caro ou de difícil acesso ou a condição macroeconômica não ajuda, você faz com que todo esse atrativo gerado se perca. Então, a ideia é continuar investindo e continuar crescendo. E os incentivos se transformam em benefício à população", explica.

 

Movimentação

 

Em menos de um ano de operação do centro de conexões, o hub da Gol e Air France/KLM movimentou quase 2,5 milhões de passageiros na Capital. Dados consolidados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) apontam que em 10 meses (de maio de 2018 a março de 2019), o equipamento recebeu mais de 2,1 milhões de pessoas em voos domésticos da Gol, crescimento de 34,4% na comparação com maio de 2017 a março de 2018, quando o movimento foi de 1,5 milhão de passageiros.

 

No comportamento internacional, a Gol sozinha movimentou neste período mais de 66,5 mil pessoas no Aeroporto Internacional de Fortaleza. A alta neste quesito foi de 312%, quando a companhia havia transportado pouco mais de 16 mil passageiros.

 

Já o grupo franco-holandês, que começou com apenas quatro voos semanais e hoje comporta sete operações na semana, bateu a marca de 103,2 mil viajantes. "Eu acho que a gente está caminhando numa linha de crescimento muito similar ao hub do Panamá (um dos maiores centros de conexões das Américas). A gente teve um crescimento de 19,3% na movimentação geral do Aeroporto de Fortaleza, conseguiu atrair novas companhias internacionais e gerar um crescimento de mercado doméstico muito grande. É bom salientar que os novos mercados que devem ser descobertos vão gerar atratividade para Fortaleza. Nós temos um potencial doméstico e externo muito grande. O que a gente tem que fazer agora é tentar atrair o passageiro internacional para Fortaleza", analisa Oliveira.

 

Para ele, o hub de Fortaleza ainda está muito concentrado em emitir passageiros para os Estados Unidos, principalmente para a Flórida, e para a Europa. "A eliminação do visto americano e canadense pode gerar atratividade. Nós estamos falando de um potencial de 600 milhões de pessoas que podem gerar tráfego e negócios. Não é só a Air France-KLM que vai gerar esse fluxo de passageiros. Eles vão gerar um fluxo de passageiros europeus como a TAP. O que a gente agora tem que tentar buscar é atrair novos mercados".

Share this post


Link to post
Share on other sites

Um ano de hub impacta em mais de 100% no movimento internacional

| Aviação Ceará | O hub Air France-KLM/Gol completa um ano com recorde de movimentação de passageiros estrangeiros e nacionais no Aeroporto de Fortaleza

03/05/2019 00:03:02

820

0

FacebookTwitter

AERONAVES que voam as rotas do hub da Air France-KLM/Gol estão com mais de 90% de ocupação

AERONAVES que voam as rotas do hub da Air France-KLM/Gol estão com mais de 90% de ocupação (Foto: CAMILA DE ALMEIDA)

Há um ano tinha início a operação do hub Air France-KLM/Gol no Aeroporto de Fortaleza. Entre os resultados para o Ceará no período está o crescimento de 103,88% no número de passageiros internacionais que passaram pelo terminal. Foram 473.158 pessoas vindas de outros países entre maio de 2018 e março de 2019. Em igual período, entre 2017 e 2018, contabilizaram-se 232.073 turistas estrangeiros.

 

Variação modesta, mas não menos positiva, também é percebida no número de passageiros nacionais. Passou de 5.290.224 entre maio de 2017 e março de 2018 para 6.126.922 em igual período entre 2018 e 2019, um aumento de 15,82%. No total, a média de alta foi de 19,52%. Os dados são da Secretaria do Turismo (Setur).

 

"Isso demonstra a força do hub", analisa Arialdo Pinho, titular da Setur. Ele avalia que a localização privilegiada do Ceará e os incentivos ao centro internacional de conexão de voos foram fundamentais para a operação dos trechos que ligam Fortaleza a Paris e Amsterdã durante todos os dias da semana. Sem entrar em detalhes específicos, o secretário ventila que o hub aéreo pode se tornar ainda maior na Capital. "Tem mais companhia querendo participar".

 

Arialdo também analisa que é fundamental traçar novas rotas diretas para países como Itália e Inglaterra, bem como alargar a conexão do Estado com continentes como Ásia e África. De acordo com o secretário, a promessa feita pelo governo sobre a entrada de cidadãos dos Estados Unidos sem necessidade de visto no Brasil também abre espaço para possibilidades de ligações entre o Ceará e aeroportos estadunidenses. "Vai mudar muito o perfil (desse turista), pois vai facilitar bastante a entrada de norte-americanos no Brasil", projeta.

 

O titular da Setur avalia que os dados pós-hub possuem um impacto direto na liderança que Fortaleza ocupa entre as capitais brasileiras no quesito ocupação hoteleira. Como publicado no O POVO no último domingo, 28, a Capital lidera o ranking das 11 cidades analisadas pelo "Panorama da Hotelaria Brasileira: perspectiva de desempenho e nova oferta", feito pela Hotel Invest com apoio do Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil (Fohb).

 

O especialista em Transporte Aéreo, Adalbeto Febeliano, avalia que os resultados acumulados ao longo do primeiro ano de funcionamento do hub aéreo de Fortaleza podem ser avaliados como positivos. Ele ressalta que apenas o aumento verificado de 11,5% no número de passageiros no aeroporto da Capital em 2018 foi bem maior que o de muitas outras cidades brasileiras. "É um exemplo prático de como se potencializa o crescimento e o desenvolvimento de uma cidade. Tá crescendo mais rápido que o restante do País", analisa.

 

Ele, que também é professor de Economia do Transporte, destaca o trabalho desenvolvido pela Fraport na gestão do aeroporto de Fortaleza: "Quanto mais confortável, quanto mais acolhedor for um aeroporto, é mais reforçado esse desejo dos passageiros. Esse não é o motivo pelo qual o movimento cresceu, mas tudo ajuda, tudo tem somado".

 

Por meio de nota, a Fraport informa que 69% das obras de expansão do equipamento já foram concluídas. No final de fevereiro, o Fortaleza Airport entregou aos passageiros um novo acesso ao embarque internacional. O espaço, construído ao lado do antigo e que agora passa por reformas para somar à ampliação, abriga o controle de segurança e de passaporte.

 

Para a realização das fases 1B e C das obras, serão investidos R$ 1 bilhão, valor que contempla a contratação do consórcio, a compra de equipamentos, o desenvolvimento e a gestão do projeto.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Tomara que a KLM também coloque o 772 no futuro.

 

Mas já tá definido que a KLM vai operar com o 777 ainda esse ano

Share this post


Link to post
Share on other sites

Capacidade de transporte de cargas via aérea crescerá na Capital

Por Hugo Renan do Nascimento, hugo.renan@diariodonordeste.com.br 23:00 / 03 de Maio de 2019

Com mudança de aeronave que opera a rota Fortaleza-Paris a partir de novembro, capacidade de armazenamento de carga crescerá quase seis vezes no trecho. Aumento da oferta deve tornar preços mais competitivos ao setor

NEGÓCIOS

Voos da Gol, Air France e KLM

Voos da Gol, Air France e KLM

Em um ano, 1,2 mil t de carga foi exportado a bordo dos voos da Air France/KLM na Capital

Foto: Divulgação

A mudança de aeronave na rota Paris-Fortaleza, hoje operada pelo Airbus 340-300 da Joon, vai favorecer o transporte de cargas entre o Ceará e a Europa. Atualmente, o Airbus da empresa francesa tem capacidade de transportar apenas 2,5 toneladas por voo. A partir de novembro, com a adição do Boeing 777-200 na rota, a capacidade aumenta quase seis vezes, passando para 14 toneladas por voo.

 

“Para a atividade de carga isso vai gerar um crescimento da capacidade. Isso é muito bom para as exportações do Estado. Na KLM, já temos 15 toneladas por voo. Essa troca de aeronave vai ser muito positiva para a atividade de carga”, comentou o diretor geral da Air France-KLM para a América do Sul, Jean-Marc Pouchol, durante comemoração de um ano do hub do Grupo em parceria com a Gol em Fortaleza.

Para Karina Frota, gerente do Centro Internacional de Negócios do Ceará (CIN-CE), o aumento da capacidade vai favorecer a competitividade dos preços no mercado. “Aumentar parte do espaço destinado à carga significa que nós teremos uma maior oferta, provavelmente um preço mais competitivo. A gente vai aumentar a exportação daqueles produtos que já seguem via modal aéreo, mas que, por algumas vezes, a gente não tinha como aumentar esse volume porque a gente não tinha espaço destinado para a carga suficiente”, acrescentou ela.

 

De acordo com a Air France-KLM, de maio de 2018 a abril deste ano, as duas companhias juntas exportaram quase 1,2 mil toneladas a partir de Fortaleza e importaram mais de 350 toneladas. Entre os principais produtos estão frutas, como mamão, manga, mamão-papaia, peixes ornamentais e flores. “Há interesse da gente trabalhar com lagostas e frutos do mar em geral, mas isso vai se concretizar mais para a frente”, disse Pouchol.

 

Resultados

 

A Gol, a Air France e a KLM transportaram mais de 2,5 milhões de passageiros entre destinos domésticos e internacionais, em mais de 17 mil voos operados por essa aliança no período de um ano na Capital.

 

“Do ponto de vista do hub, a força do mercado e a força das conexões é que fazem a gente aumentar essas frequências. A gente está olhando o tempo inteiro oportunidades e não tem nenhuma outra rota planejada nesse curto prazo, mas a gente tem confiança de que com o crescimento da demanda do mercado a gente vai ser capaz de seguir crescendo e desenvolvendo cada vez mais o nosso posicionamento no hub de Fortaleza”, esclareceu Eduardo Bernardes, vice-presidente comercial e marketing da Gol.

 

 

Segundo ele, a partir de agosto, a Gol vai ofertar mais um voo ligando Fortaleza a Guarulhos (São Paulo). “Quando a gente completar aqui mais um ano de operação, a gente deve encontrar números na casa de 40% a 50% de crescimento em cima de uma base que já é grande. Então, os resultados seguem positivos. Precisa continuar trabalhando no desenvolvimento dos produtos turísticos e no estímulo ao mercado”.

 

Segundo Pouchol, do lado internacional, Fortaleza vem apresentando resultados muito bons. “Acho que eu nunca vi um crescimento tão rápido no mundo em termos da Air France/KLM. Estamos acima dos 40% dos passageiros realizando conexão em Fortaleza. São 35% dos brasileiros fazendo conexão e 25% para os europeus, ou seja, os europeus têm como Fortaleza o seu destino final”, completou.

 

De acordo com ele, a taxa de ocupação dos voos do Grupo na Capital continua no patamar de 90%. “Temos cada vez mais clientes estrangeiros nos voos. Nós temos uma maioria de estrangeiros, dependendo dos meses nós temos 60% dos clientes que vêm da Europa ou da Ásia para Fortaleza. Isso significa que o mercado está acompanhando muito bem o crescimento da nossa oferta aqui”.

 

Stopover

 

Dia 14, será apresentado o aplicativo do stopover, que estará disponível em 90 dias. A ferramenta vai possibilitar aos viajantes a oferta de descontos na rede hoteleira e em estabelecimentos da Capital. “Já oferecemos a possibilidade de fazer stopover. Daqui a pouco vamos organizar uma campanha no Nordeste para fomentar as conexões”, afirmou.

 

Preços dos bilhetes para Juazeiro devem ficar mais caros

 

Após o anúncio do voo entre Juazeiro do Norte e Fortaleza, a ser realizado pela Gol, o secretário do Turismo do Estado, Arialdo Pinho, afirmou que os preços dos bilhetes devem ficar mais caros, na comparação com os que eram comercializados pela Avianca.

 

“A Avianca trabalhava com preços muitos baixos e hoje os preços vão mudar, porque os últimos voos da Avianca custavam R$ 159 o trecho. Um ônibus leito custa R$ 170. Então, tinha algum erro no mercado. Esse preço é impossível porque o custo Brasil é muito elevado”.

De acordo com ele, a Latam também vai operar em Juazeiro com voos para Brasília. Em nota, a companhia negou. “A Latam Airlines Brasil informa que não tem planos de operar na localidade e segue avaliando todas as oportunidades”.

 

Pinho também afirmou que há espaço para apenas uma companhia operar voos entre a cidade e Fortaleza. “Nós temos combinado que só tem mercado para uma companhia fazer Fortaleza- Juazeiro. Não adianta a gente se enganar”.

 

No entanto, a Gol ainda não tem prazo para realizar os voos porque não há aviões suficientes. A companhia aguarda a liberação do Boeing 737 Max para reorganizar a malha e utilizar os B737 NGs. O secretário de Desenvolvimento Econômico do Juazeiro, Michel Araújo, se reunirá no dia 9 de maio com a Gol para definir as operações.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Sign in to follow this  

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade