Jump to content
Sign in to follow this  
A345_Leadership

Avianca Brasil entra com pedido de recuperação judicial [PARTE 1]

Recommended Posts

Apenas por uma questão de justiça, informo que finalmente a Avianca reembolsou o valor devido a mim, em meio a toda essa turbulência.

 

Meu voo era um BSB-CGH no dia 08/11, com a volta alguns dias depois. Sempre dizem que vão depositar e nada (direto na Conta Corrente, paguei via débito). O prazo mais recente venceu na segunda-feira passada, e claro, descumpriram.

  • Like 3

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sem um aporte não vejo saída pra Avb senão diminuir e muito sua operação, isso se ela não for sufocada por outras aéreas.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Quais as reais chances da Avianca tem de sobreviver ou é questão de tempo? Visto, que se reduzir seu tamanho, deverá sofrer uma competição selvagem das outras com ela.

É difícil dizer. Baseado nas experiências passadas (RG, VP, TR e BRA) pode falar que vai ladeira abaixo, por outro lado a Gol estava em situação tão ruim quanto ela e vem se recuperando (não saiu do PL negativo, mas vem apresentando melhoras), pode falar que a empresa tem chances.

 

Pessoalmente vejo a ONE com bastante chance de superar isso, desde que ela tome medidas ágeis e que seus donos abram mão do controle da empresa. A audiência do dia 14/01 foi um fiasco ao meu ver, pois foi necessário dar mais prazo para a empresa pagar e apresentar algo, da mesma forma que foram radicais em cortar o internacional - maior fonte de prejuízo.

 

Tenho certeza que se apresentarem um plano de negócios, com previsões de aportes, garantias e transparência, os credores serão muito mais complacentes com a empresa, evitando de ir na justiça para tomar aviões.

 

Que vendam a empresa por R$ 1 e o novo dono usa o aporte para caixa e pagar dívidas de curto prazo. Mas, o ego do empresário brasileiro não deixa.

  • Like 6

Share this post


Link to post
Share on other sites

É difícil dizer. Baseado nas experiências passadas (RG, VP, TR e BRA) pode falar que vai ladeira abaixo, por outro lado a Gol estava em situação tão ruim quanto ela e vem se recuperando (não saiu do PL negativo, mas vem apresentando melhoras), pode falar que a empresa tem chances.

 

Pessoalmente vejo a ONE com bastante chance de superar isso, desde que ela tome medidas ágeis e que seus donos abram mão do controle da empresa. A audiência do dia 14/01 foi um fiasco ao meu ver, pois foi necessário dar mais prazo para a empresa pagar e apresentar algo, da mesma forma que foram radicais em cortar o internacional - maior fonte de prejuízo.

 

Tenho certeza que se apresentarem um plano de negócios, com previsões de aportes, garantias e transparência, os credores serão muito mais complacentes com a empresa, evitando de ir na justiça para tomar aviões.

 

Que vendam a empresa por R$ 1 e o novo dono usa o aporte para caixa e pagar dívidas de curto prazo. Mas, o ego do empresário brasileiro não deixa.

A comparação com a GoL não tem muito a ver com essa situação da AVB.

A G3 tem capital aberto, auditada, administração muito mais profissional nos últimos anos, a começar pelo presidente, que fez uma mudança completa na empresa com muito pé no chão.

  • Like 4

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Serão canceladas as marcas das acfts: PR-OBP, OBK, OBJ, OBI, OBH, OBF, OBD, OCA, ONX e ONW.

Ou seja, o último a sair, apaga a luz.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Que vendam a empresa por R$ 1 e o novo dono usa o aporte para caixa e pagar dívidas de curto prazo. Mas, o ego do empresário brasileiro não deixa.

 

Vai falar isso aqui, que vc vai ser crucificado. Experiência própria.

 

Compartilho de seu ponto de vista.

  • Like 4

Share this post


Link to post
Share on other sites

A comparação com a GoL não tem muito a ver com essa situação da AVB.

A G3 tem capital aberto, auditada, administração muito mais profissional nos últimos anos, a começar pelo presidente, que fez uma mudança completa na empresa com muito pé no chão.

Claro que tem, patrimônio negativo, fluxo de caixa negativo, sobreoferta. Independe se é capital aberto ou não.

 

O que falta para a ONE é ter a parte em negrito.

 

O empresário no caso é boliviano rs.

Boliviano naturalizado brasileiro, com cidadania colombiana e passaporte polonês :P

  • Like 3

Share this post


Link to post
Share on other sites

O empresário no caso é boliviano rs.

Ele tem a nacionalidade que o país necessitar, kkkkkk... É Boliviano-Polonês-Brasileiro-Colombiano.

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

Parece que a Anac não vai poder cancelar as matrículas até dia 1/02. Alguém confirma?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Em carta do presidente aos funcionários enviada hoje, Pedreira afirma que a decisão da ANAC está em desacordo com a decisão judicial determinada no dia 14/01, e que já estão tomando ações para não impactar na operação.

 

Hoje passaram por uma nova audiência e foi suspenso a medida.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Desde o pedido de recuperação judicial da Avianca, há um mês, o mercado especula sobre o interesse de David Neeleman, dono da Azul, em comprar a concorrente. Uma fonte a par das negociações garante que o interesse de Neeleman é outro. Ele está em tratativas com as empresas de leasing que arrendaram as aeronaves para a Avianca. Apesar de proteger os credores, a recuperação judicial não cobre os arrendamentos, que são a fonte de toda a frota de 46 aviões da Avianca. Ou seja, é grande a chance de a companhia ter que devolver suas aeronaves. Nesta semana, empresas como GE Capital e Aircastle começaram a cobrar a devolução dos jatos. É aí que Neeleman entra. Para ele, é mais barato negociar diretamente com os arrendatários a incorporação das aeronaves da Avianca, em vez de assumir toda a deficitária operação da rival. Não custa lembrar: a Avianca é a quarta maior companhia aérea brasileira e o seu desaparecimento mudaria todo o jogo de forças do setor no país.

 

Aviação 2:

Efromovich cansou de perder dinheiro no setor

O empresário boliviano German Efromovich (foto), dono da Avianca, fez fortuna no ramo de petróleo e, apesar do pedido de recuperação judicial de sua empresa aérea, não enfrenta problemas financeiros. Uma fonte próxima a ele diz que Efromovich dispõe de recursos para salvar a Avianca, mas que de uns tempos para cá seu interesse pelo setor diminuiu. Negociar com a Azul de David Neeleman também é complicado. Efromovich e Neeleman não mantêm relações amigáveis.

 

https://www.em.com.br/app/noticia/economia/2019/01/17/internas_economia,1022062/amp.html

Share this post


Link to post
Share on other sites

muito mais lógico pegar os aviões mesmo, a Avianca nao acrescenta em nada pra Azul, só os acfts mesmo

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Desde o pedido de recuperação judicial da Avianca, há um mês, o mercado especula sobre o interesse de David Neeleman, dono da Azul, em comprar a concorrente. Uma fonte a par das negociações garante que o interesse de Neeleman é outro. Ele está em tratativas com as empresas de leasing que arrendaram as aeronaves para a Avianca. Apesar de proteger os credores, a recuperação judicial não cobre os arrendamentos, que são a fonte de toda a frota de 46 aviões da Avianca. Ou seja, é grande a chance de a companhia ter que devolver suas aeronaves. Nesta semana, empresas como GE Capital e Aircastle começaram a cobrar a devolução dos jatos. É aí que Neeleman entra. Para ele, é mais barato negociar diretamente com os arrendatários a incorporação das aeronaves da Avianca, em vez de assumir toda a deficitária operação da rival. Não custa lembrar: a Avianca é a quarta maior companhia aérea brasileira e o seu desaparecimento mudaria todo o jogo de forças do setor no país.

 

Aviação 2:

Efromovich cansou de perder dinheiro no setor

O empresário boliviano German Efromovich (foto), dono da Avianca, fez fortuna no ramo de petróleo e, apesar do pedido de recuperação judicial de sua empresa aérea, não enfrenta problemas financeiros. Uma fonte próxima a ele diz que Efromovich dispõe de recursos para salvar a Avianca, mas que de uns tempos para cá seu interesse pelo setor diminuiu. Negociar com a Azul de David Neeleman também é complicado. Efromovich e Neeleman não mantêm relações amigáveis.

 

https://www.em.com.br/app/noticia/economia/2019/01/17/internas_economia,1022062/amp.html

 

 

Grana o cara tem, porém prefere ver até onde vai, o detalhe é que isso vai respingar na Colombiana.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Justiça derruba liminar e mantém aviões na frota da Avianca
18/01/2019 16:11 | Danilo Teixeira Alves

default.jpg
A 1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais suspendeu a decisão da Anac de executar a retirada de dez aviões A320 da frota da Avianca Brasil. Na noite de ontem (17), a agência chegou a divulgar o início do processo de retirada do Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB) destas aeronaves. A medida impactaria na devolução imediata dos aviões aos lessores (GE Capital Aviation Services) e, principalmente, na operação da companhia aérea nos próximos dias.

Em nota, a Anac afirmou que "com a suspensão dos processos para devolução das aeronaves, a Avianca Brasil poderá operar normalmente os voos previstos e que também não há restrição para a venda de passagens". A agência afirmou ainda que continua acompanhando com atenção a situação operacional da empresa, sempre em constante vigilância quanto ao cumprimento dos requisitos de segurança exigidos nos Regulamentos Brasileiros de Aviação Aeronáutica (RBAC) e os deveres de prestação de serviço aos passageiros.

De acordo com Tony Rivera, sócio e especialista em Recuperação Judicial do Vinhas e Redenschi Advogados, a decisão do juiz vai ao encontro da essência que é a recuperação judicial: proteger a empresa e dar a ela a chance de se reerguer. "Se ocorresse a retirada dessas aeronaves, estariam colocando o sucesso da recuperação judicial em risco. A decisão do juiz foi coerente com a situação e momento da Avianca Brasil", afirmou.

A decisão do juiz foi bastante comemorada pela empresa aérea, segundo fontes do Portal PANROTAS. Procurada, a companhia disse que se manifestará em breve.

REESTRUTURAÇÃO
Na última quarta-feira (16), a Avianca Brasil anunciou quedeixará de voar para Nova York, Miami e Santiago a partir de 31 de março. A empresa voltará a se dedicar integralmente ao mercado doméstico.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Avianca continua em operação regular

Suspenso processo de devolução de aeronaves após acordo em 18/01
Publicado: 18/01/2019 16h36,
Brasília, 18 de janeiro de 2018 – Nesta sexta feira (18), na 1º Vara de Falências e Recuperações Judiciais do Foro Central Cível da Comarca de São Paulo (SP), representantes da empresa aérea Avianca Brasil (OCEANAIR LINHAS AÉREAS S.A) e dos proprietários de dez aeronaves modelo Airbus A320 arrendadas pela GE Capital Aviation Services (GECAS) participaram de audiência judicial na qual foi acordada a continuidade do arrendamento das aeronaves para a Avianca. Em razão do acordo alcançado em audiência, a GECAS protocolou junto à ANAC o pedido de suspensão dos pleitos de cancelamento de registro de aeronaves outrora apresentados.

Com a suspensão dos processos para devolução das aeronaves, a Avianca poderá operar normalmente os voos previstos. Também não há restrição para a venda de passagens.

Manutenção e segurança das operações

A ANAC continua acompanhando com atenção a situação operacional da empresa, sempre em constante vigilância quanto ao cumprimento dos requisitos de segurança exigidos nos Regulamentos Brasileiros de Aviação Aeronáutica (RBAC) e os deveres de prestação de serviço aos passageiros.

Histórico

O processo para a retirada das aeronaves do registro da ANAC está previsto na Convenção da Cidade do Cabo, promulgada pelo Decreto nº 8.008/2013, que prevê a ágil retirada de aeronave pelo proprietário em casos de inadimplência. Com fundamento no IDERA (Irrevocable De-Registration and Export Request Authorisation), e nos termos da Convenção da Cidade do Cabo, o processo inaugurado em 17/01 na ANAC concerne ao recebimento do pedido de cancelamento da matrícula de aeronaves. O objetivo desse instrumento previsto na Convenção é reduzir os riscos de financiamento de ativos de alto valor em contratos aeronáuticos.

https://www.anac.gov.br/avianca-continua-em-operacao-regular

Edited by TheJoker

Share this post


Link to post
Share on other sites

Como eu havia dito, no Brasil tem que combinar com os Russos ( Justiça) antes.

Em certas áreas se vc não abrir um debate amplo com o MP, ou MPT se for o caso, Sindicatos, tudo bem

Alinhado com os homens da capa preta

Pode ser a Barraca do Zé, ou uma grande Multinacional ou até a Anac. Que não da tempo nem da tinta secar que já vai ter uma Decisão Judicial travando à brincadeira

 

Essa questão do tratado do Cabo é muito seria

E sua quebra traz insegurança jurídica e prejuízos futuros para o próprio setor

Mas inviabilizar em 5 dias úteis uma empresa que está em RJ e em negociação com data marcada para os próximos 15, Tb é muito sério

O que mais fiquei curioso foi a ANAC uma agência reguladora captaniando a quebra de uma empresa que tem 15% do mercado em plena alta estação

Estou sentindo cheiro de Abutre!

Fundo Elliott, Cade vc???

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Avianca continua em operação regular

Suspenso processo de devolução de aeronaves após acordo em 18/01

 

 

A notícia dá a entender que o Juiz revogou a decisão da ANAC, mas não foi isso que aconteceu.

Os lessors, acabaram concordando em suspender as ações junto a ANAC, até o dia 01/02/2018, prazo da decisão anterior.

Na minha opinião mais uma vez agiu bem o Juízo em evitar a controvérsia com a ANAC e ponderar a atuação dos credores.

 

Abraços

  • Like 3

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

 

Eu só reitero que sou solidário a causa da Avianca, mas seus advogados já deviam saber ha tempos que bens arrendados/alugados como aeronaves de credores externos, não entram em RJ.

 

Me surpreende os credores estarem agindo na justiça, o que é um claro sinal que inexiste um diálogo aberto e as partes já estão "nas vias de fato"

 

 

Então, evidente que sabiam, mas aparentemente a AVB esticou demais a corda com os lessors e agora tenta ganhar tempo na RJ.

Como disse antes não é uma questão de "se" mas sim de "quando" os aviões serão retomados se não houver o pagamento.

 

Com relação a segunda questão, como de costume, colocou muito bem.

Entrar numa RJ brigando com seus principais credores, que ao fim e ao cabo, vão ter o poder de decidir sobre a continuidade do seu negócio, pode até te fazer ganhar tempo, mas coloca sua empresa na proa da falência.

A RJ é antes de tudo uma grande negociação, o processo cria as condições para isso, mas é preciso estar disposto a chegar a um acordo.

Aparentemente a AVB não têm mais credibilidade nenhuma com os seus credores e pelo menos neste início, não está agindo para recuperar esta capacidade negocial.

Realmente parece que eles esperam uma solução mágica, de uma fonte externa.

Via de regra, neste caso, quem espera, nunca alcança.

 

Abraços

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

 

A notícia dá a entender que o Juiz revogou a decisão da ANAC, mas não foi isso que aconteceu.

Os lessors, acabaram concordando em suspender as ações junto a ANAC, até o dia 01/02/2018, prazo da decisão anterior.

Na minha opinião mais uma vez agiu bem o Juízo em evitar a controvérsia com a ANAC e ponderar a atuação dos credores.

 

Abraços

Foi exatamente o que aconteceu na audiência

 

Mas as partes sabem que muitas vez é melhor recuar

Não soaria bem para o setor, o juiz da uma canetada

E nem para nenhuma das partes

 

Todo juízo espera que as partes colaborem em pro de uma resolução sensata do problema

Ainda mais quando as tratativas estão em andamento

 

Então sugestão de Juiz é igual conselho pra voltar no Dentista

Ou volta por Amor ou pela Dor

 

No final ficou bonito, a Anac não se desmoralizo e a empresa teve respeitada o prazo inicialmente dado.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Como eu havia dito, no Brasil tem que combinar com os Russos ( Justiça) antes.

Em certas áreas se vc não abrir um debate amplo com o MP, ou MPT se for o caso, Sindicatos, tudo bem

Alinhado com os homens da capa preta

Pode ser a Barraca do Zé, ou uma grande Multinacional ou até a Anac. Que não da tempo nem da tinta secar que já vai ter uma Decisão Judicial travando à brincadeira

 

Essa questão do tratado do Cabo é muito seria

E sua quebra traz insegurança jurídica e prejuízos futuros para o próprio setor

Mas inviabilizar em 5 dias úteis uma empresa que está em RJ e em negociação com data marcada para os próximos 15, Tb é muito sério

O que mais fiquei curioso foi a ANAC uma agência reguladora captaniando a quebra de uma empresa que tem 15% do mercado em plena alta estação

Estou sentindo cheiro de Abutre!

Fundo Elliott, Cade vc???

Rapaz, tive essa mesma impressão.

O comunicado da ANAC foi quase como que meio eufórico em plena alta temporada e detalhe, as congêneres pelas ocupações da época, não teriam como assumir essa qtde de Pax.

 

Na minha humilde opinião,um órgão regulador, deveria tá ficando em ajudar a estabilizar o mercado.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

 

Então, evidente que sabiam, mas aparentemente a AVB esticou demais a corda com os lessors e agora tenta ganhar tempo na RJ.

Como disse antes não é uma questão de "se" mas sim de "quando" os aviões serão retomados se não houver o pagamento.

 

Com relação a segunda questão, como de costume, colocou muito bem.

Entrar numa RJ brigando com seus principais credores, que ao fim e ao cabo, vão ter o poder de decidir sobre a continuidade do seu negócio, pode até te fazer ganhar tempo, mas coloca sua empresa na proa da falência.

A RJ é antes de tudo uma grande negociação, o processo cria as condições para isso, mas é preciso estar disposto a chegar a um acordo.

Aparentemente a AVB não têm mais credibilidade nenhuma com os seus credores e pelo menos neste início, não está agindo para recuperar esta capacidade negocial.

Realmente parece que eles esperam uma solução mágica, de uma fonte externa.

Via de regra, neste caso, quem espera, nunca alcança.

 

Abraços

Na verdade não existe um bom diálogo entre empresa e credores numa RJ. Avianca tem via aeronaves que o mercado quer, e os credores querem ou pgto normal, ou devolução.

Empresas americanas saem fortalecidas de uma RJ pq sua frota em parte tem uma certa idade, a AVB tem muitos 320 desejados pelo mercado, então....

Só haverá um acordo, pra ficar tem que pagar.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Guest
This topic is now closed to further replies.
Sign in to follow this  

×
×
  • Create New...