Jump to content
Sign in to follow this  
A345_Leadership

Avianca Brasil entra com pedido de recuperação judicial [PARTE 1]

Recommended Posts

Todos nós sabemos da importância de respeitar tratados, contratos e todo tipo de acordo entre partes feitos dentro de uma razoabilidade jurídica e circunstâncial.

A Justiça não está rasgando o Tratado do Cabo, a empresa não irá ficar com os Ativos se não houver um acordo.

Porém, a justiça entendeu até o momento, que a Reclamada está com esforços reais para a concretização desse.

O Juiz, não deve está preocupado somente com os Lessores, que pra quem não se recorda, são seletos grupos financeiros que movimentam bilhões de Dólares. E que, fazem seus negócios muito bem lastreados com garantias diretas e colaterais.

Nesse jogo, meus amigos, não tem ninguém bobo nao.

Não estou dizendo, que eles devem ser preteridos. Apenas estou dizendo, que a Justiça, está se preocupando tb com a continuidade da empresa, objetivo de qualquer RJ,

Não podemos esquecer, se a empresa quebrar, todos outros Credores tb não receberão . E o tio que dirige a Van, tb tem compromissos e investimentos feitos em pro da Recuperanda.

Então, não devemos ter pena somente do Wells Fargo, ACC Aquisition e outros mais.

Mas, na minha opinião, enquanto houver visualização clara que a Recuperanda, além de esforços, está conseguindo de fato renegociar as dívidas e continuar seu negócio.

Deve se manter o diálogo aberto, para que haja continuidade dos empregos e que os credores pequenos e grandes tenham seu pleito atendido.

Não se iludam, isso é briga de gente grande. Os Lessores tem mais é que querer seus Ativos de volta, a Azul tem mais é que torcer pra Avianca quebrar, já ANAC, ainda estou procurando entender o seu posicionamento, não quero fazer juízo de valor.

Agora, nós entusiastas ficar torcendo pra empresa quebrar pra Lessor Bilionário receber antes de se esgotar todas outras possibilidades. Aí não!!!

👏 Parabéns!!!!

Share this post


Link to post
Share on other sites

O problema é que o custo Brasil só aumenta com essa situação, ou vocês acham que as empresas de leasing não irão embutir esse risco adicional para os negócios futuros no Brasil?

O certo é pagar em dia, a Gol mesmo com dívidas bilionárias, pagando juros altíssimos, sempre manteve a frota em dia.

O problema da Avianca é que os donos querem bancar os malandros. Sempre jogaram dívidas para frente, hotel, simulador, etc.

No final, o mercado de aviação nacional irá sofrer a precificação dos tranbiques da Avianca.

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

O problema é que o custo Brasil só aumenta com essa situação, ou vocês acham que as empresas de leasing não irão embutir esse risco adicional para os negócios futuros no Brasil?

O certo é pagar em dia, a Gol mesmo com dívidas bilionárias, pagando juros altíssimos, sempre manteve a frota em dia.

O problema da Avianca é que os donos querem bancar os malandros. Sempre jogaram dívidas para frente, hotel, simulador, etc.

No final, o mercado de aviação nacional irá sofrer a precificação dos tranbiques da Avianca.

O que defini custo para o arrendatário de Grandes Ativos

Tipo: plataforma de petróleo, navios, grandes Avioes, Refinarias etc etc

Primeiro são as garantias diretas, segundo as garantias colaterais ( garantias das garantias), terceiro como a operação financeira foi estruturada.

Tem Leasing Operacional, que pra alavancar a operação foi gerado uma transação inicial com linhas de financiamento independentes e garantias correlatas.

Resumindo, são operações bem complexas, que eu te garanto, não são feitas sem proteções

Tenho certeza que a justiça Brasileira respeitará o direito de propriedade dos donos dos aviões, apenas não será no time que algumas empresas de Aviação Brasileiras gostariam

Share this post


Link to post
Share on other sites

O que defini custo para o arrendatário de Grandes Ativos

Tipo: plataforma de petróleo, navios, grandes Avioes, Refinarias etc etc

Primeiro são as garantias diretas, segundo as garantias colaterais ( garantias das garantias), terceiro como a operação financeira foi estruturada.

Tem Leasing Operacional, que pra alavancar a operação foi gerado uma transação inicial com linhas de financiamento independentes e garantias correlatas.

Resumindo, são operações bem complexas, que eu te garanto, não são feitas sem proteções

Tenho certeza que a justiça Brasileira respeitará o direito de propriedade dos donos dos aviões, apenas não será no time que algumas empresas de Aviação Brasileiras gostariam

Torço para que realmente tudo acabe bem.

O ideal seria uma injeção financeira como está sendo ventilado com a troca do CEO.

Ocorrendo esse aporte, talvez as demissões não sejão necessárias e mais ainda, ocasionando assim a mudança em sua política financeira.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Parece que o antigo PR-ONY e atualmente LV-HVS não vai mais voltar à frota da O6. Mais me parece devolução ao lessor. Saiu agora a pouco de AEP e não consta destino no FR24.

https://www.flightradar24.com/LVHVS/1f5feacf

 

Via: https://twitter.com/viajesdejuani/status/1091673942333501440

Captura-de-Tela-2019-02-02-a-s-10-54-59.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Posta onde eu torci pra a falência da empresa. Vocês não aceitam uma opinião contrária. Todo mundo é a favor da 'solução de mercado' quando é do seu interesse, se for do outro 'é esquerdopata, vai pra cuba'. Volto a repetir: estamos ou não no capitalismo. Nenhum produto é mais caro que o próprio dinheiro. Empresas abrem e quebram às toneladas mundo afora. Se o governo ajuda aqui é crime. Se ajuda Alitália, SAA, Aerolíneas, e americanas pós-atentado, é soberania. Liberar 100% de capital estrangeiro no Brasil pode e depois vêm reclamar de baixos salários. Sim, o que torce contra realmente sou eu. Deixando o Contato Radar que acompanho há anos porque se eu postar que a Cubana está quebrada, vão dizer que eu estou torcendo para ela falir, logo eu que sou mortadela... Valeu enquanto estive aqui, mas aguentar essa gentinha não dá mais.

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites
Avianca quer vender horários nos aeroportos para pagar dívidas

 

02/02/19

por

Agência Estado

 

No dia em que venceu o prazo dado pela Justiça para a Avianca Brasil fazer uma proposta de pagamento para as arrendadoras de aviões, a companhia aérea apresentou seu plano de recuperação judicial e conseguiu manter a posse das aeronaves até a primeira quinzena de abril.

O plano da empresa, que precisa ser aprovado em assembleia de credores, prevê a venda de seus horários de pousos e decolagens nos aeroportos (slots, no jargão do setor), segundo apurou o jornal O Estado de S. Paulo.

Em audiência no último dia 14, a Justiça havia dado até ontem para a Avianca entregar a proposta de pagamento e se comprometer a realizar os próximos pagamentos nas datas de vencimento. Caso contrário, o juiz Tiago Henriques Papaterra Limongi, da 1.ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais de São Paulo, poderia determinar a reintegração imediata da posse dos aviões.

Na última sexta-feira (1º), no entanto, o magistrado decidiu prorrogar o prazo até a assembleia de credores, que deverá ocorrer no início de abril.

A Avianca negocia uma injeção de R$ 250 milhões na empresa, que, segundo fontes ouvidas pelo Estado, seria feita pelo fundo americano Elliot.

Mesmo com o aporte, a ideia dos executivos da companhia aérea é vender a parte operacional, o que não incluiria as dívidas. Por isso, a companhia briga na Justiça para não perder suas atuais aeronaves. A Avianca aluga todos os aviões que utiliza e poderia repassá-los ao comprador da empresa, tornando o negócio mais atrativo.

O plano de recuperação judicial prevê também que a empresa se desfaça das autorizações de pousos e decolagens, bastante disputadas no mercado, principalmente as dos aeroportos de Brasília e Congonhas. Com os recursos levantados, a companhia pagaria os credores.

Em recuperação judicial deste dezembro, a Avianca soma quase R$ 500 milhões em dívidas, sem considerar os débitos das arrendadoras de aviões. No último mês, a empresa apresentou propostas para seis de oito arrendadoras — duas não quiseram nem conversar. Em geral, as ofertas da companhia não estão incluindo pagamentos.

Procurada, a Avianca informou estar "focada em garantir a continuidade de suas operações, a sustentabilidade do negócio e o plano de recuperação judicial". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Copyright © 2018 Estadão. Todos os direitos reservados

https://noticias.r7.com/economia/avianca-quer-vender-horarios-nos-aeroportos-para-pagar-dividas-02022019

Share this post


Link to post
Share on other sites

Até parece que slot em CGH vale a mesma coisa que em LHR. :lol:

Share this post


Link to post
Share on other sites

Desde quando pode haver compra e venda de slots em CGH. Realmente esses irmãos não param de surpreender.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Pelo que entendi ela quer dividir em duas: a parte boa com os slots e aeronaves e a outra só com as dívidas.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Slot no Brasil não é propriedade da empresa, não entra no seu ativo. É uma cessão pública não onerosa.

 

Se utilizar direitinho, se garante para a próxima temporada. Se não cumprir com os requisitos mínimos de regularidade, perde o direito histórico e não recebe nada por isso.

 

Não é permitido comercializar slots no Brasil.

 

A única forma possível dos slots serem transferidos para outra empresa é mediante uma fusão ou aquisição da empresa por outra, quando passam a fazer parte do mesmo grupo econômico.

 

Portanto, ou essa notícia é uma invenção do jornalista ou me surpreende muito os donos estarem contando com a venda de slots, que como disse é ilegal.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

O problema é que o custo Brasil só aumenta com essa situação, ou vocês acham que as empresas de leasing não irão embutir esse risco adicional para os negócios futuros no Brasil?

O certo é pagar em dia, a Gol mesmo com dívidas bilionárias, pagando juros altíssimos, sempre manteve a frota em dia.

O problema da Avianca é que os donos querem bancar os malandros. Sempre jogaram dívidas para frente, hotel, simulador, etc.

No final, o mercado de aviação nacional irá sofrer a precificação dos tranbiques da Avianca.

Você acha mesmo que lessores e bancos internacionais não sabem separar o joio do trigo e não fazem análises individualizadas de risco de crédito no caso de transações multimilionárias como essas?

 

Não estamos falando de pessoa física, nem de operação de capital de giro para pequena e média empresa, quando sim o risco sistêmico é muito mais importante que o individual.

 

No mercado de leasing de aeronaves, a recuperação judicial da Avianca pouco afeta Latam, Gol ou Azul. Quem é bom pagador continuará com as taxas que paga hoje...

Edited by SA280

Share this post


Link to post
Share on other sites

Avianca terá aeronaves garantidas pela justiça até meados de abril. Tomara que esse aporte chegue logo para amizar a situação da empresa.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Pelo que entendi ela quer dividir em duas: a parte boa com os slots e aeronaves e a outra só com as dívidas.

 

É o que também interpretei.

 

Tomara que seja a saída saudável para a empresa.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Pelo que entendi ela quer dividir em duas: a parte boa com os slots e aeronaves e a outra só com as dívidas.

Pode explicar melhor?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Pode explicar melhor?

Cria uma nova empresa que absorverá a frota, os slots, estrutura e funcionários, sem dívida, enquanto que a Avianca atual fica só com dívidas. A parte boa é vendida para quitar as dívidas da Avianca atual.

 

Foi o que ocorreu entre a Varig (VRG) e a Nova Varig (VRN).

Share this post


Link to post
Share on other sites

Cria uma nova empresa que absorverá a frota, os slots, estrutura e funcionários, sem dívida, enquanto que a Avianca atual fica só com dívidas. A parte boa é vendida para quitar as dívidas da Avianca atual.

 

Foi o que ocorreu entre a Varig (VRG) e a Nova Varig (VRN).

Exatamente...na recuperação judicial se chama venda de unidade produtiva isolada.

Agora, no caso da Avianca, isso significaria o fim da Avb como e hoje....

 

Abraços

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

Primeiro,slots não podem ser vendidos no Brasil,segundo,aeronaves garantidas até abril? Sem pagar 💰? Isso procede?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Primeiro,slots não podem ser vendidos no Brasil,segundo,aeronaves garantidas até abril? Sem pagar ? Isso procede?

 

 

Nao, o juiz garantiu as aeronaves até abril se a empresa comecar a pagar apartir de fevereiro (parcelas vincendas). As parcelas vencidas serao renegociadas, já que os lessors nao aceitaram a primeira proposta.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

 

Nao, o juiz garantiu as aeronaves até abril se a empresa comecar a pagar apartir de fevereiro (parcelas vincendas). As parcelas vencidas serao renegociadas, já que os lessors nao aceitaram a primeira proposta.

Ah tá,assim faz mais sentido

Share this post


Link to post
Share on other sites

EMPRESAS

Juiz dá à Avianca Brasil posse de aviões até abril

01/02/2019 23:50:00 | Danilo Teixeira Alves

 

 

 

 

 

Em uma nova decisão publicada na noite de hoje, o juiz Tiago Henrique Papaterra Limongi, da primeira 1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais de São Paulo, prorrogou até a primeira quinzena de abril as ações judiciais e medidas administrativas contra a Avianca Brasil por parte dos seus credores (arrendadores de aeronaves). O novo prazo da companhia aérea se encerrará na data da assembleia geral de credores, que acontecerá no mesmo período, porém ainda sem data definida.

 

LEIA TAMBÉM: Juiz dá mais prazo para aviões da Avianca Brasil

 

Ainda segundo a decisão, o juiz revelou que a Avianca Brasil assinou, como forma de garantir a continuidade de seus negócios, um termo de compromisso para obtenção, junto a credores, de financiamento de aproximadamente US$ 75 milhões.

 

Em nota, a Avianca Brasil confirma a prorrogação e diz que sua frota segue protegida e nenhuma medida - incluindo reintegração de posse - poderá ser adotada. Leia abaixo na íntegra:

 

"A Avianca Brasil informa que a tutela de suas aeronaves foi prorrogada até a Assemblea Geral dos Credores, que deve acontecer na primeira quinzena de abril de 2019. Ou seja, a frota segue protegida e nenhuma medida - como reintegração de posse, por exemplo - pode ser adotada. Assim, a companhia segue transportando seus milhares de passageiros e atendendo a todos com a excelência de sempre.

 

A empresa reitera que está totalmente focada em garantir a continuidade de suas operações, a sustentabilidade do negócio e o plano de Recuperação Judicial."

 

TRADE

Alberto Weisser está em contato diário com as lideranças do trade para mostrar os índices de pontualidade e regularidade da empresa, como o processo está andando e os próximos passos. Weisser ontem esteve na reunião da Abracorp, em São Paulo, e esta semana também já se reuniu com a Airtkt e a Alagev. Segundo ele, os voos estão saindo normalmente, as vendas estão bem, com recordes nos primeiros dias dessa semana

 

Fonte: Panrotas

Edited by SOUSA CPV

Share this post


Link to post
Share on other sites

Carnaval garantido para o povo. Depois pode ficar sem avião que ninguém reclama...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sério isso? Consta no plano de recuperação judicial, como um de seus pilares, uma transação comercial impossível, por ilegal? E o juiz deu moral? Incrível

Share this post


Link to post
Share on other sites
Guest
This topic is now closed to further replies.
Sign in to follow this  

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade