Jump to content
Sign in to follow this  
A345_Leadership

Avianca Brasil entra com pedido de recuperação judicial [PARTE 1]

Recommended Posts

10.3. Extinção de Medidas Judiciais. Com a Homologação do Plano, todas as execuções judiciais em curso contra as Recuperandas, seus controladores, suas controladas, coligadas, afiliadas e outras sociedades pertencentes ao mesmo grupo societário ou econômico, serão extintas, e todas as penhoras e/ou constrições existentes serão automaticamente liberadas.

10.4. Garantias. A aprovação do Plano em AGC bem como o pagamento dos Credores na forma estabelecida no Plano implicará na liberação de todos os gravames, ônus, garantias reais sobre bens e direitos de propriedade das Recuperandas e/ou de terceiros, liberando também eventuais, avalistas, garantidores, devedores solidários, fiadores ou coobrigados a qualquer título.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Uma questão, e a força de trabalho vai para onde? Serão transferidos para a "Life Air", e seus créditos trabalhistas? Vai todo mundo pedir baixa da OceanAir e assinar com a Life (o que corta o "tempo de serviço")... ou a OceanAir L.A LTDA será a fornecedora de mão de obra e por isso remunerada?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Uma questão, e a força de trabalho vai para onde? Serão transferidos para a "Life Air", e seus créditos trabalhistas? Vai todo mundo pedir baixa da OceanAir e assinar com a Life (o que corta o "tempo de serviço")... ou a OceanAir L.A LTDA será a fornecedora de mão de obra e por isso remunerada?

Só uma correção, hoje a empresa é SA e não Ltda.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Bom, pode ser uma forma de condenar o patrimonio de alguem e garantir o de outro alguem. Lembre-se que no Brasil é very easy usar laranjas. Lembre-se que o "abanar mãos" pode significar se livrar do abacaxi. É como um carro cheio de multas e DOC atrasado, voce vende por 500 conto, mas se livra de uma dívida de 50 mil.

Ai que a pessoa se engana, achando que basta vender o carro, sem transferir o documento, acreditando que a dívida ficará atrelada ao veículo. A dívida fica atrelada ao CPF/CNPJ proprietário do veículo. O débito será inscrito na dívida ativa do Estado e mais cedo ou mais tarde vai um oficial de justiça bater na porta do cidadão, o nome fica sujo, um transtorno só....

Share this post


Link to post
Share on other sites

Ai que a pessoa se engana, achando que basta vender o carro, sem transferir o documento, acreditando que a dívida ficará atrelada ao veículo. A dívida fica atrelada ao CPF/CNPJ proprietário do veículo. O débito será inscrito na dívida ativa do Estado e mais cedo ou mais tarde vai um oficial de justiça bater na porta do cidadão, o nome fica sujo, um transtorno só....

Considerando que o comprador vai transferir né rsss

Share this post


Link to post
Share on other sites

Só uma correção, hoje a empresa é SA e não Ltda.

Não altera o teor da mensagem, mas altera o tamanho do rombo na turma gestora

Share this post


Link to post
Share on other sites

Alguém sabe se efetivamente essa "Life Air" vai operar e a partir de quando?

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Life Air já nasce morta...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Daqui a pouco vai estar discutindo seleção e rotas da life air kkkkk

Share this post


Link to post
Share on other sites

Daqui a pouco vai estar discutindo seleção e rotas da life air kkkkk

Com o tempo irá clareando o que será a Life Air

São conceitos complexos pra quem não é da área.

 

Já me perguntaram se a Life Air vai manter o serviço de bordo

Share this post


Link to post
Share on other sites

Share this post


Link to post
Share on other sites

Isso não soa bem...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Então realmente o plano envolve a separação em duas empresas. Será que os irmãos terão sucesso?

 

Ps: qual a fonte?

 

 

O plano fala na venda da Unidade Produtiva Isolada para pagar os credores, não na "separação de empresas", normalmente a UPI fica com a parte "boa" (ativos operacionais) e a empresa originária com a ruim (a dívida).

Mas da forma como foi escrito no Plano de Recuperação Judicial, a UPI seria constituída apenas dos slots e daquilo que a AVB considerar necessário, sem especificar o que.

Repito, parece mais uma venda de slots do que de uma UPI.

 

10.3. Extinção de Medidas Judiciais. Com a Homologação do Plano, todas as execuções judiciais em curso contra as Recuperandas, seus controladores, suas controladas, coligadas, afiliadas e outras sociedades pertencentes ao mesmo grupo societário ou econômico, serão extintas, e todas as penhoras e/ou constrições existentes serão automaticamente liberadas.

10.4. Garantias. A aprovação do Plano em AGC bem como o pagamento dos Credores na forma estabelecida no Plano implicará na liberação de todos os gravames, ônus, garantias reais sobre bens e direitos de propriedade das Recuperandas e/ou de terceiros, liberando também eventuais, avalistas, garantidores, devedores solidários, fiadores ou coobrigados a qualquer título.

 

Quais as chances dos credores com garantia real concordarem com isso?

O que a AVB propõe basicamente é o seguinte:

O Elliot empresta 75 milhoes de Usd para a AVB.

A AVB cria a Life AIr com os slots e emite debentures no valor de 75 usd + o que for convertido dos credores, tendo como garantia as ações da propria Life Air.

Vendida a LIfe Air, paga-se os 75 milhoes de USD para o Elliot, do que sobrar, se sobrar, 75% vai para o pagamento dos credores que aceitaram a conversão do seu crédito em debentures.

25% paga o resto,.

A AVB fica sem dívidas depois disso.

 

 

Uma questão, e a força de trabalho vai para onde? Serão transferidos para a "Life Air", e seus créditos trabalhistas? Vai todo mundo pedir baixa da OceanAir e assinar com a Life (o que corta o "tempo de serviço")... ou a OceanAir L.A LTDA será a fornecedora de mão de obra e por isso remunerada?

 

Em tese, se alguma força de trabalho for deslocada para a Life AIr, será demitida da AVB e contratada na nova empresa.

Se a AVB pagar corretamente as rescisões (este valor não entra na RJ) este funcionário entra "zerado" na Life Air.

Se a AVB não pagar, via de regra a Justiça do Trabalho entende pela continuidade do vínculo e o empregado vai poder cobrar tanto uma quanto a outra.

O credor trabalhista com crédito constituído antes do pedido de recuperação (não trabalha mais na AVB), terá de ser pago pela AVB, existe farta jurisprudência no sentido que a UPI não responde pelos créditos anteriores.

 

Alguém sabe se efetivamente essa "Life Air" vai operar e a partir de quando?

 

Nem o Oráculo sabe responder esta.

 

Life Air já nasce morta...

 

Será que nasce? Ou os slots vão ser comprados por alguem que já tem cheta?

 

 

Acho que a única Seurança é que eles ao vão receber tudo!

 

 

Abraços

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Só nao consigo entender aonde queriam chegar e o que deu errado no plano... alguem deu pra trás em algum momento... a empresa estava super agressiva no crescimento e de uma hora para outra simplesmente acabou o $$$?!?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Com a redução do imposto sobre o querosene, pode ser que a Avianca mude talvez a estratégia. Vamos torcer.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Qual seria a outra opção dos credores para não aprovar o plano de Recuperação??

Pedir a falência??

 

E vai resolver o que??

 

Até para os Lessores, não é melhor receber algum dinheiro e os aviões

Ou somente os aviões depois de brigar??

Share this post


Link to post
Share on other sites

Só nao consigo entender aonde queriam chegar e o que deu errado no plano... alguem deu pra trás em algum momento... a empresa estava super agressiva no crescimento e de uma hora para outra simplesmente acabou o $$$?!?

 

Ao meu ver estavam capengando, aí viram nos voos internacionais a chance de se recuperar. Mas para alimentar os voos internacionais resolveram crescer no doméstico e no fim o dinheiro acabou antes de conseguirem consolidar as rotas e a receita em USD.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Ao meu ver estavam capengando, aí viram nos voos internacionais a chance de se recuperar. Mas para alimentar os voos internacionais resolveram crescer no doméstico e no fim o dinheiro acabou antes de conseguirem consolidar as rotas e a receita em USD.

 

Creio que eles acreditavam que a economia do pais iria mudar, só que a crise se arrastou por um período maior que o esperado.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Ao meu ver estavam capengando, aí viram nos voos internacionais a chance de se recuperar. Mas para alimentar os voos internacionais resolveram crescer no doméstico e no fim o dinheiro acabou antes de conseguirem consolidar as rotas e a receita em USD.

Nem o pior gestor do mundo, montaria uma operação internacional com Widebories novos esperando lucro no curto e médio prazo

Ainda mais com acesso a números de uma empresa do grupo que já opera nessas rotas a décadas

E nada na economia mundial ou local aconteceu de catástrofico no último ano, muito pelo contrário

Alguém que iria colocar uma bela grana deu para trás

Por algum motivo

Share this post


Link to post
Share on other sites

Nem o pior gestor do mundo, montaria uma operação internacional com Widebories novos esperando lucro no curto e médio prazo

Ainda mais com acesso a números de uma empresa do grupo que já opera nessas rotas a décadas

E nada na economia mundial ou local aconteceu de catástrofico no último ano, muito pelo contrário

Alguém que iria colocar uma bela grana deu para trás

Por algum motivo

 

Mas faz tempo que ele receberam os WB, que ficaram estocados devido a crise por um bom tempo antes de entrarem em operação. Enquanto isso a malha foi aumentando, A320 neo com leasing elevado chegando (afinal já estavam encomendados) e a economia piorando. Foi só a economia dar algum sinal de recuperação que eles correram para abrir as rotas nos EUA para tentar fazer os A330 (que até então estavam gerando o custo de leasing sem voar) gerar algum dinheiro.

 

Porém aí já era tarde, tiveram que operar os voos pra MIA e JFK com preços bem abaixo para aumentar a ocupação em um momento que já não tinham mais capital de giro para manter a operação até torna-la viável.

 

Resumindo: gastaram muito dinheiro em A330 que ficaram parados, além de trazer A320 neo com leasing bem caros para aumentar a malha.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Se isso for pra frente, digo Life Air, vão ter que readmitir, alterar MGO, Especificações...

Não é assim, tão fácil.

Estão esperando o resultado do dia 14, haverá mais demissões de Aeroviários se a LNR não atingir o resultado.

O grupo, pelo que observo, não está entusiasmado, muito mal negociadas as cláusulas.

PDV é mais garantia de receber.

Pararam as demissões por Justa causa, MP tá encima das cias.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Ai que a pessoa se engana, achando que basta vender o carro, sem transferir o documento, acreditando que a dívida ficará atrelada ao veículo. A dívida fica atrelada ao CPF/CNPJ proprietário do veículo. O débito será inscrito na dívida ativa do Estado e mais cedo ou mais tarde vai um oficial de justiça bater na porta do cidadão, o nome fica sujo, um transtorno só....

Já fizeram essa malandragem jurídica com a Varig e deu certo,porque não daria agora?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Qual seria a outra opção dos credores para não aprovar o plano de Recuperação??

Pedir a falência??

 

E vai resolver o que??

 

Até para os Lessores, não é melhor receber algum dinheiro e os aviões

Ou somente os aviões depois de brigar??

Apenas os lessores tem como "levar menos prejudicial" pois levam seus aviões embora! Agora o restante, tipo hotéis, aeroportos e afins engoliriam um prejuízo sem tamanho

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Mas faz tempo que ele receberam os WB, que ficaram estocados devido a crise por um bom tempo antes de entrarem em operação. Enquanto isso a malha foi aumentando, A320 neo com leasing elevado chegando (afinal já estavam encomendados) e a economia piorando. Foi só a economia dar algum sinal de recuperação que eles correram para abrir as rotas nos EUA para tentar fazer os A330 (que até então estavam gerando o custo de leasing sem voar) gerar algum dinheiro.

 

Porém aí já era tarde, tiveram que operar os voos pra MIA e JFK com preços bem abaixo para aumentar a ocupação em um momento que já não tinham mais capital de giro para manter a operação até torna-la viável.

 

Resumindo: gastaram muito dinheiro em A330 que ficaram parados, além de trazer A320 neo com leasing bem caros para aumentar a malha.

 

É verdade, passaram muito tempo com os A330 parados. A malha doméstica rodando para pagar o aluguel dessas aeronaves.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

É verdade, passaram muito tempo com os A330 parados. A malha doméstica rodando para pagar o aluguel dessas aeronaves.

Sai mais barato deixar esses A330 parados, que botar pra voar numa rota tipo MAO-GRU 1x por dia?

Share this post


Link to post
Share on other sites
Guest
This topic is now closed to further replies.
Sign in to follow this  

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade