Jump to content
Sign in to follow this  
A345_Leadership

Avianca Brasil entra com pedido de recuperação judicial [PARTE 1]

Recommended Posts

Olha, ninguém quer que os colegas fiquem desempregados, mas essa tua tara pela avianca que nem voa para tua cidade e impressionante, ela não está pagando as contas, atrasando diária!!!! Que é merreca, atrasando inss, cortando tudo, não dando satisfação, não tem como defender. Os colegas estão saindo e se recolocando nas outras empresas!

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

Avianca Brasil fará voos para Buenos Aires durante o carnaval

mg_4700.jpg?w=829


Voos charters para a capital argentina começam nesta sexta-feira.

Durante o período do carnaval a Avianca Brasil realizará alguns voos charters para Buenos Aires, com saídas do Aeroporto Internacional de Guarulhos, na grande São Paulo.

Os voos para Ezeiza acontecem a partir desta sexta-feira, 1º de março e se estendem até a próxima quinta-feira (07). Ao todo serão oito voos (quatro em cada sentido), o equipamento utilizado será o Airbus A320 para 162 passageiros.

Horário dos voos charters São Paulo-Buenos Aires da Avianca Brasil:

O69510 GRU 22:25 – 01:25 EZE (Sexta-feira dia 01/03)

O69511 GRU 02:25 – 05:10 GRU (Sábado dia 02/03)

O69510 GRU 22:00 – 01:00 EZE (Sábado dia 02/03)

O69511 EZE 02:00 – 04:45 GRU (Domingo dia 03/03)

O69510 GRU 21:45 – 00:45 EZE (Segunda-feira dia 04/03)

O69511 EZE 01:45 – 04:30 GRU (Terça-feira dia 05/03)

O69510 GRU 21:40 – 00:40 EZE (Quarta-feira dia 06/03)

O69511 EZE 01:45 – 04:30 GRU (Quinta-feira dia 07/03)

Fonte: Ponteaerea

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sabe a ocupação desses voos? Vai valer a pena ou é mais uma rota desesperada da AVB?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Se são charters acho que alguém deve estar pagando pelas operações

Share this post


Link to post
Share on other sites

Se são charters acho que alguém deve estar pagando pelas operações

E a essa altura os caras devem estar a beira de um infarto. Os operadores e os pax que compraram.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Horário dos voos charters São Paulo-Buenos Aires da Avianca Brasil:

O69510 GRU 22:25 – 01:25 EZE (Sexta-feira dia 01/03)

 

O69511 GRU 02:25 – 05:10 GRU (Sábado dia 02/03)

 

Fonte: Ponteaerea

 

 

Não tenho muita intimidade com o flight radar, mas não vi esses dois primeiros voos no "data/history". Alguém sabe se sairam normalmente ou voos charters não aparecem lá?

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Não tenho muita intimidade com o flight radar, mas não vi esses dois primeiros voos no "data/history". Alguém sabe se sairam normalmente ou voos charters não aparecem lá?

Ja foi e voltou na madrugada. PR-OBD fez a rota.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Eu não digo que tem que ser apocalitico, caro PT-WRT

 

Eu trabalho ha mais de 15 anos com financiamento internacional e consultoria em finanças internacionais - sei o que é risco de emprestar a alguns nomes e a vantagem que outros tem. Desconto titulo de quem vende para o Wall Mart a 3% ao ano e repasso facilmente para centenas de investidores - todo mundo quer risco Wall Mart !

 

E ai te conto sobre uma empresa chamada Fertilizantes Heringer... era uma empresa com historico conturbado, mesmo antes de entrar em RJ pagava 14% a 18% ao ano em USD para financiar sua compra de materias primas importadas... e ela vendia para o super poderoso agro negócio Brasileiro.... hoje mesmo se ela oferecer 25% ninguém topa !

A culpa foi da Heringer ? Não... vem la de tras de outras empresas que foram sendo protegidas por juizes....

 

E enquanto isso a americana Mosaic fazendo parecido para o mercado americano se financia a 3,5% a 4% ao ano.

A Heringer e outras pagavam caro pelo historico do mercado, e ainda tinham que entregar garantias.

 

Onde quero chegar ? O Brasil adora criar esses problemas ! E tem gente que vibra quando um juiz defende o interesse de uma empresa sob o pretexto de proteger centenas de trabalhadores - sabe o que acontece no fim ? O pais paga mais caro, os empregos acabam cedo ou tarde se perdendo (RJ no Brasil é sinonimo de capitulo final de historia de empresas) e o dano causado do lado regulatorio e juridico provoca mais prejuizos e problemas para quem fica.

 

O mundo não é mais aquele de 1990 que eramos fechados. Mudou e mudou muito.

 

Mas infelizmente tem muita gente que não percebeu isso ainda.

Concordo com você com relação ao custo Brasil e o custo financeiro de operar no Brasil.

Igualmente concordo que o nosso judiciário faz parte de um sistema extremamente protetivo que não dá segurança jurídica nenhuma para investir aqui.

Agora a questão e que isso já está imbutido no custo atual.

A crítica a decisão judicial deve ser feita dentro daquilo que foi de fato decidido e não numa dicotomia esteril, como se toda medida protetiva a continuidade da empresa fosse um tsunami sistêmico.

A decisão não sustou os efeitos do tratado da cidade do cabo, apenas condicionou a sua aplicação em caso de Recuperação Judicial.

Nada diferente do que acontece por exemplo nos Estados unidos em que o chapter 11 determina que o pagamento do leasing deve ser restabelecido após 60 dias do pedido de proteção a falência sob pena de retomada.

Não houve uma ruptura com o sistema estabelecido no tratado da cidade do cabo e isso e está bem claro na decisao.

Vende-se a ideia de quebra sistêmica, muito mais para se obter uma decisão em relação no caso concreto, do que pelo risco em si perda de confiança generalizada.

Volto a repetir o risco do lessor no Brasil não aumentou consideravelmente com a decisão!

As garantias aqui já eram excessivas, por conta do "risco Brasil" e isso não mudou significativamente.

Aliais quais os efeitos do tratado da cidade do cabo na Aviação comercial brasileira?

Existem dados confiáveis de que o valor das garantias diminuiu de forma geral para os operadores?

Eu só conheço uma tese de mestrado que fala disso e ainda sobre o caso específico da Latam cuja estrutura financeira envolvia outros países.

Se ativos amo judicial não ajuda a ter um.ambiente de segurança para investimentos, teorias alarmistas de cunho especulativo, muito menos.

Os lessors continuam tendo uma condição privilegiada para a satisfação dos seus creditos e a decisão judicial reconheceu a importância de manter isso.

Não acho que a decisão criou um problema, pelo contrário, buscou uma solução respeitando o questão que você levantou.

Não se protegeu só os interesses das empresa, como os dos consumidores, trabalhadores e dos próprios lessors.

A quebra de uma empresa também pode gerar uma crise de reputação a atingir todo um setor e aumentar o custo das garantias financeiras.

Enfim, a questão não é tão simples para ser resolvida apenas por um ponto de vista.

  • Like 3

Share this post


Link to post
Share on other sites

Ja foi e voltou na madrugada. PR-OBD fez a rota.

 

Obrigado!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sabe a ocupação desses voos? Vai valer a pena ou é mais uma rota desesperada da AVB?

Lembre-se que o trecho foi vendido meses atrás por Avianca Brasil e Avianca Argentina, não é rota nova desesperada.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Confere o email de paralisação de voos por parte dos funcionários?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Lendo os relatos dos ultimos fatos e o quanto a RJ da AVB pode prejudicqr o setor, realmente fica dificil apoiar essa empresa. Mudei de ideia, AVB pode estar prejudicando mais o que a gente pensa, e agora esses atrasos em relação aos funcionários fez a empresa perder sua ultima credibilidade.

Edited by CHANNEL6

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não sei se o impacto da ONE vai prejudicar o restante do mercado de forma generalizada.

 

Primeiro que lessor não analisa o mercado, analisa a empresa e depois estipula o valor. Temos empresas com alta governança (AD, G3 e LA) e isto dá um conforto aos lessors, vide que estão repassando os A320 NEO para AD. Se estivessem prejudicados com o Brasil será que teria este repasse? A regra valeria para a Passaredo? A SinglePlane Airlines? A Total?

 

Os lessors e credores estão p.... da vida pela forma que a ONE vem conduzindo seus negócios. Parece que atrasa 5, renegocia, paga 2, dá calote, volta a pagar e assim vai. Como dar credibilidade a um caso assim?

 

Só como exemplo, em 1994 a Varig decretou moratória nos leasings e a própria McDonnell Douglas ajudou a empresa a renegociar os leasings, em alguns casos até pagando. Houve um movimento dos credores em apoiar a empresa pois, até então, era uma empresa adimplente. 11 anos depois, depois de várias crises e calotes, os lessors só faziam leasing de curto prazo e com valores estratosféricos.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Perguntinha básica?

As outras estão pagando tudo em dia? Falo de tudo.

Vamos consultar hotéis, transportes entre outras????

Nenhuma empresa area no Brasil paga seus fornecedores rigorosamente em dia. Repito, nenhuma.

 

Bem ou mal isso é uma prática do mercado... Se compararmos com uma familia, as empresas aereas brasileiras estao sempre no rotativo do cartao de credito.

 

A diferenca é que a ONE deixou de pagar o minimo do boleto do cartao e foi parar no SPC..

 

É a melhor forma de explicar o que esta acontecendo.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Nenhuma empresa area no Brasil paga seus fornecedores rigorosamente em dia. Repito, nenhuma.

 

Bem ou mal isso é uma prática do mercado... Se compararmos com uma familia, as empresas aereas brasileiras estao sempre no rotativo do cartao de credito.

 

A diferenca é que a ONE deixou de pagar o minimo do boleto do cartao e foi parar no SPC..

 

É a melhor forma de explicar o que esta acontecendo.

Isso que disse em alguns posts atrás. Eu já trabalhei no financeiro dos maior banco do país. E acredite, isso era prática normal lá. Atrasar a dívida enquanto puder e manter dinheiro na casa.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Confere o email de paralisação de voos por parte dos funcionários?

É uma montagem e sátira aos comunicados atuais.

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

O problema em aviação principalmente é que a frase "uma vez que você cresceu, não pode ser pequeno de novo" é totalmente certeira, AVB precisava hoje reduzir de tamanho, desinchar, mas isso gera passivo trabalhista, a não ser que façam igual Passaredo: Tchau pra você, busque na justiça... pois é visível que a conta não fecha e a empresa segue teimando em não trocar cabeças... tem avião com 20 poltronas inop, cade a cabeça do gerente de manutenção? a malha é mal feita e os aviões tem baixa utilização, cade a cabeça do planejamento?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Lembre-se que o trecho foi vendido meses atrás por Avianca Brasil e Avianca Argentina, não é rota nova desesperada.

Deve ser isso mesmo, voos lotados que não dava pra realocar em outras empresas.

Share this post


Link to post
Share on other sites

tem avião com 20 poltronas inop, cade a cabeça do gerente de manutenção?

20 poltronas inop é inadimissível!! Ou é recline cable ou atuador ou simplesmente um ajuste... 30 min você mata a pane. Mas se não tem material, aí já não culparia o gerente...

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Como a recuperação judicial pode afetar os consumidores

 

A palavra-chave que estava faltando neste rico tópico: consumidor.

 

Eu defendo que o caso O6 tende a burocratizar e onerar o negócio, sobretudo na questão do arrendamento de equipamentos.

 

Sentirão esses efeito, de modo imediato, os operadores, sendo que na contrapartida, de modo mediato, nós consumidores.

 

É assim em muitos dos casos em que grandes empresas em crise não consegue encontrar uma solução de mercado para os seus problemas financeiros.

 

Simples assim!

Ops!

Digo: triste assim!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Torço pra que saia dessa, assim como torci pela saída da Varig da situação que se encontrava.

Mas sendo pé no chão e bastante realista, se o problema fosse só estratégia de negócio, dificilmente espirraria em coisas básicas como vale-alimentação, diárias e salário.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Mas sendo pé no chão e bastante realista, se o problema fosse só estratégia de negócio, dificilmente espirraria em coisas básicas como vale-alimentação, diárias e salário.

 

Lembro do caso da ultima cia que passou pela RJ.

 

Tive que emprestar dinheiro a um colega para que ele pudesse honrar os compromissos em dia.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Ontem, dia 1/3, a RRPF Engine Leasing Limited conseguiu a reintegração de um motor Trent 700

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
Guest
This topic is now closed to further replies.
Sign in to follow this  

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade