Jump to content
Sign in to follow this  
TheJoker

[MALHA LATAM BR] Cancelamento dos GIG-MIA e MCO a partir de S19

Recommended Posts

DL sinalizou que não é definitivo esse cancelamento GRU-MCO. Creio que realmente seja pra fomentar esse(s) voo(s) novo(s) da G3 até estabilizar e talvez no futuro retornar com um serviço Premium, algo que a G3 não oferece.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

A Delta saiu do GRU-MCO por conta da entrada da Gol.

 

A própria Gol pode muito bem sinalizar um GIG-FOR-MCO para fechar o espaço deixado pela Latam.

Veremos as reações em breve, mas eu duvido que a Delta tente algo diferente de um JFK-GIG.

 

E agora também a bola está com a Rio Galeão - ela pode muito bem explorar a liberdade de fazer voos além dos EUA ou Além do Rio para a Africa em busca da "conectividade perdida" - que seus executivos saiam da zona de conforto usual.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

O que eu acho engraçado são empresas estrangeiras terem voos dedicados para GRU e GIG e a LATAM, nacional, não conseguir fazê-lo.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

O que eu acho engraçado são empresas estrangeiras terem voos dedicados para GRU e GIG e a LATAM, nacional, não conseguir fazê-lo.

Não todas as estrangeiras que operam no Brasil têm voos dedicados às duas cidades, muitas possuem só para GRU. As que possuem têm ofertas distintas também a cada cidade, e as conectam (e até outras cidades no Brasil como a UX, AF, KL, AA, CM, TP...) aos seus hubs em seus respectivos países.

 

Não se vê a BA voando long-haul de fora de Londres, ou a AF de fora de Paris, a LH de fora de FRA e MUC, a IB de fora de MAD. A TP tem pouquíssimos voos a partir do OPO e a AZ a partir de MXP, sendo LIS e FCO seus hubs internacionais. Os EUA são um mundo à parte e cada cia possui mais de um hub, mas mesmo assim, cada um ou dois focados em regiões distintas do globo.

  • Like 6

Share this post


Link to post
Share on other sites

E agora também a bola está com a Rio Galeão - ela pode muito bem explorar a liberdade de fazer voos além dos EUA ou Além do Rio para a Africa em busca da "conectividade perdida" - que seus executivos saiam da zona de conforto usual.

Se os executivos da Rio-Galeão estiverem em uma zona de conforto, o aeroporto está perdido! A redução da malha é gritante e só não vê quem não quer: daqui a pouco só se sai do Rio via SDU. É um absurdo que ainda se diga que as taxas que o GIG cobra sejam altas.

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

Se os executivos da Rio-Galeão estiverem em uma zona de conforto, o aeroporto está perdido! A redução da malha é gritante e só não vê quem não quer: daqui a pouco só se sai do Rio via SDU. É um absurdo que ainda se diga que as taxas que o GIG cobra sejam altas.

Em 2019 já vai completar 1/5 do período de concessão,na época do leilão o movimento oscila em 17,3 milhões/ano,de lá pra cá

o movimento sõ retrocedeu e esse ano deve ficar em 15,2 milhões,extremamente ocioso para sua capacidade atual de 37 mi,

se os diretores da Riogaleão nao sairem da zona de conforto para buscarem soluções rápidas irá continuar perdendo voos.Meu

palpite se a demanda não reagir ano que vem,o movimento deve ficar abaixo dos 15 milhões,haja vista a perda de 3 voos internacionais e a redução de frequências que a Gol tem feito na baixa temporada em algumas rotas.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

A única solução pro GIG é uma nova empresa doméstica que tenha o aeroporto como base/hub, e mesmo assim não acho que consiga ser maior do que AD em VCP.

O GIG, e aliás todos os outros, são pro longuíssimo prazo (daqui uns 10-15 anos), quando GRU atingir 60-70 milhões, e começarem a sair as conexões.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Dando um chute, com os percentuais de crescimento até out18:

 

GRU 12M18 (proj)

Doméstico (18,2%) 28.108 x 20% conexão = 5.622

Inter (6,4%) 13.161 x 20% conexão Am. Latina = 2.632

x 23% dom/inter = 3.027

Total 41.269

 

O&D RMSP +/- 30 milhões. Se isso crescer a 5% a.a., leva 15 anos pra saturar GRU.

 

41.269 x (1,05 ^8 anos) = 60.793 Ainda vai levar uns 8 anos pra GRU começar a perder movimento de conexões.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Dando um chute, com os percentuais de crescimento até out18:

 

GRU 12M18 (proj)

Doméstico (18,2%) 28.108 x 20% conexão = 5.622

Inter (6,4%) 13.161 x 20% conexão Am. Latina = 2.632

x 23% dom/inter = 3.027

Total 41.269

 

O&D RMSP +/- 30 milhões. Se isso crescer a 5% a.a., leva 15 anos pra saturar GRU.

 

41.269 x (1,05 ^8 anos) = 60.793 Ainda vai levar uns 8 anos pra GRU começar a perder movimento de conexões.

 

 

Sera que vai parar em 60kk? Nao contaria com isso.

VCP e CNF devem assumir maior relevancia na cnx futuramente.

 

Os 767 da LA que vao ser retirados de operacao em 2019 podem estar relacionados a reducao malha do 767. Se nao estou enganado vao sair 3 a 5 avioes em 2019.

 

Como A359 e 777 e muito aviao pro GIG e os demais 767 estao alocados em GRU, sem folga, ja resolveram passar a faca.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Fiz conexão doméstico-internacional no GIG em novembro e achei hipercomplicado: tudo muito longe, pouquíssima sinalização, poucas esteiras horizontais, aeroporto às moscas (em horário de pico), apenas UM (!!!!) raio-x funcionando do doméstico pro intl, quase perdi voo.

 

Seria interessante a Latam transformar a Latam Argentina e Colômbia em Low Cost/Low Fare, e criar a LC-LF brasileira baseada no GIG.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

 

Sera que vai parar em 60kk? Nao contaria com isso.

VCP e CNF devem assumir maior relevancia na cnx futuramente.

 

Os 767 da LA que vao ser retirados de operacao em 2019 podem estar relacionados a reducao malha do 767. Se nao estou enganado vao sair 3 a 5 avioes em 2019.

 

Como A359 e 777 e muito aviao pro GIG e os demais 767 estao alocados em GRU, sem folga, ja resolveram passar a faca.

 

Nessa primeira concessão não deve passar de 60 milhões até porque não vão investir em um terminal doméstico novo e amplo, que é o que precisa.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Fiz conexão doméstico-internacional no GIG em novembro e achei hipercomplicado: tudo muito longe, pouquíssima sinalização, poucas esteiras horizontais, aeroporto às moscas (em horário de pico), apenas UM (!!!!) raio-x funcionando do doméstico pro intl, quase perdi voo.

 

Seria interessante a Latam transformar a Latam Argentina e Colômbia em Low Cost/Low Fare, e criar a LC-LF brasileira baseada no GIG.

 

Mas a JJ já é LC, G3 idem, 220 assentos num 321 é o que? só falta os 320 com 180 assentos, se com as tarifas atuais ela não dá lucro imagina baixando.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Mas a JJ já é LC, G3 idem, 220 assentos num 321 é o que? só falta os 320 com 180 assentos, se com as tarifas atuais ela não dá lucro imagina baixando.

Ai, ai..

 

Deu pra entender que eu me referia a LC-LF, estilo Norwegian, Level, Joon, Condor, Rouge, Edelweiss, né non?

 

Abracinho rs

Share this post


Link to post
Share on other sites

A solicitação para o GIG sempre foi o nascimento de um player local. E isso não é de hoje. E cada vez mais me parece mais improvável que isso ocorra.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

O comunicado da Latam na íntegra:

O Grupo Latam Airlines está constantemente atento a todas as oportunidades de rotas sustentáveis e segue fortalecendo a sua rede de destinos internacionais para seguir como o grupo de companhias aéreas que mais conecta a América do Sul e a sua região com outras partes do mundo.

Neste sentido, a companhia acaba de promover alterações em suas operações no aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro.

A partir de 16 de fevereiro de 2019, a rota Rio de Janeiro/Galeão-Orlando terá redução de 5 para 4 frequências semanais, enquanto a rota Rio de Janeiro/Galeão-Miami terá redução de 7 para 4 frequências semanais. Já a partir de 1º de abril de 2019, ambas as rotas estarão canceladas.

A companhia já está em contato com os passageiros de voos impactados por essas alterações, para que possam reprogramar as suas viagens sem custos. Todos os clientes da Latam interessados em viagens entre o Rio de Janeiro e as cidades de Orlando e Miami seguem contando com opções de voos com escalas em São Paulo/Guarulhos.

Para mais informações e reprogramação de voos, os clientes também podem entrar em contato com a companhia por meio da Central de Vendas, Informações, Fidelidade e Serviços (4002-5700 para capitais / 0300-570-5700 para demais cidades) ou ainda procurar qualquer loja da Latam.

O Grupo Latam Airlines manterá suas outras operações regulares no aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro. A companhia está sempre atenta às necessidades dos seus clientes para iniciar, ampliar ou adequar as suas operações, e avalia constantemente os seus voos conforme a demanda de cada região.

Desta forma, a Latam segue servindo o Rio de Janeiro e operando voos diretos a partir do Galeão para 4 destinos no exterior (Santiago, Buenos Aires/Ezeiza, Lima e Montevidéu), além de operações sem escalas entre a capital fluminense e outras 12 cidades brasileiras.

Recentemente, o Grupo Latam anunciou novas operações internacionais temporárias do verão 2019 a partir do Brasil. É o caso das rotas Rio de Janeiro-Montevidéu, Rio de Janeiro-Buenos Aires e Rio de Janeiro-Santiago, que serão reforçadas com operações adicionais entre janeiro e março de 2019.

O Grupo Latam Airlines está constantemente atento a todas as oportunidades de rotas sustentáveis e segue fortalecendo a sua rede de destinos internacionais para seguir como o grupo de companhias aéreas que mais conecta a América do Sul e a sua região com outras partes do mundo.

Em 2018, o Grupo Latam Airlines começou a operar 27 novas rotas internacionais em diversos mercados e estreou destinos como Roma (Itália), Lisboa (Portugal) Pisco (Peru), San José (Costa Rica), Las Vegas e Boston (EUA), e Tel Aviv (Israel).

Para 2019, já estão confirmadas rotas inéditas como Porto Alegre-Santiago (será inaugurada em janeiro) e novos destinos como Munique (Alemanha) a partir de junho e Montego Bay (Jamaica) a partir de julho.

 

 

https://www.panrotas.com.br/aviacao/empresas/2018/12/latam-cancela-voos-do-rio-para-miami-e-orlando-na-florida_161240.html

Share this post


Link to post
Share on other sites

Ai, ai..

 

Deu pra entender que eu me referia a LC-LF, estilo Norwegian, Level, Joon, Condor, Rouge, Edelweiss, né non?

 

Abracinho rs

Pura ilusão, meu caro. Preços de hoje nos sites das cias.

 

DN 07/01/19 (seg) AEP-COR 07:30 ARS2.499,01 com mala ARS2.849,01 738 com 189 assentos

4M 05:50 2.163,04 2.680,36 320 174

AR 6/7/08:05 3.075,27 8kg mão+15kg porão 738 170

 

AR líder é 7,9% + cara, em compensação a DN "leva" 11,2% +pax. E a 4M (LTM Arg) é a mais barata.

Edited by TheJoker
  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

No comunicado fala que os clientes do Rio poderão ir pra MIA e MCO com escala em GRU, mas na verdade o serão via conexão, não?

 

E no comunicado tb fala que a rota POA-SCL será inédita, mas Gol e Varig já operaram e, salvo me engano, na década de 80, a Lan Chile tb.

Edited by sbpa
  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

O passageiro do Rio é tido como importante pela Latam - por isso ela vai se manter forte na ponte aérea.

.

Não só na Ponte Aérea, mas em 12 destinos domésticos a partir do GIG e as principais capitais do Sul do continente. A maior parte dos turistas que têm visitado o Rio vem destes países e tem aumentado fortemente depois da Copa e dos JO.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não só na Ponte Aérea, mas em 12 destinos domésticos a partir do GIG e as principais capitais do Sul do continente. A maior parte dos turistas que têm visitado o Rio vem destes países e tem aumentado fortemente depois da Copa e dos JO.

 

 

Sobre a ponte aérea da Latam, ouvi uma AFA que, com o término da equipe de Dovs da cia no Rio, os voos saem com bastante restrição de peso. Alguém sabe se procede? Até que ponto a Latam valoriza a ponte? Alguém tem dados de ocupação?

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sobre a ponte aérea da Latam, ouvi uma AFA que, com o término da equipe de Dovs da cia no Rio, os voos saem com bastante restrição de peso. Alguém sabe se procede? Até que ponto a Latam valoriza a ponte? Alguém tem dados de ocupação?

 

SDU-CGH JJ voos G3 O6

out17 79.628 pagos LF 76,5% 723 76.104 73,4% (a maioria 738) 28.954 70,4%

out18 77.833 78,9% 686 73.244 76,2% (a maioria 737) 30.883 74,1%

nov17 69.176 73,1% 657 76.419 73,9% 27.261 72,3%

nov18 80.752 85,1% 659 75.031 82,7% 25.599 72,4%

 

Reduziram a oferta e os LF melhoraram.

Edited by TheJoker
  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sobre a ponte aérea da Latam, ouvi uma AFA que, com o término da equipe de Dovs da cia no Rio, os voos saem com bastante restrição de peso. Alguém sabe se procede? Até que ponto a Latam valoriza a ponte? Alguém tem dados de ocupação?

 

muito pelo contrário. Hoje em dia se vê ponte mais cheia do que nunca na Latam. Até aos sábados de tarde os vôos ficam cheios. Muita gente que vc vê que está em conexão, famílias... Edited by Alex_GIG

Share this post


Link to post
Share on other sites

SDU-GRU

11M17 11M18

AD 109.247 93.802 -15.445

G3 220.125 189.918 -30.207

JJ 7.287 44.059 +36.772

total 336.659 327.779 -8.880 Até que o mov. pra GRU não caiu tanto, deve ser pelas conexões internacionais.

volta 333.032 317.747 -15.285

 

SDU-VCP

11M17 11M18

AD 271.059 236.111 -34.948 / 334 dias = 105 pax/dia.

VCP-SDU

AD 279.827 232.767 -47.060 = 141

 

G3/JJ/O6 11M17 11M18

SDU-BSB 513.987 398.852 -115.135 = 345 (menos 2 voos de 738 por dia!)

GIG-BSB 337.186 224.223 -112.963 = 338 (idem)

Infelizmente, o mercado do RIO está decadente.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não acho que o mercado está decadente.

 

Considero que toda redução fez o Rio perder muitas conexões. O O&D foi ajustado a isso. Sim, houve perda de SAO, BSB e tudo o mais.

E o O&D também se ajustou na maior disponibilidade de vagas que passou a existir.

 

Até antes dos cortes da Latam havia um pequeno crescimento

 

E a saída para o Rio é o turismo - um governo sério nas três esferas que (espero) mirem nas causas dos problemas e não nas consequëncias.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Latam reduziu drasticamente suas operações no GIG mesmo, impressionante.

 

A GOL que acaba se beneficiando, pois deve absorver parte dos paxs desses voos. Acredito que bastante gente migre pra possibilidade de fazer SDU-BSB-MIA/MCO.

 

Eu particularmente não vejo "beneficio". Assim como BSB, GRU também é servida a partir de SDU. A Briga é mais por preço do que por beneficio em si.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
Sign in to follow this  

×
×
  • Create New...