Jump to content
Sign in to follow this  
Stelios4K

Avianca encerrará rotas para Nova York, Santiago e Miami

Recommended Posts

E muita gente achava que MIA e JFK são os suprassumo da rentabilidade e high yields, já foram...

 

O MIA se pagou em 3 meses de operação.

 

O que jogou tudo a perder foi o JFK

 

abs

Share this post


Link to post
Share on other sites

A Azul não pode pegar esses A332 e a rota pra JFK (via VCP)?

É rentável? Pra Avianca vimos que não foi...

Share this post


Link to post
Share on other sites

O MIA se pagou em 3 meses de operação.

 

O que jogou tudo a perder foi o JFK

 

abs

Negativo! A operação toda do A330, contando investimento, voos deficitários e custo de saída deve ter gerado fluxo de caixa negativo de pelo menos 400 milhões. Edited by SA280

Share this post


Link to post
Share on other sites

A cia começou a enviar hoje a seus colaboradores um comunicado informando que cancelará seus voos pra Santiago, Miami e Nova Iorque a partir de 31/03/19.

 

Ainda no comunicado, a empresa diz que os passageiros impactados serão contataos pela empresa e cada caso será resolvido individualmente.

 

Via: Passageiro de Primeira.

 

Espero que não, mas foi dessa forma que todas as outras encerraram suas atividades =(

Decisão acertadíssima. As outras demoraram muito para cortar e quando teve, já era tarde.

 

A Azul não pode pegar esses A332 e a rota pra JFK (via VCP)?

Acho que a Azul está pensando nisso. Não é segredo que a Azul quer voar para NYC, com a saída da Avianca Brasil pode abrir mercado para ela (uns 4x VCP-JFK acho factível) e a AD tem um trunfo de ter bancos de conexões melhores nas duas pontas (B6 se for JFK e UA se for EWR). Salvo se ela e as concorrentes preferirem manter a oferta atual e aumentar os yields.

 

E diria que SCL se torna atrativo para a AD também.

 

 

O MIA se pagou em 3 meses de operação.

 

O que jogou tudo a perder foi o JFK

 

abs

Se MIA se pagou em três meses, por que cancelar? Só se a maré mudou muito nos últimos meses.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Isso mostra que para se aventurar no exterior, tem de envolver muitocplanejamento e estrutura profissiinal.

O curioso é que não é a primeira vez que a "Oxane" se aventura em operações mais longas. Será que não aprenderam nada com a aventura mexicana?

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

A Azul teria conectividade pra lotar um VCP-JFK (monopólio na regional e monopólio no trecho). A Avianca concorre na conectividade e no trecho, onde há produtos superiores - inclusive.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Como vocês acham que toda essa situação está sendo avaliada pela Star Alliance? Acreditam que ela possa ser retirada da aliança?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Como vocês acham que toda essa situação está sendo avaliada pela Star Alliance? Acreditam que ela possa ser retirada da aliança?

Star Alliance só retira quando a empresa é expulsa do Clearing House da IATA.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Com a saída da O6 de JFK e MIA dá pra Azul voar 3x VCP-JFK. E rodar alguns REC e CNF pra FLL adicionais.

 

Dólar tá em queda e a perspectiva é bem otimista.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Decisão acertadíssima. As outras demoraram muito para cortar e quando teve, já era tarde.

 

Acho que a Azul está pensando nisso. Não é segredo que a Azul quer voar para NYC, com a saída da Avianca Brasil pode abrir mercado para ela (uns 4x VCP-JFK acho factível) e a AD tem um trunfo de ter bancos de conexões melhores nas duas pontas (B6 se for JFK e UA se for EWR). Salvo se ela e as concorrentes preferirem manter a oferta atual e aumentar os yields.

 

E diria que SCL se torna atrativo para a AD também.

 

Se MIA se pagou em três meses, por que cancelar? Só se a maré mudou muito nos últimos meses.

 

 

Porque a empresa tem que se reestruturar, montou um plano de recuperação e escolheu por terminar o INTER.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Pq com a azul daria certo se com avianca deu errado esse voo pra NY?

Edited by jsilva7e7

Share this post


Link to post
Share on other sites

Porque a empresa tem que se reestruturar, montou um plano de recuperação e escolheu por terminar o INTER.

Se MIA se pagou, então ela estaria no lucro. Se a operação diária para Miami conseguir manter dois A330, mais trip, estrutura, pagar os leasings e ainda ter dólares de lucro, então não faria sentido cancelar.

 

Pq com a azul daria certo se com avianca deu errado esse voo pra NY?

Tem mais capital para segurar o tranco, alimentação nas duas pontas, sendo que VCP é ideal para quem está no interior de São Paulo. Além disso, com os A330 NEO chegando pode haver folga na malha sem trazer mais A332.

 

Mas, como disse, é algo a se pensar.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Pq com a azul daria certo se com avianca deu errado esse voo pra NY?

1) Mercado local exclusivo

2) Maior conectividade, inclusive com spokes exclusivos.

3) Economias de escala, com frota widebody maior e com utilização mais elevada

4) Aviões com leasing bem mais barato (são mais velhos e muito bem negociados)

5) Maior densidade de cabine (mais assentos em um mesmo avião), com mais segmentação de demanda (economy plus), o que eleva a receita por ciclo para um mesmo custo por ciclo.

6) Dólar e petróleo em patamar mais baixo do que antes e perspectiva de melhora da economia.

Share this post


Link to post
Share on other sites

E muita gente achava que MIA e JFK são os suprassumo da rentabilidade e high yields, já foram...

 

 

Fico pensando se ocorreria o mesmo se tivessem voado para Europa. MAD ou LHR, por exemplo.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

 

Fico pensando se ocorreria o mesmo se tivessem voado para Europa. MAD ou LHR, por exemplo.

Acredito que não seria diferente, TP ultimamente anda se queixando que o seu primeiro mercado está "resfriado".

Share this post


Link to post
Share on other sites

Hoje uma carteira de 330 é emprego garantido no exterior, resta saber se a chefia vai se agarrar à mesa e fica na empresa mesmo com "down grade", de resto , os trip farão o que a empresa determinar.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

A parada dos 330 podem determinar a redução de força por extinção de equipamento?
Ou todos renovam a carteira do 20 e segue a lista de antiguidade?

Share this post


Link to post
Share on other sites

A oceano já fez isso, parou o 767 e demitiu todo mundo por equipamento.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Varios pilotos já estão revalidando as carteiras do A320. Ouvi dizer inclusive, que alguns pagando do próprio bolso.

Share this post


Link to post
Share on other sites

A oceano já fez isso, parou o 767 e demitiu todo mundo por equipamento.

 

Não mesmo! Algumas vacas sagradas na época ficaram no F100 com salário de 767, mas era gente da casa, os variguianos é que se lascaram e sairam, mas lembro bem que uns 4 da casa desceram pro F100 (ironicamente hoje estão ou aposentaram na Azul).

Share this post


Link to post
Share on other sites

Essa aventura tinha prazo de validade e era claro desde o dia inicial do anuncio da escolha das rotas que seria desastroso bater de frente justamente contra a rota mais forte da AA no Brasil e um dos mercados mais enraizados da Latam. E além de ser hub OneWorld !

 

Ainda navegou contra a maré... a AA tinha cortado ou veio a cortar REC, SSA, POA, 2o voo do GIG, 3o voo de GRU que foi transferido antes para VCP, CNF... e a propria Latam que saiu de BSB e CNF.

 

Segunda tentativa da Avianca de emplacar um modelo internacional , e nas duas vezes perdeu a oportunidade de olhar para seu modelo ideal , que pra mim é via BOG servindo suas cidades mais importantes no Brasil com A319/A320.

 

No fim, demoraram muito tempo para tomar uma atitude e pra variar tomaram de forma exagerada e abrupta. Podiam ja ter cortado uma das rotas e maximizar o retorno da outra por pelo menos 1 mes. Em uma empresa com problemas, me surpreende não terem uma estratégia melhor desenhada.

 

 

O MIA se pagou em 3 meses de operação.

 

O que jogou tudo a perder foi o JFK

 

abs

 

E depois dos 3 meses ?

 

Do R$ 1,3 bi de PL queimado, pelo menos uns R$ 500 milhões foram causados pela aventura de MIA, JFK, BOG adicionais e SCL. Eu fiz conta de prejuizo de R$ 90 mm atuais por trimestre com pico de R$ 130 mm no 1o Tri 2018. Ou seja, a Avianca perde cerca de R$ 1 milhão por dia.

 

E ainda fez com que a empresa se lançasse a rotas domesticas com histórico forte de tráfego aos EUA - o que derrubou também o yield doméstico por conta de conexões subsidiadas.

Share this post


Link to post
Share on other sites

A parada dos 330 podem determinar a redução de força por extinção de equipamento?

Ou todos renovam a carteira do 20 e segue a lista de antiguidade?

Respeitando a Convenção coletiva não existe demissão por Equipamento

Um CCQ 30 para o 20 fica em torno de 20.000 reais

As rescisões dos Antigões do 30 poderão passar fácil a casa do Meio Milhão, isso sem contar a DSR que é mais uma boa paulada

Porém como o pessoal da One, parece que tem hora, que não gostam muito de Dinheiro, não duvido de nada.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
Sign in to follow this  

×
×
  • Create New...