Jump to content
Sign in to follow this  
Carlo Fratini

Boeing 737 MAX 8 da Ethiopian Airlines cai logo após a decolagem

Recommended Posts

Estava lendo no Airliners tmb que nos EUA tem muitos passageiros se recusando a voar no Max e as empresas estão cobrando taxas para remarcação ou cancelamento

Entendo o lado do passageiro mas no momento de compra da passagem tenho certeza que quando você aceita o termos de adesão não tem nada falando sobre o direito de reembolso ou remarcação se a aeronave que vai realizar o voo não é do seu gosto

Complicada essa situação... Se não tiver alternativa, o negócio é pagar a alteração e depois entrar na justiça evidenciando os fatos.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Caixas pretas serão enviadas para o Reino Unido para análise

Share this post


Link to post
Share on other sites

Só que eu acho isso tudo um exagero? A Boeing é uma empresa de credibilidade e anos de mercado.

Edited by c2500

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

 

É estatística, piloto com menos experiência comete mais erros que podem comprometer a segurança e levar à acidentes. Nem acho que precisa de estudos para concluir isso. Fora casos raros um piloto com mais experiência sempre vai ter mais competência e tranquilidade para lidar com coisas que acontecem fora do normal... enquanto está tudo conforme o "piloto novato" foi treinado ele obviamente irá apresentar uma performance aceitável, a hora que as coisas saem doque ainda não foi treinado ou mesmo vivenciado tudo se complica. Não é pano preto, apenas uma característica da maioria das profissões... não existe substituído para experiência prática, e no caso da aviação essa experiência é medida em horas de voo. Com 200h no tipo ninguém ainda está confortável em aeronave alguma seja ele comandante ou copiloto... que dirá se forem realmente 200h totais de voo na carreira.

 

"It also logical that younger, less experienced pilots may be more inclined to make mistakes or mishandle situations that may lead to an accident. The nature of the relationship between age and experience, in terms of both flight time and certification, also reinforces the findings of this and previous studies, specifically that younger pilots tend to have less experience."

https://docs.lib.purdue.edu/cgi/viewcontent.cgi?referer=https://www.google.com/&httpsredir=1&article=1103&context=jate

 

Isto é fato. A transcrição do CVR do acidente do G3 1907 mostrou isso. Obviamente a situação era emocionalmente desesperadora, mas a diferença entre comando e PNF.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Acho meio tenebroso essas companhias aéreas chancelarem com absoluta certeza a segurança do 737MAX em meio a um movimento no mundo inteiro de groundear a aeronave por via das dúvidas e longe de sair algum resultado preliminar das investigações. Pode ser que os acidentes realmente não possuem nenhuma relação com o projeto? Pode. Mas se ocorre de cair uma aeronave dias após alguma empresa aparecer em diversas mídias sociais informando que a aeronave é perfeitamente segura, eu duvido muito que ela consiga sair viva dessa situação. Mesma coisa se daqui uns dias a Boeing e a FAA decidirem groundear as aeronaves, o dano na imagem da AA, Copa, Southwest e afins seria óbvio. Não é o risco que eu gostaria de correr se eu fosse C-level em uma empresa dessas.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Só que eu acho isso tudo um exagero? A Boeing é uma empresa de credibilidade e anos de mercado.

 

A Samsung é uma empresa com anos de credibilidade no mercado e fez um celular que explodia, a Johnson & Johnson é uma empresa com anos de credibilidade no mercado e mesmo assim produziu talcos para bebês com substancia cancerígena. A Takata ERA uma empresa com anos de credibilidade no mercado e fez airbags mortais.

 

Nenhuma empresa está imune a erros, e ao que tudo indica nem a Boeing.

  • Like 12

Share this post


Link to post
Share on other sites

Eu entendo que na dúvida, melhor previnir do que remediar, principalmente no caso que envolva vidas, onde remediar não se aplica apropriadamente. Mas analisando o lado das empresas que ainda não pararam versus as que pararam observo duas características:

1- China mandou parar por motivos políticos e econômicos, vide guerra comercial contra EUA e querem forçar obviamente um dano de imagem na Boeing visto que irão lançar em breve sua versão do 737, vejam que empresas chinesas todas tem nas suas complexas teias acionarias o governo, seja através dos bancos chineses ou do ELP.

2- As demais companhias que aderiram, tirando uma ou outra tem poucos aviões do modelo na sua frota e em tese é mais fácil gerir o cancelamento e relocação de aeronaves para cumprir as rotas do que as companhias americanas e a Copa. O impacto não é só operacional, é financeiro e de risco de segurança ao remanejar fortemente uma frota inteira que não estava planejada pra aquilo.

Podemos não concordar com eles, mas temos que tentar entendê-los.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

A Samsung é uma empresa com anos de credibilidade no mercado e fez um celular que explodia, a Johnson & Johnson é uma empresa com anos de credibilidade no mercado e mesmo assim produziu talcos para bebês com substancia cancerígena. A Takata ERA uma empresa com anos de credibilidade no mercado e fez airbags mortais.

 

Nenhuma empresa está imune a erros, e ao que tudo indica nem a Boeing.

 

Com certeza ninguém duvida disso. A Boeing fez mais aeronaves confiáveis do que o contrário. A questão é, duas aeronaves de geração nova, modernas, economicas, caindo em circunstancias semelhantes. Como dito várias vezes, ambos acidentes podem não ter relação nenhuma, mas também existe chance de ser pelo mesmo motivo. Pra que correr o risco de ser a próxima? Não é só a imagem da fabricante que "vai pro saco" mas do operador também, e se pessoas tem evitado voar nesse avião por falta de confiabilidade, por quê não seguir as outras e groundear também? Com jeitinho a malha das americanas se ajeita e dá pra parar essas aeronaves e deixar o viajante mais tranquilo. Eu seria um que não voaria de forma alguma.

Share this post


Link to post
Share on other sites

https://www.dallasnews.com/business/airlines/2019/03/12/boeing-737-max-8-pilots-complained-feds-months-suspected-safety-flaw

 

Reportagem de um jornal americano alegando que pilotos do max fizeram reclamações sobre o avião meses antes da queda

So complementando o post do colega,

 

https://www.documentcloud.org/documents/5766398-ASRS-Reports-for-737-max8.html

 

No link acima existem alguns reports de problemas com a automação da aeronave, um deles chama a atenção pelo fato da aeronave ter comandado sozinha um pitch down após a decolagem, de 1 a 2 segundos após o Auto Pilot ter sido acoplado e sem erro de configuração de MCP aparente.

 

Me gerava certa estranheza o fato de 2 acidentes isolados sem quaisquer outros relatos de incidentes dentro das mesmas condições de voo nunca terem sido reportados. Aparentemente pelo menos 1 incidente na mesma condição de voo com uma resposta fora do normal vinda do automatismo da aeronave já ocorreu, conforme o relato de PF e PM no link.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Podem ter certeza que a GOL groundeou os 737 MAX, porque são apenas 7 na frota. Se fosse a frota toda, possivelmente o negócio seria diferente.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não consigo entender esse pano preto de gente supostamente esclarecida a respeito da pouca experiência do co-piloto. É óbvio que quanto maior a experiência, maior a habilidade do aviador em lidar com situações anormais, mas isso não torna a operação com um aviador "pouca hora" insegura. Inclusive porque com 200-300h, ele certamente passou recentemente por treinamento e está com ele fresco na memória.

 

Se fosse assim, a Azul podia fechar as portas.

 

Tirar a discussão do foco principal por conta da experiencia de um dos pilotos é de uma idiotice semelhante àquele projeto de lei no Brasil de obrigar as cias aéreas a divulgar pros passageiros a quantidade de horas dos pilotos de seu voo...

 

 

 

 

É estatística, piloto com menos experiência comete mais erros que podem comprometer a segurança e levar à acidentes. Nem acho que precisa de estudos para concluir isso. Fora casos raros um piloto com mais experiência sempre vai ter mais competência e tranquilidade para lidar com coisas que acontecem fora do normal...

 

 

 

Isto é fato. A transcrição do CVR do acidente do G3 1907 mostrou isso. Obviamente a situação era emocionalmente desesperadora, mas a diferença entre comando e PNF.

 

Trechos de um dos meus livros favoritos:

Impensável - Como e por que as pessoas sobrevivem a desastres

 

"HIPNOSE

Sob determinadas situações, em aviões que pegam fogo, navios que naufragam ou até campos de batalha improvisados, muitas pessoas param inteiramente de se mexer. O momento decisivo chega, e elas não fazem nada. Simplesmente desligam e de repente ficam inertes e paradas. Essa imobilidade baixa de modo involuntário, e é um dos comportamentos mais importantes e fascinantes no repertório das catástrofes. Acontece com muito mais frequência do que, digamos, o pânico. (Alguns pesquisadores chegam a chamar essa paralisia de "pânico negativo", uma vez que, sob alguns aspectos, é o oposto do pânico.)"

 

"Na época do acidente em Tenerife, o psicólogo Daniel Johnson estava trabalhando em uma pesquisa sobre segurança para McDonnell Douglas. Ele ficou fascinado com o comportamento de paralisia, que tinha também sido observado em outros acidentes de aviação."

 

Ter milhares de horas de voo pode não significar nada se o piloto em questão ficar paralisado. Simulador ajuda também a minimizar essa possibilidade, mas existe uma grande diferença entre você correr o risco de ser reprovado e o risco de morrer. Poucos pilotos vão passar por uma real emergência durante seus anos na aviação, então não dá pra dizer que o fulano com 20 mil horas salvaria a todos e o de 200h enfiaria o avião numa montanha. Isso é muito complexo.

Esse negócio de número de horas de voo é uma eterna discussão. Quem precisou de mais pra entrar na linha vai sempre achar que quem precisou de menos tem menos capacidade, quando todos passaram pelo mesmo simulador e foram aprovados.

Mas enfim... É só minha humilde opinião.

  • Like 3

Share this post


Link to post
Share on other sites

... Copiloto do voo teria 200 hrs de voo...

Acredito que ainda é muito cedo para conclusões, e nesse momento todas as hipóteses são consideradas, mas certamente ninguém quer ficar com a "batata quente" nas mãos, inclusive o operador.

 

O 737, na sua origem, sempre foi um avião dócil e foi a "escola" de muitas gerações de pilotos pelo mundo todo. No Brasil, inclusive, ter no assento da direita pilotos com 200h totais na CIV, e na esquerda um piloto na faixa dos 24 aos 28 anos de idade era corriqueiro. Isso no tempo que não havia FMS, GPS, linha magenta e selfie. Voava-se na mão e treinava-se no simulador cenários inconcebíveis nos programas de treinamento "modernos", como panes acumuladas -- por exemplo, manual reversion, monomotor e procedimento NDB, tudo ao mesmo tempo -- e treinamento de voo local, no avião, em voos noturnos, com falha de motor na decolagem (redução de potência de forma intencional e sem aviso) ou aproximação flaps up com arremetida antes do toque na pista. Essa era a rotina no 737-200, onde, antes de tudo, o essencial era criar nos pilotos segurança e confiança no equipamento que operavam.

 

Veio a evolução, e o modernismo cobriu uma lacuna, mas ao mesmo tempo gerou uma complacência enorme. Além do cobertor que obviamente ficou curto, a quantidade de band-aid eletrônico que a Boeing incorporou nos seus produtos, para torná-los atrativos (baratos) aos seus clientes, está enviando a conta ao pessoal de Seattle/Chicago num golpe que pode desnortea-los consideravelmente.

 

Confirmando certas evidências, possuir 200h ou 15,000h de voo serão irrelevantes, a partir do momento que continuarem com esse treinamento deficiente e insuficiente, que deveria primordialmente reforçar a confiança e a segurança naqueles que se dispõem a levar um avião de A para B, faça chuva ou faça sol. Voltamos ao 737-200.

 

Além disso, que por pior que seja a pane enfrentada, os pilotos possam ser capazes de "voar" o avião, ter domínio pleno da situação, característica que sempre foi tradição nos aviões da Boeing, e não levá-los a um beco sem saída e depois continuar fazendo "curativos" ao custo de vidas humanas, reputações e credibildade, daqueles que operam seus produtos e da própria Boeing.

 

Fly safe.

  • Like 11

Share this post


Link to post
Share on other sites

Canadá suspendeu a operação dos MAX 8

Share this post


Link to post
Share on other sites

Por mim tudo bem a pessoa "ficar sabendo" que o copiloto do acidente tinha menos de 300 horas de voo e daí querer que não exista mais nenhum piloto com menos de 500 horas voando na linha aérea. Mas só acho bom observar que praticamente todo comandante de linha aérea com 10 mil horas de voo em jatos, em algum momento na vida já foi um simples copiloto na linha aérea com 200-300 hrs de voo, das quais quase todas em monomotor à pistão.

 

Ninguém soma centenas de horas de voo de experiência em jato pagando hora de voo em escola de aviação.

Edited by diasfly
  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Isto é fato. A transcrição do CVR do acidente do G3 1907 mostrou isso. Obviamente a situação era emocionalmente desesperadora, mas a diferença entre comando e PNF.

Assista a entrevista do Nilson Zille, co-piloto do RG254 no casal ASA no Youtube...não quero discutir se x horas farão diferença..apenas contrapondo fatos

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Canadá suspendeu a operação dos MAX 8

Agora só sobrou as 3 americanas e a copa?

Ou tem alguma outra empresa operando?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Pilotos do Boeing 737 Max 8 reclamaram do avião por meses antes do acidente da Ethiopian

 

Ao menos cinco reclamações formais citaram dificuldades com o sistema de piloto automático

 

13 mar, 2019 10h17

Por: Paula Zogbi

 

SÃO PAULO Ao menos cinco reclamações formais sobre o Boeing 737 Max 8 foram registradas nos meses que antecederam o acidente da Ethiopian nesta semana, revelaram diversos portais de notícias. O avião que caiu no último domingo, matando mais de 150 pessoas, foi o segundo da mesma linha a protagonizar acidentes fatais em 5 meses.

 

As reclamações foram enviadas de forma anônima à base de dados da Federal Aviation Administration, o órgão de aviação dos Estados Unidos. Nos documentos, destacaram-se problemas com o sistema de piloto automático do Max 8.

 

De acordo com o Dallas Morning News, um dos pilotos disse que o manual de voo da aeronave, o modelo mais recente da Boeing, era inadequado e quase criminalmente insuficiente.

 

Outro disse ser inconcebível que pilotos continuassem utilizando esses aviões sem treinamento adequado ou explicações sobre a diferença entre o sistema deles e os de versões anteriores da Boeing.

 

O mesmo problema

 

Quando o primeiro Boeing 737 Max 8 caiu, em outubro, durante voo da Lion Air, o sistema de piloto automático foi posto em questão. A caixa preta daquela aeronave mostrou que o sistema automático do voo 610 repetidamente colocava a aeronave em posição de mergulho (com a ponta para baixo) por conta de um mau funcionamento nos sensores. Todas as 189 pessoas naquele avião morreram.

 

Ao CNN, o CEO da Ethiopian Airlines, Tweolde GebreMarian, disse que as semelhanças entre aquele acidente e o mais recente são substanciais. Ele [o piloto] estava com dificuldades referentes ao controle de voo da aeronave, então pediu para retornar à base, apontou o executivo.

 

Outra reclamação descreve que os problemas ocorriam logo após a decolagem: assim que o piloto automático era acionado, o nariz do avião imediatamente se voltava para o solo e o sistema de alarme começava a soar a mensagem não afunde, não afunde, de acordo com o jornal Politico. A situação era controlada apenas com o desligamento do piloto automático.

 

Boeing é questionada

 

Desde o acidente mais recente, a Boeing está tendo de dar explicações sobre o modelo. Imediatamente após o acidente, a China suspendeu todos os voos do Max 8. Posteriormente, outros países fizeram o mesmo incluindo o Brasil, onde a Gol é a única aérea afetada.

 

A ação da empresa acumula queda de 10,73% entre o fechamento da sexta-feira (9) e esta quarta-feira (13). Na terça-feira, calculava-se uma perda de valor de mercado de US$ 40 bilhões.

 

Em resposta, a Boeing disse que irá atualizar o software de controle de voo de todos os aviões da linha Max nas próximas semanas. Não houve indicação sobre modificações na estrutura física.

 

Fonte: InfoMoney

https://www-infomoney-com-br.cdn.ampproject.org/v/s/www.infomoney.com.br/negocios/grandes-empresas/amp/noticia/7979616?amp_js_v=a2&amp_gsa=1#referrer=https%3A%2F%2Fwww.google.com&amp_tf=Fonte%3A%20%251%24s&ampshare=https%3A%2F%2Fwww.infomoney.com.br%2Fnegocios%2Fgrandes-empresas%2Fnoticia%2F7979616%2Fpilotos-boeing-737-max-reclamaram-aviao-por-meses-antes-acidente

Share this post


Link to post
Share on other sites

Tá ficando feio pra Boeing a cada hora que se passa.

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

Canadá suspendeu a operação dos MAX 8

Segundo informações da Folha:

 

O ministro dos Transportes do país, Marc Garneau, disse que novos dados obtidos por rastreamento via satélite sugerem similaridades entre os dois acidentes fatais ocorridos com o modelo. O último deles, na Etiópia, matou 157 pessoas no domingo (10). O primeiro em outubro, ocorreu na Indonésia.

 

"Não é conclusivo, mas há algo que aponta nesta direção [da similaridade entre os acidentes] e sentimos que um limite foi cruzado. Por isso, estamos tomando essas medidas", disse Garneau.

 

https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2019/03/canada-fecha-espaco-aereo-ao-boeing-737-max-e-diz-que-ha-novos-dados-sobre-acidente.shtml

Share this post


Link to post
Share on other sites
Vejam:


"Uma atualização de software para o controle de voo do MCAS pela FAA e Boeing era esperada para o início de janeiro, mas as discussões entre reguladores e a fabricante de aviões se arrastaram, em parte devido a diferenças de opinião sobre engenharia e técnica Oficiais de várias partes da Boeing e da FAA tinham pontos de vista diferentes sobre a extensão da correção. Autoridades dos EUA disseram que a recente paralisação do governo federal também interrompeu o trabalho de conserto por cinco semanas. "





Edited by diogodvd

Share this post


Link to post
Share on other sites
Postado no tópico do fabricante, mas eu pensei que isso era digno de ser postado aqui ...


"Então o proprietário da Lion Air, Rusdi Kirana, afirmou que a Boeing tentou encobrir o sistema AoA / MCAS, culpando injustamente a má manutenção do Lion. Declaração interessante sobre uma aeronave basicamente nova. Um dos sensores AoA tinha acabado de ser substituído por causa de leituras errôneas pelo processo de manutenção da Boeing. Ele acusou publicamente a Boeing de ser imoral, espertA e muito inadequadA em suas ações. Palavras fortes!


Ele também está alegando que, se legalmente possível, cancelará a ordem restante para o 737 MAX, no valor de US $ 22 bilhões (suponho que este seja o preço de lista). A Bloomberg alegando que um total de US $ 57 bilhões em pedidos está em risco por causa de problemas com a confiança na Boeing."








Share this post


Link to post
Share on other sites

A cada informação que surge o caso fica mais terrível, me admira muito a Boeing seguir com essa postura de que se quer considera que exista algum problema.

 

Sou fã da empresa e do 737, mas essa semana a Boeing conseguiu me desapontar profundamente.

 

Edit: Trump acabou de anunciar que vão groudear todos os MAX 8 e 9.

Edited by Schonarth

Share this post


Link to post
Share on other sites

Pega fogo cabaré!

 

CEO da Boeing deve estar surtando agora

 

Cabeças vão rolar em Seattle!!

Share this post


Link to post
Share on other sites
Guest
This topic is now closed to further replies.
Sign in to follow this  

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade