Jump to content
Sign in to follow this  
Airbus-FA

Empresas aéreas anunciam maior controle sobre bagagens de mão.

Recommended Posts

O funcionário do check-in já deve observar as bagagens de mão para não penalizar o passageiro fazendo ele voltar pro check-in. Se for em um aeroporto como NAT, voltar pro check-in é moleza, 5 minutos, mas se for em GRU, já fica difícil. Duvido que ele não perca o voo...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Serão dias divertidos. Gritos, brigas, confusões e baixarias diversas.

Edited by 2setão
  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

Como crítica construtiva, poderiam fazer igual a JetSmart faz no chile. Os passageiros são convidados para formarem a fila de embarque com maior antecedência que o padrão.

Ao adentrarem na fila, os funcionários do portão passam de passageiro em passageiro conferindo se as bagagens de mão dos mesmos estão dentro dos padrões da empresa.

Educadamente fazem a medida das malas utilizando os mesmos "caixotes" que existem nos aeroportos aqui no Brasil.

Caso a bagagem seja maior que o permitido à bordo, o passageiro é convidado à lateral da fila, o padrão da empresa é apresentado com seus respectivos valores e no próprio portão a empresa cobra a taxa de despacho do cliente.

Tudo feito em alguns instantes, dentro da sala de embarque, sem alarde e com a cobrança feitas por meio de máquinas de cartão de crédito/débito.

Para os que quiserem ver os valores e procedimentos da empresa segue abaixo:

 

https://jetsmart.com/cl/es/opcionales/home

 

Cabe agora saber aqui no Brasil como serão as abordagens desses funcionários e como as empresas aéreas irão se posicionar a respeito.

Share this post


Link to post
Share on other sites

O funcionário do check-in já deve observar as bagagens de mão para não penalizar o passageiro fazendo ele voltar pro check-in. Se for em um aeroporto como NAT, voltar pro check-in é moleza, 5 minutos, mas se for em GRU, já fica difícil. Duvido que ele não perca o voo...

O problema é que muitos desses espertinhos utilizam o web checkin ... Vai ter que voltar, pagar e perder o voo.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

O problema é que muitos desses espertinhos utilizam o web checkin ... Vai ter que voltar, pagar e perder o voo.

A grande maioria.

Na verdade essa medida basicamente é pra "pegar o gato no pulo".

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não dá pra voltar ao check-in do momento que já se chama pro voo. Vão perdê-lo.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Pelo que me disseram essa barreira será antes do raio-x e inicialmente só haverá advertência sobre as normas.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Será antes de entrar no canal de inspeção. Por 15 dias, será 'educativo', posteriormente, as bagagens serão cobradas no check-in. Se o cliente perder o voo, será remarcado para o próximo. A ideia é pegar o espertalhões que levam muitos volumes, ou com excesso de tamanho. O permitido será uma bagagem de 115cm + mochila/bolsa feminina.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Funcionarios dessas terceirizadas vão precisar usar capacete, caneleira, joelheira, cotoveleira, ombreira... Vão ser tipo jogadores de futebol americano guardando a entrada do raio-x. kkkkkkk

 

Agora falando sério, já estava passando da hora de isso acontecer, pq o que tem de gente que tenta entrar dentro do avião com 3 ou 4 volumes de bagagem de mão é algo fora de série. Já presenciei casos onde a pessoa ainda teve a cara de pau de reclamar que não estava conseguindo carregar tudo e queria alguém pra ajudar a levar, atrasando mais ainda o embarque ou desembarque. Vai ter gente perdendo o voo por isso, certamente, mas algo precisava ser feito. Por mim, se forem disparados avisos bem claros à respeito, o problema é de quem ignorou os avisos.

  • Like 8

Share this post


Link to post
Share on other sites

Acho que as empresas podiam contornar isso oferecendo algo a mais para o passageiro.

 

Por exemplo, mala de 115cm (de bordo) despachada no check-in poderia ter até 23Kg.

 

Pra levar a bordo, segue o padrão 10Kg.

 

Dificilmente uma mala de 115cm chega a 23Kg (A não ser que o cidadão esteja levando chumbo) e as companhias evitariam o atual problema do embarque.

Share this post


Link to post
Share on other sites

De um lado as fabricantes criam bagageiros maiores, do outro as empresas tentam controlar.

 

Quero ver aqui onde a Lei de Gérson impera... e sempre arrebenta para o lado mais fraco, o funcionário da empresa aérea.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sendo o Brasil o lugar que é, já vejo alguns processos surgindo. Se essa semana teve um juiz recebendo 69 mil reais por danos morais por ter sido escolhido aleatoriamente para revista manual, imagine então as brechas que uma "revista" de tamanho de malas não pode gerar.

 

Um exemplo é meu caso, sou fotógrafo e carrego na mochila (dentro do tamanho correto) mais de 10kg entre lentes, camera e acessórios que não podem ser despachados pela fragilidade, valor e pelas baterias (risco de incendio). Já tive certa vez uma discussão na hora do embarque que me fez perder o voo enquanto aguardava o superior chegar para liberar meu embarque.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Eu já vi no portão em CGH, embarque da Gol, quando a funcionária

convidava para o despacho voluntário, uma senhora apareceu com uma mala enorme (tipo 2x o tamanho de uma carryon).

 

O agente da Gol disse que aquela mala não era elegível para despacho no portão e que ela deveria voltar ao checkin e pagar a taxa pelo despacho, a mulher reclamou que assim iria perder o voo e o agente simplesmente confirmou: "sim senhora, certamente vai perder o voo".

 

E não liberou nem para embarcar com a mala, nem o despacho gratuito.

Não pude ver o desfecho da história nem posso afirmar 100% que ela estava usando de ma fé para despachar uma mala grande e pesada sem pagar o preço deste serviço, mas muito provável que seja, pois vemos e escutamos isso o tempo todo, todos os dias, alguns pax inclusive se vangloriam de sua esperteza.

Não consigo ter pena nesses casos.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sendo o Brasil o lugar que é, já vejo alguns processos surgindo. Se essa semana teve um juiz recebendo 69 mil reais por danos morais por ter sido escolhido aleatoriamente para revista manual, imagine então as brechas que uma "revista" de tamanho de malas não pode gerar.

 

Um exemplo é meu caso, sou fotógrafo e carrego na mochila (dentro do tamanho correto) mais de 10kg entre lentes, camera e acessórios que não podem ser despachados pela fragilidade, valor e pelas baterias (risco de incendio). Já tive certa vez uma discussão na hora do embarque que me fez perder o voo enquanto aguardava o superior chegar para liberar meu embarque.

 

No seu caso, a bagagem dentro do padrão (Tamanho) vai ser liberada, pois os funcionários que farão a verificação não terão balanças. O foco será o excesso de volumes e das dimensões.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Finalmente. Esse negócio de bagagem de mão virou uma zona. Galera levando uma malinha, uma mochila, uma bolsa de mão, uma sacola do duty free e um travesseiro, achando super bacana. Ah, mas é uma mala só....

Uma vez no CDG pesaram minha mala e a mochila (pequena, cabia embaixo da poltrona), e passou do limite coisa de 1kg. Eu nem tinha prestado atenção que somavam os pesos. Isso foi antes da inspeção. Não teve choro, só apontaram onde estava o totem para fazer o pagamento e morri em 35 euros.

Se mandarem alguém pagar um valor equivalente a esse aqui no Brasil vai ter gente ameacando suicídio, mas eu concordo que tem que ser salgado para não se repetir.

Eu mesmo, em outra viagem também pela AF, já comprei antecipada a bagagem despachada. Acabei nem usando.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Vi num voo pra CGH uma turista com uma mochila de mochileiros, daquelas que vão da cintura até acima da cabeça dela. Claramente pesava uns 20kg.

 

Os comissários não mandaram ela voltar, acredito que pra não atrasar o voo e não criar tumulto, já que o corredor estava lotado de gente entrando. Mas ficou metade de um bin pra hipponga com o mochilão gigaaaante. Tiraram várias malas de outros passageiros pra por a dela. E o semblante dela dizia: me dei bem.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Vi num voo pra CGH uma turista com uma mochila de mochileiros, daquelas que vão da cintura até acima da cabeça dela. Claramente pesava uns 20kg.

 

Os comissários não mandaram ela voltar, acredito que pra não atrasar o voo e não criar tumulto, já que o corredor estava lotado de gente entrando. Mas ficou metade de um bin pra hipponga com o mochilão gigaaaante. Tiraram várias malas de outros passageiros pra por a dela. E o semblante dela dizia: me dei bem.

 

Eu fico ##### é quando isso acontece, minha mala dentro dos padrões é tirada do lugar e colocada longe para acomodar a bagagem de um folgado.

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

O problema é que muitos desses espertinhos utilizam o web checkin ... Vai ter que voltar, pagar e perder o voo.

 

É muito simples: coloca meia dúzia de funcionários na porta do raio-x com o gabarito.

 

Mas é TÃO óbvio, TÃO óbvio, que eu tenho CERTEZA que nunca vão fazer.

 

Pq é muito simples e economiza dinheiro, e empresa aérea não gosta disso.

  • Like 4

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

No seu caso, a bagagem dentro do padrão (Tamanho) vai ser liberada, pois os funcionários que farão a verificação não terão balanças. O foco será o excesso de volumes e das dimensões.

 

Na 2° fase que começa depois de um tempo (não sei exatamente quanto tempo) vão aferir o peso TBM... O correto com bagens frágeis e3ser despachado como carga seguindo todo protocolo de segurança, como carga se quebrar a empresa se responsabiliza, mas custa caro...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Na 2° fase que começa depois de um tempo (não sei exatamente quanto tempo) vão aferir o peso TBM... O correto com bagens frágeis e3ser despachado como carga seguindo todo protocolo de segurança, como carga se quebrar a empresa se responsabiliza, mas custa caro...

 

Não sou nem louco de despachar 50 mil em equipamento no Brasil, a chance de ser roubado é gigantesca. Mesmo assim, baterias e pilhas que pesam bastante não podem ser despachadas.

 

E outra coisa, mesmo que eles se responsabilizem, como faço quando chegar no meu destino e o equipamento estiver quebrado ou ter sido roubado? Deixo meu cliente na mão?

 

O Brasil tem algumas coisas que são piada, aqui por exemplo é proibido levar tripé a bordo, nos EUA que é 1000x mais paranóico com segurança é permitido.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Se sua bagagem tem o tamanho correto porém mais de 10kg ela não está dentro do padrão.

Se for assim eu posso então levar somente 10kg num volume cujo tamanho ocupe todo o bin e dizer que não vou despachar pq a mala custou sei lá quantos mil.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Esse padrão de dez quilos é complicado, qualquer pessoa que ande com dois computadores como eu ou com equipamento fotográfico como o colega acima passa fácil disso.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Sign in to follow this  

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade