Jump to content
Sign in to follow this  
A345_Leadership

Avianca Brasil entra com pedido de recuperação judicial [PARTE 2]

Recommended Posts

Avianca: Justiça dá 48h para companhia avaliar nova proposta da Azul

 

SÃO PAULO – A Justiça paulista deu 48 horas para a Avianca Brasil manifestar-se contra ou a favor à nova proposta da concorrente Azul para compra de ativos. Divulgada na segunda-feira (13/5), a ideia da Azul prevê transformar as sete Unidades Produtivas Isoladas (UPI), espécie de ‘mini-Aviancas’ com slots e funcionários da empresa, numa só e levar a leilão até o dia 20 de maio a um lance mínimo de US$ 145 milhões.

Em despacho assinado na noite de terça-feira (14/5), o juiz Tiago Limongi, da 1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais da capital paulista, decidiu que "tratando-se de proposta de amplamente divulgada nos meios de comunicação, o que lhe confere indiscutível notoriedade, concedo à recuperanda e eventuais interessados o prazo de 48 horas para manifestação". Na prática, a proposta, a terceira desde o pedido de recuperação judicial da Avianca Brasil, em dezembro, abre espaço a mais uma reviravolta na crise da companhia aérea, que vem demitindo funcionários e cancelando voos em massa desde abril.

A nova proposta da Azul para realizar o leilão de ativos da Avianca gerou incertezas entre companhias aéreas concorrentes e analistas do mercado. Para o presidente da operação brasileira da Latam Airlines, Jerome Cadier, a recuperação judicial está demorando muito mais tempo que o previsto inicialmente. A consequência é aumentar o risco ‘de a recuperação judicial, no fim das contas, não recuperar nada’.

Além disso, Cadier acusa a concorrente de ‘não gostar de concorrência’ no leilão de ativos da Avianca por apostar num modelo de certame com uma só UPI. Na visão de Cadier, a participação de Gol e Latam num leilão nesse modelo seria barrada pelo Cade, órgão federal antitruste, por causa da fatia de mercado das duas – combinadas, Gol e Latam têm 69% do mercado brasileiro segundo dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

– O principal problema da proposta da Azul é desenhar um modelo de leilão em que só ela pode participar. A proposta com sete UPIs (defendida por Gol e Latam) é mais competitiva que a opção da Azul porque a gente sabe que o Cade se preocupa com o grau de concentração de companhias como Gol e Latam. Se Gol e Latam adquirissem a totalidade da Avianca ou seguissem essa proposta feita ontem pela Azul, muito provavelmente ia passar do limite estabelecido pelo Cade – disse Cadier.

Para Thiago Nykiel, sócio da consultoria paulista Infraway, especializada em infraestrutura aeroportuária, a proposta da Azul causa mais incerteza sobre o futuro da Avianca Brasil.

– A proposta da Azul se aprovada deve levantar menos recursos para saldar a dívida da Avianca que a anterior, defendida por Gol e Latam. Além disso, a aprovação do novo plano deve tomar tempo, jogando contra a grave situação financeira da Avianca no momento – diz Nykiel.

A Azul defende seu plano. Em nota, a companhia diz que “a Azul esclarece que o pedido específico protocolado na última segunda-feira não invalida a proposta Elliot-Latam-Gol, já que pode transitar em paralelo”.

 

Críticas ao cancelamento do leilão

 

O cancelamento do leilão de ativos da Avianca Brasil previsto para a terça-feira da semana passada (7/5) segue causando críticas. Gol e Latam haviam comprometido investir ao menos US$ 70 milhões cada uma na aquisição das UPIs A e B, cujos slots estão concentrados em aeroportos do chamado ‘filé’ da aviação civil brasileira, como a ponte aérea Rio-São Paulo, Guarulhos, Galeão e Brasília.

Horas antes do certame, a operadora de serviços aeroportuários Swissport conseguiu uma liminar do desembargador Ricardo Negrão, da segunda câmara empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) suspendendo a venda de ativos. Na quinta-feira (9/5) os advogados da Avianca Brasil entraram com recurso contra a liminar. O pedido segue em análise no TJSP. Para Cadier, da Latam, é difícil entender o motivo da Swissport em impedir o leilão.

– É super difícil entender o motivo de um credor ir contra o próprio interesse. O interesse de qualquer credor numa recuperação judicial é receber algum recurso. Eles pararam um leilão que arrecadaria pelo menos US$ 140 milhões (cerca de R$ 550 milhões). Seria o suficiente para pagar pelo menos uma parte da dívida deles, que é de R$ 15 milhões, uma das menores entre os credores, inclusive. (A Swissport) foi contra o plano mesmo após o plano ter sido aprovado em assembleia de credores. Foi um tiro no próprio pé – diz Cadier.

A Swissport alega que a suspensão o leilão da Avianca visou apenas “à defesa de seu crédito, à manutenção da empresa e ao recebimento rápido e eficiente de valores pelos credores, nos termos da legislação aplicável”. A objeção ao plano aprovado em assembleia de credores buscava, na visão da operadora de serviços logísticos, um “formato de venda que possa ser implementado de forma mais rápida e eficaz, reduzindo a litigiosidade e a complexidade operacional e regulatória, no melhor interesse dos seus credores e de todos os envolvidos.”

 

Procuradas, a Gol e a Avianca Brasil não comentaram.

 

 

Fonte: oglobo.globo.com

Edited by Renan926

Share this post


Link to post
Share on other sites

Pior que isso existe mesmo, também já vi. Mas o que eu acho é que se a pessoa acha melhor ficar em casa do que voar um turboélice, ela faz um enorme bem para a sociedade em ficar em casa vendo tv mesmo, se alguém não quer trabalhar, que não trabalhe e abra espaço para quem quer.

 

Tbm existe o tipo de piloto que gosta de encher o papo pra falar que é "mais aviador" do que outros meramente por voar um determinado tipo de avião, e isso pra mim é atitude de gente imatura. E quanto mais tiver gente para rir e defender esse tipo de atitude, mais vamos presenciar disso.

 

Se o cara acha que é mais aviador em relação à quem voa ATR, por voar A320, eu tenho más notícias pra ele...

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Se o cara acha que é mais aviador em relação à quem voa ATR, por voar A320, eu tenho más notícias pra ele...

Vai ter que dar más notícias pra muita gente. Desde o aeroclube, para aqueles que se acham mais habilidosos por voarem AB115 do que quem voa C152; até quem acha que é melhor por voar Boeing do que aquele que voa Airbus.

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

Vai ter que dar más notícias pra muita gente. Desde o aeroclube, para aqueles que se acham mais habilidosos por voarem AB115 do que quem voa C152; até quem acha que é melhor por voar Boeing do que aquele que voa Airbus.

No final dos anos 90 e início dos anos 2000, quando houveram dispensas/licenças na Varig e TAM, muitos voltaram a dar instrução em aeroclube ou voar algum avião na geral... Hoje em dia o pessoal prefere ficar em casa vendo TV a voar ATR. Definitivamente estou ficando velho e não entendo mais nada...
  • Like 4

Share this post


Link to post
Share on other sites

Avianca pede ao TST que greve seja impedida

 

https://www.conjur.com.br/2019-mai-14/recuperacao-judicial-avianca-greve-seja-impedida

 

"Uma vez que a empresa, na atual situação precisa é manter a prestação dos serviços, de modo que considero inoportuno reivindicar direitos no momento atual”

 

É isso mesmo? Não pode reivindicar direitos nesse momento? Tem que trabalhar sem receber? Acho que essa dupla já tá passando dos limites...

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Se o cara acha que é mais aviador em relação à quem voa ATR, por voar A320, eu tenho más notícias pra ele...

 

 

Eu não sou da área e gostaria de entender qual o problema que os pilotos encontram no ATR. O pessoal do ATR ganha muito menos do que quem voa Embraer ou Airbus? Pra quem voa ATR a progressão na carreira é diferente de quem voa E95?

Share this post


Link to post
Share on other sites

É triste funcionários serem os últimos a reivindicarem seus direitos. Lessors, distribuidores de combustível, administradores de aeroportos, todos já choraram e mamaram a ponto de lesar a Avianca e seus funcionários.

Agora querem que funcionários aguentem calados diante de todo esse abuso. A paralisação virá, mesmo que tarde, mas virá.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Dureza é ficar sem trabalhar. Quero acreditar que uma pessoa que dispensa um ATR (ou qualquer outra aeronave) que não seja por um motivo racional (ex: falta de manutenção), esteja na aviação por lazer e não tenha contas a pagar, nem filhos pra sustentar.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Olha não sei se há tanto problema em voar ATR. Sou passageiro regular do ATR na rota POA-PET-POA e nunca vi comissários e pilotos que não estivessem de bom humor. Percebe-se claramente quando uma pessoa trabalha sem vontade e isso em meus voos não tenho visto, pelo contrário.

 

Um pitaco: será que pilotos não aceitaram ir pro ATR por estarem em processo de seleção em outra empresa voando o mesmo equipamento anteriormente usado por eles na AVB? Aí não seria esnobismo e sim apenas opção de carreira.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Olha não sei se há tanto problema em voar ATR. Sou passageiro regular do ATR na rota POA-PET-POA e nunca vi comissários e pilotos que não estivessem de bom humor. Percebe-se claramente quando uma pessoa trabalha sem vontade e isso em meus voos não tenho visto, pelo contrário.

 

Um pitaco: será que pilotos não aceitaram ir pro ATR por estarem em processo de seleção em outra empresa voando o mesmo equipamento anteriormente usado por eles na AVB? Aí não seria esnobismo e sim apenas opção de carreira.

Sim, Murundum. Estamos falando daqueles que dizem que preferem ficar em casa vendo TV. Muitos vão esnobar a proposta da Azul para voar ATR, mas uma boa maioria ainda não tem noção de que uma grande parte não passa em seleções no exterior para o mesmo equipamento (muitos sequer passaram nas empresas nacionais que voam o mesmo equipamento) sem falar que a licença de vários devem estar vencendo ou por vencer, pois acredito que nos últimos meses a Avianca não deve ter renovado licença de ninguém e todos sabem que dificilmente uma empresa no exterior aceita uma licença vencida, pois para se fazer a covalidação, ela deve estar válida. Ou seja, a pessoa pode optar por pagar do seu bolso uma renovação da licença para tentar pleitear uma vaga no exterior, que não há garantia nenhuma de que será aprovado ou abraçar a proposta da Azul em um primeiro momento... Cada um sabe o que faz com sua carreira e cada um sabe das suas contas a pagar...

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Acredito tb que copilotos mais novos e talvez alguns Cmtes novos não tenham o mínimo de horas para aplicar na maioria das empresas no exterior. As opções acabam se restringindo muito. Não é pq teve ou tem uma CHT de A320 com poucas horas que o mundo se abre...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Que fique cristalino que eu não julguei ninguém que saiu antes, pelo amor de Deus! To só constatando.

 

E considerando que a lista de senioridade da O6 sempre do meio obscura acho que o ideal seria chamar geral dos incorporados pra uma seleção e fim. Seria mais justo e isonômico.

 

Ideal seria os tripulantes técnicos e de cabine agirem como qualquer profissional de outro mercado/setor: atualizar o currículo, fazer contatos, buscar vagas, participar de processos e (se tudo der certo) começar o novo emprego.

 

Choveu vagas nas outras 3 companhias nos últimos 6 meses.

 

Me impressiona ver gente de 30 e poucos anos achando que companhia aérea e sindicato tem que ser babá de carreira.

Só você é responsável pela sua carreira, como diria qualquer avô: DÁ TEUS PULOS!

  • Like 4

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sim, Murundum. Estamos falando daqueles que dizem que preferem ficar em casa vendo TV. Muitos vão esnobar a proposta da Azul para voar ATR, mas uma boa maioria ainda não tem noção de que uma grande parte não passa em seleções no exterior para o mesmo equipamento (muitos sequer passaram nas empresas nacionais que voam o mesmo equipamento) sem falar que a licença de vários devem estar vencendo ou por vencer, pois acredito que nos últimos meses a Avianca não deve ter renovado licença de ninguém e todos sabem que dificilmente uma empresa no exterior aceita uma licença vencida, pois para se fazer a covalidação, ela deve estar válida. Ou seja, a pessoa pode optar por pagar do seu bolso uma renovação da licença para tentar pleitear uma vaga no exterior, que não há garantia nenhuma de que será aprovado ou abraçar a proposta da Azul em um primeiro momento... Cada um sabe o que faz com sua carreira e cada um sabe das suas contas a pagar...

 

Dúvida: neste caso quanto custa para um piloto pagar uma renovação do próprio bolso? Creio que seja um valor super absurdo né?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não critico ninguém por suas decisões. Negar o ATR ou outro avião, é uma opção.. cada um sabe o que é melhor pra si e tem seus motivos para tal... Não acho justo criticar um profissional por isso.

  • Like 4

Share this post


Link to post
Share on other sites

Muito mi mi mi, nada mais natural para quem é type de 320 negar o ATR no primeiro momento, até porque essa vaga não necessita estar current ou mesmo ter o type.

Nem todo mundo vive com o salário do mês, quem tem uma vida financeira organizada pode sim se dar o luxo de esperar um pouco por coisa melhor ou até mesmo renovar por conta. De qualquer maneira se não der certo, as cias no Brasil estarão aqui de qualquer forma, contratando sem type e sem estar current.

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Ideal seria os tripulantes técnicos e de cabine agirem como qualquer profissional de outro mercado/setor: atualizar o currículo, fazer contatos, buscar vagas, participar de processos e (se tudo der certo) começar o novo emprego.

 

Choveu vagas nas outras 3 companhias nos últimos 6 meses.

 

Me impressiona ver gente de 30 e poucos anos achando que companhia aérea e sindicato tem que ser babá de carreira.

Só você é responsável pela sua carreira, como diria qualquer avô: DÁ TEUS PULOS!

Eu tenho um conhecido na JJ que é copiloto do B767 e ele disse me que ele tem um irmão que voa de copiloto no Atr da Azul e ele tá bem feliz,está ganhando experiência, começando carreira,mesmo sabendo que ele recebe 8mil e o irmão na JJ 24mil, ( mais velho e já com família)

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Tudo tem sua hora,não adianta atropelar

Share this post


Link to post
Share on other sites

Ser suspensa da Clearing House e de outros mecanismos é o mesmo que morte cerebral.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Azul quer ativos da Avianca antes de nova lei sobre capital estrangeiro em aéreas Interesse de investidores estrangeiros aumentaria a concorrências pelos slots

 

 

A Azul age para concretizar uma eventual compra dos ativos da Avianca Brasil antes do dia 22 de maio, data-limite para que o Congresso aprove a MP (medida provisória) 863, que permite maior participação de capital estrangeiro nas companhias aéreas, segundo pessoas familiarizadas com o caso.

A avaliação delas é de que, com a nova lei definitivamente aprovada, investidores estrangeiros terão maior segurança jurídica para fazer ofertas pelos ativos, o que aumentaria a concorrências pelos slots (autorizações de pousos e decolagens) da Avianca, em recuperação judicial desde dezembro.

A Azul formalizou uma proposta na última segunda-feira (13). Na noite desta terça (14), o juiz Tiago Limongi, da 1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais, deu 48 horas para que a Avianca Brasil se manifeste sobre a oferta.

Procurada, a Azul afirma que sua proposta "não tem qualquer ligação com a MP 863 e continuará válida antes ou depois de sua expiração, sendo ela aprovada ou não."

A empresa afirma acreditar que "se empresas de capital estrangeiro tivessem interesse nos ativos da Avianca, já teriam se manifestado".

Para diretor das Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), Juliano Alcântara Noman, porém, a atração de capital estrangeiro só ocorreria de fato se a MP virasse lei.

"Hoje, o estrangeiro só pode ter 20% do capital da companhia, o que na prática inviabiliza aportes. Sem mudar isso, ficamos reféns das empresas que operam atualmente [no país]", afirma Noman.

Uma aquisição por qualquer das três aéreas brasileiras, segundo ele, "é um resultado que passa por concentração de mercado. E uma medida com efeito provisório não fomenta investimento externo".

A Avianca diz, em nota, que analisa a proposta da Azul. A companhia não tem pago salários e benefícios a seus funcionários e acumula dívidas que superam R$ 2,7 bilhões.

A oferta ocorre após decisão liminar do Tribunal de Justiça de São Paulo ter suspendido o leilão dos ativos da Avianca, previsto para 7 de maio.

Na ocasião, o desembargador Ricardo Negrão acolheu parcialmente um pedido da Swissport, uma das credoras da aérea. O magistrado submeteu o tema ao plenário do tribunal, mas o caso ainda não foi julgado.

O pregão constava no plano de recuperação judicial homologado pela Justiça e havia sido proposto por Gol e Latam em conjunto com o fundo Elliott, maior credor da companhia Avianca. O plano previa a divisão da companhia em sete UPIs (Unidades Produtivas Isoladas).

Agora, a Azul oferece ao menos US$ 145 milhões (R$ 573 milhões no câmbio atual) por uma nova UPI (Unidade Produtiva Isolada) que contemplaria slots como os da ponte aérea Rio de Janeiro-São Paulo. A proposta é US$ 5 milhões (R$ 19,8 milhões) maior do que a capitaneada por Gol e Latam.

A Azul argumenta que tal pedido não invalida o procedimento de alienação judicial das sete unidades formadas no plano de recuperação da Avianca.

É a sua segunda tentativa de adquirir ativos da companhia. Na primeira, em março, a Azul ofereceu US$ 105 milhões (R$ 419,3 milhões) por 70 slots.

Se o valor oferecido for aceito, Gol e Latam ainda poderão judicializar o tema.

Greve

A Avianca Brasil também tem buscado no Tribunal Superior do Trabalho suspender uma greve de pilotos, copilotos e comissários programada começar na próxima sexta-feira (17), a partir das 6h, nos aeroportos de Congonhas (SP) e Santos Dumont (RJ).

A decisão foi tomada pelos funcionários em assembleia realizada pelo Sindicato Nacional dos Aeronautas.

A companhia aérea pediu ao tribunal que impeça o movimento dos trabalhadores para que possa manter suas atividades. Em sua petição, a Avianca argumenta que uma paralisação poderia levar a sua falência.

https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2019/05/azul-quer-ativos-da-avianca-antes-de-nova-lei-sobre-capital-estrangeiro-em-aereas.shtml

Share this post


Link to post
Share on other sites

A melhor parte é pedir que a greve seja impedida. Todos os que ainda não foram mandados embora sem receber nada são obrigados a trabalhar sem receber nada para depois serem mandados embora sem receber nada. Como está ficando esse mundo... Já passou da hora parar essa M, pelo menos assim vai tudo mundo pro buraco, não só os empregados.

Share this post


Link to post
Share on other sites

O SSA-CGH das 04 e pouco da manha de hoje (15/03), so decolou as 14:30 local

 

Empresa informou que faltou tripulacao

Share this post


Link to post
Share on other sites

Parece que tem mais do que um potencial grupo acelerando para formar novas cias aereas.

 

Creio que o movimento da Azul seja bem defensivo.

 

Num cenário de quebra e abertura de uma ou duas empresas, essas teriam certamente prioridade para ganhar os concorridos slots em CGH/SDU.

Imaginem uma cia operando só ponte aérea...com PL positivo e aeronaves novas ... !

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Parece que tem mais do que um potencial grupo acelerando para formar novas cias aereas.

Grupo de gente séria?

Share this post


Link to post
Share on other sites
Guest
This topic is now closed to further replies.
Sign in to follow this  

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade