Jump to content
Sign in to follow this  
A345_Leadership

Avianca Brasil entra com pedido de recuperação judicial [PARTE 2]

Recommended Posts

 

Área financeira, Marketing, Comercial, projetos, callcenter, atendimento agencias de viagens - Todos no Brasil trabalharam diretamente para a AVH.

Sério???? Hiiiiiii então vão acionar, sorte que os tripulantes,parte cara e com o maior crédito,não tem como acionar a irmã cucaracha na Colômbia

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sério???? Hiiiiiii então vão acionar, sorte que os tripulantes,parte cara e com o maior crédito,não tem como acionar a irmã cucaracha na Colômbia

 

O proprio tiro no pé é que a Colombiana está espalhando a quatro cantos que está "começando" a montar operações no Brasil...

 

Ora, se a mesma já opera a tempos no páis não deveria já ter essa operação?

 

Estão montando pq quem faziam eram os "lascados" funcionários da Avianca Brasil....Demos um cano neles e agora vamos montar uma estrutura novinha....

 

https://www.infomoney.com.br/negocios/grandes-empresas/noticia/8310493/mae-da-avianca-comeca-a-montar-operacao-no-pais

Edited by robadv

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

O proprio tiro no pé é que a Colombiana está espalhando a quatro cantos que está "começando" a montar operações no Brasil...

 

Ora, se a mesma já opera a tempos no páis não deveria já ter essa operação?

 

Estão montando pq quem faziam eram os "lascados" funcionários da Avianca Brasil....Demos um cano neles e agora vamos montar uma estrutura novinha....

 

https://www.infomoney.com.br/negocios/grandes-empresas/noticia/8310493/mae-da-avianca-comeca-a-montar-operacao-no-pais

CANO não porque quem deixou de pagar salários foi a Ocean Air, eles tinham contratos com a empresa brasileira

Share this post


Link to post
Share on other sites

CANO não porque quem deixou de pagar salários foi a Ocean Air, eles tinham contratos com a empresa brasileira

 

Tudo do mesmo saco - Avianca Colombia, Estaleiros, Ocean Air - Tudo dos irmãos pilantras!!!

Share this post


Link to post
Share on other sites

A Avianca Holdings foi notificada por dois agentes financeiros no final do mês passado sobre 'violações contratuais' por parte da Synergy relativos à aquisição dos 12 ATRs em novembro de 2016 para a Aeromar (8) e Avían (2). Valor da 'inadimplência'? Mais de 911 milhões de dólares, que ficarão nas costas da holding se não quiser ter os contratos com bancos (ECAs) manchados. Deste total, 168.8 já foram incluídos no passivo corrente e o restante, caso a Synergy não pague, serão também. A argumentação basicamente foi: Synergy é seu maior acionista, se vire e me pague.

Edited by ErickCF

Share this post


Link to post
Share on other sites

Pena que a nota não abre na íntegra

Gol e Elliott pedem à Justiça para não atender pedido da Azul
A Gol afirmou que é “descabida” a proposta apresentada pela Azul à Justiça para constituir uma nova Unidade Produtiva Isolada (UPI) com os ativos da Avianca Brasil, que está em recuperação judicial desde dezembro de 2018. A Gol se contrapôs à estratégia da rival em documento enviado ao juiz Tiago Limongi, da 1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.
O pedido da Gol é para que o magistrado indefira “todos os pedidos formulados pela Azul para que a alienação dos ativos das recuperandas seja realizada por meio de UPI única e pelo heterodoxo procedimento híbrido fundamentado, de maneira equivocada", conforme a legislação, argumentou a companhia aérea, representada pelo escritório Lefosse Advogados.
Segundo o documento, John Rodgerson, presidente da Azul, havia se manifestado publicamente que a empresa teria desistido de comprar parte das operações da Avianca por não concordar com o modelo proposto em acordo estabelecido entre o fundo Elliott Management, Gol e Latam. “A Azul surpreende informando, agora, ter interesse na aquisição desta nova UPI”, diz o documento.
Os advogados da Gol — credora da Avianca porque ter feito empréstimos DIP (sigla para “Debtor In Possession”, empréstimo com caráter de investimento prévio) à recuperanda, assim como a Latam — afirmaram que a Azul “pretende de uma forma inusitada, para dizer o mínimo, modificar o procedimento de alienação das unidades produtivas isoladas, aprovado pela expressiva maioria dos credores em 5 de abril”.
Esta proposta da Azul exigiria a alteração do plano de recuperação homologado pelo juiz Tiago Limongi e a Gol considera que a concorrente não tem legitimidade e interesse para pleitear essas alterações.
Por fim, a companhia aérea afirmou no documento enviado à Justiça que “nunca é demais destacar que a Azul tem total liberdade e poderá comparecer ao leilão das sete UPIs, apresentar lances para todas e se sagrar vencedora”.
Da mesma forma que a Gol, o fundo de hedge Elliott Management, principal credor da Avianca Brasil, é contrário à proposta apresentada na semana passada pela Azul.
Ontem, o fundo protocolou documento pedindo que o juiz Tiago Limongi “não tome qualquer medida que seja conflitante com o plano aprovado”, considerando também a proximidade do julgamento sobre a suspensão do plano e leilão das UPIs pelo desembargador Ricardo Negrão, do Tribunal de Justiça de São Paulo.
“Com uma simples e rápida análise do plano da Azul, pode-se concluir [que esta proposta] assegurava de forma clara que apenas a Azul participaria do leilão dada a estrutura adotada que tornava virtualmente impossível que qualquer outro competidor adquirisse tais ativos de uma maneira considerada aceitável às autoridades regulatórias, em virtude de restrições concorrenciais”, afirmou o escritório Pinheiro Guimarães, que representa os interesses do Elliott.
Segundo o fundo, a perspectiva de retorno dos credores foi ainda mais reduzida pela falta de vontade da Azul de se comprometer a limitar o volume de financiamentos DIP (sigla para “Debtor In Possession”, empréstimo com caráter de investimento prévio) à recuperanda, que seria potencialmente injetado na operação durante o período entre a assinatura e o fechamento ou ao menos o volume passível de utilização como moeda de pagamento no certame.
O Elliott argumentou que, dada a possibilidade de demora para obter aprovações regulatórias no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e as contínuas necessidades de caixa das UPIs, era razoável acreditar que financiamentos prioritários significativos e ilimitados poderiam ser injetados na empresa antes do fechamento da venda.
Edited by andregomesoliveira
  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Gol e Elliott pedem à Justiça para não atender pedido da Azul
A Gol afirmou que é “descabida” a proposta apresentada pela Azul à Justiça para constituir uma nova Unidade Produtiva Isolada (UPI) com os ativos da Avianca Brasil, que está em recuperação judicial desde dezembro de 2018. A Gol se contrapôs à estratégia da rival em documento enviado ao juiz Tiago Limongi, da 1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.
O pedido da Gol é para que o magistrado indefira “todos os pedidos formulados pela Azul para que a alienação dos ativos das recuperandas seja realizada por meio de UPI única e pelo heterodoxo procedimento híbrido fundamentado, de maneira equivocada", conforme a legislação, argumentou a companhia aérea, representada pelo escritório Lefosse Advogados.
Segundo o documento, John Rodgerson, presidente da Azul, havia se manifestado publicamente que a empresa teria desistido de comprar parte das operações da Avianca por não concordar com o modelo proposto em acordo estabelecido entre o fundo Elliott Management, Gol e Latam. “A Azul surpreende informando, agora, ter interesse na aquisição desta nova UPI”, diz o documento.
Os advogados da Gol — credora da Avianca porque ter feito empréstimos DIP (sigla para “Debtor In Possession”, empréstimo com caráter de investimento prévio) à recuperanda, assim como a Latam — afirmaram que a Azul “pretende de uma forma inusitada, para dizer o mínimo, modificar o procedimento de alienação das unidades produtivas isoladas, aprovado pela expressiva maioria dos credores em 5 de abril”.
Esta proposta da Azul exigiria a alteração do plano de recuperação homologado pelo juiz Tiago Limongi e a Gol considera que a concorrente não tem legitimidade e interesse para pleitear essas alterações.
Por fim, a companhia aérea afirmou no documento enviado à Justiça que “nunca é demais destacar que a Azul tem total liberdade e poderá comparecer ao leilão das sete UPIs, apresentar lances para todas e se sagrar vencedora”.
Da mesma forma que a Gol, o fundo de hedge Elliott Management, principal credor da Avianca Brasil, é contrário à proposta apresentada na semana passada pela Azul.
Ontem, o fundo protocolou documento pedindo que o juiz Tiago Limongi “não tome qualquer medida que seja conflitante com o plano aprovado”, considerando também a proximidade do julgamento sobre a suspensão do plano e leilão das UPIs pelo desembargador Ricardo Negrão, do Tribunal de Justiça de São Paulo.
“Com uma simples e rápida análise do plano da Azul, pode-se concluir [que esta proposta] assegurava de forma clara que apenas a Azul participaria do leilão dada a estrutura adotada que tornava virtualmente impossível que qualquer outro competidor adquirisse tais ativos de uma maneira considerada aceitável às autoridades regulatórias, em virtude de restrições concorrenciais”, afirmou o escritório Pinheiro Guimarães, que representa os interesses do Elliott.
Segundo o fundo, a perspectiva de retorno dos credores foi ainda mais reduzida pela falta de vontade da Azul de se comprometer a limitar o volume de financiamentos DIP (sigla para “Debtor In Possession”, empréstimo com caráter de investimento prévio) à recuperanda, que seria potencialmente injetado na operação durante o período entre a assinatura e o fechamento ou ao menos o volume passível de utilização como moeda de pagamento no certame.
O Elliott argumentou que, dada a possibilidade de demora para obter aprovações regulatórias no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e as contínuas necessidades de caixa das UPIs, era razoável acreditar que financiamentos prioritários significativos e ilimitados poderiam ser injetados na empresa antes do fechamento da venda.

 

 

Ahhh, coitadinha, compra uma Cayenne pro juiz.... KKKKK

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

a Gol ta desesperadinha... A Gol afirmou que é descabida a proposta apresentada pela Azul à Justiça

 

descabido é leiloar slot, a proposta da Azul é muito melhor. já tomou fumo no passado qd encheu VCP de voo e teve que recuar. ta com medo de levar outro, agora, na ponte.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Neste caso, o Juiz pode aprovar o 'plano' da Azul e passar por cima do 'desejo' do maior credor?

 

Se este plano não for aprovado, tem chance da empresa não chegar no fim desta semana.

Share this post


Link to post
Share on other sites

ta com medo de levar outro, agora, na ponte.

Acho que já tem concorrência na ponte :secret:

Share this post


Link to post
Share on other sites

A Gol parece a velha Varig. Nao faz mas atrapalha quem quer fazer.

Edited by SOUSA CPV
  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

A Gol parece a velha Varig. Nao faz mas atrapalha quem quer fazer.

O jogo é sujo, mas é o jogo.

 

Você acha que se o jogo fosse o contrário a Azul não faria a mesmíssima coisa?

 

Não existe santo na história.

 

Já pra Oceanair, no caso, pra Santa só falta o S.

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

O jogo é sujo, mas é o jogo.

 

Você acha que se o jogo fosse o contrário a Azul não faria a mesmíssima coisa?

 

Não existe santo na história.

 

Já pra Oceanair, no caso, pra Santa só falta o S.

A Gol sempre jogou sujo escancarado. Há quem ame, há quem odeie. Comprou Varig e acabou com a marca, comprou Webjet idem. Fora todas as histórias que envolvem a Família Constantino.

 

Aprendi muito e tenho muito a agradecer, mas nesse ponto não sei se a palavra orgulho definiria o sentimento de ser um antigo colaborador da empresa.

Share this post


Link to post
Share on other sites

A Gol sempre jogou sujo escancarado. Há quem ame, há quem odeie. Comprou Varig e acabou com a marca, comprou Webjet idem. Fora todas as histórias que envolvem a Família Constantino.

 

Aprendi muito e tenho muito a agradecer, mas nesse ponto não sei se a palavra orgulho definiria o sentimento de ser um antigo colaborador da empresa.

Apesar de ser colaborador da empresa, não posso definir meu orgulho (ou a falta dele) de pertencer à empresa como algo condicionado às condutas empresariais de seus gestores.

 

Seria leviano eu tomar para mim a responsabilidade ou o sentimento de culpa por conta da gestão da companhia. Eu estaria me comportando igual aos caras que ficam se desculpando por ser homem quando conhecem uma garota. Seria patético...

 

Eu sou pago pra pilotar avião, simples assim. Enquanto eles servirem para mim, e sobretudo eu servir para eles, a coisa anda como deve andar.

  • Like 8

Share this post


Link to post
Share on other sites

Acho que já tem concorrência na ponte :secret:

A que só serve água e 180 assentos? Kkk

Share this post


Link to post
Share on other sites

A que só serve água e 180 assentos? Kkk

 

Aviação deixou de ser restaurante e poltronas ultra boas ha muito tempo, o que vale agora é só o quanto custa a passagem.

  • Like 3

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não existem virgens nessa história...

A Gol usa os mecanismos que o mundo capitalista permite.
Varig sempre usou quando pode.
Tam já foi a queridinha do governo...
O gringo da Azul de bom coração não tem nada...

Agora, como ex funcionário da Oxané (sem salario, diárias, férias, 13, V.A e afins) torcia pra um desfecho logo, pois é a mais remota chance que nós temos de receber.

Com essa briga de slots aí, perdem os funcionários.
O mercado se adapta ao fim da AVB com o tempo, Slots serão redistribuídos, pax realocados, tripulantes e funcionários, se recolocarão...

A incerteza é não receber os direitos...
Mas ninguém nessa história está nem aí pra isso... Logo, bola pra frente, e chega de torcida de CNPJ...

  • Like 9

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não existem virgens nessa história...

 

A Gol usa os mecanismos que o mundo capitalista permite.

Varig sempre usou quando pode.

Tam já foi a queridinha do governo...

O gringo da Azul de bom coração não tem nada...

 

Agora, como ex funcionário da Oxané (sem salario, diárias, férias, 13, V.A e afins) torcia pra um desfecho logo, pois é a mais remota chance que nós temos de receber.

 

Com essa briga de slots aí, perdem os funcionários.

O mercado se adapta ao fim da AVB com o tempo, Slots serão redistribuídos, pax realocados, tripulantes e funcionários, se recolocarão...

 

A incerteza é não receber os direitos...

Mas ninguém nessa história está nem aí pra isso... Logo, bola pra frente, e chega de torcida de CNPJ...

Melhor resumo dos fatos até agora. O que as três querem são o slots mesmo. O que o Elliot quer é a grana. E o que os irmãos querem é tirar o deles da reta.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Essa historia da Avianca já passou de todos os limites do aceitável !

 

A empresa em si foi das mais amadoras no tocante a gestão do processo de recuperação judicial desde o começo - amadora ao EXTREMO!

Errou feio na gestão do caixa, errou feio na gestão pré-RJ, errou mais ainda ao pedir RJ sem ter linhas de crédito e caixa suficientes, errou feio ao lidar mal com as cias de leasing, errou pior ainda ao ter demorado a apresentar um plano quando já sabia que nao tinha caixa para atravessar toda a RJ.

 

Errou mais uma vez o judiciário que uma vez mais prova que não sabe lidar com Recuperação Judicial.

 

E pra variar, mais uma lei ( a da Recuperação Judicial ), mal escrita e mal aprovada por essa verdadeira maldição chamada de Congresso Nacional.

 

Esse país não tem solução mesmo: péssimos (canalhas) empresários, péssimo (des)regulador, péssimo (????) judiciário, péssimo (des)governo, péssimo (cada um por si) congresso.....

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sério???? Hiiiiiii então vão acionar, sorte que os tripulantes,parte cara e com o maior crédito,não tem como acionar a irmã cucaracha na Colômbia

Na verdade alguns tripulantes já operaram voos da Colombiana com aeronave brasileira, eu incluso, na rota GRU-BOG-PTY

Share this post


Link to post
Share on other sites

Infelizmente você tem toda razão.

 

O Judiciário brasileiro é uma roleta. Além de parcialmente corrupto; é tecnicamente, em grande parte, fraco, fraquíssimo.

 

O Congresso nem se fala. Um bom exemplo foram as 10 medidas contra corrupção.

 

Mandaram um texto X pro Congresso que , rapidamente, subverteu tudo e incluiu um artigo pra anistiar a prática de caixa 2.

 

 

 

 

Essa historia da Avianca já passou de todos os limites do aceitável !

 

A empresa em si foi das mais amadoras no tocante a gestão do processo de recuperação judicial desde o começo - amadora ao EXTREMO!

Errou feio na gestão do caixa, errou feio na gestão pré-RJ, errou mais ainda ao pedir RJ sem ter linhas de crédito e caixa suficientes, errou feio ao lidar mal com as cias de leasing, errou pior ainda ao ter demorado a apresentar um plano quando já sabia que nao tinha caixa para atravessar toda a RJ.

 

Errou mais uma vez o judiciário que uma vez mais prova que não sabe lidar com Recuperação Judicial.

 

E pra variar, mais uma lei ( a da Recuperação Judicial ), mal escrita e mal aprovada por essa verdadeira maldição chamada de Congresso Nacional.

 

Esse país não tem solução mesmo: péssimos (canalhas) empresários, péssimo (des)regulador, péssimo (????) judiciário, péssimo (des)governo, péssimo (cada um por si) congresso.....

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Na verdade alguns tripulantes já operaram voos da Colombiana com aeronave brasileira, eu incluso, na rota GRU-BOG-PTY

Não sabia nem que era permitido estrangeiros fazerem voos dentro da Colômbia ou origem na Colômbia, em relação ao Chile, a Latam nunca conseguiu essa autorização, de chilenos virem para cá e fazerem voos da filial brasileira nem o contrário, da JJ poder usar tripulantes brasileiros no Chile, única autorizacao sao as aeronaves chilenas que rodam em Mia entre voos das filiais peruanas e brasileira, mas aí é voo JJ,Trip JJ usando apenas a aeronave CC que estaria parada em Mia

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não sabia nem que era permitido estrangeiros fazerem voos dentro da Colômbia ou origem na Colômbia, em relação ao Chile, a Latam nunca conseguiu essa autorização, de chilenos virem para cá e fazerem voos da filial brasileira nem o contrário, da JJ poder usar tripulantes brasileiros no Chile, única autorizacao sao as aeronaves chilenas que rodam em Mia entre voos das filiais peruanas e brasileira, mas aí é voo JJ,Trip JJ usando apenas a aeronave CC que estaria parada em Mia

Na Tam era comum a gente fazer voos da PZ.

Eu já fui acionado para isso, era misturado, tipo toda tripualação era paraguaia e só eu brasileiro, fazendo um voo PZ, com aeronave PT/PR.

Share this post


Link to post
Share on other sites

A GOL tem zero interesse em comprar alguma das UPI, ela só está esperando a Avianca quebrar de vez e participar da redistribuição dos Slots (onde ela ficaria com 1/3 ou 1/4 dos Slots da Avianca em Congonhas), sem ter que bater na porta do CADE para pedir a bênção para qualquer transação.

Edited by JJúNiORG

Share this post


Link to post
Share on other sites

A que só serve água e 180 assentos? Kkk

Não, a melhor do país que faliu e Azul quer comprar.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Guest
This topic is now closed to further replies.
Sign in to follow this  

×
×
  • Create New...