Jump to content
Sign in to follow this  
gqueiroz

Avião cai com cantor Gabriel Diniz em Sergipe

Recommended Posts

Pensaram na possibilidade de ele não ter pago por esse voo? Pode ter sido apenas uma carona. Quero ver quem aqui recusaria...

 

O pai dele falou que não foi carona...

 

https://youtu.be/YFNcymZ1fVo?t=259

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

pergunta de leigo: não tem um sistema que permite o ATC consultar aeronaves irregulares quando o piloto apresenta o plano de voo e ao mesmo tempo impedir que a mesma decole?
por exemplo: quando chega em SSA uma aeronave dessa que está com RAB (Penhora), o ATC não poderia chamar as autoridades?

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Pergunta de leigo... Supondo que foi a asa que soltou, no check externo da aeronave seria possível de observar que isso poderia acontecer no voo? Estou perguntando pois costumo fazer voos em aeroclubes aqui no estado de SP e infelizmente manutenção adequada é uma das coisas mais complicadas de acompanhar.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Para de falar besteira....fala do que você sabe, ao contrário você contribui para essa cultura da falta de informação e corrupção..

 

A ANAC fez diversas operações de fiscalização nos últimos meses

 

A ANAC fez campanha

 

ANAC lançou sistema só para isso

 

É muito fácil toda hora jogar a culpa em alguém e principalmente no Estado em vez de admitir que a culpa é da cultura de ilegalidade do país...

 

Acho que o colega não falou besteira. ANAC faz campanha, lança sistema, mas vou falar do que eu sei: Tenho mais de 27 anos de pista, sabe quantas vezes um fiscal da ANAC foi no avião que eu tava? 1 vez, e mesmo assim o "garoto" fiscal tava com o crachá com validade expirada... Muito relaxado...

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

pergunta de leigo: não tem um sistema que permite o ATC consultar aeronaves irregulares quando o piloto apresenta o plano de voo e ao mesmo tempo impedir que a mesma decole?

por exemplo: quando chega em SSA uma aeronave dessa que está com RAB (Penhora), o ATC não poderia chamar as autoridades?

 

 

Existe um sistema (DCERTA) que inibe o voo antes mesmo do plano de voo ou da notificação de voo serem aprovados.

 

No caso de qualquer irregularidade, seja com a aeronave ou com o/os tripulante/s, o avião sequer decola. O plano de voo, salvo engano, não é nem enviado para o operador AIS se forem encontradas pendências.

 

Com o voo do cantor, até onde sabemos, não havia nada que oficialmente demonstrasse irregularidade: o piloto em comando estava com suas habilitações e seu CMA válidos, a aeronave estava com o certificado de aeronavegabilidade válido e sua IAM em dia.

 

O fato de declarar 3 ou 4 passageiros no plano de voo também não caracteriza irregularidade ainda que seja uma aeronave de instrução: se o aeroclube permite que seus sócios utilizem as aeronaves com passageiros para voos recreativos (panorâmicos ou passeios de final de semana), como muitos aeroclubes permitem, não há nada que cause desconfiança.

 

Contudo, conforme a entrevista do pai do cantor dada à TV Record deu a entender, o cantor já vinha utilizando a aeronave para transporte entre compromissos há alguns dias (o que já era sabido), com fretamento averbado informalmente. Vídeos nas redes sociais também mostraram que os voos ocorriam desde o início do final de semana Ou seja, de acordo com as informações obtidas e divulgadas pela imprensa até o presente momento, bem como na palavra da família do músico, tudo indica não se tratava de uma simples carona oferecida, mas sim, um voo de transporte informal utilizando a aeronave da instituição.

 

Uma situação que não só demonstra, se os indícios até agora levantados se confirmaram, uma lamentável puxada de tapete nas regulamentações brasileiras como também uma falha gravíssima por parte do Aeroclube de Alagoas, mesmo que (repito, conforme as informações divulgadas) a aeronave estivesse sendo voada por dois membros da diretoria da instituição. Tal tipo de voo nunca deveria ter ocorrido justamente pela própria condição inerente ao cargo ocupado pelos tripulantes.

 

A partir do ocorrido, acredito, a seara passa da fatalidade e atinge (inclusive criminalmente) membros da diretoria e inclusive a presidência da instituição. Águas vão rolar e eu estou curioso para saber os desdobramentos legais e as apurações do caso nos próximos dias.

  • Like 5

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sobre essa possibilidade da asa ter se soltado, não sei nada sobre esse caso do Gabriel Diniz, mas houve um acidente com um Piper Arrow em Daytona Beach, no ano passado, em que a asa se desprendeu. O avião era da Embry-Riddle e o voo um check, com checador da FAA. Houve fadiga de metal. Inclusive foi emitida uma AD (Airworthiness Directive) sobre isso. Na hora do acidente eu estava saindo para um voo, ouvi os burburinhos na saída, mas só fiquei sabendo mesmo do ocorrido quando voltei. Foi um dia extremamente triste.

 

Posso estar enganado e não quero falar besteira, mas pelo lembro eles descobriram esse problema de fadiga em outros PA-28. O caso foi tão sério que mudaram até a necessidade de horas em complex airplane para checar o comercial, já que antes, na maioria das escolas, era feito pelo PA-28 (arrow).

 

Caso a asa tenha realmente se desprendido, não sei se teria alguma relação com o caso que citei, mas não deixa de ser uma coincidência, pois não é normal "asa soltando" por aí.

 

Para quem quiser saber mais sobre o ocorrido aqui em Daytona, deixo alguns links:

 

https://www.aopa.org/news-and-media/all-news/2018/may/16/ntsb-finds-metal-fatigue-in-piper-wing

 

https://www.aopa.org/news-and-media/all-news/2018/december/20/faa-proposes-airworthiness-directive-on-piper-wing-spars

 

https://www.federalregister.gov/documents/2018/12/21/2018-27577/airworthiness-directives-piper-aircraft-inc-airplanes

  • Like 4

Share this post


Link to post
Share on other sites

Só a título de informação, há um campo de pouso bem próximo ao local do acidente, o SNOD, na Praia do Saco. Estando em emergência, poderia talvez estar tentando chegar lá.

 

Mas enfim, são só suposições. Vou aguardar as atualizações.

Edited by gabriel P

Share this post


Link to post
Share on other sites

A maioria dos cantores e políticos usam Táxi Aéreo Clandestino. Simplesmente porque é barato e a galera pousa em qualquer lugar.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Já chegaram a uma conclusão sobre o acidente com o Piper que levava aquele jogador de futebol na Europa? Sempre esqueço o nome dele...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Já chegaram a uma conclusão sobre o acidente com o Piper que levava aquele jogador de futebol na Europa? Sempre esqueço o nome dele...

Não sei te informar. Mas apesar de ser o mesmo fabricante (e mesmo assim já após varias reorganizações corporativas), os aviões são completamente diferentes. De um Tupi para um Malibu são aviações completamente diferentes.

Share this post


Link to post
Share on other sites

... os aviões são completamente diferentes. De um Tupi para um Malibu são aviações completamente diferentes.

Exatamente, um 727-100 para um 787

Share this post


Link to post
Share on other sites

A Anac suspendeu as operações do aeroclube e todos os seus nove aviões

ANAC apura irregularidades na operação do avião de matrícula PT-KLO acidentado nesta segunda-feira (27/5)

Há indícios de táxi-aéreo irregular em aeronave de instrução aérea

Brasília, 27 de maio de 2019 – A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) informa que suspendeu cautelarmente as operações do Aeroclube de Alagoas e interditou as 9 aeronaves pertencentes à empresa devido ao acidente desta segunda-feira (27/5), em Sergipe. A aeronave, de matrícula PT-KLO, da fabricante Piper Aircraft e de propriedade do Aeroclube de Alagoas, estava registrada na categoria Instrução e não poderia prestar serviço fora da sua finalidade, incluindo o transporte remunerado de pessoas.

Processo administrativo ANAC

A Agência abriu um processo administrativo para apurar possíveis irregularidades em relação à operação da aeronave acidentada. Essa apuração verificará em quais condições estava sendo feito o transporte de passageiro em aeronave de Instrução, categoria destinada a voos de treinamento. Após a conclusão da investigação ou mesmo durante o andamento do processo administrativo instaurado, os responsáveis poderão ser multados e ter licenças e certificados cassados. Além da aplicação de sanções administrativas, a ANAC pode encaminhar denúncia ao Ministério Público e à Polícia para que sejam tomadas medidas no âmbito criminal.

Situação da Aeronave

Segundo dados do Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB), a aeronave de marcas PT-KLO estava com o Certificado de Aeronavegabilidade (CA) válido até fevereiro de 2023 e a Inspeção Anual de Manutenção (IAM) em dia até março de 2020. Esse modelo é um monomotor com capacidade máxima de 3 passageiros mais a tripulação, totalizando 4 assentos. O avião pertencia ao Aeroclube de Alagoas e estava registrado na categoria Instrução. Essa categoria possui a finalidade de treinamento para a emissão de licenças de piloto.

Tripulação e passageiros

Conforme informações fornecidas pelo Aeroclube de Alagoas, estavam a bordo o piloto comercial Abraão Farias e o piloto privado Linaldo Xavier, ambos com licenças válidas para o modelo de aeronave acidentado. Segundo a assessoria de imprensa do cantor Gabriel Diniz, ele também estaria a bordo da aeronave.

Investigações

As investigações sobre as causas do acidente estão sendo conduzidas pelo Segundo Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA II), de Pernambuco (PE), órgão regional do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), do Comando da Aeronáutica.

A ANAC se solidariza com os familiares das vítimas do acidente e colabora com as investigações que estão em curso.

Atenção!

O serviço de táxi-aéreo é autorizado e fiscalizado pela ANAC, razão pela qual só pode ser prestado por empresas que cumpram uma série de requisitos que tornam esse transporte o mais seguro possível.

Ao contratar um serviço de táxi-aéreo, é essencial que o usuário certifique-se de que a empresa está autorizada a prestar o serviço. Verifique a situação da aeronave e empresa no aplicativo ou no site Voe Seguro: https://www.anac.gov.br/noticias/2019/taxi-aereo-sistema-permite-consulta-para-contratacao-segura-do-servico

Denuncie: Ao perceber que a aeronave que fará o transporte não está registrada como táxi-aéreo na ANAC, denuncie o prestador do serviço pelo número de telefone 163, ou pelo Fale com a ANAC, pela internet. Nesse caso, o sigilo do denunciante é mantido e as penalidades só são aplicadas aos envolvidos na prestação do serviço. A prática irregular do táxi-aéreo é crime e coloca em risco a vida das pessoas à bordo e em solo.

Fonte:

http://www.anac.gov.br/noticias/2019/anac-apura-irregularidades-na-operacao-do-aviao-de-matricula-pt-klo-acidentado-nesta-segunda-feira-27-5?fbclid=IwAR0yXS7m8p67tpkfH1uCGdBsZw6j316fcHt7s6GkOdU6lEOXx4YHEFQS1Sk

Share this post


Link to post
Share on other sites

Amigos alguém sabe a capacidade do avião que caiu, entre passageiros e tripulantes?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Na situação de um sócio de aeroclube, que tenha as carteiras de PP e PC checadas levar alguém de A para B "rachando" a hora de voo, ou somente um voo panoramico. Isto é ilegal também ?

Vôos panorâmicos agora foram classificados há pouco como Serviço Aéreo Especializado (SAE). Teoricamente aeroclubes não podem mais fazê-los.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Amigos alguém sabe a capacidade do avião que caiu, entre passageiros e tripulantes?

 

4 pessoas total, ou seja, 1 ou 2 pilotos + 2 ou 3 passageiros.

Share this post


Link to post
Share on other sites

O que eu não aguento é esse discurso de que contratante de TACA é vítima.

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

O que eu não aguento é esse discurso de que contratante de TACA é vítima.

 

Concordo! É cúmplice, é conivência.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Concordo! É cúmplice, é conivência.

Com certeza, a lógica é a mesma, vide eu pegar o cara que faz o trecho do über sem ligar o aplicativo, é conveniente para ambos e ambos fazem essa escolha

Share this post


Link to post
Share on other sites

Vôos panorâmicos agora foram classificados há pouco como Serviço Aéreo Especializado (SAE). Teoricamente aeroclubes não podem mais fazê-los.

Este SAE só poderia ser feito taxi aéreo ?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Tem uma foto que o cantor postou chegando em fera de Santana do painel da aeronave e o horizonte está inoperante . Se realmente pegou mau tempo e bem provavel que desorientou.

Prezado bergson

O Lito (Joselito de Souza), no programa da Ana Maria Braga, mencionou o fato, em relação a disparidade entre dois reloginhos (um, creio, ter sido o horizonte artificial).

https://globoplay.globo.com/v/7648510/programa/

Edited by jambock

Share this post


Link to post
Share on other sites

Meus prezados

Mais um acidente envolvendo a aviação geral no Brasil, será que esses aviões pequenos são seguros ? Veja nesse vídeo um pouco sobre o avião envolvido no acidente, o Piper Archer.


Fonte: blog Aviões & Cia

Share this post


Link to post
Share on other sites

Este SAE só poderia ser feito taxi aéreo ?

 

Serviço aéreo especializado público na modalidade de voo panorâmico (SAE panorâmico) significa o serviço aéreo remunerado, que tenha como objetivo proporcionar passeio aéreo turístico ao público em geral, realizado em equipamentos devidamente certificados e por pessoal habilitado, devendo ser realizado obrigatoriamente com decolagem e pouso no mesmo ponto, sem pouso em pontos intermediários, conforme definido na Resolução nº 377, de 15 de março de 2016.

 

Caso a empresa obtenha esta certificação, poderá fazer este tipo de voo. Estava em Pauta na audiência publica em 2018 ANAC o RBAC 136, que normalizava o assunto. (http://www.anac.gov.br/noticias/2018/aberta-audiencia-para-discutir-proposta-de-regulamento-de-voos-panoramicos).

 

O RBAC 140, que normatiza o funcionamento de aeroclubes, permitia voos panorâmicos (140.71 abaixo). O RBAC 140 deu lugar ao RBHA 141, o qual normatiza os CIACs (Centro de instrução da aviação civil). O RBAC 141 foi aprovado pela resolução 514/2019.

 

[Antigo RBAC 140] 140.71 - VÔO PANORÂMICO (a) Entende-se por vôo panorâmico um serviço prestado pelo Aeroclube ao público em geral, constituído por vôo no qual é(são) transportado(s) passageiro(s) e que começa e termina, sem pouso intermediário, no aeródromo sede de operações da Entidade (b) O Aeroclube somente pode realizar vôos panorâmicos em aeronaves homologadas e desde que o seguro R.E.T.A esteja contratado e válido nas classes 1, 2, 3 e 4. © Os vôos panorâmicos, remunerados ou não, só podem ser realizados por piloto detentor de, pelo menos, Licença de Piloto Comercial com Certificado de Habilitação Técnica e Certificado de Capacidade Física válidos, emitidos ou validados pelo DAC. (d) Vôos panorâmicos não podem ser realizados em aeronaves de propriedade do DAC.

 

No artigo 9 da resolução (514/2019) encontramos:

 

Art. 9º A autorização para realização de voos panorâmicos por Centros de Instrução de Aviação Civil - CIAC tipos 2 e 3 perdurará apenas enquanto durar a validade da autorização atualmente vigente e até que sobrevenha regulamentação específica que disciplinará o voo panorâmico como serviço aéreo especializado público.

 

 

Desculpe me alongar na resposta e até responder o que não foi perguntado, apenas queria deixar claro que o voo em questão não se encaixa em um voo panorâmico, pois ele estava indo de A para B.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Serviço aéreo especializado público na modalidade de voo panorâmico (SAE panorâmico) significa o serviço aéreo remunerado, que tenha como objetivo proporcionar passeio aéreo turístico ao público em geral, realizado em equipamentos devidamente certificados e por pessoal habilitado, devendo ser realizado obrigatoriamente com decolagem e pouso no mesmo ponto, sem pouso em pontos intermediários, conforme definido na Resolução nº 377, de 15 de março de 2016.

 

Caso a empresa obtenha esta certificação, poderá fazer este tipo de voo. Estava em Pauta na audiência publica em 2018 ANAC o RBAC 136, que normalizava o assunto. (http://www.anac.gov.br/noticias/2018/aberta-audiencia-para-discutir-proposta-de-regulamento-de-voos-panoramicos).

 

O RBAC 140, que normatiza o funcionamento de aeroclubes, permitia voos panorâmicos (140.71 abaixo). O RBAC 140 deu lugar ao RBHA 141, o qual normatiza os CIACs (Centro de instrução da aviação civil). O RBAC 141 foi aprovado pela resolução 514/2019.

 

[Antigo RBAC 140] 140.71 - VÔO PANORÂMICO (a) Entende-se por vôo panorâmico um serviço prestado pelo Aeroclube ao público em geral, constituído por vôo no qual é(são) transportado(s) passageiro(s) e que começa e termina, sem pouso intermediário, no aeródromo sede de operações da Entidade (b) O Aeroclube somente pode realizar vôos panorâmicos em aeronaves homologadas e desde que o seguro R.E.T.A esteja contratado e válido nas classes 1, 2, 3 e 4. © Os vôos panorâmicos, remunerados ou não, só podem ser realizados por piloto detentor de, pelo menos, Licença de Piloto Comercial com Certificado de Habilitação Técnica e Certificado de Capacidade Física válidos, emitidos ou validados pelo DAC. (d) Vôos panorâmicos não podem ser realizados em aeronaves de propriedade do DAC.

 

No artigo 9 da resolução (514/2019) encontramos:

 

Art. 9º A autorização para realização de voos panorâmicos por Centros de Instrução de Aviação Civil - CIAC tipos 2 e 3 perdurará apenas enquanto durar a validade da autorização atualmente vigente e até que sobrevenha regulamentação específica que disciplinará o voo panorâmico como serviço aéreo especializado público.

 

 

Desculpe me alongar na resposta e até responder o que não foi perguntado, apenas queria deixar claro que o voo em questão não se encaixa em um voo panorâmico, pois ele estava indo de A para B.

O Panorâmico já tem regulação específica ou não?

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Serviço aéreo especializado público na modalidade de voo panorâmico (SAE panorâmico) significa o serviço aéreo remunerado, que tenha como objetivo proporcionar passeio aéreo turístico ao público em geral, realizado em equipamentos devidamente certificados e por pessoal habilitado, devendo ser realizado obrigatoriamente com decolagem e pouso no mesmo ponto, sem pouso em pontos intermediários, conforme definido na Resolução nº 377, de 15 de março de 2016.

 

Caso a empresa obtenha esta certificação, poderá fazer este tipo de voo. Estava em Pauta na audiência publica em 2018 ANAC o RBAC 136, que normalizava o assunto. (http://www.anac.gov.br/noticias/2018/aberta-audiencia-para-discutir-proposta-de-regulamento-de-voos-panoramicos).

 

O RBAC 140, que normatiza o funcionamento de aeroclubes, permitia voos panorâmicos (140.71 abaixo). O RBAC 140 deu lugar ao RBHA 141, o qual normatiza os CIACs (Centro de instrução da aviação civil). O RBAC 141 foi aprovado pela resolução 514/2019.

 

[Antigo RBAC 140] 140.71 - VÔO PANORÂMICO (a) Entende-se por vôo panorâmico um serviço prestado pelo Aeroclube ao público em geral, constituído por vôo no qual é(são) transportado(s) passageiro(s) e que começa e termina, sem pouso intermediário, no aeródromo sede de operações da Entidade (b) O Aeroclube somente pode realizar vôos panorâmicos em aeronaves homologadas e desde que o seguro R.E.T.A esteja contratado e válido nas classes 1, 2, 3 e 4. © Os vôos panorâmicos, remunerados ou não, só podem ser realizados por piloto detentor de, pelo menos, Licença de Piloto Comercial com Certificado de Habilitação Técnica e Certificado de Capacidade Física válidos, emitidos ou validados pelo DAC. (d) Vôos panorâmicos não podem ser realizados em aeronaves de propriedade do DAC.

 

No artigo 9 da resolução (514/2019) encontramos:

 

Art. 9º A autorização para realização de voos panorâmicos por Centros de Instrução de Aviação Civil - CIAC tipos 2 e 3 perdurará apenas enquanto durar a validade da autorização atualmente vigente e até que sobrevenha regulamentação específica que disciplinará o voo panorâmico como serviço aéreo especializado público.

 

 

Desculpe me alongar na resposta e até responder o que não foi perguntado, apenas queria deixar claro que o voo em questão não se encaixa em um voo panorâmico, pois ele estava indo de A para B.

Então bastaria o aeroclube tirar esta autorização ? eles podem tirar ?

Lógico que nunca usando os aviões cedidos mas sim os de propriedade deles.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Sign in to follow this  

×
×
  • Create New...

Important Information