Jump to content
Sign in to follow this  
TheJoker

[FR] Aigle Azur pode quebrar

Recommended Posts

Aigle Azur menacée d’être clouée au sol

 

Par Valérie Collet

07/08/2019

 

La compagnie française, en difficulté, est lâchée par plusieurs loueurs d’avions. Bercy veut gagner du temps.

 

Deuxième compagnie française derrière Air France, Aigle Azur (1 400 salariés) se bat pour son avenir. Selon nos informations, les propriétaires des avions exploités par la compagnie craignent que cette dernière ne soit plus en mesure de les payer. Ce dossier très sensible est suivi de près par Bercy. Aigle Azur, qui loue les douze avions qu’elle exploite, a déjà été contrainte de rendre l’un de ses neuf A 320 en juin dernier. Elle serait pressée par un autre «leaser» d’en rendre d’autres. La compagnie, dont le premier actionnaire est le chinois HNA(49 % du capital), ne parvient pas à faire face à de nombreuses difficultés.

Arrivé il y a deux ans, le nouveau patron d’Aigle Azur, Frantz Yvelin, a vu trop grand. Il a imaginé que la compagnie, longtemps concentrée sur son activité moyen-courrier et réputée pour sa desserte historique de l’Algérie (six villes desservies), pourrait se faire une place parmi les poids lourds ...

tradução google
A companhia francesa, em dificuldade, é abandonada por vários alugadores de aviões. Bercy quer economizar tempo.
Segunda empresa francesa por trás da Air France, a Aigle Azur (1.400 funcionários) está lutando por seu futuro. De acordo com nossas informações, os proprietários das aeronaves operadas pela empresa estão preocupados que a empresa não possa mais pagá-los. Este arquivo muito sensível é seguido de perto por Bercy. A Aigle Azur, que aluga os doze aviões que opera, já foi forçada a fazer uma das nove A 320 em junho. Ela seria pressionada por outro "leaser" para fazer os outros. A empresa, cujo maior acionista é o HNA chinês (49% de participação), é incapaz de lidar com muitas dificuldades.
Chegou há dois anos, o novo chefe da Aigle Azur, Frantz Yvelin, já viu demais. Ele imaginou que a empresa, há muito focada em seus negócios de médio curso e conhecida por seu serviço histórico à Argélia (seis cidades servidas), poderia ser um lugar entre os pesos pesados ​​...
Aigle Azur, qui loue les douze avions qu’elle exploite, a déjà été contrainte de rendre l’un de ses neuf A 320 en juin dernier. Elle serait pressée par un autre « leaser » d’en rendre d’autres », écrit Le Figaro.
A Aigle Azur, que aluga os doze aviões que opera, já foi forçada a devolver uma das nove A 320 em junho. Ela seria pressionada por outro "leaser" para devolver os outros ", escreve Le Figaro.

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

HNA fazendo vítimas

 

Ou será que foi o DN ao ter a ideia de voar pra cá?

 

O LF médio nos 6M19 está em 74%, isso é prejuízo na certa, ainda mais vendo J a mil euros/dólares.

Edited by TheJoker
  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Corrigindo vendendo J......jul a dez18 estava em 81%.

Edited by TheJoker

Share this post


Link to post
Share on other sites

Isto tem cara de treta entre os acionistas, vulgo HNA e DN. HNA sem por capital e DN dizendo que só investiria se tivesse mais poder ou que a HNA investisse a mesma proporção. Talvez o rompimento unilateral do code-share da Azul com ela pode indicar que a ZI não repassava os valores que a AD vendia.

 

É uma oportunidade da Azul entrar em Paris, pois já viu como funciona o mercado. Talvez uns 3x VCP-ORY sejam viáveis.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Isto tem cara de treta entre os acionistas, vulgo HNA e DN. HNA sem por capital e DN dizendo que só investiria se tivesse mais poder ou que a HNA investisse a mesma proporção. Talvez o rompimento unilateral do code-share da Azul com ela pode indicar que a ZI não repassava os valores que a AD vendia.

 

É uma oportunidade da Azul entrar em Paris, pois já viu como funciona o mercado. Talvez uns 3x VCP-ORY sejam viáveis.

 

Mas se a maior venda é aqui, quem repassa o faturamento é AD para ZI. O resto eu concordo, a empresa é deficitária e os sócios não querem investir, ainda mais com o HNA (49%) também com problemas financeiros.

 

Se quebrar AD e TP vão honrar os bilhetes, sem problemas.

Edited by TheJoker

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Mas se a maior venda é aqui, quem repassa o faturamento é AD para ZI. O resto eu concordo, a empresa é deficitária e os sócios não querem investir, ainda mais com o HNA (49%) também com problemas financeiros.

 

Se quebrar AD e TP vão honrar os bilhetes, sem problemas.

É verdade, viajei na maionese...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Aigle Azur in recent inventory update filed changes to Paris Orly Sao Paulo Viracopos/Campinas service, as the airline closed reservation for travel on/after 10SEP19. This route is currently served 4 times a week, on board Airbus A330-200 aircraft.

 

ZI035 ORY1015 1715VCP 332 x136

ZI036 VCP1915 1145+1ORY 332 x136

 

Fonte: https://www.routesonline.com/news/38/airlineroute/285776/aigle-azur-closes-brazil-bookings-from-sep-2019/

Share this post


Link to post
Share on other sites

Aigle Azur rassure – mais suspend Sao Paulo

 

air-journal_Aigle-Azur-A320-sharklets-vo

©Aigle Azur

Publié le 8 août 2019 à 13h00 par François Duclos

dans Actualité, Info pratique - 0 commentaire

La compagnie aérienne Aigle Azur a publié un droit de réponse réfutant la possibilité d’une fermeture prochaine faute d’avions, et veut rassurer ses clients sur les opérations durant ce mois d’aout qui s’annonce record. Mais les GDS indiquent une suspension de sa route entre Paris et Sao Paulo dès le mois de septembre.

Evoqué ce matin, l’article du Figaro publié dans son édition du 8 août 2019 a provoqué une réaction rapide d’Aigle Azur, qui veut « apporter à la fois des rectifications et un démenti aux informations publiées ». Elle explique dans un communiqué qu’elle « dispose aujourd’hui d’une flotte de 11 aéronefs (9 A320 et 2 A330 long-courrier). Il est vrai que début juin, un seul loueur d’avion a repris un appareil A320 en sortie d’entretien qu’elle exploitait, utilisant des moyens fallacieux. Aigle Azur a affrété un appareil similaire cet été pour assurer les vols et entend reprendre un de ses deux appareils qu’elle loue à la TAP dès cet hiver 2019 ». Depuis, contrairement à ce qu’indique Le Figaro, Aigle Azur affirme : « aucun propriétaire d’avion qu’elle exploite ne presse Aigle Azur de lui rendre un appareil. La compagnie affiche près de 25 millions d’euros de trésorerie à date ».

Aigle Azur « assure et entend assurer tout son programme de vol, le mois d’août 2019 devant en outre être un mois record en termes de chiffre d’affaires, battant tous les précédents chiffres d’affaires mensuels réalisés ». À l’instar de « bon nombre d’acteurs du secteur, notamment en Europe, Aigle Azur ne nie aucunement avoir des difficultés dans un contexte particulièrement difficile (flygscam, projet d’éco contribution, sur-capacité hiver dernier en Europe, impact pétrole automne 18) ». La compagnie « travaille sur différents projets pour assurer sa pérennité à la fois à moyen et long terme. Son Comité d’Entreprise (CE) en est actuellement saisi et l’étudie dans les prérogatives qui sont les siennes. Toutes les forces vives d’Aigle Azur sont mobilisées pour assurer le transport, le confort et la sécurité de ses milliers de passagers ».

La stratégie passée d’Aigle Azur « était adaptée à sa situation d’antan », poursuit le communiqué. « Lorsque son nouveau management en a pris la direction il y a deux ans, l’entreprise avait une structure trop lourde doublée d’une activité trop faible pour celle-ci. Avec l’appui et surtout les assurances de ses partenaires : le chinois Hainan Airlines (filiale de son actionnaire de référence le groupe HNA) et le brésilien Azul, le développement des vols longs courriers sur ces destinations était la meilleure réponse à apporter car garanti par ces partenariats et donc sans risques. Imprévisibles, des évolutions récentes dans le soutien apporté à Aigle Azur par ses actionnaires a mis à mal cette stratégie ».

La compagnie aérienne rappelle par ailleurs que si elle a « souffert dans le passé de nombreux conflits sociaux qui se sont déroulés régulièrement jusqu’en 2017, la nouvelle direction avec le concours de la majorité des syndicats y a justement mis un terme en privilégiant la paix sociale au travers du dialogue. Par ailleurs, les pilotes d’Aigle Azur sont effectivement mieux payés et traités que dans d’autres compagnies, comme chez Ryanair par exemple, en France ils ne sont pas les mieux rémunérés après ceux d’Air France. Ce « classement » publié est donc faux ».

Dont acte. Mais les GDS consultés par Airlineroute montrent ce matin que la liaison d’Aigle Azur entre sa base de Paris-Orly et l’aéroport de Sao Paulo-Viracopos, inaugurée en juillet 2018, n’est plus disponible à la réservation : les quatre rotations hebdomadaires en Airbus A330-200 ne sont plus proposées à partir du 10 septembre. Si cela se confirme, ce sera la fin de son activité long-courrier, alors qu’elle espérait encore au printemps relancer des vols vers Pékin (une ligne suspendue à la fin de l’hiver dernier, après six mois d’activité)…

air-journal_Aigle-Azur-A330-200-newlook-

 

https://www.air-journal.fr/2019-08-08-aigle-azur-rassure-mais-suspend-sao-paulo-5214276.html

Share this post


Link to post
Share on other sites

A vida das empresas na Europa não está fácil...

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

AD com 2 diarios pra LIS +OPO deve ter ajudado a inviabilizar ORY. Nao tenho muita fe' de que ela vai alugar os 332 da ZI pra continuar essa rota. E' +pratico usar as conexoes da TP.

 

pelo guidance de 2019 divulgado hoje, a oferta internacional foi revisada de 20-25% para 10-15%, metade.

Edited by TheJoker

Share this post


Link to post
Share on other sites

AD com 2 diarios pra LIS +OPO deve ter ajudado a inviabilizar ORY. Nao tenho muita fe' de que ela vai alugar os 332 da ZI pra continuar essa rota. E' +pratico usar as conexoes da TP.

 

pelo guidance de 2019 divulgado hoje, a oferta internacional foi revisada de 20-25% para 10-15%, metade.

 

Não vejo OPO e a oferta para LIS inviabilizando ORY. A demanda do Brasil para a França é forte e as conexoes da Azul em VCP importantes. Faltam avioes para a Azul voar para ORY por conta propria mas eles tem dois A330 para entrar na malha em breve: o ex-Avianca e o segundo A330neo. Alem disso lembrando que as conexoes em ORY são restritas.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Não vejo OPO e a oferta para LIS inviabilizando ORY. A demanda do Brasil para a França é forte e as conexoes da Azul em VCP importantes. Faltam avioes para a Azul voar para ORY por conta propria mas eles tem dois A330 para entrar na malha em breve: o ex-Avianca e o segundo A330neo. Alem disso lembrando que as conexoes em ORY são restritas.

Sera que com essa saida da Aigle Azur, a Azul não entre na rota mais via CDG que é mais famosinho?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sera que com essa saida da Aigle Azur, a Azul não entre na rota mais via CDG que é mais famosinho?

 

Não, pois sua parceira TAP voa pra ORY, não pra CDG.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Não vejo OPO e a oferta para LIS inviabilizando ORY. A demanda do Brasil para a França é forte e as conexoes da Azul em VCP importantes. Faltam avioes para a Azul voar para ORY por conta propria mas eles tem dois A330 para entrar na malha em breve: o ex-Avianca e o segundo A330neo. Alem disso lembrando que as conexoes em ORY são restritas.

 

Problema é justamente a capilaridade na outra ponta.

 

VCP alimenta bem um voo para Paris, mas o mesmo não se pode dizer de ORY.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Não, pois sua parceira TAP voa pra ORY, não pra CDG.

Mas a TAP faz distribuição de pax ,digo voos com origem ORY para

Share this post


Link to post
Share on other sites

.,digo,para outros destinos? Se não faz então não tem relevância a Azul voar Cdg ou ORY, onde for mais barato ela irá .

 

Que eu saiba em ORY a TAP só tem voos para Lisboa e Porto

Share this post


Link to post
Share on other sites


Aigle Azur, Companhia Que Tem Neeleman Como Sócio, Em Dificuldades


08/08/2019





A Aigle Azur, que é a segunda maior companhia francesa, está a passar por momentos difíceis, em termos económicos, e as perspectivas de continuidade são incertas, tendo em conta um enorme passivo, com as rendas dos alugueres dos seus aviões atrasadas, além de outras dívidas que não foram satisfeitas junto de fornecedores.


O jornal francês ‘Le Figaro’ publicou nesta quarta-feira, dia 7 de agosto, uma matéria em que alerta para a grande incerteza quanto ao futuro da companhia que emprega 1.400 pessoas. O governo francês está a acompanhar a situação.


O sócio maioritário da companhia (49%) é presentemente o grupo chinês HNA, dono da Hainan Airlines e de outras companhias aéreas chinesas, além de investimentos em diversos sectores económicos e áreas geográficas, que também, nos últimos anos, tem passado por dificuldades financeiras obrigando a uma grande reestruturação, que incluiu a venda de diversos ativos. O segundo maior acionista é David Neeleman, um empresário bastante conhecido no Brasil e em Portugal, que em novembro de 2017 comprou a participação do Grupo Weaving (ex-GoFast).


O ‘Le Figaro’ escreve que a Aigle Azur, que detinha no início do ano uma frota de 12 aeronaves Airbus viu-se obrigada a devolver um dos nove aviões A320 que estão ao seu serviço em junho passado. Entretanto, outra empresa de leasing está a pressionar a companhia para devolver outros aparelhos que estão alugados, dado que as rendas estão em atraso desde há muito tempo. A Aigle Azur tem dois aviões A330-200 desde julho de 2018, quando iniciou a sua primeira rota intercontinental entre Paris/Orly e Campinas/Viracopos, em São Paulo, Brasil, com três frequências semanais.


A companhia voa para 25 destinos, com grande oferta para a Argélia, antiga colónia francesa no norte de África, onde serve seis cidades. Aliás a companhia tem uma grande ligação a esse país africano, e teve no passado laços comerciais com acionistas de países árabes do Mediterrâneo, que, sobretudo no início da empresa e até há cerca de dois anos, estiveram ligados à sua gestão.


Atualmente a Aigle Azur voa para Portugal (Faro/Algarve, Lisboa, Madeira e Porto) com diversos voos semanais, para a Argélia, Mali, Líbano; Rússia, Tunísia e Ucrânia, além de São Paulo, no Brasil.


Desde há alguns meses em dificuldades para pagar os leasings dos seus aviões, a companhia tem optado por subalugar aeronaves, tendo estado dois ao serviço da TAP Air Portugal, desde o ano passado, enquanto por outro lado, tem recorrido a serviços de outras companhias (exemplo da francesa ASL Airlines) para realizar alguns dos seus voos regulares.



Presença histórica na aviação comercial europeia


A Aigle Azur tem uma presença histórica de destaque na aviação comercial europeia. Foi fundada em 1946 e é, presentemente, a companhia aérea privada mais antiga de França e da Europa. Já passou por diversas fases ao longo da sua existência. Em 2001 a sua frota tinha um único avião ao serviço, quando foi comprada pelo Grupo GoFast (depois Grupo Weaving), conectado com interesses económicos de países francófonos do Norte de África. Primeiro liderado por d’Arezki Idjerouidéne, e depois por seu filho Meziane Idjerouidéne, o Grupo GoFast conseguiu fazer renascer a Aigle Azur, afirmando-a como a segunda maior companhia aérea de bandeira francesa.


Em 2010 a família Idjerouidéne resolveu abrir o capital da empresa aérea, tendo como objectivo concorrer no segmento de longo curso. Em 2012 deu-se a entrada do Grupo HNA que adquiriu 48% das ações. Em 2016 o grupo Lu Azur, liderado pelo empresário francês Gérard Houa, adquire 20%, em novo aumento de capital, restando ao Grupo Weaving os 32% que vendeu em 2017 a David Gary Neeleman. Da história do empresário que fundou a Azul, todos conhecemos um pouco. Resumidamente fundou quatro companhias aéreas: Morris Air, WestJet, JetBlue e Azul. Em 2015 associou-se à TAP Air Portugal. Neste momento lidera um novo projeto de transporte aéreo nos Estados Unidos da América, para o qual encomendou 60 aviões Airbus A220-300.


www.newsavia.com




Share this post


Link to post
Share on other sites

Pra mim esse voo da ZI desde o início era só um tapa buraco até a AD poder assumir. Voo super focado no público brasileiro, que faria muito mais sentido ser operado na marca Azul. Mas não tinha wides disponíveis na AD naquele momento. Agora chegando os 339 e esse 332 ex-Avianca, não me surpreenderia ver a Azul pegando essa rota para ela

Share this post


Link to post
Share on other sites
Aigle Azur Não Nega Dificuldades, Mas Afasta Cenário De Futuro Incerto

 

08/08/2019

 

 

A companhia francesa Aigle Azur reagiu nesta quinta-feira, dia 8 de agosto, a uma matéria publicada no jornal francês ‘Le Figaro’, na qual era reportada a má situação económico-financeira que vive a empresa aérea. Nessa publicação são ainda feitos alguns comentários acerca da eventual incerteza quanto à continuidade da companhia aérea, que não desmente a crise, mas aponta ter em tesouraria (caixa) cerca de 25 milhões de euros, e diz estar a trabalhar para garantir o futuro e perenidade da empresa.

A Aigle Azur explica em comunicado que tem presentemente uma frota constituída por 11 aeronaves (nove A320 e dois A330-200 para voos de longo curso). A companhia diz que no início de junho deste ano, “apenas uma empresa de aluguer de aeronaves se apropriou de uma aeronave A320 que estava ao serviço da companhia, no final de uma manutenção, usando meios fraudulentos”. A Aigle Azur fretou uma aeronave similar neste Verão para garantir os voos e pretende reaver, já no próximo Inverno IATA (outubro de 2019), uma de suas duas aeronaves que estão alugadas à TAP Air Portugal.

“Desde então, ao contrário do que o ‘Le Figaro’ indica, nenhum dono de aeronaves ao serviço da companhia pressionou a Aigle Azur para devolver aparelhos”, refere o comunicado contrariando desta forma a notícia publicada pelo jornal francês, depois repercutida em diversas publicações e redes sociais, incluindo no site do ‘Newsavia’, que seguiu como certas a matéria publicada pelo conhecido jornal francês ‘Le Figaro’.

A Aigle Azur diz que está empenhada em garantir todo o seu programa de voos para o corrente mês de agosto de 2019, que para além de ser um mês recorde em termos de volume de negócios, superará todo o volume de negócios mensal realizado anteriormente.

“Como muitos intervenientes no sector, especialmente na Europa”, a Aigle Azur “não nega algumas dificuldades num contexto particularmente difícil”, em que são conhecidos diversos constrangimentos e eventos menos favoráveis à atividade da aviação comercial.

A empresa observa que está trabalhando em diferentes projetos para garantir sua sustentabilidade a médio e longo prazos, juntamente com a sua Comissão de Trabalhadores, todos mobilizados para garantir o transporte, conforto e segurança de seus milhares de passageiros.

Empresas parceiras não deram o suporte necessário ao crescimento da Aigle Azur

“Imprevisíveis desenvolvimentos recentes no suporte fornecido à Aigle Azur por seus acionistas, nomeadamente a garantia dada pelos parceiros Hainan Airlines [companhia do Grupo HNA, sócio maioritário] e Azul Linhas Aéreas [companhia de David Neeleman, o outro sócio de referência] minaram a estratégia desenhada desde há dois anos, alicerçada um pouco nos voos de longa distância”, revela ainda o comunicado da Aigle Azur, que denuncia algum desentendimento entre os responsáveis pela gestão e a atuação ou posicionamento dos seus acionistas.

O documento distribuído na manhã desta quinta-feira, dia 8 de agosto, recorda que “a empresa sofreu no passado muitos conflitos sociais que se mantiveram até 2017, quando a nova liderança, com o apoio da maioria dos sindicatos acabou por promover a paz social através de diálogo”.

Além disso, refere ainda a nota: “os pilotos da Aigle Azur são efetivamente mais bem pagos e tratados do que em outras empresas, como na Ryanair, por exemplo, e, em França, não são os mais bem pagos depois dos da Air France. Essa “classificação” publicada pelo ‘Le Figaro’ é, portanto, falsa”.

https://newsavia.com/aigle-azur-nao-nega-dificuldades-mas-afasta-cenario-de-futuro-incerto/

Share this post


Link to post
Share on other sites

Aigle Azur veut vendre ses vols vers le Portugal à Vueling pour avoir une bouffée d'oxygène

 

Par Fabrice Gliszczynski

09/08/2019

 

 

https://www.latribune.fr/entreprises-finance/services/transport-logistique/aigle-azur-veut-vendre-ses-vols-vers-le-portugal-a-vueling-pour-avoir-avoir-une-bouffee-d-oxygene-825542.html

 

 

Tradução Google

 

Aigle Azur quer vender seus voos para Portugal para a Vueling para respirar ar fresco.

 

Em dificuldade, a companhia aérea francesa chegou a um acordo com a empresa espanhola de baixo custo para vender seus negócios entre Orly e Portugal por 20 milhões de euros. Apresentada aos representantes do pessoal, esta medida é acompanhada por uma transferência de alguns voos para Roissy-Charles de Gaulle. Representantes da equipe solicitaram perícia.

Os tempos são difíceis para Aigle Azur. Como muitas vezes desde a entrada na capital em 2012 do grupo chinês HNA, até 48%. Se a empresa negou a informação de Figaro nesta quinta-feira, segundo a qual foi ameaçada de ser aterrada por causa do desejo das empresas de aluguer de aeronaves para recuperar suas aeronaves por medo de não ser pago, não não negou ter dificuldades ", como muitos outros atores do setor, especialmente na Europa", e confirmou "trabalhando em projetos diferentes para garantir a sua sustentabilidade, tanto a médio e longo prazo".
É um segredo aberto. O que ficou conhecido durante meses por toda a comunidade francesa de transportes aéreos está agora espalhado na praça pública: divulgado pelos seus accionistas em quem descansou uma grande parte da sua estratégia de longo alcance (o grupo chinês HNA em dificuldade, proprietário em particular de Hainan Airlines e Hong Kong Airlines, e David Neeleman, um conhecido empresário brasileiro de transporte aéreo, fundador de várias companhias aéreas como a transportadora brasileira Azul e acionista da TAP Portugal), Aigle Azur busca mais uma vez salvar sua pele .
É certo que, com um caixa de 25 milhões de euros, Aigle Azur tem o suficiente para passar o verão. Mas a situação parece mais tensa para o inverno, período de baixa temporada. Especialmente se a mediatização de suas dificuldades atrasa a tomada de reservas, sinônimo de entrada de caixa.
O acordo com a Vueling traria uma lufada de ar fresco
Colocado por vários meses sob a ala de Ciri, o Comitê Interministerial de Reestruturação Industrial, Aigle Azur, esta semana apresentou aos representantes da equipe uma nova organização da empresa que é, na verdade, um plano de sobrevivência. Isto envolve a venda à companhia aérea espanhola de baixo custo Vueling, uma subsidiária do grupo IAG (que também conta com a British Airways, Iberia, Level e Aer Lingus) da sua actividade entre o aeroporto de Paris de Orly e Portugal (Funchal). Porto, Faro) por cerca de vinte milhões de euros, de acordo com a nossa informação. "Entre 15 e 30 milhões de euros", diz um conhecedor do arquivo.
Em detalhe, a Aigle Azur pretende criar uma subsidiária que assegure voos para Portugal com um avião e voluntários da tripulação de voo, que serão então vendidos para a Vueling. A empresa espanhola, cuja gestão esteve presente nos últimos comitês de obras para explicar seu projeto, fez uma oferta de compra. Esta operação permitiria recuperar 40% das 9.850 posições de descolagem e de aterragem da Aigle Azur em Orly, um aeroporto com limites limitados. Quando questionado, o IAG referiu-se à Vueling, que não conseguiu responder aos nossos pedidos. Aigle Azur não comentou.
Em seu plano apresentado aos representantes da equipe, a Aigle Azur manteria mais Orly apenas parte de seus voos para a Argélia e seus voos para a Europa Oriental. O resto de sua atividade seria posicionado em Roissy-Charles-de-Gaulle, a saber, a outra parte da atividade para a Argélia, os vôos fretados, e aqueles para o Mali, último destino resgatado do longo curso após o parar em Pequim na primavera e a planejada em setembro em São Paulo.
Esperando pela reação de funcionários e sindicatos
Representantes da equipe solicitaram perícia. Não pode exceder dois meses. O acordo com a Vueling será posto em prática após esta experiência, a menos que a empresa espanhola tenha reconsiderado a sua oferta que lhe permita desenvolver em Orly.
Resta saber como sindicatos e funcionários reagirão. Porque, além da venda de parte de seus negócios, a empresa terá que melhorar sua competitividade por parte da atividade que mantém.
Aigle Azur procurou se inclinar contra outras empresas francesas
Se fosse posto em prática, este acordo com a Vueling não seria, obviamente, uma boa notícia para a Transavia, a subsidiária de baixo custo da Air France. Alguns pilotos da Air France não escondem seus medos sobre o assunto, estimando que esses slots devem "retornar à bandeira francesa". No entanto, se eles quisessem, as empresas francesas "solvables" (Air Caribbean ou Air France) poderiam ter em suas mãos a Aigle Azur e, portanto, os slots que esta possui com a Orly. Porque, de acordo com nossas informações, a direção da Aigle Azur entrou em contato em junho com essas empresas para poder se apoiar. Sem sucesso. Nem o Groupe Dubreuil (proprietário da Air Caraïbes e French Bee) nem a Air France responderam favoravelmente, forçando Frantz Yvelin, CEO da Aigle Azur, a encontrar outras soluções.
Edited by TheJoker

Share this post


Link to post
Share on other sites

Tão estranho DN ter comprado 32% da empresa e não ter dado uma mexida pra torna-la rentável, aumentar a malha européia.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
Sign in to follow this  

×
×
  • Create New...