Jump to content
Sign in to follow this  
A345_Leadership

Situação do grounding do Boeing 737 MAX

Recommended Posts

21 minutes ago, jambock said:

Meus prezados

Boeing pagará R$2,4 bilhões a GOL por paralização do 737 MAX

https://www.panrotas.com.br/aviacao/empresas/2020/05/boeing-pagara-r-24-bi-a-gol-por-paralisacao-do-737-max_173485.html

Essa nota não esclarece como o outro 1,9 bi será pago, só falou dos 500 milhões ( que na verdade são 400e algo)pagos em abril, em outra nota li que esse 1,9 bi seria revertido em descontos dos Max futuros, não em cash

  • Thanks 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Por que a Boeing não aproveita a crise da pandemia e encerra o programa 737?

Vai sobrar muito avião nos próximos anos.

O petróleo está baixo e vai continuar assim por um tempo. Então comprar aviões aviões novos por que consomem menos não justifica o custo financeiro.

A oferta de aviões velhos (e nem tanto assim) vai levar novos entrantes no mercado (isto sempre aconteceu na história da aviação). Então é melhor as cias cancelarem os novos e ficarem com os atuais por pelo menos mais cinco anos.

 

 

 

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites
47 minutes ago, PaxPoa said:

Por que a Boeing não aproveita a crise da pandemia e encerra o programa 737?

Vai sobrar muito avião nos próximos anos.

O petróleo está baixo e vai continuar assim por um tempo. Então comprar aviões aviões novos por que consomem menos não justifica o custo financeiro.

A oferta de aviões velhos (e nem tanto assim) vai levar novos entrantes no mercado (isto sempre aconteceu na história da aviação). Então é melhor as cias cancelarem os novos e ficarem com os atuais por pelo menos mais cinco anos.

Seria interessante, mas não acredito em valor do petróleo baixo. Veja o golpe da "falta eminente" de combustível em meados dos anos 70.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
46 minutes ago, Bonotto said:

Seria interessante, mas não acredito em valor do petróleo baixo. Veja o golpe da "falta eminente" de combustível em meados dos anos 70.

É claro que não vai se sustentar a U$ 35 por muito tempo, mas não vai voltar a U$ 70 em curto prazo também. Digamos que leve 2 anos. Até lá, o preço do combustível vai ser o menor dos problemas para as aéreas no mundo todo.

Vai sobrar muito avião nos próximos 2 a 5 anos.

Seria a janela de oportunidade para parar o MAX.

 

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
10 minutes ago, PaxPoa said:

É claro que não vai se sustentar a U$ 35 por muito tempo, mas não vai voltar a U$ 70 em curto prazo também. Digamos que leve 2 anos. Até lá, o preço do combustível vai ser o menor dos problemas para as aéreas no mundo todo.

Vai sobrar muito avião nos próximos 2 a 5 anos.

Seria a janela de oportunidade para parar o MAX.

 

Sim, mas é um mercado que não conheceremos até o "fim" da pandemia. Se levarmos em conta o nosso mercado aéreo acredito em uma recuperação mais lenta mas no
mercado USA, Europeu, China e talvez os Árabes o desenvolvimento do retorno deve ser mais rápido. Até porque 2 a 5 anos não deve surgir nenhuma aeronave nova para valer.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Entre estudos, projeto, construção, certificação e entrega aos operadores de um avião novo são entre 5 e 10 anos, para o retorno financeiro, mais uns 5 anos de produção.

Na situação em que está o mundo hoje, simplesmente não tem como a Boeing financiar o projeto de um novo avião, somando ainda o passivo que ela tem dos problemas do 787 e do Max. Também não creio que tenha alguma empresa aérea disposta a comprometer dinheiro na compra de um modelo novo, mesmo tendo que efetivamente desembolsar o dinheiro depois de 2025. 

Por isso acredito que o MAX com os problemas corrigidos ainda é a melhor opção para Boeing retomar seu crescimento.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

O problema é corrigir o problema :ahhh:

Tá meio parado ultimamente...

Share this post


Link to post
Share on other sites
12 minutes ago, MRN said:

O problema é corrigir o problema :ahhh:

Tá meio parado ultimamente...

vejo pelo seguinte prisma: o problema da Boeing com o MAX foi justamente pressa...

pressa para lançar (não perder mercado para a Airbus), pressa para resolver depois dos 2 acidentes (e a FAA, chamuscada por ter "deixado passar" não ia vacilar de novo...).

 

Só que o mercado mudou totalmente pós-pandemia. Então, pra quê apressar ? As operadoras não vão ter quem transportar...

 

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
13 minutes ago, Nos-767 said:

pressa para lançar (não perder mercado para a Airbus), pressa para resolver depois dos 2 acidentes (e a FAA, chamuscada por ter "deixado passar" não ia vacilar de novo...).

 

Pra lançar não sei mas se tivessem tido pressa de resolver o problema na hora que apareceu pela 1a vez iam ter muito menos dor de cabeça. Arrumava a IAS disagree, limitava o acionamento do MCAS, não precisava nem ser uma arrumada 100%, mas a FAA assinava tranquilo e diminuia muito a chance de um 2o acidente.

Assim se chegou na situação atual.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Max e 777 eu entendo. Mas qual o problema com o 787?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Boeing reinicia a produção do 737 MAX após cinco meses de paralisação

 

spacer.png

Em comunicado à imprensa, a Boeing informou que retomou a produção do 737 MAX na fábrica de Renton, Washington. 

O programa 737 recomeçou a construir aviões a uma taxa baixa de produção, muito distante dos cerca de 40 que eram produzidos por mês, à medida que implementa mais de uma dúzia de iniciativas focadas em melhorar a segurança do local de trabalho e na qualidade do produto.

“Estamos em uma jornada contínua para desenvolver nosso sistema de produção e torná-lo ainda mais forte”, disse Walt Odisho, vice-presidente e gerente geral do programa 737. “Essas iniciativas são o próximo passo na criação do ambiente ideal de construção para o 737 MAX”.

Durante a suspensão temporária da produção, iniciada em janeiro, mecânicos e engenheiros colaboraram para refinar e padronizar os pacotes de trabalho em cada posição da fábrica. Novos processos de montagem também garantirão que os funcionários tenham tudo o que precisam ao alcance da mão para construir o avião.

“Os processos que adotamos na fábrica ajudarão a impulsionar nossa meta de 100% de qualidade para nossos clientes, além de apoiar nosso compromisso contínuo com a segurança no local de trabalho”, disse Scott Stocker, vice-presidente da 737 Manufacturing.

O programa 737 aumentará gradualmente a produção ao longo deste ano. A parada da fábrica ocorreu antes da pandemia do novo coronavírus, num momento em que os pátios da fabricante estavam lotados de aeronaves.

Em paralelo, a fabricante ainda trabalha para ter sua aeronave certificada novamente pela FAA, após inúmeras correções de software e hardware e mais de um ano sem poder voar depois dos acidentes fatais. Segundo estimativas otimistas, é esperado que o modelo volte aos céus ainda nesse ano, provavelmente no quarto trimestre.

Fonte:https://www.aeroin.net/boeing-reinicia-a-producao-do-737-max-apos-cinco-meses/

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Fabricando avião?? Não seria melhor colocar em condições de voo os que estão parados, trabalhar nesse sentido? Sei não...

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Boeing tells Spirit to pause 737 MAX fuselage production

June 11, 2020, © Leeham News:

Spirit Aerosystems, maker of the Boeing 737 fuselages, yesterday said it will lay off 900 workers on the MAX line for three weeks.

“Spirit received a letter from Boeing directing Spirit to pause additional work on four 737 MAX shipsets and avoid starting production on 16 737 MAX shipsets to be delivered in 2020, until otherwise directed by Boeing,” the supplier said in a press release.

“Based on the information in the letter, subsequent correspondence from Boeing dated June 9, 2020, and Spirit’s discussions with Boeing regarding 2020 737 MAX production, Spirit believes there will be a reduction to Spirit’s previously disclosed 2020 737 MAX production plan of 125 shipsets,” the company said.

Spirit also is furloughing workers at two locations in Oklahoma.

Production rate

Sources tell LNA the 737 line is currently producing at a rate of about 1/mo. Boeing declined to confirm this.

“While we aren’t disclosing our specific rate ramp, we have restarted production at an initial low rate due to the impact of COVID-19 on our industry,” a Boeing spokesman said. “This transition from simulations to build work will be very gradual as we reactivate the Central line. The exact rate ramp pace will be determined by the pace of deliveries to our customers. We will reactive the other two production lines over time as we gradually step up our rate.”

LNA was also told the second line won’t be restarted this year. Boeing declined comment other than the above statement.

Suppliers are producing parts and components at a rate greater than the production. In a May 27 letter to suppliers, Elizabeth Lund, VP and GM of Supply Chain, “production is restarting slowly and the rate ramp is paced conservatively.

“The supply chain production deviates from the 737 final assembly production in order to help maintain production stability and amass sufficient inventory to support seamless production and eventual ramp ups,” Lund wrote.

Lund wrote that the MAX backlog is now more than 3,800 airplanes. This reflects some 500+ cancellations or reclassifications of orders to credit-challenged customers.

Fuselages in storage

Spirit has about 120 completed fuselages in storage. A new agreement reduced the number of new production fuselages Boeing wanted this year from 216 to 125.

The stored fuselages are customer-specific. Although not “stuffed” with Buyer Furnished Equipment (seats, bins, galleys, lavs), they are “plumbed” for these installations. With customers cancelling or deferring airplanes (and in some cases, going out of business), the stored aircraft would require revised “plumbing” (including electrical) for a different customer.

https://leehamnews.com/2020/06/11/boeing-tells-spirit-pauses-737-max-fuselage-production/

Spirit previously said it would take up to two years to clear the inventory.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Achava que a cadeia de produção da Boeing fosse bem “just-in-time”, mas pelo visto não há tanta coordenação assim entre a empresa e fornecedores.

Share this post


Link to post
Share on other sites
12 minutes ago, F-GSPN said:

Achava que a cadeia de produção da Boeing fosse bem “just-in-time”, mas pelo visto não há tanta coordenação assim entre a empresa e fornecedores.

Acho que mesmo que fosse "just-in-time", esse grounding do Max + COVID desandou completamente qualquer coordenação que pudesse existir.

Como já tem mais de 120 fuselagens produzidas e o ritmo de entregas da Boeing deverá ser baixíssimo, estão corretos em interromper a produção das fuselagens até absorver esse excedente.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

A boeing devia se dedicar a colocar o projeto em condições de voo, e depois disso, colocar pra voar os que estão parados, a muito tempo já...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Saiu ontem no Aeroflap que o voo de certificação tem previsão para o final de junho.

Share this post


Link to post
Share on other sites
30 minutes ago, Caravelle said:

Aqui também fala no voo pra final de junho, mas a re-certificação é pro 3º trim, vai depender da EASA e outros países.

https://theaircurrent.com/aviation-safety/boeings-737-max-software-done-but-regulators-plot-more-changes-after-jets-return/

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
On 6/11/2020 at 11:47 PM, TheJoker said:

Aqui também fala no voo pra final de junho, mas a re-certificação é pro 3º trim, vai depender da EASA e outros países.

https://theaircurrent.com/aviation-safety/boeings-737-max-software-done-but-regulators-plot-more-changes-after-jets-return/

Certamente a recertificação da FAA sairá esse ano, mas das outras agências isso dificilmente ocorrerá. No caso do MAX, vai ser difícil para as agências aerospaciais do mundo ratificarem a decisão da FAA depois do fiasco da certificação do 737 MAX. Creio que as maiores e mais importantes, como a EASA, exigirão mais testes e comprovações da Boeing.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Posted (edited)
55 minutes ago, A350-1041 said:

Certamente a recertificação da FAA sairá esse ano, mas das outras agências isso dificilmente ocorrerá. No caso do MAX, vai ser difícil para as agências aerospaciais do mundo ratificarem a decisão da FAA depois do fiasco da certificação do 737 MAX. Creio que as maiores e mais importantes, como a EASA, exigirão mais testes e comprovações da Boeing.

Sairá a recertificação se a boeing realmente conseguir resolver o problema dessa praga desse MCAS, né não?

Edited by MRN
Fix word

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Sign in to follow this  

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade