Jump to content

DC-3 da VARIG PP-VBF é desmanchado no Galeão


Ricardo Fontes Moro

Recommended Posts

Fim para o DC-3 da VARIG que estava próximo as instalações da TAP no GIG. Mais um pedaço da aviação brasileira sendo destruído.

Prefixo PP-VBF.

https://tecnodefesa.com.br/dc-3-ex-varig-e-destrocado-e-picado-no-galeao-rj-brasil-um-pais-sem-memoria/

 

spacer.png

Link to comment
Share on other sites

REVOLTANTE!! Adeus PP-VBF! Alguém deve estar ganhando dinheiro com a "sucata". 1f621.png

Tem que descobrir o responsável por isso! Não duvido que era uma área sem segurança e o malandro chegou lá, picotou e levou a "sucata" para vender.
 
Há algumas décadas um Viscount V.701 doado ao Aeroclube do Brasil em Jacarepaguá também foi sucateado. Alguém deve ter faturado.
 
Assim como o FAB 2401.
 
País sem memória, intelectualmente selvagem e medíocre. Já fomos melhores.
Link to comment
Share on other sites

Cultura aqui, infelizmente, é repassar dinheiro público pra artistas consagrados, ou, ainda, fomentar ações de gosto duvidoso, como aquela onde um homem nu interagia com crianças.

O museu incendiado do Rio, administrado pelos que se arvoram defensores da cultura, sequer tinha sistema de incêndio.

No mesmo caminho, o DC-3, parte palpável da nossa bonita história da aviação, virou literalmente pó.

 

Link to comment
Share on other sites

Calma pessoal, o importante é que o glorioso carnaval está chegando, Neymar está bem, Anitta cada vez mais sucesso, pra que preocupar com um avião velho de uma empresa falida?

IRONIA É CLARO! É inacreditável o que fizeram... Mas esperar o que de um país que só dá importância ao que não presta e não tem valor efetivo?

Link to comment
Share on other sites

Vai ficar por isso mesmo? Será que não haverá denuncia ou investigação pelo menos pra saber os motivos. É revoltante esse país, cada dia que passa aumenta a vontade de vazar daqui.

Link to comment
Share on other sites

 

A massa falida da Varig manda destruir aeronave que foi usada pela US AIR FORCE na Guerra e foi pilotada pelo lendário Howard Hughes. Nos autos do processo carta do MUSAL revela falta de interesse e apontava alto custo para recuperação. Busca de interessados foi parcial. 

 

Por Cláudio Magnavita*

Em qualquer país do mundo o que fizeram hoje, dia 31 de janeiro, na área industrial do Aeroporto do Galeão (Rio de Janeiro) seria caso de polícia. Um crime típico dos talibãs ou de outros povos insensíveis a história e a preservação da memória. O caso fica ainda mais grave quando ocorre sob a regência da própria justiça e é praticado por prepostos nomeados pelo poder judiciário, mais precisamente a 1º Vara Empresarial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

Na tarde do dia 31 de janeiro de 2020, por decisão dos gestores da massa falida da VARIG alguns tratores e uma escavadora se aproximaram de uma das relíquias da memória da aviação brasileira, o DC-3 matrícula PP-VBF, ostentando ainda as cores da Varig e começaram a despedaçá-lo. Cada marretada jogava no lixo um pedaço da história, não apenas da memória da aviação brasileira, mas da aviação mundial e principalmente dos Estados Unidos da América.

Varig-DC-3-PP-VBF-Aterro-do-Flamengo_650

O DC-3 da ex-VARIG fotografado no Aterro do Flamengo, em abril de 1975. Foto ©Vito Cedrini/www.aeroentusiasta.com.br

É a mesma aeronave que durante 30 anos esteve no Aterro do Flamengo nas décadas de 70 e 80 e fez parte da infância de muitas crianças que pela primeira vez puderam tocar em um avião e despertar o amor pela aviação, como é o caso do jornalista Daniel Carneiro, especializado em aviação: “Este avião faz parte da minha infância. Corta o coração ver um fim tão triste”.

O avião despedaçado por uma escavadora, fez parte do esforço de guerra norte-americano, entregue em 1942 à US AIR FORCE. Voou durante a 2ª Grande Guerra com o prefixo 42-24294. Após o conflito foi usado pela ‘Howard Hughes Tool Co.’ com a matrícula civil NC68358, tendo sido pilotado pelo excêntrico milionário americano Howard Hughes, imortalizado no cinema no filme ‘O AVIADOR’, papel encarnado por Leonardo de Caprio. Hughes foi o construtor do famoso avião Constellation e fundador da TWA.

Só este capítulo valeria a preservação desta relíquia. A decisão da FLEX, braço de operação da massa falida da Varig, que opera ainda os simuladores de voo na área industrial do Galeão, foi realizada pela necessidade de devolver a área ocupada pela famosa aeronave, transladada do aterro do Flamengo e novamente restaurado para uma praça em frente à antiga unidade médica da Fundação Rubem Berta na área industrial do aeroporto.

Varig-DC-3-PP-VBF-AeroGalea%CC%83o_650px

A decisão foi tomada depois de uma análise de custos. Sairia mais barato pulverizar a aeronave ao invés de buscar uma solução com respeito pela sua história. Uma decisão burra, estúpida e típica de um burocrata medíocre sentando numa cadeira torta, em frente de um computador obsoleto, mas sentindo-se poderoso pelo mandato outorgado pela Vara Empresarial.

Consultada a Rio Galeão, empresa concessionária do aeroporto, e a TAP Manutenção e Engenharia/Brasil  se disseram surpresas e negaram a sua participação na decisão, colocando todo o peso na gestão da massa falida da VARIG.

O ultimo voo do PP-VBF foi entre Congonhas e o Santos Dumont em 18 de agosto de 1971, sendo transladado para o centro de manutenção da Varig e restaurado.

Desmantelamento-Varig-DC-3-PP-VBF_650pxA

Tiveram um mínimo de pudor em colocar fitas adesivas na marca Varig ao iniciar o processo insano e irreversível de destruição. No ano passado o Governo alemão montou uma operação de Guerra para transladar de Fortaleza, no estado nordestino do Ceará, um Boeing 737-200 que foi palco de um sequestro de repercussão mundial e em Porto Alegre, no sul do Brasil, um derradeiro DC-3 hoje com as cores da VARIG (e que foi da VASP) foi restaurado, virou a estrela de um memorial.

Não cabe aqui apelar apenas pelo saudosismo de uma VARIG que hoje não existe mais. De uma empresa pioneira engolida pelo enorme apetite de negócios dos camaradas que estavam no poder. Este capítulo feriu o conceito de empresa de bandeira do Brasil até os dias de hoje. Este crime maior é simbolizado hoje na impunidade de um crime cometido no Galeão nos dias de hoje e que não pode ficar impune.

Não foi uma máquina de 78 anos que foi destruída. Foi um grande pedaço da história mundial destruído. Fica porém uma dúvida, se pertencia à massa falida da Varig, e se tinha um valor histórico, por que não foi a leilão? Será que irão computar como receita da mesma os quilos de alumínios encontrados ou nem isso? Fizeram isso sob coação da Rio Galeão e da TAM ME?

Desmantelamento-Varig-DC-3-PP-VBF_650pxB

O caso fica mais sério quando se descobre que a massa falida tentou algumas soluções. A primeira foi a doação ao Musal – Museu  Aeroespacial. Um laudo do museu informa que a aeronave estava com alto índice de corrosão e recusou. Várias tentativas foram feitas, até porque parte da equipe é formada por “ex-variguianos”. A decisão do Wagner Bragança foi tomada após análise de custos. Para retirar o avião o custo seria superior a 200 mil reais. Pressionada pela Rio Galeão, a TAP ME teria enviado correspondência aplicando uma multa diária.

O curioso é a solução ter estado nas mãos dos próprios algozes. A Rio Galeão marcaria um tento transladando a aeronave para as suas dependências e a TAP ME poderia ter feito a reforma de uma aeronave que foi pulverizada no pátio de uma empresa de manutenção. O maior erro foi não avaliar a dimensão deste fato e a repercussão que passaria a ter. Se era irreversível e não houve interessados a decisão deveria ser compartilhada e não tomada entre quatro paredes, apesar de documentos terem sido anexados aos autos da falência. Agora só resta chorar e esperar que este circo de horrores não se repita.

Com a palavra o titular da Primeira Vara Empresarial e Ministério Público!

https://newsavia.com/pulverizaram-um-marco-da-historia-da-aviacao/?fbclid=IwAR1_haAVMkgVCU08CUxN-SjjXFgyO8Yk8Tddtp8AvCK7UdEBhzaHcRjuaL0

 

Tive a chance de vê-lo quando fui na TAP uns anos atrás, um pena!

Link to comment
Share on other sites

Nota:

“Circula na imprensa imagens da destruição de um antigo avião DC-3 da Varig e inúmeras críticas à atitude dos gestores da Massa Falida e à decisão do Poder Judiciário autorizando a destruição.

O avião DC-3 da VARIG, que apresentava corrosão em 100% de seu revestimento externo, foi destruído por autorização judicial após pedido da massa falida da VARIG, que se viu em uma encruzilhada imposta pela administradora do aeroporto Galeão, onde o avião estava estacionado.

Com a cobrança do espaço que tal avião estava utilizando, a massa falida buscou solucionar o problema com o menor custo, inclusive o ofertando para o Museu Aeroespacial (MUSAL). Após a recusa, o alto custo para manter tal avião parado levou a massa falida a requerer autorização do Poder Judiciário para destruir a aeronave.

É bom lembrar que há uma aeronave da VARIG, idêntica, no Aeroporto de Porto Alegre. A aeronave do Sul está restaurada e aberta para visitações, conforme se pode verificar pelo site www.varigexperience.com.br.

No entanto, o que deve ser destacado nesse momento de saudosismo é que o maior patrimônio da VARIG não era seus aviões. Eram seus funcionários, sua tripulação, seus mecânicos e seus aeroviários. Essas pessoas é que criaram e desenvolveram esse apreço pela imagem da empresa Varig.

Apesar de mais de 2 mil óbitos, mais de 10 mil trabalhadores da Varig ainda estão vivos e, necessário lembrar, não receberam suas verbas rescisórias quando do encerramento das atividades da Empresa.

Esse “patrimônio” da VARIG está sendo destruído diariamente a cada falecimento.

Dessa forma, em um cenário de falência da empresa, por mais importante e representativa que possa ser, a preocupação da massa falida deve ser pagar os trabalhadores em primeiro lugar.

A VARIG deve mais de 500 milhões de reais em verbas trabalhistas não pagas ao seu principal “patrimônio”. A VARIG deve mais de 4 bilhões de reais para o Fundo de Pensão que a empresa participava (AERUS), o qual deveria garantir uma aposentadoria para seus trabalhadores.

Com isso, o custo de manter uma aeronave antiga e corroída, pagando valores altíssimos, por mero saudosismo é violentar os próprios trabalhadores da VARIG que ainda aguardam para receber integralmente suas verbas trabalhistas.

Portanto, a destruição do DC-3 da Varig, corroído e sem qualquer capacidade de utilização, não é um atentado à nossa história. Como já dito, existe um similar em Porto Alegre aberto para visitações. Porém, quem deseja mesmo reviver os tempos da “Varig” procure um funcionário da época. Ele contará sobre a dedicação dos trabalhadores para erguer uma empresa referência mundial e respeitada no mundo inteiro.

Por essa razão, o entendimento da Massa Falida e a decisão do Poder Judiciário estão corretos, pois buscaram extinguir os custos gerados pela manutenção do avião. O que se deve buscar nesse cenário de falência é a restauração, dentro do possível, da dignidade dos trabalhadores, mediante o pagamento das verbas rescisórias ainda devidas e de valores para o Fundo de Pensão. Após tal restauração pessoal, se poderá pensar na necessidade de restaurar outras aeronaves da VARIG.”

 

http://www.cavok.com.br/blog/massa-falida-da-antiga-varig-divulga-nota-sobre-destruicao-de-dc-3-no-rio-de-janeiro/

Link to comment
Share on other sites

2 hours ago, PR-FHI said:

Nota:

“Circula na imprensa imagens da destruição de um antigo avião DC-3 da Varig e inúmeras críticas à atitude dos gestores da Massa Falida e à decisão do Poder Judiciário autorizando a destruição.

O avião DC-3 da VARIG, que apresentava corrosão em 100% de seu revestimento externo, foi destruído por autorização judicial após pedido da massa falida da VARIG, que se viu em uma encruzilhada imposta pela administradora do aeroporto Galeão, onde o avião estava estacionado.

Com a cobrança do espaço que tal avião estava utilizando, a massa falida buscou solucionar o problema com o menor custo, inclusive o ofertando para o Museu Aeroespacial (MUSAL). Após a recusa, o alto custo para manter tal avião parado levou a massa falida a requerer autorização do Poder Judiciário para destruir a aeronave.

É bom lembrar que há uma aeronave da VARIG, idêntica, no Aeroporto de Porto Alegre. A aeronave do Sul está restaurada e aberta para visitações, conforme se pode verificar pelo site www.varigexperience.com.br.

No entanto, o que deve ser destacado nesse momento de saudosismo é que o maior patrimônio da VARIG não era seus aviões. Eram seus funcionários, sua tripulação, seus mecânicos e seus aeroviários. Essas pessoas é que criaram e desenvolveram esse apreço pela imagem da empresa Varig.

Apesar de mais de 2 mil óbitos, mais de 10 mil trabalhadores da Varig ainda estão vivos e, necessário lembrar, não receberam suas verbas rescisórias quando do encerramento das atividades da Empresa.

Esse “patrimônio” da VARIG está sendo destruído diariamente a cada falecimento.

Dessa forma, em um cenário de falência da empresa, por mais importante e representativa que possa ser, a preocupação da massa falida deve ser pagar os trabalhadores em primeiro lugar.

A VARIG deve mais de 500 milhões de reais em verbas trabalhistas não pagas ao seu principal “patrimônio”. A VARIG deve mais de 4 bilhões de reais para o Fundo de Pensão que a empresa participava (AERUS), o qual deveria garantir uma aposentadoria para seus trabalhadores.

Com isso, o custo de manter uma aeronave antiga e corroída, pagando valores altíssimos, por mero saudosismo é violentar os próprios trabalhadores da VARIG que ainda aguardam para receber integralmente suas verbas trabalhistas.

Portanto, a destruição do DC-3 da Varig, corroído e sem qualquer capacidade de utilização, não é um atentado à nossa história. Como já dito, existe um similar em Porto Alegre aberto para visitações. Porém, quem deseja mesmo reviver os tempos da “Varig” procure um funcionário da época. Ele contará sobre a dedicação dos trabalhadores para erguer uma empresa referência mundial e respeitada no mundo inteiro.

Por essa razão, o entendimento da Massa Falida e a decisão do Poder Judiciário estão corretos, pois buscaram extinguir os custos gerados pela manutenção do avião. O que se deve buscar nesse cenário de falência é a restauração, dentro do possível, da dignidade dos trabalhadores, mediante o pagamento das verbas rescisórias ainda devidas e de valores para o Fundo de Pensão. Após tal restauração pessoal, se poderá pensar na necessidade de restaurar outras aeronaves da VARIG.”

 

http://www.cavok.com.br/blog/massa-falida-da-antiga-varig-divulga-nota-sobre-destruicao-de-dc-3-no-rio-de-janeiro/

Papo para justificar o injustificável. 

Link to comment
Share on other sites

Papo furado. Sabe quando a Varig vai pagar o que deve ao seu "patrimônio"? Nunca! Sabe quando vai acertar as contas com o Aerus? Nunca!

Link to comment
Share on other sites

Olha eu sou advogado, trabalhei anos com massas falidas, mas certas decisões me deixam assim com vontade de rasgar meu diploma. Uma por exemplo é essa dai. Como se justifica que uma massa falida com 4bi em passivos, ordene que um crime seja cometido em nome de "economia", mas ai vc se pergunta: economia de que mesmo? Onde vão conseguir pagar as dívidas a essa altura do campeonato? Enfim, nem adianta falar nada porque estamos no Brasil.

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade