Jump to content
Sign in to follow this  
Luckert

Gol reduzirá sua capacidade total em até 70% nos próximos meses

Recommended Posts

48 minutes ago, 2setão said:

Não adianta dar chilique se não concordou com a opinião do colega. 
As pessoas estão superestimando um vírus que sim, tem taxa de mortalidade semelhante ao da gripe.

 

Sim sim, estão superestimando uma gripezinha, que mata mais de 250 pessoas por dia na Itália e com uma alta taxa de morbidade.

O mundo inteiro está errado em adotar medidas drásticas que não foram vistas nem no surto da H1N1, quem tá certo é o membro do Fórum Contato Radar, especialista em saúde pública.

Francamente, vivemos um dos momentos mais difíceis da história, agora não é hora de relativizar. Se os especialistas dizem que é grave, se os chefes de Estado respeitam a gravidade do fato, aceitem os fatos.

  • Like 12
  • Thanks 11

Share this post


Link to post
Share on other sites

Nao creio que passe esta crise sem grandes demissoes. O LNR e reducao de jornada eh apenas um paleativo para nao por a seguranca de voo a niveis mais baixos do que (inevitavelmente) estao.

Share this post


Link to post
Share on other sites

35% de corte nos salários

Share this post


Link to post
Share on other sites
4 hours ago, MRN said:

35% de corte nos salários

No primeiro mês ,40 segundo e 50% em junho 

Share this post


Link to post
Share on other sites
On 3/19/2020 at 8:05 AM, x-varigvinny said:

Sim sim, estão superestimando uma gripezinha, que mata mais de 250 pessoas por dia na Itália e com uma alta taxa de morbidade.

O mundo inteiro está errado em adotar medidas drásticas que não foram vistas nem no surto da H1N1, quem tá certo é o membro do Fórum Contato Radar, especialista em saúde pública.

Francamente, vivemos um dos momentos mais difíceis da história, agora não é hora de relativizar. Se os especialistas dizem que é grave, se os chefes de Estado respeitam a gravidade do fato, aceitem os fatos.

Pode colocar 450, 500... 627 ! e só tem aumentado. 
Ou seja, morreu em dois dias na Itália mais que o número de contaminados no Brasil !!!!!!!!!!!!!!

Share this post


Link to post
Share on other sites
3 hours ago, LipeGIG said:

Pode colocar 450, 500... 627 ! e só tem aumentado. 
Ou seja, morreu em dois dias na Itália mais que o número de contaminados no Brasil !!!!!!!!!!!!!!

Recado claro do perigo que estamos vivendo.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Se o brasileiro continuar tratando como gripezinha....o inferno será no Brasil.

Mais precisamente SP...

Em Porto Alegre também não está nada bom, nossa curva de subida de casos é considerável...mas a curva de SP é assustadora.

Stay Home nunca fez tanto sentido.

  • Like 3

Share this post


Link to post
Share on other sites

Fui agora a pouco no mercado, pouca gente...

Algumas pessoas na rua demonstrando despreocupação, mas no geral, acho que a população está tomando ciência da gravidade da coisa. Já foi dito ontem por um médico italiano que não é uma gripe, é uma pneumonia muito severa!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Para os idiotas (nesse momento acho que já podemos chamá-los assim) que ainda acha que é só uma gripe: 

 

Em suma: entrevista com o diretor da UTI da Lombardia: de todos os casos de COVID-19 na UTI, 50% são idosos (com idade igual ou superior a 65 anos). Ou seja, os outros 50% são de pessoas ao redor dos 20, 30, 40. 

Mesmo assim eu acho que tem gente que tem que ter os pais, os amigos, os filhos, os primos morrendo para então "acordar" pra realidade. 

  • Like 3

Share this post


Link to post
Share on other sites
Posted (edited)

No outro lado temos a Alemanha com letalidade sig menor em relacao a toda Europa 0,3% Com a faixa contaminados com 47 anos a os casos de obito todos acima dos 65anos.

 

Na Italia a media dos infectados sobe para 63 anos a letalidade sobe para 8.3%  principalmente na parte Norte e rica da Italia.

No Brasil em torno dos 1,2% tambem todos os casos de letalidade foram na faixa acima de 65... 

 

Torcer para que os medicamentos que estao sendo testados tenham efeito e venha logo a vacina

Edited by BLUE - SBKP -
  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Bela ação!

 

Gol vai levar médicos, enfermeiros e psicologos de graça a partir de amanhã

 

 

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

Levar a medicina para onde for preciso.
Esse é um Compromisso GOL.

Esse é um Compromisso GOL.

Como forma de contribuição ao combate da Covid-19, a GOL disponibilizará, a partir do dia 23 de março, passagens aéreas sem a cobrança de tarifa aos médicos e demais profissionais de saúde, que precisam se deslocar pelo Brasil para prestar atendimento aos doentes vítimas do coronavírus. Os bilhetes estão sujeitos à disponilidade nos voos.

Smiles também está nessa empreitada e dará mais 1000 milhas por cada trecho voado, como forma de agradecimento e reconhecimento por todo o empenho desses profissionais.

Médicos, enfermeiros, psicólogos, farmacêuticos e nutricionistas de todo o país podem participar da iniciativa.

Para participar, os profissionais das categorias mencionadas acima devem se apresentar nas lojas da GOL, localizadas nos aeroportos, com até duas horas de antecedência aos voos para viabilizar, sem custos nas tarifas e pagando apenas a taxa de embarque, o seu deslocamento até à localidade demandada.

Reservas prévias de bilhetes aéreos não são permitidas aos interessados em utilizar o serviço.

• É indispensável a apresentação de:

- Carteirinha de credenciamento profissional validada pelo conselho regional competente;

- Carta emitida por empresas ou instituições de saúde que comprove o motivo da viagem: o cuidado às pessoas enfermas ou com suspeita de contaminação pelo Covid-19.

A solicitação da passagem deve ser realizada no momento da viagem, não podendo ser

efetuada dias antes do embarque.

Essa emissão será feita somente nos aeroportos e não poderão ser criadas reservas com trechos de ida e volta.

Essa é a nossa forma de reconhecer o trabalho dos heróis que estão lutando pela vida de todos nós, sem pensar em parar.

Esse vírus também se enfrenta com empatia e solidariedade.

Por isso, a GOL entende que, mesmo no momento mais delicado da história da aviação comercial, precisa dar sua contribuição à sociedade e ao País.

Não existe nada mais importante no momento do que levar a medicina aonde ela precisar chegar.

E no que depender da GOL, ela vai chegar.

  • Like 3
  • Thanks 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
1 hour ago, LipeGIG said:

Levar a medicina para onde for preciso.
Esse é um Compromisso GOL.

Esse é um Compromisso GOL.

Como forma de contribuição ao combate da Covid-19, a GOL disponibilizará, a partir do dia 23 de março, passagens aéreas sem a cobrança de tarifa aos médicos e demais profissionais de saúde, que precisam se deslocar pelo Brasil para prestar atendimento aos doentes vítimas do coronavírus. Os bilhetes estão sujeitos à disponilidade nos voos.

Smiles também está nessa empreitada e dará mais 1000 milhas por cada trecho voado, como forma de agradecimento e reconhecimento por todo o empenho desses profissionais.

Médicos, enfermeiros, psicólogos, farmacêuticos e nutricionistas de todo o país podem participar da iniciativa.

Para participar, os profissionais das categorias mencionadas acima devem se apresentar nas lojas da GOL, localizadas nos aeroportos, com até duas horas de antecedência aos voos para viabilizar, sem custos nas tarifas e pagando apenas a taxa de embarque, o seu deslocamento até à localidade demandada.

Reservas prévias de bilhetes aéreos não são permitidas aos interessados em utilizar o serviço.

• É indispensável a apresentação de:

- Carteirinha de credenciamento profissional validada pelo conselho regional competente;

- Carta emitida por empresas ou instituições de saúde que comprove o motivo da viagem: o cuidado às pessoas enfermas ou com suspeita de contaminação pelo Covid-19.

A solicitação da passagem deve ser realizada no momento da viagem, não podendo ser

efetuada dias antes do embarque.

Essa emissão será feita somente nos aeroportos e não poderão ser criadas reservas com trechos de ida e volta.

Essa é a nossa forma de reconhecer o trabalho dos heróis que estão lutando pela vida de todos nós, sem pensar em parar.

Esse vírus também se enfrenta com empatia e solidariedade.

Por isso, a GOL entende que, mesmo no momento mais delicado da história da aviação comercial, precisa dar sua contribuição à sociedade e ao País.

Não existe nada mais importante no momento do que levar a medicina aonde ela precisar chegar.

E no que depender da GOL, ela vai chegar.

Parabéns, louvável ação! Que sirva de inspiração para muitas outras empresas 

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Site da Gol já apresenta a "nova malha" da empresa nesse período de pandemia. "A partir de 28/03, até 03/05, manteremos nossa malha aérea apenas para as capitais e faremos voos extras para atender eventuais demandas específicas em destinos regionais e internacionais", diz o aviso. Capitais do norte como RBR, PVH, BVB e MCP devem ficar com apenas 1 voo semanal para BSB

Share this post


Link to post
Share on other sites
Posted (edited)

E Assim ficou a nova malha da Gol.

 

crop-tabela-v2.jpg

Edited by Marcelo Costa

Share this post


Link to post
Share on other sites

O plano de guerra da Gol para encarar até 90 dias de crise do coronavírus

Plano definido em dez dias pela companhia inclui redução de salários, renegociações e parada de 90% das aeronaves

Por Graziella Valenti
access_time25 mar 2020, 18h32 - Publicado em 25 mar 2020, 07h52 
 
 
GOL

Gol: empesa anunciou nesta semana a redução de voos domésticos durante a crise do coronavírus (Paulo Whitaker/Reuters)

A companhia aérea Gol preparou o negócio para o que considera o cenário extremo: parada total por até três meses, se necessário. A regra, porém, é agir e ser flexível conforme a demanda. Atender o máximo possível, com o menor custo. Em dez dias, um time com 30 pessoas na diretoria planejou e executou medidas que vão de corte de custos, gestão de caixa com fornecedores até a organização do fluxo de manutenção das aeronaves para a retomada.

Com receita quase parada e uma dívida pesada, a empresa aguarda maior clareza de cenário para manejar os próximos passos. Quase todos os setores da economia vão sofrer a crise do novo coronavírus, que trancou o mundo por um período ainda desconhecido, mas as empresas aéreas estão entre as mais gravemente atingidas.

O relógio marcava quase 17 horas de segunda-feira, 23 de março, e o telão da sala de controle da Gol, na sede do aeroporto de Congonhas, mostrava 98 voos realizados pela empresa até aquele horário. Nas previsões do vice-presidente financeiro e de relações com investidores da empresa, Richard Lark, o dia deveria terminar com pouco menos de 150 decolagens. Na mosca: foram 134. No dia anterior, um domingo, o total chegou a 305. Na vida sem coronavírus, eram 750 voos diários só da empresa.

Ainda assim, a Gol era a companhia com maior movimentação, ante menos de 80 decolagens da Azul e menos de 50 da Latam. Apesar do cenário dramático, Lark parece tranquilo. “Companhias aéreas são diferentes de todas as demais. Estão sempre prontas para crise. Por isso, conseguimos ser rápidos. Nosso trabalho, nesse momento, quase acabou. Agora, é esperar para entender a duração desse quadro, para ver quais próximas medidas serão necessárias”, disse o executivo à EXAME.

Veja também
  • EXAME In nasce para aprofundar o conteúdo online
  • Lark contou que o dia 9 ficou marcado como o ponto de inflexão dentro da companhia. Ali, ficou mais claro que a crise tinha chegado ao Brasil. Entre os dias 10 e 20, a Gol fez o planejamento e o implementou. “O Kaki [Paulo Kakinoff, presidente da empresa] já sabia que ia preparar a companhia para um shutdown completo, se fosse o caso”, disse. Hoje, contou ele, a companhia está pronta para uma parada operacional completa de até 90 dias. Mas Lark frisou que não é essa a expectativa. “Ficamos prontos para o pior. É nossa obrigação.”

    No escritório em Congonhas onde normalmente trabalham cerca de 1.000 funcionários, estavam 50 – apenas aqueles que tinham de estar ali. O restante já trabalhava remotamente.

    A segunda-feira, 23, marcou o dia com menor movimento desde o início da crise. Mas a redução será ainda maior. A partir deste sábado, serão apenas 50 decolagens, concentradas no aeroporto de Guarulhos. Mesmo assim, a empresa vai manter os voos para todas as capitais do país. A expectativa é que esse cenário dure até o começo de maio. Caso haja demanda e a circulação de pessoas aumente, a empresa pode retomar os voos regionais. “Estaremos atentos às necessidades da população e às orientações das autoridades”, disse Lark.

    Antes da crise, havia 400 aeronaves comerciais rodando sobre o Brasil, apenas para os voos domésticos, e a expectativa é que esse total seja reduzido a 40, diante do atual fluxo de viagens. A Azul também cortou drasticamente a atividade.

    O mapa com o tráfego aéreo mundial na sala da Gol mostrava o mapa do Brasil todo exposto, descoberto, com atividade mínima de aeronaves, parecendo as fotos da Avenida 23 de maio, na capital paulista, após a decretação da quarentena. Já nos Estados Unidos, não se via os limites do território americano, com o céu completamente tomado pela movimentação de aviões.

    Na segunda semana de março, o faturamento da Gol já havia recuado à metade, comparado a igual período de 2019. Na semana passada e nessa, a receita deve ficar em 30% do que era e a expectativa é que, nas próximas, caia para 10%. O cenário preocupa analistas e investidores. Para especialistas, se a situação for duradoura e avançar para o terceiro trimestre, o setor estará ameaçado.

    No primeiro corte, no começo do mês, a Gol reduziu em 90% a operação internacional e em 50%, a nacional. No fim desta semana, haverá redução de 92% da atividade doméstica, com a internacional totalmente paralisada. O quadro é o mesmo nas concorrentes.

    As companhias aéreas estão em conversas com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para buscar a forma mais eficiente de operar. O diálogo é permanente no atual momento.

    Em 2019, a Gol superou a previsão de receita líquida dada para o ano. Esperava R$ 13,5 bilhões e conseguiu registrar R$ 13,8 bilhões, um aumento de 21,5%. “Em fevereiro, a gente estava começando a cotar a contratação de cinco novos aluguéis de aeronaves para as férias de julho”, diz Lark. Mas, em três semanas, o mundo mudou.

    Desde 31 de janeiro, as ações da Gol caíram quase 79%, levando o valor de mercado da companhia para menos de 2 bilhões de reais.

    Smiles

    No dia 10, quando começaram os preparativos para a parada, um conselheiro já questionava a administração: “Será que não deveríamos cancelar a operação com a Smiles?”, referindo-se à incorporação da controlada de programas de milhagem listada na B3. Desde 2018, a Gol tentava realizar a operação, que havia gerado insatisfação entre os minoritários da Smiles.

    No dia 5, as empresas não conseguiram instalar as assembleias que aprovariam a incorporação da Smiles pela Gol em primeira convocação, por falta de quórum – situação que não é rara na vida societária das empresas. O encontro ficou agendado para continuar, em segunda convocação (quando os temas podem ser aprovados com qualquer quórum), no dia 18.

    Na sexta-feira, dia 13, antes mesmo que o governo decidisse fechar o espaço aéreo brasileiro para voos internacionais, a Gol já anunciava a desistência da transação, diante dos “impactos estruturantes” para o setor que a crise apontava. A medida, explicou Lark, permitiu ao grupo a economia de 1,5 bilhão de reais em caixa, que seriam pagos aos acionistas da empresa de milhagem como parte da operação. “Agora o caixa ficou na Smiles, não veio para a Gol. Mas está lá, preservado. Já pensou se agora tivesse esse passivo?”

    Mesmo preocupado com a duração da situação, Lark tentou demonstrar que o trabalho a ser feito, neste momento, está pronto. “Agora, estamos só esperando o tsunami”, afirmou, sobre os reflexos do período de confinamento quase global.

    Caixa rei

    As iniciativas de preservação de caixa estão em andamento. Dos custos totais, 60% são variáveis. Logo, sem operação, sem custo. Dos 40% restantes, a companhia conseguiu reduzir pela metade pelos próximos três meses, com anúncio de redução dos salários dos funcionários em 35% e da diretoria, em 40%. “Foi tudo muito rápido e pragmático. Levamos o pleito para o governo para poder diminuir pagamento e jornada, o que foi permitido para diversos setores.”

    No front financeiro e de fornecedores, a Gol já escalonou com a Petrobras o desembolso para combustíveis. “Casamos recebimentos e pagamentos”, explicou Lark. Além disso, também iniciou as conversas para adiar os depósitos de leasings de aeronaves em três meses.

    Por fim, nas próximas semanas, haveria parte das amortizações de 500 milhões de reais em debêntures, detidas por Banco do Brasil e Bradesco, mas a empresa já deu a largada em uma repactuação. São 150 milhões de reais previstos semestralmente, até março de 2022. “Compramos tranquilidade até junho”, disse o executivo.

    O balanço de 2019 apontava uma posição de caixa de 2,8 bilhões de reais ao fim de dezembro, para 8,5 bilhões de reais em empréstimos e financeiros e 6 bilhões de reais em compromissos com arrendamentos de aeronaves, os leasings. O tamanho da dívida da Gol é o que mais preocupa investidores, especialmente porque a maior parte é em dólar.

    Em agosto, a Gol tem um vencimento importante de 300 milhões de dólares. Trata-se de uma operação garantida pela Delta Airlines, acionista minoritária (que já anunciou intenção de sair do capital da área brasileira). De um lado, a Delta é quem garante com os bancos os recursos. Do outro, a Gol ofereceu ações da Smiles como contrapartida. Lark disse que a companhia já estava preparada para esse pagamento e, neste momento, afirmou que não faz sentido iniciar um diálogo sobre renegociação. “É preciso esperar para ver o cenário.”

    Mas, para além dessa operação, os vencimentos estão bem mais à frente: 425 milhões de dólares em bônus conversíveis em 2024 e mais outros bônus de 650 milhões de dólares com vencimento em 2025.

    Frota flexível

    Quando aponta que companhias aéreas estão sempre alertas para crises, Lark sabe do que fala. O que parecia uma enorme questão em 2019, com os problemas enfrentados pela fabricante de aviões e fornecedora Boeing, com o modelo Max, tornou-se quase uma vantagem para a companhia. A Gol havia montando uma ambiciosa expansão de frota toda apoiada na nova aeronave da empresa americana.

    A aérea brasileira dispõe atualmente de 137 aeronaves. Mas, desse total, 31 são aluguéis temporários – sendo 11 de curto prazo – para cobrir os modelos Max adquiridos da Boeing e que não foram entregues devido ao atraso na produção, após acidentes com empresas da Malásia e da Etiópia que apontaram falhas de sistemas. “Deveríamos, a esta altura, ter 37 Max. Só que temos sete, parados desde o ano passado.”

    Esses aluguéis prorrogados vencem entre dois e 24 meses. “Conforme a situação se colocar, basta deixarmos os contratos vencerem. Conseguimos reduzir 25% da frota sem esforço, para um total de 100 aviões. Quer dizer, a nova realidade já está contratada pela Gol.”

    Com parada forçada, a companhia deu foco à manutenção. O pátio para revisão está cheio, dando descanso à frota que vinha de um uso intenso devido aos atrasos da Boeing.

    “O modelo de negócios da Gol é mais flexível, simples. Temos um tipo de piloto, um tipo de manutenção, um tipo de aeronave, que voa muitas horas. Quando precisa reduzir, é mais rápido”, tentou resumir Lark.

 

Muito bom ouvir isso da Gol, Fonte:Exame

  • Like 4

Share this post


Link to post
Share on other sites

É aquela velha história da monofleet, tem hora que ela atrapalha e tem hora que ela ajuda bastante, essa é a hora da ajuda.

  • Like 5
  • Thanks 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
20 hours ago, PT-KTR said:

É aquela velha história da monofleet, tem hora que ela atrapalha e tem hora que ela ajuda bastante, essa é a hora da ajuda.

 Ajuda basicamente no que?

Share this post


Link to post
Share on other sites
2 hours ago, BLUE - SBKP - said:

 Ajuda basicamente no que?

Tá escrito ali na matéria. Só ter boa vontade de ler e pensar. 

  • Like 4
  • Haha 4

Share this post


Link to post
Share on other sites
Posted (edited)
35 minutes ago, B737-8HX said:

Tá escrito ali na matéria. Só ter boa vontade de ler e pensar. 

Ja tinha lido...

O unico beneficio e que o B737 MAX , com problema de projeto conhecido por todos,  provocou o aterramento das 7 aeronaves e atraso nas entregas da GOL, Se nao fosse por este detalhe os avioes  estariam na frota e teriam custo fixo superior ao B737 NG e o desafio  seria ainda maior.

O beneficio nao esta no monofleet mas no atraso da entrega dos MAX groundings, como os atuais NG ja estavam para ser subs abre uma janela para resolver o custo fixo onde o problema e de Demanda e reducao drastica de oferta, devolvendo e nao prologando leasing somente isso, o que pode ocorrer coincidindo com qualquer phase out de frota em cia aerea com encomendas em atraso.

 

Quem diria que o problema dos MAX traria algum alivio.

 

Edited by BLUE - SBKP -
  • Thanks 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
1 hour ago, BLUE - SBKP - said:

Ja tinha lido...

O unico beneficio e que o B737 MAX , com problema de projeto conhecido por todos,  provocou o aterramento das 7 aeronaves e atraso nas entregas da GOL, Se nao fosse por este detalhe os avioes  estariam na frota e teriam custo fixo superior ao B737 NG e o desafio  seria ainda maior.

O beneficio nao esta no monofleet mas no atraso da entrega dos MAX groundings, como os atuais NG ja estavam para ser subs abre uma janela para resolver o custo fixo onde o problema e de Demanda e reducao drastica de oferta, devolvendo e nao prologando leasing somente isso, o que pode ocorrer coincidindo com qualquer phase out de frota em cia aerea com encomendas em atraso.

 

Quem diria que o problema dos MAX traria algum alivio.

 

Perfeitamente bem observado, conclusões coerentes

Share this post


Link to post
Share on other sites

A reportagem da Exame não entrou no assunto do hedging de combustível que é abordado no post anterior pelo link do MoneyTimes. Se o hedging foi significativo e no pós-covid19 o preço do petróleo continuar baixo, vai ser muito complicado tocar a empresa. Isso vale para as outras também.

 

Vale a pena lembrar o caso da TAM na gestão Barioni...afundou a companhia.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Sign in to follow this  

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade