Jump to content
Sign in to follow this  
F-BVFA

Virgin Atlantic desiste do Brasil em definitivo

Recommended Posts

A Virgin Atlantic desistiu de voar ao Brasil. A companhia aérea britânica estrearia no País em março, adiou o lançamento devido à pandemia do novo coronavírus e agora lamenta o cancelamento definitivo do serviço entre Londres e São Paulo, que seria inaugurado em 6 de outubro. Segundo a companhia de Richard Branson, a rápida aceleração e os impactos da pandemia é a razão do cancelamento. 

Um porta-voz da Virgin Atlantic disse: “Cancelar uma rota nunca é uma decisão fácil, e gostaríamos de agradecer aos nossos clientes, nossos parceiros comerciais e de mídia e, acima de tudo, nossa equipe em São Paulo por trabalhar tanto para nos apoiar nos últimos meses. São Paulo é uma cidade fantástica e estamos extremamente desapontados por não estarmos mais lançando o voo neste momento.”

Os clientes que reservaram voos direto no site da Virgin Atlantic devem ligar para 0800 728- 1433 ou acessar o site www.virginatlantic.com para opções de remarcação ou reembolso. Reservas feitas através de agências deverão ser tratadas diretamente com as agências de viagens
 

https://m.panrotas.com.br/aviacao/empresas/2020/04/virgin-atlantic-desiste-do-brasil-em-definitivo/172889

Share this post


Link to post
Share on other sites

Muito acertada a decisão 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não acho que seja em definitivo, na minha visão a empresa cancelou o lançamento por agora, pois nem no fim do ano seria viável o lançamento de uma nova base com a demanda mundial retraída, mas GRU deve continuar no topo da lista de prioridades da Virgin. Portanto, logo que o mercado sinalizar uma boa recuperação - algo que só deve acontecer nos próximos dois anos - a Virgin deve voltar a anunciar São Paulo como destino, mas não é algo que vai acontecer amanhã de tarde, nem na próxima temporada, talvez para fins de 2021.

Share this post


Link to post
Share on other sites
7 hours ago, A350-1041 said:

Não acho que seja em definitivo, na minha visão a empresa cancelou o lançamento por agora, pois nem no fim do ano seria viável o lançamento de uma nova base com a demanda mundial retraída, mas GRU deve continuar no topo da lista de prioridades da Virgin. Portanto, logo que o mercado sinalizar uma boa recuperação - algo que só deve acontecer nos próximos dois anos - a Virgin deve voltar a anunciar São Paulo como destino, mas não é algo que vai acontecer amanhã de tarde, nem na próxima temporada, talvez para fins de 2021.

Quando a empresa fala que o voo está cancelado em definitivo não quer dizer que nunca mais vai voltar, mas sim que a operação está cancelada e não há data prevista para retorno (nesse caso nunca sequer chegou a operar).

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

Covid vai levar o mundo a repensar em tudo.

Empresas vão repensar viagens, eventos...
Pessoas vão repensar sobre viagens... 

O mundo business vai ser muito afetado nos próximos 12 meses: ninguém vai voltar a viajar tanto quanto antes e muito do que se fazia presencialmente, vai ser modificado. Eu não vejo nem 50% da demanda usual voltando nos próximos 12 meses e talvez o mercado só volte ao nível de hoje em 2-3 anos. 

O mundo do turismo também vai sofrer. A demanda por cruzeiros vai cair 75-90%, a demanda por conhecer os mesmos lugares de sempre vai cair 25-50% facilmente. As pessoas vão mirar não em Nova York ou Londres, mas em parques nacionais, passeios alternativos em lugares menos "super povoados". 

Grandes cidades ? São as que mais vão sofrer ! 

Pé no chão a VS... pois vamos ver que algumas rotas sequer vão voltar na mesma dimensão que eram operadas até janeiro/fevereiro. 

 

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Tenho a mesma opinião, Lipe.
Eu  resolvi torrar todos os 400 mil pontos que eu tinha em programas por produtos, pois não pretendo viajar a turismo antes de agosto de 2021.
Acredito que enquanto não houver uma troca de estações opostas nos hemisférios, não saberemos os verdadeiros impactos do coronavírus no planeta. Muitos acreditavam que no Brasil não haveria mais que 1000 vítimas fatais, em razão do nosso clima, mas quando observamos o caos que já estamos vivendo em regiões quentes do nosso país, fica claro que o vírus gosta do calor também. Quando um destino estiver se livrando do pico da pandemia, uma origem estará entrando no pico. Nova York, Milão, Madrid, Paris, Londres, acredito que por um bom tempo não serão as opções dos turistas.

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

Virgin Atlantic needs state support to survive: Branson

By Cirium20 April 2020

  • Virgin Atlantic needs government support to survive the coronavirus crisis, the airline’s founder warned today.

In a 20 April blog post, Virgin Group founder Richard Branson writes: “Together with the team at Virgin Atlantic, we will do everything we can to keep the airline going – but we will need government support to achieve that in the face of the severe uncertainty surrounding travel today and not knowing how long the planes will be grounded for.”

A340-300 Virgin Atlantic

Source: Airbus

The British billionaire, who owns 51% of Virgin Atlantic, says the airline is seeking a commercial loan backed by the UK government, and points to similar financing awarded to budget carrier EasyJet.

“It wouldn’t be free money and the airline would pay it back (as EasyJet will do for the £600 million [$748 million] loan the government recently gave them),” writes Branson.

“The reality of this unprecedented crisis is that many airlines around the world need government support and many have already received it. Without it there won’t be any competition left and hundreds of thousands more jobs will be lost, along with critical connectivity and huge economic value,” he adds.

The UK government said on 24 March that it would consider providing “bespoke support” to individual airlines, but only as a “last resort” after all other options have been exhausted.

Branson points out in his blog that Virgin Group has “committed a quarter of a billion dollars to help our businesses and protect jobs”, and says it will “continue to invest” what it can.

In an apparent rebuttal of criticism on social media levelled at wealthy individuals requesting taxpayer-funded bailouts, the Virgin founder adds: “I’ve seen lots of comments about my net worth – but that is calculated on the value of Virgin businesses around the world before this crisis, not sitting as cash in a bank account ready to withdraw.”

Virgin Australia – which recently requested a A$1.4 billion ($892 million) bailout from the federal government in its home country – is also “fighting to survive and need support to get through this catastrophic global crisis”, says Branson.

“We are hopeful that Virgin Australia can emerge stronger than ever, as a more sustainable, financially viable airline,” he adds. “If Virgin Australia disappears, Qantas would effectively have a monopoly of the Australian skies.”

Source: www.flightglobal.com

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
2 hours ago, riclima said:
The British billionaire, who owns 51% of Virgin Atlantic, says the airline is seeking a commercial loan backed by the UK government, and points to similar financing awarded to budget carrier EasyJet.

Final do ano passado ele desistiu de vender 31% da VS para a Air France-KLM, porém em fevereiro a Delta anunciou a JV e a reestruturação societária da Virgin, com SRB ficando apenas com 20%.

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Sign in to follow this  

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade