Jump to content

DESAER E CEIIA Anunciam Acordo para Desenvolver, Industrializar e Comercializar Aeronave de Transporte Leve


Recommended Posts

Meus prezados

Em sequencia a

nDESAER E CEIIA Anunciam Acordo para Desenvolver, Industrializar e Comercializar Aeronave de Transporte Leve trasporte leve.

 A DESAER – DESENVOLVIMENTO AERONÁUTICO, empresa brasileira especializada no desenvolvimento de aeronaves de diversas tipologias e o CEIIA – Centro de Engenharia e Desenvolvimento, com headquarters em Portugal, que concebe, desenvolve, protótipo e opera produtos e serviços inovadores nas indústrias da mobilidade, designadamente aeronáutica, automóvel e oceanos, firmaram um Acordo de Joint-Venture para o desenvolvimento, industrialização e comercialização de uma aeronave de transporte leve.

O ATL-100 é uma aeronave de uso civil e militar, com configurações para o transporte de passageiros (até 19 pax.) e para carga (2,5 ton.), com o objetivo de endereçar as necessidades de transporte regional em áreas já adensadas e nas regiões mais remotas, necessitando de pouco apoio de infraestrutura no solo e possibilidade de aterrar em pistas curtas e não pavimentadas.

A fase de desenvolvimento do projeto, agora com decisiva participação do CEIIA, será executada em 3 anos, seguida das fases de industrialização e comercialização. Em todas as fases, o projeto vai ser executado por profissionais portugueses e brasileiros em infraestruturas localizadas em Portugal e no Brasil.

O desenvolvimento do ATL-100 terá como alicerce o foco na sustentabilidade, não só pela aplicação de tecnologias menos poluentes em seus componentes, mas, também, pela perspectiva de utilização, no futuro, de novas tecnologias como motores elétricos, etc. 

CEIIA e DESAER entendem que esta parceria, que agrega competências complementares do setor aeroespacial de Portugal e do Brasil, além de ser um importante projeto de inovação tecnológica e de criação de renda e emprego em ambos os países, surge com especial relevância agora como um contra-ataque aos efeitos danosos sobre a economia mundial causados pela crise da Covid-19.

Fonte: Defesanet 18 mai 2020

 

Link to post
Share on other sites

Concorrência com o SkyCourrier e a força de vendas da Cessna; vai precisar de uma venda relevante para ganhar um impulso no mercado!

Vai ser bem difícil mas desejo sorte, algumas centenas de aeronaves deste porte estão voando as 20-30 anos e precisam de substituição.

Link to post
Share on other sites

Se trabalhar bem no marketing e conversar com o governo talvez consigam vender para substituir os bandeirantes, e empresas de logística. Para transporte de passageiros acho difícil pegar.. as fabricantes do Let410, Do228 e outros que estão na mesma categoria lutam pra se manter e ainda mais com a bem estabelecida Cessna com seu novo projeto. Mas desejo sorte! Já li que já receberam desejo de compras de 2 aeronaves.. 

Link to post
Share on other sites

Meus prezados

Cessna SkyCourier X DESAER ATL-100 

 

 

Link to post
Share on other sites
  • 2 weeks later...

Meus prezados

DESAER ATL-100 “Investimento do CEiiA traz fábrica de aeronáutica para Alentejo”

Por

 Roberto Caiafa

 spacer.pnghttps://tecnodefesa.com.br/wp-content/uploads/2019/12/desaer.jpg

O avião ATL-100 vai permitir criar uma nova unidade de aeronáutica em Portugal com um investimento inicial de 20 milhões de euros, diz o diretor do CEiiA, para a Aeronáutica e Defesa, Miguel Braga. Há clientes interessados em todo o mundo e as características do avião podem ser ainda mais atrativas com a pandemia.

·       O avião ATL-100 vai vai ser fabricado em uma nova unidade de aeronáutica em Portugal, um investimento inicial de 20 milhões de euros, segundo o diretor do CEiiA para a Aeronáutica e Defesa, Miguel Braga.

Em entrevista a repórter Ana Maria Ramos, do periódico português “Diário de Notícias“, o diretor do CEiiA para a Aeronáutica e Defesa, Miguel Braga, fala sobre a aliança com a DESAER para fabricar o ATL-100 em Portugal, e muito mais.

spacer.png

O protótipo da aeronave ATL-100 foi apresentado em 2019 na maior feira de aeronáutica de São Paulo. Em que parte do projeto entra o CEiiA?

O CEiiA é um centro de engenharia e desenvolvimento de produto com uma já longa experiência na aeronáutica. Começamos há mais de 12 anos a trabalhar com um dos maiores fabricantes de helicópteros do mundo, prosseguindo com uma fortíssima envolvência na aeronave KC390, o avião cargueiro militar brasileiro da Embraer, no qual continuamos a trabalhar em várias actividades de certificação civil e militar. A semana passada fechámos com a Desaer, uma empresa brasileira focada na industria aeronáutica, um contrato no qual seremos corresponsáveis pelo desenvolvimento da ATL 100, que será fabricada, montada e comercializada por ambas as empresas. O CEiiA alocará uma equipa de 60 engenheiros, em crescendo, à medida das diferentes fases de desenvolvimento. Do lado da Desaer o número de engenheiros será, pelo menos, duas vezes superior. A equipa de engenharia do CEiiA estará fixada no Parque de Ciência e Tecnologia de Évora, uma cidade também ela cluster aeronáutico.

spacer.png

Que vantagens traz esta parceria?

A grande vantagem para o CEiiA, para Portugal e para a própria Desaer será a criação de competências novas, que o CEiiA não possui e não desenvolveu até hoje. O centro tem fortíssimas competências de engenharia de desenvolvimento, na área do desenho e do cálculo estrutural de segmentos e componentes de aviões, que adquiriu ao longos destes últimos 12 a 13 anos e a participação no projeto ATL 100 permitirá desenvolver competências ao nível dos sistemas e, particularmente, da integração de sistemas, mas também ganhar competências ao nível dos aviónicos e da integração de motores e de outras fases do que é tipicamente um processo de desenvolvimento de um avião, que Portugal passará a ter através do CEiiA e através da sua envolvência nesta aeronave.

O que representa este projeto em matéria de investimento e emprego?

O investimento do CEIIA, exclusivamente na fase de desenvolvimento da aeronave, é da ordem dos 20 milhões de euros para os próximos três anos. Mais à frente evoluirá. A estimativa de criação de novos postos de trabalho é uma grande satisfação. Contamos ter uma equipa de 65 engenheiros envolvidos em diferentes projetos de engenharia aeronáutica com diferentes clientes e parceiros, designadamente a Embraer, a Leonardo Helicopters, a Coptar, a Desaer, entre outros, que estimamos que obrigue a uma alocação plena e permanente da capacidade de engenharia. É emprego altamente qualificado. Na fase de industrialização pretendemos ter uma unidade cá e outra no Brasil e ainda a criação de uma unidade para o fabrico de componentes em Portugal que terá seguramente um efeito muito relevante de replicação num tecido de empresas que já hoje estão a trabalhar neste setor em Portugal. Algumas pequenas e médias empresas, outras até consideradas grandes e este será o efeito da criação de emprego direto, pelo facto de trazermos uma fábrica de peças de aeronaves. O objetivo é igualmente montar a aeronave em Portugal, o que terá um efeito muito grande do ponto de vista do emprego indireto pela estabilização na região do Alentejo, em Évora, em Beja, em Ponte de Sôr, cidades que estão seguramente preparadas, em termos de infraestruturas para receber um projeto desta natureza. O Alentejo poderá muito rapidamente aumentar significativamente aquilo que já hoje é o emprego muito qualificado criado à boleia de um cluster aeronáutico bastante potente.

spacer.png

O que torna esta aeronave sustentável e competitiva?

É uma aeronave de transporte leve e daí o nome ATL, para uso civil, de transporte de passageiros, de carga, de serviços postais e inclusivamente de suporte ao agronegócio, que em alguns países, quer da América do sul, quer de África, é bastante relevante. Também é de uso militar e aqui pode dar apoio a missões a bases remotas, evacuação médica, transporte de tropas, lançamento de paraquedistas, são tudo missões que se enquadram na tipologia desta aeronave. O ATL 100 está preparado para cumprir uma gama muito variada de missões. É mais do que aeronave, é um sistema logístico pré-preparado, ágil, para poder no mesmo dia, em curtos espaços de tempo, alterar as suas missões, quer de passageiros para carga, quer para missões de emergência médica, como de transporte de mercadorias diversas e portanto, pretende-se que seja um sistema logístico e muito flexível. Tem igualmente características muito relevantes de operação. Levanta e aterra em pistas de dimensão muito reduzida, onde a grande maioria de aeronaves não conseguiria aterrar ou levantar. Inclusivamente não se exige grande preparação dessas pistas, que podem ser em terra batida, para a aeronave poder aterrar e levantar. Por isso, também tem custos aeroportuários muito baixos.

Como é que o vosso plano de negócios se enquadra num mercado afetado pela pandemia?

O consórcio agora criado dirige-se a um mercado que está em franco crescimento. Vários fabricantes deste tipo de aeronaves, porque foram apostando em aeronaves maiores, acima dos 120 passageiros, foram abandonando esta tipologia de aeronaves que continuam a voar, mas que têm obviamente um tempo de vida útil que está estimado. Portanto, os planos de negócio que construímos em conjunto apontam para que mais de 5 mil aeronaves com esta tipologia deixem de voar nos próximos 15 anos, porque terminam o seu ciclo de vida. Isto constitui uma oportunidade para o aparecimento desta aeronave. Se a isto juntarmos o crescimento que já prevíamos, mais a tendência pós-pandemia do transporte aéreo com menos passageiros, isto pode significar um crescimento ainda maior. Portanto, estamos muito seguros que se conseguirmos cumprir o calendário de desenvolvimento e de industrialização que temos, o ATL-100 aparecerá no mercado num momento de grande fulgor para este tipo de aeronaves e com capacidade para recuperar rapidamente o investimento.

spacer.png

Quais são os potenciais clientes? Já existem manifestações de interesse ou contratos assinados?

O ATL-100 recebeu, ao longo dos últimos seis meses, manifestações de interesse de vários clientes, da área da defesa, da área do transporte logístico. Estamos a falar de empresas que atuam em mercados, em países, em regiões em que as áreas são muito grandes e a rede viária, na grande maioria dos casos, não permite que passageiros e carga cheguem ao destino rapidamente. Países e regiões onde existem imensos milhares de aeródromos com fraquíssimas condições para uma aeronave aterrar. Portanto, as aeronaves convencionais não têm essa capacidade. De resto, o ATL-100 é uma aeronave de trem de pouso fixo, não retrátil, não pressurizada, com alcance até 1600 km de distância e preparado para ser muito simples. De fato, criado para fazer chegar mercadorias e passageiros do ponto A ao ponto B e que esses pontos se localizem tipicamente em zonas mais remotas, recônditas e onde é difícil uma aeronave maior, mesmo as médias, ou até um helicóptero, poder operar.

Apresentam o projeto como um “contra-ataque” aos efeitos adversos da pandemia, porquê?

Pelo emprego que vai poder criar. Pelo facto de criar emprego numa região que será especialmente afetada, porque está muito dependente de indústrias que estão a ser afetadas pela queda abrupta do tráfego aéreo e doutros impactos que sabemos na aviação comercial. Também pelo facto de poder criar muito rapidamente cadeias de fornecimento, permitindo um sem-número de empresas, algumas bem pequenas mas com potencial de crescimento significativo, empresas que já hoje integram o cluster da aeronáutica nacional e, portanto, estamos especialmente satisfeitos por ter conseguido levar a bom porto todas as negociações e equilíbrios necessários com a Desaer para podermos ter o ATL 100 em Portugal. Como objetivo final deste projeto, ambicionamos trazer para o nosso país a primeira ” Final Assembly Line “, o que significa pela primeira vez em Portugal poder haver a participação de empresas nacionais, desde o princípio até ao fim no desenvolvimento do avião. Desde o momento em que ele é concebido, passando por todas as fases de engenharia e desenvolvimento, pelas fases de ensaios, pelas fases de testes, mas também pelas fases de industrialização e de montagem.

Portanto, a grande ambição deste projeto é Portugal ter pela primeira vez – e ao fim de vários anos de investimento de diferentes governos, de muitos investidores privados e empresas que arriscaram – um avião a sair daqui a voar, desenvolvido, fabricado e montado em território nacional. Juntamo-nos, assim, a um lote restrito de países europeus que conseguem ter nos seus territórios, um produto desenvolvido pelas suas indústrias, suas fábricas, seus centros de engenharia. Neste caso, um avião montado de princípio ao fim. E esta é de facto, a cereja no topo do bolo. É um percurso recente, não muito, quando comparado com o espanhol, mas coloca-nos noutra escala, numa outra fasquia, enquanto país mais preparado e com condições internas para fazer um avião do princípio ao fim.

Fonte: tecnodefesa.com.br 25 mai 2020

Edited by jambock
Link to post
Share on other sites
  • 2 months later...

Meus prezados 

O novo avião brasileiro já tem pedido de compra

 

  • Like 1
Link to post
Share on other sites
2 hours ago, Bonotto said:

Só achei que 2000km é um pouco baixo; ou não ? ou é mais ou menos  padrão desta categoria ?

Essa categoria tem aeronaves de 1000 a 1500 km de autonomia, se n engano, o novo skycurrier da Cessna vai ter em volta de 1700

  • Thanks 1
Link to post
Share on other sites
  • 2 months later...

Light twin-turboprop ATL-100 to be produced at Portuguese facility

By David Kaminski-Morrow1 October 2020

  • Portugal’s government expects a joint turboprop aircraft programme with Brazilian industry will create 1,200 positions at a new integrated production facility in Evora.

The twin-engined ATL-100 is being created through a joint-venture between Brazilian firm Desaer and the Portuguese engineering and product development centre CEIIA.

It derives its designation from the Portuguese term for ‘light transport aircraft’, and will be capable of accommodating 19 passengers, about a dozen paratroops, or three LD3 containers with a total 2.5t payload.

Portuguese minister for territorial cohesion Ana Abrunhosa attended a 25 September event detailing the project at the Alentejo science and technology park, PACT, located in Evora.

She says the project’s industrialisation will also involve the municipalities of Beja and Ponte de Sor, stating that it will generate “economic activity” and regional partnerships with local suppliers – and adding that it demonstrates the country’s capabilities in “science, companies and cutting-edge technology”.

ATL-100-c-Desaer

Source: Desaer

Developers of the ATL-100 intend the turboprop to meet civil and military requirements

The venture aims to establish a national aeronautical manufacturer for the ATL-100, says PACT, “catapulting” the Alentejo region into a “leading position” for aerospace innovation.

Designers of the ATL-100 intend the aircraft to address regional transport and logistics demand, including serving remote areas with short, unpaved runways and little infrastructure support.

The high-wing aircraft will be 16m in length with a 20m span, and have a range of 860nm (1,600km).

It will be developed over the a three-year period – followed by industrialisation and commercial activity – with a technological focus on sustainability and the potential inclusion of low-emissions future powerplants.

CEIIA is recruiting a range of specialists in structural engineering, aerodynamics, systems, and project management for the new Evora facility, describing the ATL-100 as a “highly disruptive” programme.

It states that the venture with Desaer is particularly important given the impact on the economy from the coronavirus crisis.

Technological research organisation Fundacao Casimiro Montenegro Filho is also supporting the ATL-100 programme.

Source: www.flightglobal.com

 

Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade