Jump to content

LATAM pede concordata das unidades do Chile, Colômbia, Equador e Peru


Recommended Posts

Tava assistindo a uma live que aconteceu ontem no canal ASA, com o Jerome, e a primeira fala dele foi que, sem ajuda do governo ela não sobrevive e que o custo pra demitir um funcionário no Brasil é muito alto. Toda entrevista ele fala sobre custo de funcionários...

 

 

Link to post
Share on other sites

  • Replies 300
  • Created
  • Last Reply
12 minutes ago, MRN said:

Tava assistindo a uma live que aconteceu ontem no canal ASA, com o Jerome, e a primeira fala dele foi que, sem ajuda do governo ela não sobrevive e que o custo pra demitir um funcionário no Brasil é muito alto. Toda entrevista ele fala sobre custo de funcionários...

Tenho sido um crítico dele constante, mas gostei da participação dele hoje no teaching4free.

Link to post
Share on other sites

Tirando a parte dos funcionários, ele foi bem, principalmente falando em competitividade

Link to post
Share on other sites
1 hour ago, MRN said:

Tava assistindo a uma live que aconteceu ontem no canal ASA, com o Jerome, e a primeira fala dele foi que, sem ajuda do governo ela não sobrevive e que o custo pra demitir um funcionário no Brasil é muito alto. Toda entrevista ele fala sobre custo de funcionários...

 

 

Mas infelizmente o custo de um funcionário aqui no Brasil é astronomico, não o salário em si, mas os encargos são absurdamente altos. Li um tempo atrás que era um dos mais altos do mundo.

Link to post
Share on other sites
9 minutes ago, Bonotto said:

Mas infelizmente o custo de um funcionário aqui no Brasil é astronomico, não o salário em si, mas os encargos são absurdamente altos. Li um tempo atrás que era um dos mais altos do mundo.

E é verdade!

O empregador paga 1.000 ao colabodor, só que o governo cobra mais 3.000 em cima desses 1.000. 

Por conta da alta corrupção e da má administração do País, os nossos encargos são um absurdo! Ou seja, o Brasil não é um País para um empreendedor amador. 

Link to post
Share on other sites
1 hour ago, 737-800 said:

E é verdade!

O empregador paga 1.000 ao colabodor, só que o governo cobra mais 3.000 em cima desses 1.000. 

Por conta da alta corrupção e da má administração do País, os nossos encargos são um absurdo! Ou seja, o Brasil não é um País para um empreendedor amador. 

Não é isso tudo, 85 a 100% sobre salário bruto, dependendo da empresa.

Link to post
Share on other sites

A LTM pagou nos últimos 3 meses antes de entrar com a petição, $5 milhões à advogados. Então, ela já estava quebrada antes da pandemia, digo fevereiro.  26/2 a 26/05 = 90 dias   os primeiros casos no Brasil e no Chile foram em março.

During the 90 days before the petition date, the Debtors paid Cleary Gottlieb in the aggregate amount of $5,146,890.64 for professional services performed, including preparation for the commencement and prosecution of the Chapter 11 Cases (the “Prepetition Payments”).

https://cases.primeclerk.com/LATAM/Home-DownloadPDF?id1=MTQ0NTU0NA==&id2=0

Link to post
Share on other sites

O custo é altíssimo, ainda mais, p/ micro e pequenos empreendedores que são responsáveis pela geração de 70% dos empregos do país. Sinto isso na pele. Demitir é uma dificuldade absurda - embora tenha melhorado após a reforma trabalhista do Gov. Temer. 

Peguemos por ex os EUA: 

https://www.npr.org/sections/coronavirus-live-updates/2020/06/05/869821293/as-america-struggles-to-return-to-work-staggering-unemployment-numbers-loom

Expectativa: - 8 milhões de empregos. 
Realidade: + 2 milhões de empregos. 
Recuperação de 2.5 milhões (12%) dos 21 milhões de empregos perdidos em Abril.

O mercado de trabalho nos Estados Unidos é de um dinamismo impressionante. Só estando na América para entender. A baixíssima interferência do governo nas relações contratuais, a facilidade de acordos individuais, em contratar uma pessoa, um serviço, em demiti-la, é um dos pilares que fazem esse país a maior potência mundial há mais de 1 século. E, claro, a sociedade de mercado está implantada na raiz americana - desde os temos de colônia, graças ao background da influência protestante vinda dos ingleses. 

Existem países mais abertos economicamente e justos que os EUA, como Canadá, Estônia, Holanda, Irlanda, Suíça etc e, claro, a dupla Austrália e Nova Zelândia, meus modelos dos sonhos de liberdade por inteiro. Alemanha também tem um sistema super equilibrado e invejável. 

Como sabemos, todos esses países vão sair melhor da crise, e os piores serão sempre os mesmos: latino americanos (Argentina,Brasil e México disputando a liderança), boa parte dos africanos e, claro, o quinteto europeu que parece ter sido feito na mesma fornada: Espanha, França, Grécia, Itália e Portugal. 

Na torcida pela boa recuperação das 3 grandes e das regionais. 

Link to post
Share on other sites
27 minutes ago, TheJoker said:

Não é isso tudo, 85 a 100% sobre salário bruto, dependendo da empresa.

Certo em partes. O problema não é só o que cobrado sobre o salário (como se 85 a 100% a mais fosse pouco) 
Mas todo embróglio criado com as leis trabalhistas que o empresário vira escravo.

Link to post
Share on other sites
33 minutes ago, TheJoker said:

Não é isso tudo, 85 a 100% sobre salário bruto, dependendo da empresa.

O que concluimos que uma empresa de 15.000 funcionarios tem "30.000" em termos de peso no custo dela.

Link to post
Share on other sites
3 minutes ago, Bonotto said:

Certo em partes. O problema não é só o que cobrado sobre o salário (como se 85 a 100% a mais fosse pouco) 
Mas todo embróglio criado com as leis trabalhistas que o empresário vira escravo.

Não disse que era pouco, só que não são 200% como disse o colega.

Link to post
Share on other sites
16 hours ago, TheJoker said:

Tirando o efeito pandemia que bateu em todas as aéreas do mundo, o erro da LA em ter comprado a JJ e absorvido bilhões de prejuízo de 2012 pra cá, não tem nada a ver com escolha de avião ou da poltrona de J . O mercado brasileiro tem volume, gera empregos, mas não é rentável.

Não é rentável por que as cias oferecem 400 aeronaves em um mercado que deveria ter bem menos que isso (eu não sou capaz de dizer quantos, mas pra mim é evidente que o yield de 400 aeronaves operando centenas de voos não gera lucro).

Infelizmente o Brasil avançou demais na tão falada "democratização" do transporte aéreo que para atingir um LF alto, teve que canibalizar tarifa.

As cias miram muito em ter um custo unitário extremamente baixo operando 77W e A321, mas pra isso precisam encher esses assentos.

Então, o Brasil tem sim um mercado até certo ponto bom, mas ele tem problemas graves criados pelas próprias cias aéreas com oferta excessiva.

Link to post
Share on other sites
16 hours ago, MRN said:

Por que as empresas operam no Brasil se não é um país rentável? Por que, por exemplo o DN, ao invés de criar a Azul no Brasil, não criou essa empresa num país que fosse rentável? As empresas não tiveram lucro? O que seria esse "rentável" que você se referiu? Obrigado 

MRN, na partida, toda cia aérea tende a ser rentável no Brasil mas principalmente por que, parafraseando o A345, operam em nichos, com frotas novas (ou aeronaves mais baratas), sem dívidas, e com capital de giro barato crescente (até que a frota atinge o ponto de não expansão). 

Veja o caso da Gol. 
Começou fazendo voos ligando CGH, BSB e achou um nicho no GIG. Saiu de 6 aeronaves para dezenas, e nesse processo, cada vez que anunciava novos voos, amplificava a venda de assentos futuros gerando capital de giro muito barato. E como ela usou o caixa ? Comprando aeronave. 

A Azul, o mesmo, saiu do mais do mesmo e partiu para Campinas e para uma aeronave que apesar de ter custo por assento maior, demanda vender menos assentos. A Azul não precisava procurar 150 passageiros por voo, mas sim 90 a 100. 

E é o que eu digo, quando se disputa que cidade, mercado ou rota é mais ou menos rentável... tudo faz parte de um todo que tem resultado ruim.

Link to post
Share on other sites
9 hours ago, MRN said:

Tava assistindo a uma live que aconteceu ontem no canal ASA, com o Jerome, e a primeira fala dele foi que, sem ajuda do governo ela não sobrevive e que o custo pra demitir um funcionário no Brasil é muito alto. Toda entrevista ele fala sobre custo de funcionários...

 

 

A pergunta que eu me faço nessas horas. O que a Latam fez ao longo do tempo para reduzir esse impacto de custo de funcionários ? 

Ações simples poderiam ser tomadas ou lideradas pela Latam e pelas demais:

* Por que diabos no Brasil o funcionário no Gate tem que conferir identidade na hora do embarque ?  Perda de tempo.... joga isso para o check point do Aeroporto !

* Por que não incentivam o check-in online e em equipamento de auto atendimento com pontos extras ?

* No COVID as cias aprenderam (todas) a construir estruturas eficientes de remarcação de voos - por que nunca pensaram nisso e continuavam a jogar a carga do atendimento em call center (caro) e lojas de aeroporto (muito caras) ?

* Cia aérea já tem custo alto - deveriam buscar eliminar tudo que é custo desnecessário - loja de aeroporto é uma delas, sedes vultuosas (lugar de cia aérea é próximo a aeroporto em prédios de baixo custo)

* Centro de manutenção fora de aeroporto operacional ? Custo...
* Sistemas lentos e que tem baixa portabilidade - o mundo avança com identidades que podem transferir informações (similar aos passaportes que podem ser "lidos" e ter as informações transferidas ao sistema - que exijam do poder público avanços nessas áreas!

Nem entro em impostos e afins...


Mas também vejo problema na geração da receita que fica aquém do que deveria, e nessa hora, tem oferta demais e ela não é capacitada a atender a demanda de todos. Sim, bato na tecla que falta executiva doméstica e no internacional também é mal explorado.

Deram preferência a cobrar tarifas... e inventar tarifas restritivas com altas penalidades.


E depois choram que sem ajuda do governo... não sobrevivem...  

Link to post
Share on other sites
7 hours ago, naia said:

 

Recuperação de 2.5 milhões (12%) dos 21 milhões de empregos perdidos em Abril.

O mercado de trabalho nos Estados Unidos é de um dinamismo impressionante. Só estando na América para entender. A baixíssima interferência do governo nas relações contratuais, a facilidade de acordos individuais, em contratar uma pessoa, um serviço, em demiti-la, é um dos pilares que fazem esse país a maior potência mundial há mais de 1 século. E, claro, a sociedade de mercado está implantada na raiz americana - desde os temos de colônia, graças ao background da influência protestante vinda dos ingleses. 

 

Só me permita dizer uma coisa... você tem toda razão, a flexibilidade ajuda... quer demitir hoje alguém basta pagar o que deve pelo trabalho do mes + férias não gozadas. Não tem 13o , Não tem FGTS... 

Mas... as empresas americanas em geral: são muito mais abertas a pagamento de bônus e bancam os fundos de previdência privada, muitas vezes com aportes adicionais regulares. No fim em geral as pessoas tem oportunidade de construir poupança. 

Ah, e um ponto crucial, burocracia...  no Brasil eu tinha Carteira de Trabalho, PIS, CPF, Identidade, Titulo de eleitor e carteira de motorista... tinha que ir em cartório pra validar assinatura, oferecer comprovante de endereço....


Aqui eu tenho Carteira de Motorista que é identidade e tem seu endereço, Social Security (que seria o CPF com restrição de divulgação) e SÓ !  E você vai entendendo... é igual ir no aeroporto e passar a identidade no check point...  você tira carteira de motorista e precisa apresentar comprovante de endereço... depois pra qualquer coisa a carteira de motorista vale como comprovante de endereço! 

 

 

 

Link to post
Share on other sites
41 minutes ago, LipeGIG said:

* Por que diabos no Brasil o funcionário no Gate tem que conferir identidade na hora do embarque ?  Perda de tempo.... joga isso para o check point do Aeroporto !

* Por que não incentivam o check-in online e em equipamento de auto atendimento com pontos extras ?

O cheque de identidade é obrigatório, e justamente pra permitir o acesso ao auto-atendimento que o cheque é feito no gate

Mas sim, não faz muito sentido ter 3 máquinas de AA e 8 funcionários (mesmo que o Brasileiro ainda tem uns que "penam" pra usar a máquina, ou ela não funciona direito). Enfim

* No COVID as cias aprenderam (todas) a construir estruturas eficientes de remarcação de voos - por que nunca pensaram nisso e continuavam a jogar a carga do atendimento em call center (caro) e lojas de aeroporto (muito caras) ?

* Cia aérea já tem custo alto - deveriam buscar eliminar tudo que é custo desnecessário - loja de aeroporto é uma delas, sedes vultuosas (lugar de cia aérea é próximo a aeroporto em prédios de baixo custo)

Concordo. Se bem que eu acho que a loja do aeroporto acaba se pagando (pelo menos antes) em venda de passagens de última hora. Mas podiam deixar uma pessoa, não 5. Pode colocar uma loja pra várias companhias. Mas como você bem falou, as próprias empresas adoram se burocratizar. E de novo, vai ter gente que "acha ruim" comprar a passagem online e quer falar com uma pessoa.

Link to post
Share on other sites

Que discusssão sensacional. Analises pontuais com dados interessantíssimos. Não sou tão 'antigo' assim no CR, mas fazia tempos que não lia tanta info agregadora.

O funcionário pode até reclamar que o Jerome só tem falado do custo funcionário nos últimos tempos, mas ele tem um ponto, e não é mentira. Qualquer empresário, seja micro ou grande sabe que o maior custo da empresa é folha de pagamento e numa aérea, é só mais um gasto que demanda uma % muito alta do lucro, além de leasing, taxas aeroportuárias, QAV e outros impostos inerentes ao serviço ofertado.

Não acho que deveriam reclamar com ele, ele só cumpre o que é estabelecido pela lei brasileira (e nos demais países que operam), mas sim com quem faz as leis. Deveria haver pra ontem, uma desburocratização na contratação/demissão do funcionário. Na teoria, é tão simples: produção. Está a contento ou acima do esperado? Paga o que deve com direito a abono se houver maior produção. Não está? Rua. Esse método fomenta melhores resultados pessoais no ambiente de trabalho e há até uma competição saudável entre coleagues.

O método brasileiro gera acomodação e nada pior do que um funcionário acomodado protegido pelo sistema ocupando uma vaga preciosa que poderia ser ocupada por quem realmente quer fazer acontecer. O empregador, de mãos atadas, demite e gasta uma fortuna pra substitui-lo e outra fortura para treinar o substituto ou o mantém aquém da expectativa e delega as funções desse aos outros colaboradores da empresa, causando descontentamento geral.

E outra, estamos cansados de saber que o governo não consegue gerir dinheiro de Previdência ou qualquer outro repasse obrigatório em prol do funcionário. Não deveria ser responsabilidade de cada um fazer esse tipo de "investimento"? Fazer uma previdência privada, pagando quantas cotas tiver interesse, investir o dinheiro ganho em ações ou investimentos; CDB, PVGB, VGBL - sejam de risco ou sem - ao invés de colocá-lo na mão do incompetente/corrupto governo que 'mal mal' (pra não dizer NÃO) consegue gerir seus próprio gastos (longe de mim estar fazendo uma critica ao atual governo, estou generalizando todos os que por aqui passaram mesmo).

Lembrando também que não estou enfatizando o setor aéreo, generalizei todos os setores mesmo - apesar de ter lido esses dias e pesquisado bantante sobre as horas trabalhadas do setor no Brasil e ter me espantado com o número reduzido. Eu nunca tive minha carteira assinada, sempre preferi trabalhar pelo valor real sob vigência de contrato e decidir como invisto meu dinheiro, separando entre previdência e investimentos e acredito que todos devessem ter essa "opção". Mas como gerir CLT e contrato entre funcionário na mesma função e oferecer segurança e garantia de que todos são "pagos" iguais? Difícil, mas pra ambos, empresário e empregado, creio que contrato tenha mais benefícios.

Link to post
Share on other sites

O Geronimo ai nao fala nada de errado.

País engessado, burocrático, corrupto. 

Como todo bom CEO, vai jogar pra empresa e contra o funcionário. Mas me diz onde a reclamação dele ta errada ?

Latam Brazuca não consegue fazer Sumpaulo - Teu A Vive por conta de legislação... ABSURDO, VERGONHOSO! 

Enquanto esse país nao mudar da water pro wine, infelizmente nada funcionará. 
 

Aí o tiozão gerente da maior empresa “brasileña”, chega, reclama e é linchado em web pública... pera la, companheiros! Primeiro olhemos o próprio “imbigo”. Nosso país não ajuda... 

Link to post
Share on other sites
4 hours ago, Bartender said:

Latam Brazuca não consegue fazer Sumpaulo - Teu A Vive por conta de legislação... ABSURDO, VERGONHOSO!

Mas já tá no 26° voo pra China, estourando tudo que é regulamentação. Pior do que Tel Aviv, é Milão, que tá no limite. Imagina, não poder fazer São Paulo-Milão...Resumindo, pode ir pra China mas não pode ir pra TLV?

Com relação aos funcionários, não acho que ele esteja errado, só acho que não precisava ficar dizendo por aí que um comandante com 25-30 anos de casa, se for demitido, não precisa mais trabalhar na vida, porque a indenização pra demitir um funcionário desse é altíssima. O que ele tá fazendo pra mudar isso? Não adianta endemonizar o trabalhador nas redes sociais e não fazer nada pra mudar. O trabalhador não tem culpa da legislação que tem o país 

Link to post
Share on other sites
48 minutes ago, MRN said:

Mas já tá no 26° voo pra China, estourando tudo que é regulamentação. Pior do que Tel Aviv, é Milão, que tá no limite. Imagina, não poder fazer São Paulo-Milão...Resumindo, pode ir pra China mas não pode ir pra TLV?

Com relação aos funcionários, não acho que ele esteja errado, só acho que não precisava ficar dizendo por aí que um comandante com 25-30 anos de casa, se for demitido, não precisa mais trabalhar na vida, porque a indenização pra demitir um funcionário desse é altíssima. O que ele tá fazendo pra mudar isso? Não adianta endemonizar o trabalhador nas redes sociais e não fazer nada pra mudar. O trabalhador não tem culpa da legislação que tem o país 

Pergunta, tripulação de cargueiros segue a mesma legislação?

Link to post
Share on other sites

Não sei caçador, mas são os tripulantes da latam que estão fazendo esses vôos, os mesmos que não podem ir pra TLV, não são os tripulantes da ABSA

Quem souber a resposta pra pergunta, favor compartilhar conosco. Obrigado

Link to post
Share on other sites
1 hour ago, TheJoker said:

Pergunta, tripulação de cargueiros segue a mesma legislação?

Sim, porém para esses voos específicos foi feito um acordo na ANAC.

Se não me engano estão indo 4 tripulações de revezamento nos voos da Latam, alguém pode confirmar melhor isso.

Link to post
Share on other sites
2 hours ago, MRN said:

Mas já tá no 26° voo pra China, estourando tudo que é regulamentação. Pior do que Tel Aviv, é Milão, que tá no limite. Imagina, não poder fazer São Paulo-Milão...Resumindo, pode ir pra China mas não pode ir pra TLV?

Com relação aos funcionários, não acho que ele esteja errado, só acho que não precisava ficar dizendo por aí que um comandante com 25-30 anos de casa, se for demitido, não precisa mais trabalhar na vida, porque a indenização pra demitir um funcionário desse é altíssima. O que ele tá fazendo pra mudar isso? Não adianta endemonizar o trabalhador nas redes sociais e não fazer nada pra mudar. O trabalhador não tem culpa da legislação que tem o país 

Desculpa minha ignorância, sou leigo e não conheço a regulamentação do aeronauta. Esse problema que a LATAM Brasil tem de operar Milão no limite e não poder voar a Tel Aviv é por conta da ausência de sarcófago nos 76W ou é uma questão independente da aeronave que a empresa usa? Eu imagino que os 77W e A359 tenham sarcófago, mas se nem assim pode operar, aí nossa aviação tá lascada.

Link to post
Share on other sites

Vamos lá, a lei 13.475, de 28 de agosto de 2017, prevê a jornada assim no Art.31:

I - 8 (oito) horas de voo e 4 (quatro) pousos, na hipótese de integrante de tripulação mínima ou simples;

II - 11 (onze) horas de voo e 5 (cinco) pousos, na hipótese de integrante de tripulação composta;

III - 14 (catorze) horas de voo e 4 (quatro) pousos, na hipótese de integrante de tripulação de revezamento; e

IV - 7 (sete) horas sem limite de pousos, na hipótese de integrante de tripulação de helicópteros

O RBAC 117, emenda 00, de 13 de março de 2019, definiu que essas jornadas só serão aplicáveis, se as aeronaves possuírem acomodações classe 1 (para tripulação de revezamento) ou classe 2 (para tripulação composta)

Mesmo com sarcófago, que é a acomodação classe 1, ((i) acomodação Classe 1 significa uma cama ou outra superfície que permita dormir na posição horizontal, cuja localização seja separada tanto da cabine de comando quanto da cabine de passageiros, tenha temperatura controlada, possibilite que o tripulante controle a iluminação e seja isolada quanto a som e perturbação;), a jornada está limitada a 14 horas, com pequenos detalhes que não fazem muita diferença. Lembrando que a jornada começa na apresentação da tripulação, até 45 minutos após o corte dos motores, ou seja, se a tripulação se apresenta 01:30 antes, um voo de 13 horas tem uma jornada de mais de 15 horas

 

Link to post
Share on other sites
17 minutes ago, MRN said:

Vamos lá, a lei 13.475, de 28 de agosto de 2017, prevê a jornada assim no Art.31:

I - 8 (oito) horas de voo e 4 (quatro) pousos, na hipótese de integrante de tripulação mínima ou simples;

II - 11 (onze) horas de voo e 5 (cinco) pousos, na hipótese de integrante de tripulação composta;

III - 14 (catorze) horas de voo e 4 (quatro) pousos, na hipótese de integrante de tripulação de revezamento; e

IV - 7 (sete) horas sem limite de pousos, na hipótese de integrante de tripulação de helicópteros

O RBAC 117, emenda 00, de 13 de março de 2019, definiu que essas jornadas só serão aplicáveis, se as aeronaves possuírem acomodações classe 1 (para tripulação de revezamento) ou classe 2 (para tripulação composta)

Mesmo com sarcófago, que é a acomodação classe 1, ((i) acomodação Classe 1 significa uma cama ou outra superfície que permita dormir na posição horizontal, cuja localização seja separada tanto da cabine de comando quanto da cabine de passageiros, tenha temperatura controlada, possibilite que o tripulante controle a iluminação e seja isolada quanto a som e perturbação;), a jornada está limitada a 14 horas, com pequenos detalhes que não fazem muita diferença. Lembrando que a jornada começa na apresentação da tripulação, até 45 minutos após o corte dos motores, ou seja, se a tripulação se apresenta 01:30 antes, um voo de 13 horas tem uma jornada de mais de 15 horas

 

O TLV-GRU tem 15h15, com desvio via Península Ibérica. Esse total chegaria, então, a 17h30.

 

Não acredito que nem o sobrevoo direto via África contornaria esse problema, só a mudança na lei.

Link to post
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.




×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade