Jump to content
Sign in to follow this  
jambock

Primeiro Dash8-400 da TAAG pronto para entrega

Recommended Posts

Meus prezados

Primeiro Dash8-400 da TAAG pronto para entrega

spacer.png

MIAMI - A primeira aeronave De Havilland Canada Dash8-400 da TAAG Angola Airlines, sediada em Luanda - Linhas Aéreas de Angola (DT / DTA), está prestes a concluir seu programa de testes de voo.
O Dash8-400 (c/n 4616) com registro de teste canadense C-GKXM, que se tornará o D2-TFA, chamado 'Kwanza', fez seu primeiro voo em 20 de maio de 2020. Será o primeiro avião turboélice da atual Frota da TAAG.

O tipo foi registrado inicialmente em 28 de fevereiro, mas seu programa de teste foi atrasado devido ao desligamento da fábrica pelo COVID-19.
A aeronave ostenta uma nova pintura da TAAG, com títulos cinza com uma nova fonte, o logotipo grande na cauda e títulos da Angola Airlines menores no lado direito e as Linhas Aereas de Angola na esquerda. A cor da cauda se estende até a parte inferior da fuselagem e as linhas vermelhas e alaranjadas se estendem para a frente na fuselagem inferior.
A TAAG encomendou seis Dash-8-400s, anunciados pela Bombardier em 29 de março de 2019, como um cliente não identificado. O pedido foi confirmado no Paris Air Show 2019, em conjunto com a De Havilland Aircraft do Canadá assumindo oficialmente os certificados de tipo de toda a família Dash-8 / Q Series da Bombardier e assumindo oficialmente a linha de produção Dash-8-400 da Aeroporto de Downsview em Toronto (YZD / CYZD).

As entregas da TAAG estavam originalmente programadas para 4 a serem entregues em 2019 e o saldo em 2020. Elas deveriam ser operadas por uma nova transportadora regional de joint venture; Angola Expresso, que foi arquivado, então a linha principal da TAAG assumiu a nova frota.

“A TAAG está olhando para o futuro de nossa frota e para as oportunidades de mercado em que as aeronaves Dash 8-400 serão uma parte importante de nossa estratégia de crescimento. A aquisição dessas novas aeronaves é importante para apoiar uma rede doméstica mais forte e para apoiar nossa rede regional e internacional ”, afirmou Rui Carreira, presidente da TAAG Angola Airlines, em comunicado.
“A aeronave Dash 8-400 oferece desempenho incomparável e economia excepcional que nos permitirá servir melhor comunidades menores e aumentar as frequências em Angola.”

Atualmente, o TAAG, de propriedade do governo angolano, possui uma frota totalmente Boeing de cinco Boeing 737-700, três Boeing 777-200ER e cinco 777-300ER. Anteriormente, operava Boeing 747-300, um Douglas DC-8 e um Lockheed L1011 Tristar. A TAAG operava anteriormente turboélices Fokker F-27 e F-50 para sua rede regional há alguns anos.
Os Dash-8s são os primeiros aviões regionais da TAAG nos últimos anos. Jatos de passageiros são operados por várias pequenas empresas em Angola. O governo angolano também possui dois Q400s configurados VIP adquiridos em 2011. Antes disso, ele operava dois Dash-8-300s.

Fonte: 
https://airwaysmag.com/airlines/first-t ... -delivery/

  • Like 3

Share this post


Link to post
Share on other sites

Na pintura antiga ficaria show, nessa ficou só 'muito bonito' rsrsrs. Finalmente algo bonito pra ver nesses dias sombrios.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
3 hours ago, Kal_Center said:

Na pintura antiga ficaria show, nessa ficou só 'muito bonito' rsrsrs. Finalmente algo bonito pra ver nesses dias sombrios.

A pintura antiga era mais marcante.

  • Like 3

Share this post


Link to post
Share on other sites

Aeronave ideal para voos domésticos angolanos, mas temo que uma aeronave feita para operar em aeroportos do hemisfério norte conseguirá aguentar o tranco da África.

E megalomania dos angolanos não tem fim, uma empresa aérea com 5 B737-700, 3 B777-200ER e 5 B777-300ER, sendo que um misto de E-Jets e A330/B788 seria ideal para o mercado angolano.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Ficou realmente muito bonito...

 

Com relacao a carga, eu ainda acho que o T7 acomoda melhor a tremenda cubagem que os sacoleiros angolanos vem buscar no Brasil e Europa...

  • Haha 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Muito bom! Devem ser úteis no mercado angolano. Os 772/77W que são utilizados em rotas p/ CPT e JNB não poderiam ser trocados por 738 mais novos ou até A320n/A321n com mais frequências semanais? A carga não deve ser tanta assim. 

Os 789 é o aparelho ideal p/ eles. A332 também. Daria pra fazer a festa voando p/ GRU/LIS/OPO/ eventualmente CPT/JNB/MPT/, além de, quem sabe, voos até a China, Oriente médio, Houston, mais um destino como CDG, LHR etc.

Share this post


Link to post
Share on other sites
15 hours ago, A345_Leadership said:

Aeronave ideal para voos domésticos angolanos, mas temo que uma aeronave feita para operar em aeroportos do hemisfério norte conseguirá aguentar o tranco da África.

E megalomania dos angolanos não tem fim, uma empresa aérea com 5 B737-700, 3 B777-200ER e 5 B777-300ER, sendo que um misto de E-Jets e A330/B788 seria ideal para o mercado angolano.

lembrando que o dash-8 já é usado exaustivamente pela ethiopian airlines em voos pelo interior da etiopia e países vizinhos , além disso tem também os da jambojet no quenia,  southa african express, air tanzania e snme a aero contractors da nigéria também operou/ opera o modelo

  • Like 3
  • Thanks 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

O "TAAG" ficou muito claro na fuselagem, acho que cairia bem um tom mais escuro...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Aproveito e convido os amigos a assistirem a live do Comandante Miguel Prata (TAAG) com Panda Beting no Pandaviation. Boas histórias. Tenho um carinho muito especial por Angola e Moçambique por ter família nesses lugares. Um ponto interessante, é o Cmde Prata dizer da rota LAD-HAV que, segundo ele, muito mal explorada - já que existe muitos africanos a estudar em Cuba e a TAAG é a única cia africana a voar para ilha dos Castro. E sim, não faz sentido manterem 777-200 e 300 com 3 classes. A332 2 classes p/ 260 passageiros seria formidável, ou um 789 - e deixar o 773 p/ mais passageiros exclusivo na rota p/ LIS que vive cheia. Os 772 estão numa configuração (14/53/170) totalizando 235. Os 773 (12/56/225) totalizando 293. Lembrando que ambos possuem first.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
On 01/06/2020 at 23:13, B737-8EH said:

Com relacao a carga, eu ainda acho que o T7 acomoda melhor a tremenda cubagem que os sacoleiros angolanos vem buscar no Brasil e Europa...

Sempre falam que os T7 vieram por causa da carga, mas será que vale este custo benefício? Talvez fosse melhor uma aeronave menor e o excedente mandasse via cargueiro em contrato de ACMI.

12 hours ago, naia said:

Aproveito e convido os amigos a assistirem a live do Comandante Miguel Prata (TAAG) com Panda Beting no Pandaviation. Boas histórias. Tenho um carinho muito especial por Angola e Moçambique por ter família nesses lugares. Um ponto interessante, é o Cmde Prata dizer da rota LAD-HAV que, segundo ele, muito mal explorada - já que existe muitos africanos a estudar em Cuba e a TAAG é a única cia africana a voar para ilha dos Castro. E sim, não faz sentido manterem 777-200 e 300 com 3 classes. A332 2 classes p/ 260 passageiros seria formidável, ou um 789 - e deixar o 773 p/ mais passageiros exclusivo na rota p/ LIS que vive cheia. Os 772 estão numa configuração (14/53/170) totalizando 235. Os 773 (12/56/225) totalizando 293. Lembrando que ambos possuem first.

Cuba e Angola têm relações que remontam ao apoio do Fidel Castro às guerrilhas de lá. O A332 seria bom porque a empresa poderia ter flexibilidade de frequências: se LIS está muito movimentada, coloca dois diários ou divide com Porto.

A TAAG é gerida como se fosse os anos de 1970.

Share this post


Link to post
Share on other sites
25 minutes ago, A345_Leadership said:

Sempre falam que os T7 vieram por causa da carga, mas será que vale este custo benefício? Talvez fosse melhor uma aeronave menor e o excedente mandasse via cargueiro em contrato de ACMI.

 

Olha, eu acho que vale a pena pq eles cobram muito caro no volume excedente. não importando o seu peso... Lembro que 6 anos atrás era coisa de U$150 por volume...

Se fosse via cargueiro, a cobrança aconteceria por peso, o que nem sempre justificaria visto que o que os angolanos vem comprar aqui não costuma ser pesado, apenas volumoso.

Share this post


Link to post
Share on other sites
11 hours ago, A345_Leadership said:

Sempre falam que os T7 vieram por causa da carga, mas será que vale este custo benefício? Talvez fosse melhor uma aeronave menor e o excedente mandasse via cargueiro em contrato de ACMI.

Cuba e Angola têm relações que remontam ao apoio do Fidel Castro às guerrilhas de lá. O A332 seria bom porque a empresa poderia ter flexibilidade de frequências: se LIS está muito movimentada, coloca dois diários ou divide com Porto.

A TAAG é gerida como se fosse os anos de 1970.

Sim, a TAAG é uma vergonha na gestão. Realmente, a ligação remonta a época pré guerra com a ex metrópole. 

Porto, se não me engano, já opera diário na alta p/ LAD, e ñ duvidaria a Tap entrar com A321 LR na rota 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Sign in to follow this  

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade