Jump to content

Grupo SATA solicita apoio estatal no valor de EUR 163 Milhões


Recommended Posts

07/07/2020


O Conselho de Administração do Grupo SATA solicitou ao Governo da República Portuguesa um apoio financeiro no montante de cerca de 163 milhões de euros “destinado a prover as necessidades de liquidez até ao final do corrente ano de 2020”, anunciou nesta terça-feira o grupo que tem sede na Região Autónoma dos Açores. “Este apoio é também a garantia para que o Grupo SATA possa obter financiamento bancário”, explica um comunicado distribuído na cidade de Ponta Delgada, ilha de São Miguel.

A nota informativa revela que “as medidas implementadas no Grupo SATA para debelar os impactos da pandemia são, contudo, insuficientes para colmatar as necessidades de tesouraria que o Grupo enfrenta, sendo necessária uma intervenção pública por parte do Governo da República”.

As referidas necessidades foram identificadas e estimadas pela empresa e concentram-se em três áreas:

  • Défice de exploração resultante da queda abrupta da procura;
  • Pagamento de dívida vencida a fornecedores;
  • Amortização das linhas de financiamento bancário anteriormente contratadas e já em situação pós-moratória.

Este valor pode ser reavaliado em função da evolução do surto de covid-19 e de eventuais exigências ao Plano de Desenvolvimento. Este processo permitirá ultrapassar esta fase difícil e implementar, de seguida, as iniciativas para desenvolver todo o potencial do Grupo SATA.

O Conselho de Administração da SATA Air Açores remeteu uma comunicação ao Governo Regional a dar conta, na forma do Plano de Desenvolvimento 20-25, do potencial do Grupo SATA. Entretanto, dada a situação financeira difícil em que grupo empresarial se encontra (fortemente agravada pelo impacto negativo da pandemia de Covid-19), e para permitir a sua operacionalização, são necessárias medidas públicas de apoio no prazo imediato, em linha com a generalidade das companhias aéreas na Europa.

Este processo foi iniciado em 2020 pelo atual Conselho de Administração, com o objetivo de definir linhas de atuação operacionais, por forma a potenciar receita e a otimizar custos.

A pandemia provocada pelo novo coronavírus e as consequentes medidas restritivas impostas ao setor da aviação com o intuito de conter a respetiva proliferação do vírus determinaram uma suspensão generalizada das atividades de aviação, condicionando o seu processo de transformação.

O contexto provocado pela pandemia teve um impacto muito significativo. Em face da paragem quase total da atividade, foram implementadas todas as medidas possíveis ao dispor da gestão, num cenário em que a preservação da empregabilidade era fundamental.

O Grupo SATA tem duas companhias aéreas: a SATA Air Açores, que se dedica aos voos inter-ilhas no arquipélago dos Açores, e a Azores Airlines que voa para fora do arquipélago, nomeadamente para a Portugal Continental e algumas cidades europeias de maior potencial turístico para a Região Autónoma, e para a América do Norte, onde vivem destacadas comunidades de açorianos.

https://newsavia.com/grupo-sata-solicita-apoio-estatal-no-valor-de-163-milhoes-de-euros/#:~:text=O Conselho de Administração do,na Região Autónoma dos Açores.

Link to comment
Share on other sites

8 minutes ago, Nos-767 said:

o problema da SATA é muito - mas muito - anterior à pandemia.

SATA era pra ser no máximo, uma regional da TAP.

Exato, mas ainda tem na Europa o orgulho de certas regiões em vez de uma unidade. Vide Porto reclamando da preferência da TAP por Lisboa ou os esforços dos barcelonetas de ter uma empresa local (Spanair, Vueling...).

Link to comment
Share on other sites

1 minute ago, A345_Leadership said:

Exato, mas ainda tem na Europa o orgulho de certas regiões em vez de uma unidade. Vide Porto reclamando da preferência da TAP por Lisboa ou os esforços dos barcelonetas de ter uma empresa local (Spanair, Vueling...).

Com relação ao bairrismo Norte x Sul de Portugal eu concordo.

O caso da Catalunha eu coloco o peso da economia dela mesmo. Fazendo uma comparação "grosseira" (e bem ruim) é como se as companhias brasileiras voltassem aos anos 60 e o "hub" da operação doméstica/internacional fosse no RIO, e não em SP.

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade