Jump to content

LATAM Brasil adere ao Chapter 11


Recommended Posts

  • Replies 152
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

Top Posters In This Topic

Popular Posts

O e-mail foi uma p*ica do tamanho de um cometa (sem trocadilhos com o nome do comandante que assina).  Em suma, diz no e-mail que tentaram aprovar os ACTs (que não seriam aprovados nem se o grupo

Seja “enrabado” todos os dias e depois de um tempo existem dois cenários possíveis: Opção 1: vc gama e de brinde vem uma Síndrome de Estocolmo. Opção 2: vc cai na realidade e cria desprezo e

Hoje os donos pensam que funcionário é custo, não investimento. Joguem limpo, sejam transparentes, abram a real e peçam ideias e colaboração, podem surgir coisas muito boas e outras eles podem compree

LATAM Airlines Group S.A

SECURITIES REGISTRY N° 306

 

Santiago, July 9, 2020

Mr.

Joaquín Cortez Huerta

Superintendent

Financial Market Commission

Av. Libertador Bernardo O’Higgins 1449, 12th floor

Present

Re: Material fact report

 

Dear Mr. Superintendent:

 

In accordance with the provisions of Article 9 and 10 of the Law 18,045 and General Rule No. 30, duly authorized by the Board in the session held on June 30, 2020, I inform as a Material Fact of LATAM Airlines Group S.A. (“LATAM” or the “Company”, terms that include its subsidiaries, when applicable), the following:

 

  1. Formalizing of the second tranche of DIP financing (Debtor in possession financing):

 

Today, LATAM formalized the second tranche called Tranche A of the DIP financing proposal (Debtor in possession financing) before the Court of the Southern District of New York in the framework of the Procedure of Chapter 11. The Tranche A amounts to US$1,300 million, which has been committed by the investment group Oaktree Capital Management L.P. and its subsidiaries.

 

This proposal must be reviewed and approved by the Court of New York in the coming days, as well as the first tranche previously announced to the market, called Tranche C, which consists of US$900 million committed by the shareholders Qatar Airways and the Cueto and Amaro families, and that includes an upsize of US$250 million so that other shareholders can subscribe in Chile, once it is approved by the Court.

 

  2. Incorporation of LATAM Airlines Brazil to Chapter 11 in the United States:

 

LATAM Airlines Brazil, a Company’s subsidiary, announced today that it will join the Company’s financial reorganization in the United States, including its intermediate parent company in Chile, Holdco I S.A., its parent company in Brazil, TAM S.A., and its subsidiaries Multiplus Corretora de Seguros Ltda., ABSA - Aerolinhas Brasileiras S.A., Prismah Fidelidade Ltda., Fidelidade Viagens e Turismo S.A. and TP Franchising Ltda.

 

As informed on May 26, 2020, LATAM began a reorganization process in the United States of America in accordance with the regulations established in Chapter 11 of Title 11 of the Code of the United States of America, presenting a voluntary request for protection (the “Chapter 11 Procedure”), which did not include the Brazilian subsidiary at that time.

 

Due to the prolongation of the Coronavirus pandemic, LATAM Airlines Brazil announced its integration to the Chapter 11 Procedure of the Company, to restructure its financial liabilities and efficiently manage its fleet, maintaining its operational continuity, in addition to facilitating its access to DIP financing (Debtor in possession financing).

  

Sincerely,

  

Roberto Alvo M.

Chief Executive Officer

LATAM Airlines Group S.A.

 

https://www.sec.gov/Archives/edgar/data/1047716/000121390020017014/ea123974ex99-1_latam.htm

 

 

Detalhes sobre a dívida da TAM S.A., JJ tem 20 aviões (4 77W e 16 320) que não são arrendados da LA, e 148 sub-arrendados. 

https://cases.primeclerk.com/LATAM/Home-DownloadPDF?id1=MTQ3OTQwNw==&id2=0

 

 

Link to post
Share on other sites

Ou seja, quem vai ter que pagar as dívidas da JJ é a LTM, por isso colocaram tudo no mesmo balaio.

Link to post
Share on other sites

Deveria ter entrado de primeira. Acreditar em pacote de ajuda fantasioso só retardou a reestruturação...

  • Like 5
Link to post
Share on other sites
27 minutes ago, A350XWB said:

Deveria ter entrado de primeira. Acreditar em pacote de ajuda fantasioso só retardou a reestruturação...

Pra quem precisa se recuperar via C11 nenhum pacote de ajuda salvaria. Não confunda alhos com bugalhos.

  • Like 2
  • Thanks 2
Link to post
Share on other sites
2 hours ago, PR-GTA said:

Pra quem precisa se recuperar via C11 nenhum pacote de ajuda salvaria. Não confunda alhos com bugalhos.

Pra mim uma baita sacada entrarem em C11, renegociam contratos, enxugam a empresa, mas eles tem acionistas comprometidos em injetar capital.

O problema seria entrar em C11 sem um tostão de aumento de capital.

  • Like 1
Link to post
Share on other sites

Seria interessante destrinchar qual parte da dívida é pré-corona e qual é pós. Acho que isso nos daria um cenário mais claro a respeito de eventuais erros administrativos, se é que podemos chamar assim.

Link to post
Share on other sites

Tem essa tabela dos dados financeiros desde pouco antes dos anos 2000

9KnnOG1.png

Print retirada desse vídeo de análise das companhias aéreas.

 

 

Link to post
Share on other sites
5 hours ago, F-GSPN said:

Seria interessante destrinchar qual parte da dívida é pré-corona e qual é pós. Acho que isso nos daria um cenário mais claro a respeito de eventuais erros administrativos, se é que podemos chamar assim.

Os erros não são de hoje. 

De 2006 e até 2011 o setor passou por um período bem positivo - expansão acompanhada de aumento da rede geral da população - preços das passagens subiu , capacidade subiu mas a demanda subiu ainda mais. Foi o periodo no qual a Tam conseguiu acumular resultados bons. 

Nesse período a empresa acelerou a expansão da frota, e como toda cia aérea Brasileira, continuou também a distribuir dividendos. 

Quando o câmbio começou a sair do patamar de 1,60 e levantou voo.... a reação causou um evento que até hoje todas as cias então existentes sentem nos seus balanços - Sairam do lucro, foram para o prejuízo, viram a demanda adicional sumir, se viram com oferta demais tendo que brigar com a concorrência.... todos começaram a perder pois ninguém tentou puxar o plug da expansão. 

Depois vieram os outros problemas...hedge de combustível...mais desvalorização... e o pior, queda na demanda. 

E o setor resolveu tentar resolver seus problemas com o governo ao invés de cuidar das próprias feridas. Desoneração da folha, QAV com ICMS menor... e os prejuízos seguiam surgindo.... e o câmbio.... 2.85...3.20... 

 

Dai pros idos de Corona com estrutura de divida inadequada e capital de giro negativo....  BOMBA! 

 

  • Like 3
  • Thanks 1
Link to post
Share on other sites
1 hour ago, LipeGIG said:

Os erros não são de hoje. 

De 2006 e até 2011 o setor passou por um período bem positivo - expansão acompanhada de aumento da rede geral da população - preços das passagens subiu , capacidade subiu mas a demanda subiu ainda mais. Foi o periodo no qual a Tam conseguiu acumular resultados bons. 

Nesse período a empresa acelerou a expansão da frota, e como toda cia aérea Brasileira, continuou também a distribuir dividendos. 

Quando o câmbio começou a sair do patamar de 1,60 e levantou voo.... a reação causou um evento que até hoje todas as cias então existentes sentem nos seus balanços - Sairam do lucro, foram para o prejuízo, viram a demanda adicional sumir, se viram com oferta demais tendo que brigar com a concorrência.... todos começaram a perder pois ninguém tentou puxar o plug da expansão. 

Depois vieram os outros problemas...hedge de combustível...mais desvalorização... e o pior, queda na demanda. 

E o setor resolveu tentar resolver seus problemas com o governo ao invés de cuidar das próprias feridas. Desoneração da folha, QAV com ICMS menor... e os prejuízos seguiam surgindo.... e o câmbio.... 2.85...3.20... 

 

Dai pros idos de Corona com estrutura de divida inadequada e capital de giro negativo....  BOMBA! 

 

http://www.latamairlinesgroup.net/pre-merger-information

TAM S.A.  Lucro (Prejuízo)

2007  R$332 milhões   *reapresentado em 2009

2008     (1.434)              * idem

2009      1.248               *ajustado em 2010     

2010        669

2011       (262)

acum.     553

Pós fusao     http://www.latamairlinesgroup.net/tam-sa-financial-statements

2012       (1.282)

2013       (1.441)

2014       (357)

2015       (1.323)       *reapresentado em 2016

2016       (154)

2017       512

2018       (461)           *reapresentado em 2019

2019       704

Acum.    (3.802)

Acum 2007 a 2019  (3.249)

Em 2018, a LTM limpou os prejuízos acumulados (desde a Formação) da TAM S.A. que era de R$7.4 bi.

A GLAI tem R$13.3bi acumulados até mar20, a ADSA R$13.7bi.

 

O pessoal precisa entender que pela natureza do negócio, não tem como uma empresa aérea sobreviver com a queda prolongada de faturamento que essa pandemia criou. Interrompeu o giro, as americanas só não entraram ainda no Chapter 11, porque o Governo socorreu,  mas isso só até setembro, se não voltarem ao nível de atividade que tinham antes, não tem como rolar dívidas, pagar salários, manter aviões, etc.

https://home.treasury.gov/news/press-releases/treasury-implementing-cares-act-programs-for-aviation-and-national-security-industries

 

Em junho o mercado doméstico teve 15% do que teve em jun19. Em julho a expectativa é de quase dobrar, vai pra 30%. Agosto deve ficar igual, setembro pra frente só Deus sabe.... 30% só tem mercado pra uma empresa aérea, até vacinar a população e a economia se re-erguer, é a triste realidade. Enquanto isso, funcionários em layoff e tripulantes recebendo 50% do salário.

 

E o mercado internacional tá pior ainda.

 

 

 

Edited by TheJoker
Link to post
Share on other sites

Latam Brasil deve ganhar fôlego com recuperação judicial nos EUA, dizem analistas
Possibilidade de receber auxílio do BNDES, no entanto, é incerta

9.jul.2020 às 21h00
Ivan Martínez-Vargas
SÃO PAULO

A inclusão da Latam Brasil no processo de recuperação judicial do grupo chileno nos Estados Unidos pode dar fôlego à operação brasileira da companhia aérea, segundo analistas e advogados ouvidos pela reportagem. O movimento foi anunciado pela companhia nesta quinta-feira (9).

O presidente da empresa no país, Jerome Cadier, afirmou que a retomada lenta da demanda por voos em meio à pandemia e a demora na definição sobre o pacote de socorro do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) influenciaram a decisão.

A operação brasileira representa cerca de metade do faturamento do grupo. Com o ingresso da empresa no processo de reestruturação americano, a Latam Brasil deve obter parte dos empréstimos DIP (Debtor in Possession, que garantem ao credor prioridade no recebimento dos créditos) negociados nos EUA.

O grupo Latam anunciou já formalizou a proposta de um DIP de US$ 1,3 bilhão (R$ 6,9 bilhões no câmbio atual) do fundo Oaktree Capital Management, que investe em empresas em dificuldade. A proposta ainda precisa ser aprovada pela corte de Nova York.

Os recursos complementam o aporte de US$ 900 milhões anunciados em maio pela empresa, prometido pela Qatar Airways e pelas famílias Cueto e Amaro, controladoras da holding.

Para Jerome Cadier, o investimento "é significativo e demonstra que a empresa consegue se sustentar". O grupo tem dívida de cerca de US$ 18 bilhões.

"A dívida líquida da operação brasileira é próxima de zero, mas a empresa precisa de financiamento. As negociações com o BNDES não seguiram no ritmo adequado. Nesse cenário, a decisão tomada viabiliza a busca por outras fontes de financiamento", afirma Bruno Carvalho, sócio da Pantalica Partners.

Para ele, a realização de um DIP por meio do banco público é difícil. "Não é trivial um banco público brasileiro topar [o mecanismo], a experiência mostra que é bem difícil".

Ronaldo Vasconcelos, sócio do escritório VH e professor de insolvência do Mackenzie, diz que a proteção contra a falência dada pela lei americana é mais vantajosa do que um processo de recuperação judicial no Brasil.

"O precedente de empresas aéreas que pediram recuperação judicial no Brasil é péssimo, como Avianca e Varig. A lei americana dá maior previsibilidade e permite que os débitos com empresas de leasing entrem na reestruturação, o que é vedado pela norma brasileira", afirma ele.

A possibilidade de que a empresa receba os empréstimos DIP é outra vantagem. "A prioridade para receber os créditos de um financiamento do tipo permitem à empresa levantar capital".

A desvantagem, segundo Victoria Villela, advogada do Cascione, é que a empresa precisará pedir ao STJ (Superior Tribunal de Justiça) o reconhecimento, no Brasil, de decisões proferidas no âmbito da regra americana para que sejam aplicáveis perante a justiça brasileira.

Leonardo Nascimento, fundador da Urca Capital Partners, afirma que, embora o nível de endividamento da empresa inspire cuidados, a sobrevivência da companhia é provável.

"Ninguém sabe quando a demanda de voos vai aumentar, o que é um risco, mas a lei americana traz segurança jurídica e a negociação em bloco com os credores pode ser vantajosa. É importante que a empresa não tenha ruídos que comprometam sua imagem junto ao consumidor, como cancelamentos de voos", diz.

https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2020/07/latam-brasil-deve-ganhar-folego-com-recuperacao-judicial-nos-eua-dizem-analistas.shtml

  • Like 1
Link to post
Share on other sites
16 hours ago, TheJoker said:

http://www.latamairlinesgroup.net/pre-merger-information

TAM S.A.  Lucro (Prejuízo)

2007  R$332 milhões   *reapresentado em 2009

2008     (1.434)              * idem

2009      1.248               *ajustado em 2010     

2010        669

2011       (262)

acum.     553

Pós fusao     http://www.latamairlinesgroup.net/tam-sa-financial-statements

2012       (1.282)

2013       (1.441)

2014       (357)

2015       (1.323)       *reapresentado em 2016

2016       (154)

2017       512

2018       (461)           *reapresentado em 2019

2019       704

Acum.    (3.802)

Acum 2007 a 2019  (3.249)

Em 2018, a LTM limpou os prejuízos acumulados (desde a Formação) da TAM S.A. que era de R$7.4 bi.

A GLAI tem R$13.3bi acumulados até mar20, a ADSA R$13.7bi.

 

O pessoal precisa entender que pela natureza do negócio, não tem como uma empresa aérea sobreviver com a queda prolongada de faturamento que essa pandemia criou. Interrompeu o giro, as americanas só não entraram ainda no Chapter 11, porque o Governo socorreu,  mas isso só até setembro, se não voltarem ao nível de atividade que tinham antes, não tem como rolar dívidas, pagar salários, manter aviões, etc.

https://home.treasury.gov/news/press-releases/treasury-implementing-cares-act-programs-for-aviation-and-national-security-industries

 

Em junho o mercado doméstico teve 15% do que teve em jun19. Em julho a expectativa é de quase dobrar, vai pra 30%. Agosto deve ficar igual, setembro pra frente só Deus sabe.... 30% só tem mercado pra uma empresa aérea, até vacinar a população e a economia se re-erguer, é a triste realidade. Enquanto isso, funcionários em layoff e tripulantes recebendo 50% do salário.

 

E o mercado internacional tá pior ainda.

 

 

 

Amigo Joker, acho que o LipeGIG entendeu mais claramente a que eu me referia: a direção da empresa pode estar jogando a culpa de todos os problemas atuais na pandemia para, dentre outras coisas, pressionar desproporcionalmente sua força de trabalho, quando na verdade acho válido identificar e apontar erros de estratégia e falhas de leitura da conjuntura na última década. E como ele apontou - não sei se de forma geral, para todo o setor, ou em especifico para a LTM - houve diversos tropeços pelo caminho que ajudaram a cavar um grande buraco. 

Link to post
Share on other sites

Quanto ao fôlego, a LTM tinha em 31/03/20,

Compromissos de curto prazo (12  meses)      $6.3bi

Caixa&equiv+recebíveis -estoques -cred imp   $2.6bi

DIP  3 tranches                                                       $2.5bi      5.1bi  ainda falta 1.2 bi, deve ser resolvido com devoluções e redução de leasings?    E se a pandemia durar + que 1 ano?  tem a dívida de longo que também vai precisar de reperfilamento.

 

E isso é pra resolver dívida, operação/folha não está aí...por isso todas as empresas precisam resolver demissões de pessoal de terra & redução salarial de tripulantes, já que pretendem manter 100% com uma operação 50% menor, sabe-se por quanto tempo.                                                            

 

Link to post
Share on other sites
52 minutes ago, TheJoker said:

Quanto ao fôlego, a LTM tinha em 31/03/20,

Compromissos de curto prazo (12  meses)      $6.3bi

Caixa&equiv+recebíveis -estoques -cred imp   $2.6bi

DIP  3 tranches                                                       $2.5bi      5.1bi  ainda falta 1.2 bi, deve ser resolvido com devoluções e redução de leasings?    E se a pandemia durar + que 1 ano?  tem a dívida de longo que também vai precisar de reperfilamento.

 

E isso é pra resolver dívida, operação/folha não está aí...por isso todas as empresas precisam resolver demissões de pessoal de terra & redução salarial de tripulantes, já que pretendem manter 100% com uma operação 50% menor, sabe-se por quanto tempo.                                                            

 

A Latam não pretende nada a Latam quer demitir. 

Link to post
Share on other sites
27 minutes ago, CabinCrew said:

A Latam não pretende nada a Latam quer demitir. 

 

 

1 hour ago, TheJoker said:

...por isso todas as empresas precisam resolver demissões de pessoal de terra & redução salarial de tripulantes, já que pretendem manter 100% com uma operação 50% menor, sabe-se por quanto tempo

Ela quer demitir todos, pessoal de terra e tripulantes. Reduzir os salários dos tripulantes que ficarem e demitir o restante

Link to post
Share on other sites

Quero estar errado, mas acho que há pouco interesse em manter qualquer relação com o que fora Latam Brasil.

Imagino que, inicialmente, cortem  o máximo possível. Rodem a aviação com o mínimo necessário.

Me arrisco a dizer que para a Lan-Delta fosse até mais interessante "deixar morrer" e relançar uma cia mais enxuta, com padrões salariais azulados. 

 

 

Link to post
Share on other sites
33 minutes ago, Antonio (CENI) said:

Quero estar errado, mas acho que há pouco interesse em manter qualquer relação com o que fora Latam Brasil.

Imagino que, inicialmente, cortem  o máximo possível. Rodem a aviação com o mínimo necessário.

Me arrisco a dizer que para a Lan-Delta fosse até mais interessante "deixar morrer" e relançar uma cia mais enxuta, com padrões salariais azulados. 

 

 

Nem fala isso.. salário azulado é melhor largar a aviação... 

Link to post
Share on other sites
9 minutes ago, NEsses said:

Nem fala isso.. salário azulado é melhor largar a aviação... 

Que pena ler isso. Triste ver que você condena nós Variguianos, mas se expressa como um filho de papai.

Para quem tem família para sustentar, qualquer salario ajuda.

 Fui pro Japão em 2006 e depois China, mas teria ficado no Brasil por salário azulado.

 

 

Link to post
Share on other sites
23 minutes ago, EXPAT ASIA said:

Que pena ler isso. Triste ver que você condena nós Variguianos, mas se expressa como um filho de papai.

Para quem tem família para sustentar, qualquer salario ajuda.

 Fui pro Japão em 2006 e depois China, mas teria ficado no Brasil por salário azulado.

 

 

Pois é.. qq salário ajuda. Mas se fosse um salário bom ajudaria mais ainda... mas conseguiram estragar isso. 

Link to post
Share on other sites

Muito triste a situação da LATAM BR.
Vcs achariam provável uma possível venda da unidade brasileira (TAM S/A)? Ou não faria sentido para a matriz? ja q a unidade brasileira é a maior das filiais

Link to post
Share on other sites
4 minutes ago, Drummer_IM said:

Muito triste a situação da LATAM BR.
Vcs achariam provável uma possível venda da unidade brasileira (TAM S/A)? Ou não faria sentido para a matriz? ja q a unidade brasileira é a maior das filiais

Não faria sentido pra matriz. Não faz sentido nenhum uma empresa latino americana com um gap do tamanho de um continente, no maior país da região sem atendimento. 

Da mesma forma que acho que não é intenção largar a filial brasileira como alguns cogitam. Lembrando que da deu lucro no começo desse ano. 
 

Acho que eles estão é querendo forçar uma redução salarial (deixar a empresa mais competitiva) na base do medo e da coação. E parece que o TST comprou a ideia.  

  • Like 1
Link to post
Share on other sites
40 minutes ago, A350XWB said:

Acho que eles estão é querendo forçar uma redução salarial (deixar a empresa mais competitiva) na base do medo e da coação. E parece que o TST comprou a ideia.  

A merd@ do governo é que vai ajudar a JJ. Se essa portaria vingar, ela vai poder demitir todo mundo e recontratar só quem precisa, com o salário que ela quiser

https://www.cnnbrasil.com.br/business/2020/07/08/governo-quer-permitir-que-empresas-recontratem-com-salario-menor-apos-pandemia

Link to post
Share on other sites
52 minutes ago, MRN said:

A merd@ do governo é que vai ajudar a JJ. Se essa portaria vingar, ela vai poder demitir todo mundo e recontratar só quem precisa, com o salário que ela quiser

https://www.cnnbrasil.com.br/business/2020/07/08/governo-quer-permitir-que-empresas-recontratem-com-salario-menor-apos-pandemia

Só se demitir todos de uma vez e parar as operações por 4 ou 5 meses.... e depois contratar todo mundo, dando aula e simulador. Inviável 

Link to post
Share on other sites
  • A345_Leadership changed the title to LATAM Brasil adere ao Chapter 11

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.




×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade