Jump to content

Fotos inéditas de 2014 mostram destroços do avião do acidente que matou Eduardo Campos


alferreira

Recommended Posts

Infelizmente o site do Jornal não permite copiar-colar o texto.

Mas não há nenhuma imagem de corpos ou partes deles: são imagens feitas em um hangar da Base Aérea de Santos, somente com

peças da aeronave.

 

Textos, fotos, artes e vídeos de A Tribuna estão protegidos por lei. O objetivo é resguardar o investimento do Grupo Tribuna na qualidade constante de seu jornalismo. Para compartilhar esse material, utilize o link: https://www.atribuna.com.br/cidades/fotos-inéditas-de-2014-mostram-destroços-do-avião-de-acidente-que-matou-eduardo-campos-1.114792)

https://www.atribuna.com.br/cidades/fotos-inéditas-de-2014-mostram-destroços-do-avião-de-acidente-que-matou-eduardo-campos-1.114792

Link to comment
Share on other sites

Minha mãe morava, à época, no nº 52 da Vahia de Abreu. O quarto dela - do outro lado desta imagem, esta é da sala, ficava a 10 metros do exato local da queda (o terreno faz divisa com o prédio). Essa foto foi 24 horas depois do acidente, quando me foi permitida a entrada no imóvel para buscar remédios da minha mãe. O prédio é de apenas térreo + 1 andar. O buraco à frente da janela foram peças que passaram por cima do apartamento de minha mãe, vindo a cair por cima de ma garagem. 

spacer.png

No chão da sala estava uma das máscaras de emergência: não toquei em nada, apenas informei ao pessoal da FAB que estava no local.

Outras partes, no térreo (eram muitos fragmentos, mas todos pequenos):

spacer.png

Não sei onde armazenei as outras imagens, mas não foram muitas porque fui advertido que não poderia fotografar/filmar (mesmo dentro de "minha" casa). Mas nenhuma de corpos ou partes (vi o recolhimento por parte do que pareciam ser legistas, mas sequer me aproximei).

 

Até hoje está rolando processo na justiça (minha mãe é uma das requerentes): apesar do seguro ter pago os consertos (poucos, incrivelmente), há uma ação por danos psicológicos (ou algo assim).

 

 

Link to comment
Share on other sites

18 hours ago, alferreira said:

 

Tamanha foi a violência do impacto que é impressionante como ainda sobrou partes identificáveis da aeronave, como o trem de pouso.

Apesar da limitação de dados para uma apuração mais precisa da sequência de eventos, não dá para imaginar que muitos ainda insistem na alegação de uma ação intencional para eliminar um candidato na eleição presidencial daquele ano. O mesmo se aplica ao acidente com o ministro do STF, tempos depois.

Link to comment
Share on other sites

2 hours ago, Jet Age said:

Apesar da limitação de dados para uma apuração mais precisa da sequência de eventos, não dá para imaginar que muitos ainda insistem na alegação de uma ação intencional para eliminar um candidato na eleição presidencial daquele ano. O mesmo se aplica ao acidente com o ministro do STF, tempos depois.

O Camacho é um dos que defendem isso, inclusive falou numa live que o referido candidato "seria o próximo Presidente do Brasil". Cita até o provável momento em que o avião foi sabotado, que foi durante o pernoite no Santos Dumont... Eu particularmente não acredito

Link to comment
Share on other sites

40 minutes ago, MRN said:

O Camacho é um dos que defendem isso, inclusive falou numa live que o referido candidato "seria o próximo Presidente do Brasil". Cita até o provável momento em que o avião foi sabotado, que foi durante o pernoite no Santos Dumont... Eu particularmente não acredito

Não em relação a este caso, porque não li ou ouvi a posição dele, mas em outros eventos que ele opinou, discordo veementemente do ponto de vista que foi apresentado. Questão de perspectiva e não tenho a intenção de polemizar.

Lendo o relatório deste acidente, da forma como foi executada a aproximação, a possibilidade de um desfecho como aquele era perfeitamente viável. O procedimento em vigor em Santos naquela época exigia uma operação de uma aeronave a jato (principalmente por causa da velocidade) na 'ponta dos dedos'. Era by the book, sem margem para desvios, 'shortcuts' ou operar no modo 'sabonete molhado'.

Muitas razões podem ter contribuído, principalmente no aspecto dos fatores humanos, envolvendo carga de trabalho, descanso da tripulação, aplicação de conceitos de coordenação de cabine e CRM, entre outras possibilidades, mas prefiro balizar minhas opiniões no relatório final do Cenipa. Especular motivos obscuros é no mínimo muito subjetivo. Aproveitando, o candidato jamais seria o presidente do Brasil naquela eleição. 

Abraço.

Link to comment
Share on other sites

15 minutes ago, Jet Age said:

O procedimento em vigor em Santos naquela época exigia uma operação de uma aeronave a jato (principalmente por causa da velocidade) na 'ponta dos dedos'. Era by the book, sem margem para desvios, 'shortcuts' ou operar no modo 'sabonete molhado'.

13/08/2014 SBST 131300Z METAR SBST 131300Z 23007KT 3000 RA BR BKN008 OVC032 19/18 Q1022 RERA=

Esse era o METAR no horário do acidente. Com o tempo "menos ruim" já não operávamos de Legacy lá justamente por tudo isso que você falou

Link to comment
Share on other sites

9 minutes ago, MRN said:

13/08/2014 SBST 131300Z METAR SBST 131300Z 23007KT 3000 RA BR BKN008 OVC032 19/18 Q1022 RERA=

Esse era o METAR no horário do acidente. Com o tempo "menos ruim" já não operávamos de Legacy lá justamente por tudo isso que você falou

Pois é, MRN. Não havia CVR/FDR em funcionamento, e foi projetada a trajetória da aeronave tomando como base a informação radar. Pelo que notei, entraram 'enviezados' com a aproximação final, de um procedimento de não-precisão, no estilo 'Dive-and-Drive', vindo com uma curva pela direita. 

Não operei de jato por lá, mas sei por experiência própria que é uma localidade 'apertada' e o procedimento de descida não poderia ser diferente. Não tenho subsídios para julgar as razões da decisão da tripulação para ter efetuado o procedimento daquela forma, mas não consigo imaginar onde se encaixaria uma sabotagem (como salientam) em todo esse contexto. Seria muita coincidência alguém contar com uma arremetida para concretizar um plano mirabolante. 

Link to comment
Share on other sites

O Camacho é difícil de engolir faz tempo. Fala muita groselha. 

A gota d'água em relação às groselhas foi quando o referido, em um episódio daqueles programas de desastres aéreos da Discovery, condenou de maneira grosseira a tripulação técnica do PT-MRK (acidentado em 10/1996). 

Nem dá pra levar a sério. 

Link to comment
Share on other sites

55 minutes ago, B737-8HX said:

O Camacho é difícil de engolir faz tempo. Fala muita groselha. 

A gota d'água em relação às groselhas foi quando o referido, em um episódio daqueles programas de desastres aéreos da Discovery, condenou de maneira grosseira a tripulação técnica do PT-MRK (acidentado em 10/1996). 

Nem dá pra levar a sério. 

Observo algumas vezes nessas 'lives' algumas opiniões meramente pessoais, como se fossem fatos. 

Parabenizo o esforço dessa turma que produz esses vídeos, ainda mais sobre temas espinhosos. Mas talvez por ser uma apresentação ao vivo, a língua às vezes é mais rápida do que o cérebro. Pode ser que não sejam ações intencionais, mas nessas horas é preciso usar de muita cautela.

A respeito do MRK, você me lembrou de um episódio naqueles dias de extrema comoção, quando um piloto explicou como o avião deveria ter sido voado com o reverso aberto. Porém, além de um certo grau de soberba, as peripécias foram demonstradas num 737-300. Quase igual, mas bem diferente... 'groselhão' em estado bruto. 

Link to comment
Share on other sites

4 hours ago, B737-8HX said:

O Camacho é difícil de engolir faz tempo. Fala muita groselha. 

[...]

Nem dá pra levar a sério. 

O que safa o Camacho é aquele episódio em que ele deixa o Dapena falando sozinho, ao vivo, e para todo o Brasil ver.
 

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade