Jump to content

Cessna faz história ao decolar e pousar um Caravan sem piloto a bordo


jambock

Recommended Posts

Meus prezados

Cessna faz história ao decolar e pousar um Caravan sem piloto a bordo

Cessna-208-Caravan-em-voo.jpg

 

Por Jeremiah Kahn

Em setembro de 2019, um Cessna 172 – um avião monomotor de quatro lugares que está entre os modelos de aeronave mais comuns existentes – taxiou para uma pista de um aeroporto ao sul de San Jose, decolou sozinho e voou por 15 minutos , e depois pousou no mesmo aeroporto, tudo sem uma única pessoa a bordo. O marco da aviação – que se acredita ser o primeiro vôo civil não tripulado completo sobre uma área povoada – foi revelado em um vídeo divulgado hoje pela Reliable Robotics, uma startup de Mountain View, Califórnia, fundada por dois ex-funcionários da SpaceX e da Tesla que surgiu de três anos de operação “furtiva”.

spacer.png

a o qual a Federal Aviation Administration liberou a empresa em dezembro de 2018, veio vários meses após o voo de agosto de 2019 de um pequeno modelo Cessna não tripulado diferente, um Cessna 206 de 1968, conduzido pelo Laboratório de Pesquisa da Força Aérea dos EUA e a empresa Dzyne Technologies. Mas esse voo ocorreu no remoto campo de provas de Dugway, em Utah, não em uma área povoada. A Reliable Robotics também anunciou que agora instalou o mesmo software de vôo autônomo em um grande monomotor Cessna 208 Caravan, que é frequentemente usado para entregas de carga de curta distância e voos de passageiros e, em junho, pousou o avião de forma autônoma para o primeira vez.

https://youtu.be/6hpw_3abCAg

As revelações vêm uma semana depois que outra empresa de aviação autônoma com sede na Califórnia, a XWing, também saiu do modo furtivo e revelou que havia conduzido o primeiro vôo autônomo completo de um Cessna 208 Caravan, embora no caso do XWing, um piloto humano estivesse a bordo pronto para retomar o controle do avião em caso de emergência. A Reliable Robotics é ideia de Robert Rose, que já foi diretor de software de voo na empresa de foguetes de Elon Musk, a SpaceX, e mais tarde desenvolveu a tecnologia de piloto automático na Tesla de Musk, e Juerg Frefel, que projetou as plataformas de computação usadas para o veículo de lançamento Falcon 9 da SpaceX e Cápsula espacial Dragon.

Os dois fundaram a empresa em 2017 com a visão de tentar fazer com que os aviões voassem de forma autônoma o mais rápido possível. Um dos maiores impedimentos para os aviões que voam sozinho é a regulamentação, então os dois fundadores tentaram descobrir como poderiam convencer a FAA a aprovar voos não tripulados sem ter que modificar as regulamentações existentes. A conclusão deles foi que, enquanto a maioria das outras empresas de vôo autônomo estão buscando designs de aeronaves totalmente novos que muitas vezes se parecem com drones de consumo de grandes dimensões, com quatro ou mais rotores elétricos que permitem que a aeronave decole e pouse verticalmente e flutue no lugar, seria mais fácil obter a certificação FAA se eles simplesmente convertessem um avião existente testado e aprovado para o vôo robótico.

O Cessna 172 estreou em 1955 e o Cessna 208 foi certificado pela FAA em 1984. Eles têm registros de segurança e confiabilidade bem conhecidos. Dessa forma, o órgão governamental teria que certificar apenas o software e os planos de segurança da empresa, não a estrutura e os motores.

Rose, que é o CEO da Reliable, diz que o plano de negócios da empresa é equipar uma frota de Cessna 208 Caravans com seus sistemas de vôo autônomo e usá-los para entregas de frete aéreo. Ele prevê que a empresa poderá iniciar as entregas comerciais autônomas de cargas nos EUA em dois anos. Rose diz que o objetivo final da empresa é transportar passageiros de forma autônoma também, mas obter a aprovação da FAA para fazer isso levará mais tempo, e provavelmente exigirá a criação de regras adicionais pela agência. Este plano acompanha de perto o do rival da Reliable Robotic, a XWing, que também planeja uma frota de Cessna 208 Caravan autônoma para transportar cargas como um trampolim para voos de passageiros. A empresa, que comprou uma pequena empresa de frete aéreo do Texas para adquirir uma licença de carga aérea da FAA, diz que planeja iniciar voos de entrega de carga real “dentro de meses” para aprimorar ainda mais seus sistemas, embora esses voos também transportem pilotos humanos para segurança.

A XWing levantou cerca de US $ 14 milhões em capital de risco até o momento. A Reliable Robotics arrecadou mais do que o dobro, $ 33,5 milhões, incluindo uma rodada de $ 25 milhões da Série B em março de 2019 liderada pela Eclipse Ventures, que também foi anunciada publicamente na quarta-feira. A Reliable Robotics emprega cerca de 35 pessoas. Até agora, a Reliable teve que ter um observador em solo observando diretamente o vôo de seu avião por causa das regras da FAA que estipulam que os drones civis devem ser pilotados dentro da linha de visão direta de um operador humano. Mas Rose acredita que essa barreira regulatória também pode ser superada para permitir que aeronaves autônomas voem distâncias muito maiores.

spacer.png

“Acredito que tudo pode ser feito dentro dos regulamentos existentes”, diz ele. Rose diz que quando a empresa iniciar voos cargueiros autônomos, sua aeronave terá um piloto humano monitorando-os de uma estação de controle de solo e conversando com o controle de tráfego aéreo. Este piloto usará o software da Reliable para emitir comandos de alto nível para a aeronave, como apertar um botão que diz para completar uma sequência de decolagem, por exemplo, ao invés de manipular diretamente os controles do avião à distância, como é o caso da maioria dos drones hoje. Ele diz que isso permitirá que um único piloto realize muito mais voos de carga por dia do que é possível atualmente, reduzindo significativamente os custos para as transportadoras aéreas. “Hoje, com o conceito de operações e os padrões em que voam a aeronave, o piloto é bastante subutilizado”, afirma.

O capitalista de risco bilionário Peter Thiel, que é famoso por derrubar o nível de ambição no Vale do Silício, com a frase: “Eles nos prometeram carros voadores. Em vez disso, temos 140 caracteres.” Mas nos últimos cinco anos, muitas empresas tentaram construir carros voadores. Eles incluem startups como Kitty Hawk, que é apoiado pelo fundador do Google, Larry Page, bem como o Skyrise, e duas startups alemãs, Lilium e Volocopter, que atraíram muito financiamento de risco, sem mencionar o Uber, bem como gigantes da indústria de aviação como Airbus, Boeing e Sikorsky. Mas a maioria dessas empresas está trabalhando em projetos de aeronaves totalmente novos, muitas vezes exóticos. E embora a maioria dessas empresas diga que eventualmente espera criar veículos que possam voar sozinhas, sem um piloto humano, elas estão começando com um humano na cabine para ajudar a minimizar os riscos envolvidos no desenvolvimento de novas aeronaves experimentais e na obtenção da aprovação do governo para transportar passageiros.

Outro grupo de empresas está trabalhando em drones autônomos para resolver a entrega de pacotes na “última milha”. Isso inclui startups como a Zipline, que usou drones para entregar suprimentos médicos a locais remotos na África, bem como gigantes como a Amazon, que construiu drones de entrega que podem transportar cargas de até cinco libras até 15 milhas, bem como empresas de entrega rivais, como UPS e FedEx. Há ainda outro subconjunto de empresas, como a startup Elroy Air de São Francisco, que está projetando novos drones de decolagem e aterrissagem verticais maciços que podem levantar cargas muito mais pesadas e levá-las muito mais longe. Em muitos aspectos, o que a Reliable Robotics e a XWing propõem fazer com o vôo não tripulado é menos revolucionário. Mas, como resultado, ele pode ter uma chance melhor de se tornar realidade no curto prazo.

Fonte: Fortune via blog Defesa Aérea & Naval 27 ago 2020

Tradução e adaptação: Luiz Padilha - DAN

 

Link to comment
Share on other sites

Até pegarem uma situação realmente "cavernosa" de clima, falhas, um bird strike, uma pista escorregadia não prevista, FOD, perda de motor (es) a baixa altitude, carga que se solta, pane elétrica, enfim...
Acredito que sim, vai chegar. Mas não vai ser tão a curto prazo principalmente no transporte de pax.
E um único acidente com vítimas fatais seja no solo ou a bordo bota em cheque e tem a opinião pública....
Para eu tanto faz, só quero entortar o manche de algum PA28 de vez em quando para matar as saudades :dente:

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade