Jump to content

Sem voos, Associação Internacional de Transporte Aéreo alerta para a “venezuelização” da Argentina


Recommended Posts

“Nos preocupa que a Argentina vire outra Venezuela”, diz IATA

Por
 Carlos Martins
-
 4 de setembro de 2020
 
 
 
 

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

 

A340-200-Aerolineas-Argentinas-Curimedia Foto – Curimedia

 

 

A Associação Internacional do Transporte Aéreo (IATA), está preocupada com a situação da Argentina, e emitiu um comentário em que receia que ela possa se transformar numa Venezuela.

Faltam poucos dias para que se completem seis meses de paralização total dos voos no país, tantos domésticos como internacionais. As únicas exceções foram as operações de carga e alguns poucos voos de repatriação. Segundo Peter Cerda, Vice-Presidente para as Américas da IATA, a Argentina “é o maior mercado da região onde a aviação segue suspensa”. O executivo critica a não-previsão da volta dos voos, conforme reporta o periódico La Nación.

Inicialmente, os voos voltariam em setembro, mas o prazo foi empurrado para outubro e na última previsão, não-confirmada, a volta será em novembro, ou na pior situação, só voltam quando a vacina contra o coronavírus sair.

“A indústria não pode aceitar mais postergações de datas de reabertura. Necessita que fique claro, o quanto antes, quando poderão voltar os voos, especialmente porque está se seguindo com rigor todos os protocolos de biossegurança”, pontua o executivo.

Nestes últimos meses, a companhia Norwegian foi vendida para a concorrente JetSmart para não fechar as portas (antes da pandemia), e a LATAM Argentina encerrou de maneira permanente as operações.

“Do ponto de vista da indústria, nos preocupa que o país se converta em outra Venezuela, que anos atrás era um dos mercados-chave da aviação no continente e agora tem uma conectividade internacional muito limitada”, afirma Peter.

Sob o comando de Nicolás Maduro, a Venezuela conta com limitadas opções de voos diretos até para diversos países “vizinhos”, como o Brasil e a própria Argentina. Além da falta de demanda, as companhias aéreas estrangeiras não conseguiram repatriar o dinheiro das vendas no país e o deixaram.

Peter também destaca que a Argentina já estava em crise antes da quarentena: “O país já estava passando por uma crise econômica antes da Covid-19. Várias companhias aéreas internacionais já tomaram a decisão de não voltar, mesmo depois que terminem as restrições, isto mostra a falta de confiança no mercado”, conclui o executivo.

Por fim, Peter lembra que o governo argentino não ofereceu ainda um pacote de ajuda ao setor, ao contrário dos países vizinhos. A situação se agrava ainda mais pela lei que proíbe demissões sem justa causa, em qualquer empresa da Argentina, mesmo sem caixa ou voos.

 

https://www.aeroin.net/nos-preocupa-argentina-vire-outra-venezuela-diz-iata/

 

Triste e melancólico fim do nosso país irmão...

Link to post
Share on other sites

Gente do céu,como deu treta nos comentários do Aeroin por conta dessa palavra ''Venezuelização da Argentina'', esquerdistas e bolsonarista quebraram o pau nos comentários sobrou xingamento até pro Aeroin kkkkk

A conversa era sobre o IATA na decada de 70 ditas os preços e regras tarifárias para  cias do mundo todo,aí o Aro** falou que a IATA não pitava nada nesse assunto que quem regulava preços nessa época era o governo e na época era mesmo, enfim pensem na confusão!!!

  • Haha 3
Link to post
Share on other sites

Vamos por parte.

A IATA representa as empresas aéreas. Empresas aéreas têm que voar para ter dinheiro e pagar a IATA, como o serviço Clearing House.

De fato o órgão citou a Venezuela, mas lá tem um motivo mais forte ainda, a restrição de dólares para as companhias aéreas, um montante que chega fácil nos U$$ 3-5 bilhões.

Na Argentina os voos serão cancelados não por causa do lockdown, mas pela queda do mercado global devido à COVID-19. EK ia cancelar com lockdown argentino ou não.

Se a Argentina está fazendo certo? Não sei dizer. Igual a Venezuela? Comparação descabível. Fosse assim Colômbia, Peru, Equador, Polônia e Panamá "venezuelariam" também.

 

  • Like 7
Link to post
Share on other sites

A IATA misturou uma coisa com outra. A Venezuela perdeu conectividade por uma razão e a Argentina está perdendo por outra. A forma tendenciosa como foi colocado da impressão de ser algo puramente político, fosse assim, tem um pais aí cujo o presidente adora dar rompantes autoritários e que parece continuar em campanha eleitoral que está muito mais avançado no processo de venezuelização.

  • Like 3
  • Thanks 6
  • Haha 5
Link to post
Share on other sites
  • 3 weeks later...

IATA condena taxa de 35% sobre passagens aéreas internacionais da Argentina

 
 
24 DE SETEMBRO DE 2020

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) instou o governo argentino a reconsiderar com urgência o imposto adicional de 35% que incide sobre as passagens aéreas internacionais vendidas no país com efeito imediato.

Avião Airbus A330-200 Aerolíneas Argentinas
Airbus A330-200 da Aerolíneas Argentinas – Imagem: Venkat Mangudi / CC BY
 

“Esta decisão não poderia ter vindo em pior hora”, disse Maria José Taveira, Gerente de Área Argentina, Paraguai e Uruguai da IATA.

Devido à pandemia de COVID-19, a aviação na Argentina ficou paralisada por seis meses e agora que os serviços provavelmente serão retomados a partir de outubro. Taveira alerta que a imposição de mais impostos governamentais será contraproducente para reavivar a demanda e irá prejudicar as companhias aéreas na contribuição para a recuperação socioeconômica do país e de sua gente.

Segundo a IATA, a Argentina já impõe impostos substanciais sobre as passagens aéreas internacionais vendidas no país:

Table-20092401.jpg?w=696&ssl=1
 

A suspensão da aviação por mais de seis meses no país já levou ao fechamento de uma companhia aérea nacional e de três internacionais que anunciaram que não voltarão ao mercado depois que os voos forem retomados.

Isso terá um impacto significativo na conectividade aérea do país e a imposição do novo imposto diminuirá ainda mais a atratividade para companhias aéreas e turistas. A IATA prevê que a demanda no mercado argentino em 2020 cairá pelo menos 67% em relação a 2019.

Com isso, as receitas geradas pelo mercado às companhias aéreas cairão US$ 3,26 bilhões, colocando em risco 19.820 empregos diretos e diminuindo a contribuição da aviação ao PIB do país em US$ 1,63 bilhão.

A IATA declara que se opõe veementemente a qualquer forma de imposto ou taxa em que a receita resultante não seja reinvestida na indústria da aviação e tenha como objetivo meramente aumentar as receitas do governo geral.

Segundo a Associação, a imposição do novo imposto contradiz diretamente as políticas tributárias aceitas publicadas pela Organização da Aviação Civil Internacional (ICAO), agência especializada das Nações Unidas.

 

A este respeito, a Argentina, como nação signatária da Convenção sobre Aviação Civil Internacional (Convenção de Chicago) e Estado Contratante da ICAO, é obrigada a cumprir o seguinte:

  • Artigo 15 da Convenção de Chicago: “Nenhuma taxa, quota ou outro encargo será cobrado por qualquer Estado signatário em relação exclusivamente ao direito de trânsito, entrada ou saída de seu território de uma aeronave de um Estado signatário, pessoas ou bens”.
  • Políticas de Tributação no Domínio do Transporte Aéreo Internacional contidas no Documento 86321 da ICAO: “cada Estado signatário deve reduzir ao máximo possível e fazer planos para eliminar (…) todas as formas de tributação sobre a venda ou uso de transporte aéreo internacional, incluindo os impostos sobre as receitas brutas dos operadores e os impostos cobrados diretamente sobre os passageiros ou expedidores”.

A IATA enviou oficialmente uma carta ao Governo argentino, apresentando as críticas e argumentos acima descritos. Você pode ler a carta na íntegra clicando aqui.

Informações oficiais da IATA

https://www.aeroin.net/iata-condena-taxa-35-passagens-aereas-argentina/

Edited by diasfly
  • Haha 1
Link to post
Share on other sites
  • 2 weeks later...
  • 3 weeks later...

absolutamente improcedente essa notícia, o naipe do site já devia deixar claro que não é coisa que se compartilhe.

argentina está encostando no Brasil em numero de casos por milhão de habs.

 

 

Tabela classificada por Casos a cada um milhão de pessoas em ordem decrescente
Local
 
 
Total de casos
 
Novos casos (1 dia*)
Novos casos (últimos 60 dias)
Casos a cada um milhão de pessoas
 
Mortes
language_googblue_24dp.png
Global
42.738.662 445.419 Gráfico de tendências de 60 dias 5.496 1.151.056
andorra_icon_square.png
Andorra
4.038 0 Gráfico de tendências de 60 dias 52.074 69
bahrain_icon_square.png
Bahrein
79.975 401 Gráfico de tendências de 60 dias 51.821 312
qatar_icon_square.png
Catar
130.965 254 Gráfico de tendências de 60 dias 47.671 229
aruba_icon_square.png
Aruba
4.410 9 Gráfico de tendências de 60 dias 39.267 36
french_guiana_icon_square.png
Guiana Francesa
10.376 25 Gráfico de tendências de 60 dias 36.385 69
israel_icon_square.png
Israel
309.413 573 Gráfico de tendências de 60 dias 33.705 2.372
maldives_icon_square.png
Maldivas
11.421 30 Gráfico de tendências de 60 dias 30.474 37
panama_icon_square.png
Panamá
128.515 649 Gráfico de tendências de 60 dias 30.462 2.628
peru_icon_square.png
Peru
883.116 3.240 Gráfico de tendências de 60 dias 27.485 34.033
kuwait_icon_square.png
Kuwait
120.927 695 Gráfico de tendências de 60 dias 27.358 744
montenegro_icon_square.png
Montenegro
16.629 193 Gráfico de tendências de 60 dias 26.719 263
moldova_icon_square.png
Moldávia
71.089 833 Gráfico de tendências de 60 dias 26.509 1.669
belgium_icon_square.png
Bélgica
305.409 17.709 Gráfico de tendências de 60 dias 26.501 10.737
united_states_icon_square.png
Estados Unidos
8.642.793 78.586 Gráfico de tendências de 60 dias 26.226 224.819
chile_icon_square.png
Chile
500.542 1.636 Gráfico de tendências de 60 dias 26.196 13.892
armenia_icon_square.png
Armênia
75.523 2.213 Gráfico de tendências de 60 dias 25.536 1.157
brazil_icon_square.png
Brasil
5.380.635 26.979 Gráfico de tendências de 60 dias 25.460 156.903
san_marino_icon_square.png
San Marino
819 0 Gráfico de tendências de 60 dias 24.394 42
argentina_icon_square.png
Argentina
1.081.336 11.968 Gráfico de tendências de 60 dias 24.062 28.613
  • Like 1
  • Thanks 2
Link to post
Share on other sites
1 hour ago, bellinihugo said:

absolutamente improcedente essa notícia, o naipe do site já devia deixar claro que não é coisa que se compartilhe.

argentina está encostando no Brasil em numero de casos por milhão de habs.

Justo, de fato não procede a informação sobre casos/1milhão de habitantes.

Ainda assim vejo minha crítica como pertinente, pois continuo não enxergando lógica nessa "ciência" que estão usando para decidir reabrir o fluxo de turistas em Buenos Aires com a curva de casos ainda subindo, conforme dá pra notar no gráfico que você forneceu. Com certeza não é a mesma "ciência" que decidiu fechar tudo quando o número de casos ainda era ínfimo.

Pra mim, em nenhum dos casos foi usada ciência epidemiológica. Ta mais pra ciência política, em ambos os casos. Apesar disso tudo, pelo menos é uma boa notícia para a aviação da Argentina.

  • Like 1
Link to post
Share on other sites
12 hours ago, bellinihugo said:

absolutamente improcedente essa notícia, o naipe do site já devia deixar claro que não é coisa que se compartilhe.

argentina está encostando no Brasil em numero de casos por milhão de habs.


 

A notícia está correta, bem como os seus dados. Muitas vezes, não é uma questão do que está escrito, mas de saber entender o que está escrito.

  • Like 2
Link to post
Share on other sites

27-Oct-2020 9:40 PM
EL PALOMAR O NADA
 

A raíz de la información que trascendió en los medios de comunicación, Flybondi tomó conocimiento de que el Organismo Regulador del Sistema Nacional de Aeropuertos (ORSNA) informó a la Administración Nacional de Aviación Civil (ANAC) que el Aeropuerto Internacional de Ezeiza es la única terminal aérea de AMBA que permanecerá operativa para vuelos regulares.  

Si bien la aerolínea aún no fue notificada oficialmente ni se conoce ningún detalle sobre el alcance de esta medida sobre el Aeropuerto Internacional El Palomar, se sobreentiende que la misma apuntaría a que no continúe operativo para ningún tipo de operaciones de transporte aéreo regular de pasajeros, provocando así el traslado de las operaciones de la compañía a Ezeiza.

Flybondi expresa su más absoluto rechazo a esta decisión, cuyos argumentos son íntegramente impugnables y maliciosos; pero lo que es más grave aún, es que deja al descubierto el desmanejo regulatorio y la ausencia total de planificación y coordinación, generando dos claros damnificados: los pasajeros y los trabajadores.  

Cabe recordar que el pasado 14 de octubre (hace tan solo 10 días), el Ministro de Transporte de la Nación, Mario Meoni, junto al Ministro de Turismo y Deporte, Matías Lammens, y acompañados por la Administradora Nacional de ANAC, Paola Tamburelli, confirmaron públicamente y en posteriores entrevistas en diversos medios de comunicación, que el Aeropuerto El Palomar continuaría operativo. 

Asimismo, el 6 de octubre (hace tan solo 18 días), los intentendentes Lucas Ghi, de Morón, Juan Zabaleta, de Hurlingham, y Diego Valenzuela, de Tres de Febrero, fueron convocados por el Ministro Meoni a los fines de comunicarles su compromiso con la continuidad de los vuelos regulares en el Aeropuerto El Palomar, tomando como eje fundamental de valoración los miles de puestos de trabajo que la actividad del mismo genera y que serían puestos en riesgo si se avanzara con el cierre.   

"Volar desde Ezeiza no es una opción comercial para Flybondi ni tampoco para nuestros pasajeros, y las autoridades de gobierno y de los organismos reguladores conocen esta realidad. Su decisión demuestra el poco respeto hacia los pasajeros que adquirieron tickets para volar desde El Palomar y que hasta último momento no saben desde donde saldrá su vuelo, sumado a los miles de pasajeros que sólo pueden viajar en avión si lo hacen desde un aeropuerto al que pueden llegar en transporte público. También nos llama mucho la atención que en este contexto de complejidad económica y profunda crisis de la industria, se pongan en riesgo miles de puestos de trabajo", declaró Esteban Tossutti, Presidente de la compañía. 

"Vamos a solicitarle a las autoridades la revisión de esta medida y realmente esperamos que puedan tomar decisiones idóneas, que pongan en el centro a los pasajeros, a los empleados y al trabajo genuino. Además, en el caso en que sea un aspecto valorado por quienes definieron esto, sería importante que sus decisiones no busquen afectar la continuidad de un modelo de negocio que en poco más de dos años ha logrado democratizar el avión como medio de transporte y transformarlo en una opción accesible para todas las personas de este país", agregó el ejecutivo.

El Aeropuerto Internacional El Palomar (EPA) es el primer aeropuerto low cost de Argentina y único de América Latina. Genera empleo a más de 1.000 personas de manera directa, de los cuáles el 80% son personas que viven en la zona. 

Desde el inicio de su operación comercial en febrero del 2018, pasaron por EPA más de 2.890.000 pasajeros, de los cuáles el 20% son personas que viajaron en avión por primera vez en su vida. En casi tres años, El Palomar ya es el 4to. aeropuerto de Argentina con mayor cantidad de pasajeros de cabotaje y el 6to. con pasajeros totales. A su vez, fue el aeropuerto de Argentina que mayor crecimiento tuvo entre 2019 y 2020. 

This press release was sourced from Flybondi on 24-Oct-2020.

https://centreforaviation.com/members/direct-news/el-palomar-o-nada-542166

Link to post
Share on other sites

AEROLINEAS ARGENTINAS PROGRAMÓ MÁS DE 650 VUELOS PARA NOVIEMBRE


30 de octubre de 2020 – Aerolíneas Argentinas anunció su oferta de vuelos para noviembre con más de 650 operaciones. Esto significa, respecto al mes anterior un incremento en la cantidad de vuelos del 712%.
En cuanto a la oferta de vuelos domésticos, la compañía ha programado un total de 571 vuelos a 22 provincias y 30 destinos, muchos de los cuales no se operaban desde el comienzo de las restricciones.
Entre los destinos con mayor cantidad de frecuencias mensuales desde y hacia Ezeiza se encuentran Córdoba (68), Mendoza (54), Neuquén (36), Bariloche (36), Salta (31), Mar del Plata (25), Comodoro Rivadavia (25), Bahía Blanca (23),Trelew (17), Santiago del Estero (17) y San Juan (14).
Otra buena noticia es que la compañía retomará de forma progresiva su operación de intertramos y corredores federales. En noviembre comenzarán a operar Córdoba-Neuquén, Córdoba-Mendoza, Comodoro Rivadavia-Neuquén y Mendoza-Neuquén.
En la red regional, habrá vuelos mensuales a Rio de Janeiro (6), San Pablo (24), Santiago de Chile (17), Asunción (8), Montevideo (5) y Santa Cruz de la Sierra (4).
En tanto, que para la red internacional habrá 6 vuelos mensuales a Madrid y 13 a Miami.
“De forma progresiva iremos recuperando frecuencias y aportando a la conectividad del territorio. Es una buena noticia. Lo necesita el país para ponerse de pie y lo necesita Aerolíneas” , expresó Pablo Ceriani.
Desde el 22 de octubre, Aerolíneas Argentinas ha retomado su operación de vuelos domésticos regulares realizando hasta la fecha 58 vuelos, además de las operaciones especiales a destinos como San Pablo, Madrid, Miami o Asunción, entre otras.
Por último, cabe recordar que la compañía opera sus vuelos bajo estrictos protocolos de bioseguridad en cada una de las instancias del viaje. Estos comprenden el uso obligatorio de barbijo o tapabocas, toma de temperatura previo al ingreso al hall de pasajeros así como también cumplir con la documentación necesaria y específica para cada uno de los destinos. La compañía denunciará penalmente e impedirá volar a aquellas personas que intenten evadir los controles mediante fraudes o comportamientos disruptivos que pongan en riesgo la salud del resto de los pasajeros y trabajadores.

 

Release oficial postado no https://www.sirchandler.com.ar/2020/10/aerolineas-argentinas-los-vuelos-de-cabotaje-de-noviembre/

Link to post
Share on other sites

650 voos para o mês inteiro... Tem cia brasileira voando quase esse mesmo número de voos por dia em novembro..
Ainda falta muito pra abrasileirar, mas pelo menos estão começando a reabrir.

Link to post
Share on other sites
12 hours ago, diasfly said:

650 voos para o mês inteiro... Tem cia brasileira voando quase esse mesmo número de voos por dia em novembro..
Ainda falta muito pra abrasileirar, mas pelo menos estão começando a reabrir.

Liberaram voos domésticos e internacionais, foi nesse sentido.

ANAC decolagens domésticas https://www.anac.gov.br/assuntos/dados-e-estatisticas/mercado-de-transporte-aereo/consulta-interativa/demanda-e-oferta-origem-destino   

abr20    AD 1.912  = 64 dia       G3   1.164  =  39           JJ    1.051   =  35        Total  138 dia          AR 571 / 30 = 19 dia

mai             2.722      88                     1.367      44                 1.127        36                  168

jun              3.854     128                    2.607      87                 1.850        62                  277

jul               5.715     184                    5.420      175               3.406        110                469

ago             8.146    263                    5.799      187                5.348        173               623

set              9.265    309                     8.108      270                7.129        238               817

Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade