Jump to content

Itapemirim Linhas Aéreas - Atualizações


B737-8EH
 Share

Recommended Posts

On 19/01/2022 at 08:59, José Geraldo said:

PS-SFC indo embora neste momento.

 

https://www.flightradar24.com/PSSFC/2a8ac9f0

 

Duvida boba: quando essas aeronaves são devolvidas ao lessor ou vão para o deserto, qual a tripulação que realiza o voo?

Link to comment
Share on other sites

31 minutes ago, Ariomester said:

 

Duvida boba: quando essas aeronaves são devolvidas ao lessor ou vão para o deserto, qual a tripulação que realiza o voo?

No caso da ITA, a tripulação dos traslados foi contratada pelo lessor. Acho que são estrangeiros.

Link to comment
Share on other sites

52 minutes ago, Ariomester said:

 

Duvida boba: quando essas aeronaves são devolvidas ao lessor ou vão para o deserto, qual a tripulação que realiza o voo?

Existem empresas especializadas em fornecer pilotos para esses traslados.

  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

Inclusive tem um piloto (gringo) ai que é bem ativo nas redes socais que tem uma empresa dessa

ele mesmo tem licença para pilotar dezenas de aviões diferentes 

  • Like 2
Link to comment
Share on other sites

14 hours ago, FCRO said:

Inclusive tem um piloto (gringo) ai que é bem ativo nas redes socais que tem uma empresa dessa

ele mesmo tem licença para pilotar dezenas de aviões diferentes 

Sim...e foi o responsável por trazer o PS-TLA da Total para cá....

Ele conta como o negócio dele começou neste vídeo. Vale a pena assistir.

 

 

  • Like 4
Link to comment
Share on other sites

ITA Transportes Aéreos poderá voltar com novos sócios
 

Estão avançadas as conversas para a venda da ITA Transportes Aéreos para dois fundos de private equity estrangeiros.

A coluna apurou que uma das condições impostas pelos investidores é a saída total do empresário Sidnei Piva de Jesus do negócio. Pelo acordo, os fundos assumiriam as dívidas da companhia aérea e implementariam um plano de negócios bem mais enxuto e realista do que o desenhado pelo dono do Grupo Itapemirim em número de destinos e aeronaves em operação.

Sidnei chegou a anunciar planos de operar 50 aviões já no segundo ano. Seu projeto de companhia aérea, contudo, não durou seis meses. A ITA parou de voar em 17 de dezembro deixando milhares de passageiros na mão e R$ 80 milhões em passagens vendidas para datas futuras.

Se o negócio for mesmo para frente, não se descarta inclusive mudar o nome da empresa.



https://blogs.oglobo.globo.com/capital/post/ita-transportes-aereos-podera-voltar-com-novos-socios.html?utm_source=globo.com&utm_medium=oglobo

Link to comment
Share on other sites

"não se descarta inclusive mudar o nome da empresa."

o mínimo de qualquer empresário sensato seria mudar de nome

 

Link to comment
Share on other sites

4 hours ago, rafaelzatti said:

ITA Transportes Aéreos poderá voltar com novos sócios
 

Estão avançadas as conversas para a venda da ITA Transportes Aéreos para dois fundos de private equity estrangeiros.

A coluna apurou que uma das condições impostas pelos investidores é a saída total do empresário Sidnei Piva de Jesus do negócio. Pelo acordo, os fundos assumiriam as dívidas da companhia aérea e implementariam um plano de negócios bem mais enxuto e realista do que o desenhado pelo dono do Grupo Itapemirim em número de destinos e aeronaves em operação.

Sidnei chegou a anunciar planos de operar 50 aviões já no segundo ano. Seu projeto de companhia aérea, contudo, não durou seis meses. A ITA parou de voar em 17 de dezembro deixando milhares de passageiros na mão e R$ 80 milhões em passagens vendidas para datas futuras.

Se o negócio for mesmo para frente, não se descarta inclusive mudar o nome da empresa.



https://blogs.oglobo.globo.com/capital/post/ita-transportes-aereos-podera-voltar-com-novos-socios.html?utm_source=globo.com&utm_medium=oglobo

Indigo Partners (Jetsmart) e Irelandia (Viva)?

  • Like 2
Link to comment
Share on other sites

1 hour ago, G-NIAL said:

Indigo Partners (Jetsmart) e Irelandia (Viva)?

Eu não duvido. É um excelente negócio pra ambas, é pegar, arrumar os aviões (que com certeza não devem ser os mesmos da "era Piva") mudar de nome, lançar site e voar. 

Perto do custo de começar do zero o processo da obtenção do COA, as dividas da ITA são uma mixaria.

Edited by Eric Breno
Link to comment
Share on other sites

Não faz o menor sentido alguém querer comprar a 8I, ainda + duas ULCC. Ninguém manisfestou interesse pela O6, que tinha uma imagem boa no mercado. 

Na fase pré-operacional, a Viação investiu +/- R$50 milhões, U$10 mi. As dívidas + indenizações a clientes/funcionários talvez passem de R$100-200 milhões. Melhor gastar US$10 do que 40, e ter que assumir todo esse passivo, custos com advogados, etc num modelo de negócio contrário ao seu, e sem poder usar a imagem da cia.

 

https://www.exmpartners.com.br/arquivos/itapemirimrma835outubrode2021.pdf  Isso é o mínimo de informação disponível, o "esqueleto" deve ser bem diferente.

Edited by TheJoker
  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

Cadê os árabes e os U$$ 500 milhões?

Dizem que a deskjet de Recife está até pronta para imprimir o contrato.

  • Haha 6
Link to comment
Share on other sites

4 hours ago, G-NIAL said:

Indigo Partners (Jetsmart) e Irelandia (Viva)?

Ouvi comentários vindos do Norte que a outra além da Indigo Partners seria a 777 Partners, que começou a diversificar seu portfólio recentemente e está buscando investir em aviação. São donos da LCC canadense Flair Airlines e da start-up LCC australiana Bonza. Por isso o pé no chão para começar com a ITA. 

 

Detalhe: A 777 Partners também quer comprar o Vasco (risos). :lol:

Edited by ErickCF
Link to comment
Share on other sites

17 hours ago, Roadster said:

Tem 3 no Hangar LATAM em GRU. Poderiam virar LATAM? 

Na verdade estão no pátio 9, quase em frente ao hangar da TAM. Já foram cumpridas as inspeções previstas para mandar embora, só falta ir…

  • Thanks 1
Link to comment
Share on other sites

15 hours ago, TheJoker said:

Na fase pré-operacional, a Viação investiu +/- R$50 milhões, U$10 mi. As dívidas + indenizações a clientes/funcionários talvez passem de R$100-200 milhões.

Chute certeiro.

Em seis meses de operação, ITA Transportes Aéreos acumulou dívida de R$ 180 milhões
Por Mariana Barbosa

02/02/2022 04:30

O empresário Sidnei Piva de Jesus está tentando vender a ITA Transportes Aéreos e com isso passar para a frente um passivo estimado em R$ 180 milhões contraído com aeroportos, empresas de leasing de avião, fornecedores, empresas de turismo, funcionários, passageiros e o próprio Grupo Itapemirim.

A empresa suspendeu as operações no dia 17 de dezembro, frustrando as férias de fim de ano de milhares de passageiros.

Segundo fontes ouvidas pela coluna CAPITAL, o empresário estaria negociando com dois fundos americanos de private equity, sendo que um deles já possui investimentos no setor de agronegócios no Brasil. No entanto, uma das condições impostas pelos dois fundos é a saída total de Sidnei da empresa.

Valor simbólico

Pela proposta que está na mesa de negociação, o fundo que levar, se levar, assumiria as dívidas da companhia aérea e pagaria um preço simbólico pelas ações de Sidnei.

O projeto prevê a implementação de um plano operacional bem mais enxuto e realista do que o desenhado pelo dono do Grupo Itapemirim em número de destinos e aeronaves em operação. Sidnei chegou a anunciar planos de operar 50 aviões já no segundo ano. Agora, o plano é manter seis aviões por pelo menos um ou dois anos.

A ITA ainda não rescindiu nenhum contrato de trabalho, mas está atrasando o pagamento dos funcionários. A dívida só com tripulantes é de R$ 7,5 milhões e corresponde a metade da folha de dezembro e metade do 13º.

A empresa também deixou um passivo de R$ 80 milhões em passagens vendidas para datas futuras. Mas esses R$ 80 milhões não chegaram a entrar no caixa da companhia e, segundo fontes do mercado, estariam sendo estornados para os clientes pelas operadoras de cartão.

Avião no deserto

A dívida contraída pela ITA em seis meses de operação supera a dívida não fiscal do Grupo Itapemirim no Brasil, de R$ 167 milhões. O grupo de transporte rodoviário deve ainda US$ 15 milhões (R$ 79 milhões) para detentores de papeis da companhia no exterior, e outros R$ 2,2 bilhões para o fisco.

Além do passivo, um eventual novo investidor da ITA levará um certificado operacional (COA) — que no momento está suspenso —, um time de tripulantes e contratos de leasing de 7 aviões. A empresa tem apenas um par de slots (autorizações em horários de pouso e decolagem) em Congonhas, sobre os quais tem direito de uso até março. Dos 7 aviões, dois estão estacionados no deserto do Arizona e outros três estão a caminho do estado de Arkansas. No entanto, os contratos ainda não foram encerrados.

Se o negócio for mesmo para frente, não se descarta inclusive mudar o nome da empresa, que ficou desgastado com o fim repentino da companhia.

Um eventual novo investidor vai encontrar ainda um ambiente bastante desafiador. Além das incertezas sanitárias por conta de variantes da Covid-19, a nova companhia vai concorrer com três empresas que devem sair da pandemia muito mais eficientes após negociarem contratos com diversos fornecedores.

https://blogs.oglobo.globo.com/capital/post/em-seis-meses-de-operacao-ita-transportes-aereos-acumulou-divida-de-r-180-milhoes.html

 

Link to comment
Share on other sites

Meus prezados

De cara e donos novos

Itapemirim pode voltar a voar com novos sócios e novo nome

Fundo de private equity estaria em negociações avançadas para aquisição da companhia aérea

spacer.png

A Itapemirim Transportes Aéreos não durou seis meses voando pelo Brasil | Foto: Divulgação.

A Itapemirim Transportes Aéreos (ITA) pode mudar de dono nos próximos dias. Segundo reportagem da coluna ‘Capital’, do jornal O Globo, dois fundos de private equity estariam em fase avançada de conversações para a compra da companhia aérea, que está fora de operação desde 17 de dezembro.

Segundo a publicação, uma das principais condições para que o negócio seja fechado é o desligamento do atual presidente do grupo, Sidnei Piva. Os investidores assumiriam as dívidas da companhia, avaliadas em cerca de R$ 180 milhões, e implantariam um novo plano de negócios “mais enxuto e realista” do que a da atual gestão.

A empresa, que operou por quase seis meses, pretendia voar para 35 destinos até o fim do primeiro semestre deste ano e ter uma frota de cerca de 50 aviões em 2023. O grupo Itapemirim ainda está sob recuperação judicial e corre o risco de ter sua falência decretada, após o Ministério Público ter feito o pedido à Justiça, no início de janeiro.

Se o negócio for adiante, a companhia aérea poderá voltar com um novo nome.

Fonte: Marcel Cardoso – Aero Magazine 3 fev 2022

 

Link to comment
Share on other sites

40 minutes ago, Pessoa 1985 said:

Parece que os que estão em GRU estão indo! 

SPJ, MGF e TCS no flightradar agora

Foram fazer manutenção em SJK.

Edited by TheJoker
Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

 Share

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade