Jump to content

Hélice de ATR 42 atinge ponte de embarque em incidente gravado em vídeo


Recommended Posts

Meus prezados

Hélice de ATR 42 atinge ponte de embarque em incidente gravado em vídeo

Por  Murilo Basseto

https://youtu.be/YxqQmzXWwaY

Uma gravação de câmera de sistema interno de segurança registrou o momento em que um avião turboélice ATR 42-600 atingiu uma ponte de embarque em um incidente de solo na quinta-feira, 15 de outubro.

As imagens do vídeo que você pôde ver acima mostram que o avião da EasyFly, uma companhia aérea de baixo custo da Colômbia, aproximava-se da ponte de embarque quando, por motivos ainda desconhecidos, não foi capaz de parar na posição adequada do pátio.

O ATR continuou avançando até que sua hélice, girando com o motor em funcionamento, atingiu a estrutura do aeroporto. Somente após o incidente é que a aeronave parou, ao virar para a esquerda e ser barrada pela ponte.

Pelas imagens do incidente, o avião envolvido é registrado sob a matrícula HK-5310. Segundo dados do FlightRadar24, o último voo deste ATR foi o VE-9069, de Cúcuta para Bucaramanga, tendo pousado às 17:04 do horário local, portanto, a ocorrência se deu poucos minutos depois deste registro.

spacer.png

O ATR chegando instantes antes do incidente – Imagem: FlightRadar24

spacer.png

A aeronave não deve voltar a voar tão rápido, pois em casos de impacto de hélice – o chamado “propeller strike” – uma avaliação interna dos componentes do motor se faz necessária. Assim, além da troca da própria hélice danificada, será necessária a remoção do motor.

Segundo dados dos sites de banco de dados de frotas, a EasyFly possui ao menos mais 12 aviões ATR 42 e cinco ATR 72, além de um BAE Jetstream 41.

Até o momento da publicação desta matéria, não há informação de feridos, seja dentro da aeronave por conta da parada brusca, seja em solo por conta de uma possível emissão de detritos pelo impacto da hélice em funcionamento.

Fonte: AEROIN 16 out 2020

Link to post
Share on other sites

Uma manobra aparentemente simples, mas que já causou diversos estragos consideráveis, muitos por razões bem bizarras, como a perda total de um 727, quando dois mecânicos taxiavam o avião para o gate sem pressão hidráulica no sistema de freio.

Vejamos qual foi o motivo deste episódio. Mais um para a estatística.

Link to post
Share on other sites
2 hours ago, Jet Age said:

Uma manobra aparentemente simples, mas que já causou diversos estragos consideráveis, muitos por razões bem bizarras, como a perda total de um 727, quando dois mecânicos taxiavam o avião para o gate sem pressão hidráulica no sistema de freio.

Vejamos qual foi o motivo deste episódio. Mais um para a estatística.

Qual foi esse do 727?

Link to post
Share on other sites

Ano passado em Confins um A320neo da Azul que iria assumir o voo que eu estava passou bem uns 2 metros além do "T" que marca a posição de parada no gate 1 quando estava chegando e só parou com o motor quase encostando na ponte de embarque. Ficou bem evidente que houve alguma pane nos freios, mas como a aeronave estava bem devagar, de alguma forma conseguiram parar antes que colidisse.

Foi um acontecimento bem irrelevante por nao ter havido colisão, a maioria dos que estavam na sala de embarque nem teria percebido não fosse o atraso de uns 20 minutos que o evento causou no voo seguinte (foi necessário um trator de push back pra empurrar o avião de volta para o "T"). A aeronave em questão não tinha nem 6 meses de uso se bem me lembro.

Em locais onde o pátio tem declive na direção do terminal, ou quando o avião chega veloz e furioso para a parada no gate, fica quase impossível não dar M numa pane dessas. Uma sorte no caso do ATR da matéria é que aparentemente a hélice estava desacoplada na hora que bateu na ponte.

  • Confused 1
Link to post
Share on other sites
20 minutes ago, diasfly said:

Ano passado em Confins um A320neo da Azul que iria assumir o voo que eu estava passou bem uns 2 metros além do "T" que marca a posição de parada no gate 1 quando estava chegando e só parou com o motor quase encostando na ponte de embarque. Ficou bem evidente que houve alguma pane nos freios, mas como a aeronave estava bem devagar, de alguma forma conseguiram parar antes que colidisse.

Foi um acontecimento bem irrelevante por nao ter havido colisão, a maioria dos que estavam na sala de embarque nem teria percebido não fosse o atraso de uns 20 minutos que o evento causou no voo seguinte (foi necessário um trator de push back pra empurrar o avião de volta para o "T"). A aeronave em questão não tinha nem 6 meses de uso se bem me lembro.

Em locais onde o pátio tem declive na direção do terminal, ou quando o avião chega veloz e furioso para a parada no gate, fica quase impossível não dar M numa pane dessas. Uma sorte no caso do ATR da matéria é que aparentemente a hélice estava desacoplada na hora que bateu na ponte.

Como funciona esse "desacoplamento" da hélice de um motor 1 de ATR?

Link to post
Share on other sites
17 minutes ago, IceAir said:

Como funciona esse "desacoplamento" da hélice de um motor 1 de ATR?

Talvez o termo técnico correto não seja "desacoplar", mas o motor esquerdo dos ATR's normalmente é o primeiro a ser desligado depois que a aeronave livra a pista, mas a hélice fica girando sozinha como se a caixa de redução dela estivesse em "ponto morto".

De qualquer forma, se a hélice do motor esquerdo estivesse gerando potência no momento do contato, mesmo que em idle, os danos seriam um pouco mais espetaculares do que o que foram.

Edited by diasfly
Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade