Jump to content

735 da NAM Air desaparece 4' após decolar


Recommended Posts

Crash: Sriwijaya B735 at Jakarta on Jan 9th 2021, lost height and impacted Java Sea

By Simon Hradecky, created Saturday, Jan 9th 2021 10:37Z, last updated Saturday, Jan 9th 2021 12:18Z

A Sriwijaya Boeing 737-500, registration PK-CLC performing flight SJ-182 from Jakarta to Pontianak (Indonesia) with 56 passengers and 6 crew, was climbing out of Jakarta about 11nm north of Jakarta's Sokarno International Airport over the Java Sea when radar and radio contact was lost with the aircraft at 14:40L (07:40Z). The aircraft has so far not turned up anywhere else. A search is underway. Debris and body parts were located in waters of about 15 meters depth near Lancang Island.

Sokarno Airport confirmed radar and radio contact with the aircraft was lost. Data review is underway, further communication to be expected from the Ministry of Transport.

Indonesia's Ministry of Transport confirmed contact with the aircraft was lost. A search and rescue operation is in progress under the coordination of Basarnas.

The airline so far have not yet commented.

Residents of the islands nearby (Thousand Islands) were out on the sea in two boats when they heard two explosions, then found debris afloat at the sea. It was raining at that time. The residents returned one of the boats to their islands about 2 hours later and reported to police. The other boat is still at the scene holding position using an anchor. Thesse residents have so far recovered seats, cables, pockets and jeans.

The captain of a ship with 28 crew, that was located about 6nm from the impact site near Lancang Island, reported they were observing an object fall into the waters and set course towards the site. They found flight jackets, body parts and debris of an aircraft. The ship is currently holding position about half a mile off the observed crash site until rescue and recovery services (of Basarnas) arrive. The water is about 15 to 16 meters deep at the crash site.

According to ADS-B data the aircraft had departed Sokarno's runway 25R at 07:36Z, was climbing through 10,600 feet at 284 knots over ground at 07:39:50Z about 11nm north of Sokarno Airport and was at 07:40:11Z at 1400 feet at 307 knots over ground about 1.6nm northnortheast of that position (average sink rate 26,300 fpm).

https://flightaware.com/live/flight/SJY182/history/20210109/0640Z/WIII/WIOO

Metars:
WIII 090900Z 29006KT 6000 -RA BKN017 25/23 Q1006 NOSIG=
WIII 090830Z 29008KT 4000 RA OVC017 25/24 Q1006 NOSIG=
WIII 090800Z 28008KT 4000 -RA BKN016 OVC018 26/24 Q1006 NOSIG=
WIII 090730Z 30006KT 5000 -RA FEW017CB OVC018 25/24 Q1006 NOSIG=
WIII 090700Z 30007KT 4000 VCTS RA FEW016CB OVC018 25/24 Q1007 NOSIG=
WIII 090630Z 34007KT 2000 TSRA FEW016CB OVC018 25/24 Q1007 NOSIG RMK CB OVER THE FIELD=
WIII 090600Z 34010G20KT 5000 VCTS -RA FEW016CB OVC018 26/24 Q1007 NOSIG RMK CB TO W AND NW=
WIII 090530Z 35012KT 5000 VCTS -RA FEW016CB BKN018 26/25 Q1007 NOSIG RMK CB TO NW AND N=
WIII 090500Z 34012KT 6000 VCTS FEW016CB BKN018 28/24 Q1008 TEMPO 5000 -TSRA RMK CB TO NW AND N=
WIII 090430Z 28010KT 9999 SCT020 31/24 Q1008 NOSIG=

Fonte: http://avherald.com/h?article=4e18553c&opt=0

Link to post
Share on other sites
44 minutes ago, MCAS MAX said:

Infelizmente ja vimos este filme... Essa baía é amaldiçoada.

desta vez, ao menos, a culpa nao é do MCAS!

Pior foi uma reportagem do G1, até que estava indo bem em dizer que era um 737-500, ano que entrou em operação, que no Brasil a Nordeste e a Rio Sul operavam ele e atualmente ninguém opera regularmente no país.

Aí depois vem só falando que o modelo não era MAX, que ficou x tempo parado, etc etc...  fugindo do tema principal.

  • Like 1
Link to post
Share on other sites

Os dados do ADS-B mostram uma queda acentuada de altitude, superando os 25,000 pés por minuto e também uma queda acentuada na velocidade, caindo para 115 nós e depois subindo para 358 nós.

 

spacer.png

Edited by edu2703
Link to post
Share on other sites

Não consigo imaginar algo diferente de uma desintegração (explosão?) no ar, diante do gráfico de altitude. Caiu feito uma pedra. 
 

Creio que nem aquele problema de profundores que acometeu os “classic” provocaria uma queda vertical assim.

Link to post
Share on other sites
28 minutes ago, F-GSPN said:

Não consigo imaginar algo diferente de uma desintegração (explosão?) no ar, diante do gráfico de altitude. Caiu feito uma pedra. 
 

Creio que nem aquele problema de profundores que acometeu os “classic” provocaria uma queda vertical assim.

Também pensei na servoválvula, mas sei lá, aquela virada tá perfeita até demais pra ser servoválvula.

Link to post
Share on other sites
25 minutes ago, Eric Breno said:

Também pensei na servoválvula, mas sei lá, aquela virada tá perfeita até demais pra ser servoválvula.

Dados de posicionamento do FR nao sao tão precisos assim , na vdd eles sao bem ruins, logo não acho uma boa base pra qualquer hipotese mesmo especulativa. O problema que deu nos classic nao era no leme?

Link to post
Share on other sites
1 minute ago, Corsi said:

Dados de posicionamento do FR nao sao tão precisos assim , na vdd eles sao bem ruins, logo não acho uma boa base pra qualquer hipotese mesmo especulativa. O problema que deu nos classic nao era no leme?

Exatamente, no leme mesmo. A servoválvula travava o leme.

  • Like 1
Link to post
Share on other sites
9 minutes ago, Corsi said:

Dados de posicionamento do FR nao sao tão precisos assim , na vdd eles sao bem ruins, logo não acho uma boa base pra qualquer hipotese mesmo especulativa. O problema que deu nos classic nao era no leme?

O Éric corrigiu. Foi no leme mesmo.

Link to post
Share on other sites

Alguma coisa muito estranha aconteceu, nao da pra confiar 100% na telemetria do FR24, mas a perda de velocidade repentina seguida de um aumento de velocidade igualmente repentino destoa bastante do gráfico da altitude, que é direto pra baixo como se fosse uma pedra caindo.

Se fosse um estol seguido de parafuso, o gráfico de altitude só iria apontar pra baixo quando a velocidade aumentasse indicando a perda de sustentação e o início de uma queda livre. Realmente um mistério essa queda. A hipótese de explosão e desintegração em voo é forte, sendo nesse caso um indicativo de atentado terrorista.

Vamos ver o que vai vir nos relatórios preliminares...

Link to post
Share on other sites

Voando em região com formações altamente pesadas e ativas. Tem cara de terem entrado inadvertidamente em um cb carregado de gelo e windshears violentas, com perda de sensores consequentemente um unreliable airspeed as coisas se complicam rapidamente! Bem triste! 

  • Like 1
Link to post
Share on other sites

 

2 hours ago, diasfly said:

Alguma coisa muito estranha aconteceu, nao da pra confiar 100% na telemetria do FR24, mas a perda de velocidade repentina seguida de um aumento de velocidade igualmente repentino destoa bastante do gráfico da altitude, que é direto pra baixo como se fosse uma pedra caindo.

Se fosse um estol seguido de parafuso, o gráfico de altitude só iria apontar pra baixo quando a velocidade aumentasse indicando a perda de sustentação e o início de uma queda livre. Realmente um mistério essa queda. A hipótese de explosão e desintegração em voo é forte, sendo nesse caso um indicativo de atentado terrorista.

Vamos ver o que vai vir nos relatórios preliminares...

Entao nao sei como é calculada a velocidade do FR mas se for por coordenada de deslocamento pode até fazer sentido, pq o aviao embicado pro chao ia percorrer uma distancia mt menor. Agora se os dados vem do ADS-B msm ai nao faz sentido msm

Link to post
Share on other sites

Apesar da insistência em criar uma má reputação em relação ao 737, pois para a mídia não especializada e boa parte do público em geral não há distinção entre os modelos, a versão -500 é certamente um dos aviões mais seguros que existe, e todos os seus acidentes com perda total foram causados por operação inadequada. Tivemos inclusive uma 'quase' perda de um por aqui, mas também se enquadraria em quesitos operacionais.

Ficaria bem surpreso se o acidente de ontem foi causado por alguma falha de projeto. De qualquer forma, temos mais um episódio extremamente lamentável na Indonésia.

Na expectativa de mais informações.

Link to post
Share on other sites

A imprensa tá batendo pesado pra estigmatizar o 737 Max.

Chamam o avião de "problemático" sem nem saber o que significa a palavra "Manete".

Vão destruir a imagem do avião igual fizeram com o Fokker 100 por falta de conhecimento.

Airbus pode cair em um voo de apresentação lotado de jornalistas e autoridades a bordo que não dá nada, agora Boeings e Fokkers não podem voar.

Imprensa que não tem conhecimento e só escreve aquilo que ouvem por aí e sequer procuram se informar antes causa nojo.

 

  • Confused 1
Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade