Jump to content

Índia deverá se tornar o segundo maior mercado da aviação comercial


Recommended Posts

Meus prezados

Índia deverá se tornar o segundo maior mercado da aviação comercial

Mais de 2.200 aeronaves devem chegar ao país nos próximos vinte anos

Mercado de aviação regular na Índia poderá se tornar o segundo maior do mundo, atrás da China

A Índia deverá necessitar de 2.230 aeronaves nos próximos vinte anos, quadriplicando sua frota atual. O estudo faz parte de um relatório de perspectiva de mercado comercial (CMO) divulgado pela Boeing.

O crescimento do mercado de aviação indiano tem sido constante nas últimas décadas, podendo se tornar o segundo maior do mundo, atrás da China. Se destaca o fato de 79% dos aviões serem para ampliação da frota e apenas 21% destinado a renovação de modelos em serviço.

Do total de aeronaves estimadas para a Índia, 1.960 são aviões de um corredor e 260 de dois corredores, além de um considerável número de modelos regionais*.

O documento também cita que entre as aeronaves de fuselagem estreita, o Airbus A320 e o 737 MAX continuarão sendo os favoritos das companhias aéreas indianas, ainda que exista a previsão de no curto prazo estarem disponíveis o russo MS-21 (MC-21, na sigla no alfabeto cirílico) e o chinês C919.

Atualmente, a Airbus domina o mercado indiano entre as aeronaves média, presente em seis companhias aéreas locais. Já o segmento de aeronaves de grande porte, a Boeing lidera, com 39 aeronaves das famílias 747, 777 e 787. Segundo a fabricante norte-americano, a Índia irá retomar com rapidez a sua trajetória de crescimento no setor, apesar de 2020 ter fechado com uma forte queda no tráfego, relacionado a crise sanitária global.

Entre os países do chamado BRICS, a Índia desponta ao lado da China como líderes do bloco, mantendo destaque de forma isolada da Rússia, Brasil e África do Sul.

·        Veja nossos vídeos no canal da AERO Magazine no YouTube

Fonte:  Marcel Cardoso – Aero Magazine 12 abr  2021

* Alô alô Embraer!

Link to post
Share on other sites

Será? O mercado indiano tem potencial pela população que tornará a maior do mundo, mas não com o mesmo poder de compra que os EUA, mesmo que considere a classe média de lá o tamanho da população americana.

E a Índia tem planos de ter uma rede de trem-bala. Apesar de ser um país maior que a Argentina, é possível montar uma malha de HSR muito eficiente, mas primeiro teria que reformular o sistema ferroviário do país.

 

  • Like 1
Link to post
Share on other sites

Não é só comprar aeronaves, é toda a situação indiana. Aviões requerem uma infraestrutura cara e a Índia tem uma população enorme mas a grande parte da população tem uma renda baixa.

Acredito mais no post do a345 focando em um transporte mais popular.

Link to post
Share on other sites
13 hours ago, A345_Leadership said:

Será? O mercado indiano tem potencial pela população que tornará a maior do mundo, mas não com o mesmo poder de compra que os EUA, mesmo que considere a classe média de lá o tamanho da população americana.

E a Índia tem planos de ter uma rede de trem-bala. Apesar de ser um país maior que a Argentina, é possível montar uma malha de HSR muito eficiente, mas primeiro teria que reformular o sistema ferroviário do país.

 

Por aí... quando fui a Índia em 2014, tive alguma "dificuldade" com alguns trechos aéreos. Na ocasião, o trecho Jaipur-Delhi tinha somente 1 voo no dia pela Air India... uma ligação de uma cidade de 3MM de habitantes com a capital do país. Paguei 115 reais por esse vôo, mas de trem não teria custado nem 10 e pra população local tem tarifas de trem de 1, 2 ou pouquíssimas rúpias. Pode ser um sistema velho, mas o país é bem conectado de trem e o preço desse modal acaba sendo acessível a mais pessoas.

Link to post
Share on other sites

https://www.ibef.org/industry/indian-aviation.aspx

Esperam ser o 3º em 2024.

Market Size

India’s passenger* traffic stood at 341.05 million in FY20. It grew at a compound annual growth rate (CAGR) of 11.13% during FY16-FY20. Domestic passenger traffic stood at 274.50 million in FY20, growing at a CAGR of 12.91% over FY16. International passenger traffic stood at 66.54 million, growing at a CAGR of 5.01% during FY16-FY20.

BR jan a dez19  domes. 190.2 milhões    (CAGR 2.39% média anual entre 2016 e 2019)    inter  23.6         

*ano fiscal na India é de abr19 a mar20

 

Freight traffic grew at a CAGR of 5.32% during FY16-FY20 from 2.70 million tonnes (MT) to 3.33 MT. Freight Traffic is expected to grow at a CAGR of 7.27% to reach 4.14 MT in FY23.

BR em 2019  1.62 milhões de toneladas.

 

RPK doméstico  2018-19   134.88 bilhões  (CAGR 15,54%)  

https://www.dgca.gov.in/digigov-portal/?page=jsp/dgca/InventoryList/dataReports/aviationDataStatistics/handbookCivilAviation/HANDBOOK2018-19.pdf&main4252/4205/sericename

BR  ano 2018  95.87 bi  ANAC

             2019  96.48    +0,64% 

 

Link to post
Share on other sites

Pela IATA,

Ano 2019  https://www.iata.org/en/pressroom/pr/2020-02-06-01/

Mercados domésticos representaram 36,2% dos RPKs mundiais:

1º  EUA  14% share

2º  China 9,8%

3º  India  1,6%

4º  Rússia  1,5%

5º e 6º  Brasil e Japão  1,1%

7º  Austrália 0,8%

 

Ano 2020   https://www.iata.org/en/pressroom/pr/2021-02-03-02/

Mercados domésticos representaram 54,3% dos RPKs mundiais:

1º  China 19,9%

2º  EUA  16,6%

3º  Rússia  3,4%

4º  India  2,1%

5º  Brasil  1,6%

6º  Japão  1,4%

7º  Austrália 0,7%

 

 

  • Like 1
Link to post
Share on other sites

Que disparidade, só a China em 2019 (2020 não conta) transportou mais que o terceiro ao sétimo.

Mas senti falta da Indonésia, deve ter um peso maior os voos para os países da ASEAN.

Link to post
Share on other sites

Projeções da Boeing.

spacer.png

spacer.png

spacer.png

Boeing shared its India forecast today as part of its annual Commercial Market Outlook Salil Gupte, President @Boeing_In: India Air Travel Expected to Double in Next Decade & Demand for 2200 new commercial jets in 20 years Domestic passenger traffic recovering rapidly 1/3

https://twitter.com/ReviewVayu/status/1379724946016923648

Link to post
Share on other sites
22 minutes ago, A345_Leadership said:

Que disparidade, só a China em 2019 (2020 não conta) transportou mais que o terceiro ao sétimo.

Mas senti falta da Indonésia, deve ter um peso maior os voos para os países da ASEAN.

O somatório de todos os outros países (não listados) = 7,4% em 2019 e 8,6% em 2020

 

2020 total 54,3% - China 19,9% - EUA 16,6% = 17,8% resto do mundo

2019         36,2%               9,8%            14%    = 12,4%

Link to post
Share on other sites

Outra forma, 2020  EUA+China = 67,2% dos RPKs domésticos   vs  resto do mundo  32,8%

                      2019                        65,7%                                                                        34,3%

Link to post
Share on other sites

Qual a projeção para Nigéria? 

Deverá ser o maior da África em algumas décadas. As projeções estimam a população em 400 milhões em 2050, se não me engano.

Apesar de parte localizada em manchas urbanas enormes e não muito distantes das outras, podendo ser empecilho para aviação, certamente, a Nigéria vai crescer muito.

Sobre a Índia, o PIB per capita do país cresceu 4x em 20 anos. Em 2019, não era muito superior a USD 2.000. Muito baixo. Existem estimativas do poder de compra do indiano alcançar USD 6.000 em 2030. Com esta renda dá para atingir um universo enorme em 1.5 bilhões de habitantes esperados para daqui 9 anos. 

O Brasil tinha um poder de compra na casa de USD 6 mil em 2006. A população era algo como 185 milhões. O RPK em 2006 era 23,3, e saltou para 47,9 em 2015 - uma alta de 133%, média de 9.8% entre 06-2015. Batemos 117,8 mi de passageiros transportados este ano. 

Agora imaginem a Índia com 1.5 Bi e uma renda per capita de USD 6k daqui 10 anos....

  • Like 1
Link to post
Share on other sites
1 hour ago, naia said:

[...]

O ruim destes países é que a explosão populacional não é acompanhada pela renda per capita. Ainda há desigualdades, como na Índia onde o dono da ArcelorMittal vive em uma torre nababesca em uma cidade mais desigual que muitas da América Latina.

O Brasil e o Japão, por exemplo, transportavam quase o mesmo alguns anos atrás, com a diferença que o nossa população é o dobro deles, mas nossa renda é inferior. E olha que lá eles concorrem com o trem-bala.

Voltando a Nigéria, que um 10% da população viaje 2,5x por ano em 2050, estamos falando de 100 milhões de passageiros, ou o nosso mercado algum tempo atrás.

Link to post
Share on other sites
31 minutes ago, A345_Leadership said:

O ruim destes países é que a explosão populacional não é acompanhada pela renda per capita. Ainda há desigualdades, como na Índia onde o dono da ArcelorMittal vive em uma torre nababesca em uma cidade mais desigual que muitas da América Latina.

O Brasil e o Japão, por exemplo, transportavam quase o mesmo alguns anos atrás, com a diferença que o nossa população é o dobro deles, mas nossa renda é inferior. E olha que lá eles concorrem com o trem-bala.

Voltando a Nigéria, que um 10% da população viaje 2,5x por ano em 2050, estamos falando de 100 milhões de passageiros, ou o nosso mercado algum tempo atrás.

No Japão além do trem bala existem distâncias mais curtas. 

Sim, a renda per capita faz muita diferença. Mas eu não duvidaria do imenso potencial Indiano de ser o 2° mercado em algumas décadas. E a Nigéria certamente terá grande crescimento, ainda que a renda e desenvolvimento não acompanhe o boom populacional. 

O mercado Mexicano é muito menor que o nosso? País tem distâncias consideráveis (apesar da boa malha rodoviária), e uma interessante disputa no mercado doméstico. Pib per capita pouca coisa superior ao nosso.

Link to post
Share on other sites

Dados do Banco Mundial, ano-base 2019:

Em parentêses, o equivalente a população do país

01 - 926.000 - EUA (2,82)

02 - 659.000 - China (0,47)

00 - 170.000 - Irlanda - O país aparece porque a Ryanair computa os voos da UE em seu país.

03 - 167.000 - Índia (0,12)

04 - 142.000 - Reino Unido (2,15)

05 - 130.000 - Japão (1,03)

06 - 115,000 - Rússia (0,79)

07 - 111.000 - Turquia (1,33)

08 - 109.000 - Alemanha (1,31)

09 - 102.000 - Brasil (0,48)

10 - 093.000 - Canadá (2,51)

 

11 - 092.000 - Emirados Árabes Unidos (10,22)

12 - 092.000 - Coréia do Sul (1,80)

13 - 091.000 - Indonésia (0,33)

14 - 088.000 - Espanha (1,87)

15 - 078.000 - Tailândia (1,13)

16 - 076.000 - Austrália (3,04)

17 - 071.000 - França (1,05)

18 - 069.000 - México (0,52)

19 - 063.000 - Malásia (2,03) - A Malásia tem o mesmo critério que a Irlanda, aqui no caso é a Air Asia.

20 - 053.000 - Vietnam (0,55)

Nigéria transportou 6.539.050 passageiros (3% da população) em 2019.

Comparando o Brasil com os pares sul-americanos:

28 - 037.000 - Colômbia (0,74)

34 - 021.000 - Chile (1,10)

35 - 019.000 - Argentina (0,42)

36 - 018.000 - Peru  (0,56)

https://data.worldbank.org/indicator/IS.AIR.PSGR?locations=1W-BR&most_recent_value_desc=true

Considerando PIB e território, o Brasil está próximo do Canadá, porém este tem população 15% da nossa e os passageiros transportados são 91% equivalentes ao nosso. Até mesmo entre os pares da região estamos feio. Alguns países como Espanha, França e Alemanha tem índice baixos porque tem uma rede de trens de alta distância muito popular e parte do tráfego é capturado pelas lowcost paneuropeias como Ryanair, Easyjet e Wizz, que não registram o tráfego nos seus países. O Japão concorre com os trens-bala. A ligação aérea entre Tokyo e Osaka é uma das maiores do mundo, mas em termos de oferta entre as duas cidades ela representa apenas 9%, com o restante realizado pelo Tokaido Shinkansen.

 

 

 

 

  • Like 4
Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade