Jump to content

História: o primeiro comandante brasileiro


Recommended Posts

 

Meus prezados

O primeiro comandante brasileiro

spacer.png

A aviação comercial brasileira surgiu da iniciativa de investidores e empresários alemães, notadamente Otto Ernst Meyer, fundador da Varig, além do chanceler Hans Luther, incentivador da expansão da aviação germânica na América do Sul. Nos primeiros anos, a aviação brasileira teve como pilotos justamente os alemães, especialmente devido à origem das aeronaves utilizadas por Varig e Syndicato Condor. O primeiro comandante brasileiro, porém, não tinha descendência germânica e, sim, portuguesa. Nascido em Palmares no ano de 1928, o pernambucano Severiano Lins deixou o trabalho nos engenhos da família para se aventurar na Escola de Aviação Militar do Campo dos Afonsos, no Rio de Janeiro. Era o 13º na lista de candidatos, mas obteve o primeiro lugar entre os pilotos civis e o quinto posto na classificação geral. Ao se “brevetar” em 1929, ficou apenas um ano na aviação militar, tendo recebido em 1931 um convite para voar no Syndicato Condor. Devido a sua experiência e suas habilidades, logo foi escolhido como comandante, tornando-se, assim, o primeiro brasileiro a ocupar tal cargo na aviação comercial. Em 1936, venceu as provas aéreas da I Semana da Asa, recebendo o prêmio das mãos do então presidente Getúlio Vargas. No ano seguinte, foi convidado a realizar o curso de voo noturno (numa época em que praticamente não existiam voos por instrumento) na Alemanha. Embarcou no dirigível LZ 127 Graf Zepplin, rumo a Europa. A viagem era considerada não apenas uma aventura, mas uma das mais luxuosas experiências da época. Curiosamente, ele realizou a última viagem num dirigível rígido, já que, dias antes, o Hindemburg se perdera num acidente nos EUA. Com um histórico de voo impecável, tornou-se comandante de Junker Ju-52 da Condor. Infelizmente, em 13 de janeiro de 1939, menos de oito anos após ingressar na companhia, o primeiro comandante brasileiro morreu num trágico acidente na Serra do Sambê, em Rio Bonito (RJ). O Ju-52 (PP-CAY) voava em condições precárias de visibilidade quando entrou voando na montanha em razão de um erro na carta de navegação, que cotava de maneira incorreta a altitude de toda a cadeia de montanhas naquela região.

Por Edmundo Ubiratan e Ernesto Klotzel – Aero Magazine 22 fev 2015

Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade