Jump to content

Queremos comprar a Latam. O que eu diria aos deputados é: "olhem como a Azul mudou o país”


Recommended Posts

53 minutes ago, thgsr08 said:

Só eu não consigo aceitar esse movimento? Toda essa reestruturação, devoluções, essa nova "visibilidade" doméstica no BR, recebimento de dreamliners e reforma de cabines e tudo mais pra ir parar nas mãos da Azul? 

Não pode. Eu ainda acredito em um acordo com os credores e vai dar tudo certo!

 Que assim seja !!! Melhor pras empresas , para o mercado , para os passageiros e para os funcionários ....

  • Like 1
Link to post
Share on other sites

  • Replies 166
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

Top Posters In This Topic

Popular Posts

Em resumo: pro mercado: péssimo passageiros: péssimo tripulantes: péssimo  campineiros/viracopers: péssimo  Só é bom pra acionista graúdo, executivo da empresa e torcida organizada de

O jogo da Azul é desonesto. E passou a ser mais podre ainda quando, de fato, colocaram com mais afinco e de maneira mais escancarada do que nunca as garrinhas de fora na tentativa de manipular o merca

Muito boa a entrevista do Gerônimo, argumentou com dados. Gostei deste trecho: Pouco tempo atrás, quando houve a tentativa de aquisição da Avianca [que teve falência decretada em junho de 2020],

A grande verdade é que a JJ está fazendo hora extra desde 2010, se não fosse a LA ela já teria quebrado, e no geral o 

brasileiro é xenófilo, tá pouco se importando com empresa de bandeira.

Inter pagos

2008           13.168k                          8.615k   65,4%                  20%                    

2010  total 15.358k  estrangeiras  10.091k   65,7%   vs  JJ  24%      (AD 0  G3  10,2%)

2012           18.903k                          13.172k    69,7%              22,2%

2014           21.281k                          14.897k    70%                 20,9%

2016           20.928k                         13.446k     64,2%              24,5%

2018           24.127k                         14.771k     61,2%              23,3%

2019          24.151k                        15.043k    62,3%             23%      (AD  5,6%  G3 8,6%)

9M21           2.513k                            2.088k     83,1%             12,4%   ficou + difícil ainda

  • Like 3
Link to post
Share on other sites
13 hours ago, A350XWB said:

Também sigo nessa fé. Como passageiro, entusiasta, aviador e brasileiro. 

 

13 hours ago, thgsr08 said:

Só eu não consigo aceitar esse movimento? Toda essa reestruturação, devoluções, essa nova "visibilidade" doméstica no BR, recebimento de dreamliners e reforma de cabines e tudo mais pra ir parar nas mãos da Azul? 

Não pode. Eu ainda acredito em um acordo com os credores e vai dar tudo certo!

Voces estariam certíssimos se do outro lado da mesa não existisse um sujeito chamado dono, dono quer dinheiro, se DN oferecer tubos que encantem os Cuetos, já era Latam, da mesma forma que se os Cuetos chegassem com um caminhão de dinheiro, encampariam a AD.

Business.

Quem tem sentimento é entusiasta, passageiro, funcionário... dono só enxerga números financeiros.

  • Like 3
  • Thanks 1
Link to post
Share on other sites
22 minutes ago, PT-KTR said:

 

Voces estariam certíssimos se do outro lado da mesa não existisse um sujeito chamado dono, dono quer dinheiro, se DN oferecer tubos que encantem os Cuetos, já era Latam, da mesma forma que se os Cuetos chegassem com um caminhão de dinheiro, encampariam a AD.

Business.

Quem tem sentimento é entusiasta, passageiro, funcionário... dono só enxerga números financeiros.

Sim, utopia pura... torcendo pro melhor no âmbito humano, não empresarial.

 

  • Like 1
Link to post
Share on other sites

A eventual oferta da Azul é hostil, ou seja, à rebelia dos controladores e executivos. Por isso que a LATAM continua tocando o negócio dela normalmente, trazendo mais 787, ampliando rotas e contratando pessoas. Só este último item já mostra como os chilenos querem independência, pois qual é a lógica de inchar a empresa para vender?

E se querem vender, há questões tão complexa$ como valores? Aceitará pagamento de ações? É fusão, quem vai mandar? Os Cuetos vão aceitar a ser secundários? O que a QR e DL pensam? Vai dar muito pano na manga ainda.

É um cenário totalmente diferente de 13/08/2010.

  • Like 1
Link to post
Share on other sites
NEGÓCIOS

Azul (AZUL4): ‘É provável que compra da Latam ocorra no início de 2022’, diz diretor

Eduardo Vargas Eduardo Vargas
05/11/2021 07:20
Atualizado em: 05/11/2021 08:25
Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  
Após impactos da pandemia, Azul aposta em retomada do segmento de lazer para compensar a retração dos voos corporativos, frisa Alex Maflitani (foto), diretor financeiro da companhia - Foto: Divulgação

Após impactos da pandemia, Azul aposta em retomada do segmento de lazer para compensar a retração dos voos corporativos, frisa Alex Maflitani (foto), diretor financeiro da companhia - Foto: Divulgação

Com problemas impostos pela pandemia, a Azul (AZUL4) sangrou no mercado tanto quanto as demais aéreas, com quedas de 35% no acumulado de 2020 e 26% neste ano de 2021 – considerando o acumulado do ano até esta quarta (3). Agora, a companhia pretende crescer com a aguardada compra da Latam.

Banner-Noticias-400x300-14-1-1-400x300.png

Em entrevista exclusiva ao Suno Notícias, o CFO (Chief Financial Officer) e co-fundador da Azul, Alex Malfitani, comenta a situação atual da companhia e os seus prognósticos para o futuro.

O balanço do 3T21 será divulgado no dia 11 de novembro, com perspectiva semelhante ao dos anteriores – uma recuperação na demanda e na receita no comparativo anual, mas ainda abaixo do que foi visto em 2019, antes da pandemia.

Além do movimento de aquisição da Latam, a companhia frisou o aspecto positivo da emissão de debêntures feita em novembro de 2020 – deal que levantou capital em meio a uma situação complicada para o setor das aéreas.

No âmbito da oferta pela Latam, a Azul acompanha o calendário que muda frequentemente – dado que a Latam abriu mão de decidir acerca do seu futuro, conforme acordado na recuperação judicial da companhia em solo americano.

Com a decisão ficando na mão dos credores, a Latam tem um imbróglio judicial que foi postergado por diversas vezes – “o que já esperávamos e já contávamos”, segundo o CFO da Azul.

Ainda na quinta-feira 928) a Latam contou com a aprovação do pedido de prorrogação do prazo de exclusividade para a apresentação do seu Plano de Reorganização até 26 de novembro por parte do juiz do Tribunal do Distrito Sul de Nova York.

Em meio ao contexto turbulento, a Azul que levar todos os papéis da empresa. A informação recente foi dada pelo presidente da Azul, John Rodgerson, em entrevista ao Diario Financiero, jornal chileno.

“Nós sabemos exatamente o que vamos oferecer. Compraríamos todo o ativo. Acredito que o grupo tem muito valor e não estamos pensando em cindir ou vender divisões”, afirmou Rodgerson.

Apesar disso, a Latam segue com negativas sucessivas. A Latam informou que “não está à venda” e não quis comentar sobre as intenções da Azul recentemente, e ainda em outubro o Diretor-presidente da Latam no Brasil descartou a possibilidade de venda.

O negócio entre ambas as empresas pode figurar como uma das maiores movimentações do segmento das companhias aéreas. Ainda não se sabe ao certo, contudo, como a estrutura resultante ficaria – podendo ir de uma união de negócios até uma fusão entre ambas.

O diagnóstico foi feito pelo CFO da companhia, e os destaques da entrevista você confere abaixo:

Suno: Nos balanços recentes vocês tiveram uma alta acima de 300% nos indicadores de demanda no último resultado trimestral, refletindo uma retomada em relação ao ano de 2020, que foi pandêmico, porém com quedas de 25% e 35% em relação a 2019. Qual será a estratégia da companhia para contornar isso e desenhar uma retomada mais vigorosa? Há previsão de atenuar essa defasagem no resultado seguinte?

Veja, nós olhamos três segmentos: doméstico, lazer e corporativo. O internacional, enquanto segmento enquadra-se como lazer também. Olhando esse segmentos, o Lazer sempre fica na frente em termos de demanda. 

Hoje ele já está acima do que está em 2019, o lazer. Isso são informações da Azul como empresa, pois o setor como um todo está um pouco atrasado – mas na Azul vimos o lazer doméstico acima de 2019 e o corporativo vem se recuperando bem, mas fica mais retraído apesar da abertura dos EUA. 

O grande fator que ajuda o corporativo é o quanto das empresas ainda estão trabalhando de casa. Acompanhamos as grandes empresas e vemos toda semana as empresas voltando de maneira parcial e decisões similares. Porém também temos gente 100% em casa. No escritório, a demanda por viagem aumenta também.

Banner-Noticias-400x300-15-1-400x300.png

Trabalhamos com a premissa de que nunca voltaremos ao 100% do corporativo; a tecnologia está mais disponível e mais viável após a pandemia. Hoje a videoconferência é mais aceita. Somado a isso, ainda há problemade visto e de câmbio com os EUA, o que afeta as demandas.

Nesse aspecto, da retomada do corporativo, havia uma pausa em relação às viagens de negócios por conta da pandemia, o que provocou quedas recentes nas ações da Azul e das aéreas como um todo. O mercado penalizou os papéis do setor, e considerando isso, como você vê esse fator de demanda e o que você acredita que seja possível fazer para contornar o problema?

Os investidores assumem que o corporativo não volta, e na indústria também assumimos que não volta, ao passo que o mercado está sendo ainda mais conservador.

Pensamos que a tecnologia que viabiliza o home office deve viabilizar mais viagens de lazer. O mercado já precificou o impacto negativo, mas não precificou o positivo. 

Por exemplo, no feriado do dia 12, os meus filhos tiveram folga a semana toda, nas aulas. Eu tinha uma conferência na quinta, normalmente eu faria uma viagem de negócios. Como os meus filhos tinham a semana de folga, fomos nós quatro para Nova York, com uma viagem corporativa ‘acoplada’.

Sabemos que o câmbio em elevação pode ocasionar mais problemas de demanda ou ordem financeira e contábil para a Azul, tal como para as aéreas, considerando que parte do balanço depende de viagens ao exterior. Como a companhia avalia esse impacto, e como o preço do combustível tem impactado os resultados financeiros da empresa?

O setor como um todo é duplamente exposto ao combustível e ao dólar, considerando que o combustível de aviação é precificado em dólar. 

O setor também tem exposição ao câmbio por conta das aeronaves serem financiadas em dólar. Na média, temos uma exposição menor por conta da Embraer [EMBR3], com relação ao financiamento das aeronaves, em parte, feita em Reais. No geral, todo mundo tem uma exposição cambial no setor. 

Apesar disso, tem sido ‘essa história’ desde que fundamos a Azul. O câmbio estava em 1,60 quando fundamos a companhia, e se soubéssemos [todos] que o dólar bateria os R$ 5,60, provavelmente a empresa não teria tantos acionistas. Apesar disso, durante essa trajetória de aumento de câmbio tivemos um aumento no valor de mercado.

Ainda no fim de 2020, a Azul fez uma emissão de R$ 1,7 bilhão em debêntures. Como a companhia avalia, após cerca de um ano, essa transação, considerando a dívida de atual na casa de R$ 20,3 bilhões? Há previsão de redução dessa alavancagem no curto prazo?

A emissão, de certa forma, serviu de demonstração por parte da empresa que ela visa buscar recurso no mercado [de capitais].

A emissão foi estratégica, fortificada, foi uma das primeiras conversíveis, local e em reais; ganhou vários prêmios, ganhamos deal do ano. Mas isso porque essa emissão teve um timing.

Na pandemia tínhamos [disponibilidade] para 900 voos ao dia, ante para uma demanda de 60, por conta das restrições – o que ‘sumiu’ com a receita da empresa, e há um custo fixo em cima disso [operação].

Banner-Noticias-400x300-14-1-1-400x300.png

Tivemos que ir para todos os nossos parceiros (bancos, parceiros e aeronaves) e depois de muita negociação, conseguimos apoio de quase 80% dos funcionários. Muitos deles tiveram licença não remunerada na pandemia, por conta das restrições da pandemia. 

Tivemos um compromisso de que assim que o mercado estivesse aberto à captação, iríamos levantar capital para diminuir o risco 

Agora, com a retomada prevista para os próximos meses, o que deve acontecer é uma diminuição da alavancagem, já que a dívida dolarizada oscila com os impactos nominais. 

Temos um EBITDA [“lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização] de quase zero nos últimos doze meses. Quando você coloca a dívida com relação a esse número, o indicador que resulta é quase infinito. Mas ele rapidamente vai reduzir para um número mais palatável, e aí a gente, em dois ou três anos, teremos um nível de alavancagem semelhante ao que tínhamos no pré-pandemia. 

A dívida não vai abaixar tanto, mas a alavancagem da Azul vai diminuir por conta do aumento da receita e do EBITDA. A dívida diminuir, claro, mas não impacta tanto na ordem de grandeza.

Há algum prognóstico exato para essa redução da alavancagem da companhia?

Deve sair do patamar atual para um dígito alto ou um dígito baixo, em poucos anos.

Sobre a compra da Latam pela Azul, existe um imbróglio grande entre as companhias para que a compra de fato ocorra. Apesar do interesse da Azul, a Latam teve diversas negativas sobre a transação. Como você vê essa postura e qual é a influência disso na negociação?

O time de gestão da Latam é contra fusão ou aquisição, mas o mais importante e que eles não são quem definirão o futuro da empresa; quem define agora são os credores.

Você tem três maneira de materializar esse negócio. O primeiro, em que eu [Azul] coloco os meus voos no sistema da outra empresa [Latam] e vice-versa, gerando uma quantia de demanda adicional.

O segundo nível seria uma joint venture, com um planejamento de malha e precificação de maneira coordenada, com outra geração de valor para as empresas.

Já em uma escala maior, teríamos uma fusão, uma integração completa das duas empresas, que ficariam separadas em caso de uma joint venture.

Sobre o impacto do negócio, sabemos que a geração de valor seria maior. Temos quase uma obrigação fiduciária de perseguir essa oportunidade; temos um plano sem essa fusão, é claro, iremos aumentar a capacidade, mas se pudermos fazer uma fusão geraremos mais valor para os acionistas. Por isso, ainda perseguimos o caso.

Não dá para garantir se isso acontecerá ou não, porque quem define são os credores, mas acreditamos que existem argumentos poderosos para que eles escolham esse caminho [da venda da Latam]. 

Com esse calendário que muda frequentemente, há alguma previsão por parte da Azul para o fechamento desse negócio? E, no aspecto dos credores, quais são os argumentos ‘poderosos’ para a realização da venda do capital da companhia?

Isso deve demorar alguns meses para ser definido. O grande argumento para os credores é que existe um valor para a Latam e um para Azul, e o valor da colaboração. Em uma eventual fusão, o valor da nova empresa seria a soma das duas mais uma fatia de valor gerado.

Os credores veem uma oportunidade por conta da soma dos valores, que resultaria em uma empresa que valeria mais do que as duas de modo individual.

Os acionistas  da Latam terão mais valor nas mãos se escolherem o caminho da fusão. Como os credores são motivados por ganho financeiro, e muito do capital da Latam está na mão de fundos de investimento, que buscam retorno, acreditamos que o argumento de geração de valor terá bastante apelo.

Algum fato dos últimos meses postergou a negociação? Algum impasse ou entrave fora o que foi noticiado impediu a negociação ainda neste ano de 2021?

É difícil de cravar a data, mas acho que é mais provável que aconteça no começo de 2022, na primeira metade do ano. Isso é muito ditado pelo processo de saída e pela postergação do plano e o cronograma acompanha essa postergação, sabíamos disso. 

Sabemos que ela não conseguirá propor e aprovar um plano rapidamente. Nada disso, para nós, é surpreendente.

Em um movimento semelhante ao da Embraer, vocês tiveram uma parceria recente com uma startup, a Lilium, da Alemanha. O acordo visa os eVTOLs, que ainda são muito novos para a maioria do mercado e são uma promessa para o futuro. Qual é o plano da empresa com essa parceria, e como e quando vocês preveem um impacto concreto?

Tem uma geração de valor possível que ‘encaixa’ com os eVTOLS; hoje já voamos com grande porte, com 270 e 300 lugares, os médios como o A320, com 174 lugares, e os ATRs tem 70. Mas apesar disso, também temos um mercado de curta distância, em que servem helicópteros.

Banner-Noticias-400x300-15-1-400x300.png

Temos aeroportos e demandas para essa operação, mas o custo operacional de um helicóptero é muito alto, ao passo que os eVTOLS [que funcionam como um táxi aéreo] oferecem baixo custo e uma operação análoga, com mercados complementares. Esse tipo de operação atende, por exemplo, voos de Campinas para Campos do Jordão.

Além disso, com a parceria com a Lilum nós nos tornamos sócios da startup, recebendo uma porcentagem em troca.

Em termos de data, a tecnologia está sendo desenvolvida e sendo construída. Depois do processo é que ela entra em operação – é algo que deve ocorrer em 2025, ainda é uma perspectiva de longo prazo.

Com relação à demanda, o mesmo assunto do início, sabemos que o quatro trimestre tende a ter uma sazonalidade positiva para o segmento, por conta do fim de ano e viagens em datas comemorativas. A previsão é de um 4T21, por conta da citada demanda de lazer, tão ‘competitivo’ quanto os anos anteriores à pandemia?

Em termos de demanda, sim. A demanda que vemos hoje é mais forte do que o terceiro trimestre, que por sua vez é mais forte do que o anterior. Temos recuperação gradual, o desafio é que provavelmente teremos custo de combustível e um dólar mais alto neste quarto trimestre deste ano em relação ao terceiro

Ou seja, teremos um impacto de curto prazo. Em alguns meses conseguimos repassar o aumento de custos para a tarifa, mas no curto prazo temos impacto. O quarto trimestre será muito bom em termos de demanda, mas não acredito que ele tenha rentabilidade tão alta, temos sazonalidade forte, mas dólar a petróleo afetarão o resultado da Azul.
 

 

https://www.suno.com.br/noticias/azul-azul4-compra-latam-2022-demanda-4t21/amp/

Link to post
Share on other sites

Como nada se cria, tudo se copia, será que teremos em breve a LGI ltd (UK)?

 

* LTM Group International

   AV   Group International

Edited by TheJoker
Link to post
Share on other sites
7 hours ago, Cassio.Fernandes said:

Sei que são negócios, mas que jogo sujo e nojento eim. 

Querem tomar a força mesmo 

Sujo não é... nojento (ñ muito ético) talvez... mas o paralelo é o seguinte: "Se você comprar uma Ferrari e não pagar, vc ñ pode dizer que ela é sua a menos que vc pague na totalidade. Se o acordo for descumprido (atraso ou inadimplência de parcelas), o dono da Ferrari pode te tirar ela e fazer negócio com quem ele quiser". É mais ou menos o que acontece com os Cuetos, Delta e Qatar, eles ñ mandam em mais nada pq o poder deles foi diluído pela inadimplência, qm manda agora são os bancos, empresas de leasing e de capital. Então, estes últimos são os "donos" agora e podem negociar com quem eles quiserem.

Agora pra mim o ponto é outro: Será que alguém que está acostumado a dirigir um carro popular (Azul) vai conseguir pilotar uma Ferrari (Latam)? Aqui sim me paira a dúvida...  e ... ñ cheira muito bem.

Edited by dbzjorge
  • Like 1
Link to post
Share on other sites
1 hour ago, dbzjorge said:

Sujo não é... nojento (ñ muito ético) talvez... mas o paralelo é o seguinte: "Se você comprar uma Ferrari e não pagar, vc ñ pode dizer que ela é sua a menos que vc pague na totalidade. Se o acordo for descumprido (atraso ou inadimplência de parcelas), o dono da Ferrari pode te tirar ela e fazer negócio com quem ele quiser". É mais ou menos o que acontece com os Cuetos, Delta e Qatar, eles ñ mandam em mais nada pq o poder deles foi diluído pela inadimplência, qm manda agora são os bancos, empresas de leasing e de capital. Então, estes últimos são os "donos" agora e podem negociar com quem eles quiserem.

Agora pra mim o ponto é outro: Será que alguém que está acostumado a dirigir um carro popular (Azul) vai conseguir pilotar uma Ferrari (Latam)? Aqui sim me paira a dúvida...  e ... ñ cheira muito bem.

Latam, Ferrari? Aonde? 

  • Like 1
  • Haha 2
Link to post
Share on other sites
38 minutes ago, CabinCrew said:

Latam, Ferrari? Aonde? 

Ferrari: Maior, mais potente, mais cara e de marca mais valiosa.

Pilotar algo maior que vc ñ é tarefa para amadores. Esta é a minha humilde opinião.

Link to post
Share on other sites

Baralhoooooo! Já vi absurdos no fórum, mas tratar Azul como amadora é surreal, talvez colocando na mesa DN e sua patota e do outro lado os Cuetos, DN fez muito mais empresas de sucesso e inovações no setor. Já no que se refere a RH os dois são iguais.

  • Like 1
Link to post
Share on other sites
22 minutes ago, dbzjorge said:

Ferrari: Maior, mais potente, mais cara e de marca mais valiosa.

Pilotar algo maior que vc ñ é tarefa para amadores. Esta é a minha humilde opinião.

Bem observado, unir todas essas empresas , sistemas, mudar a marca, padronizar frota( ainda em andamento) não é tarefa fácil e a Latam tem tido muita dificuldade para fazer isso, imagina recomeçando do „zero „ com Azul?

Agora não pode-se negar que a gestão da Azul é incrível, souberam reinventar a aviação regional e foram de Embraer ( orgulho brasileiro) e tantos outros méritos do Neelman, isso não podemos ignorar!!! …..

  • Like 1
Link to post
Share on other sites
2 hours ago, dbzjorge said:

Agora pra mim o ponto é outro: Será que alguém que está acostumado a dirigir um carro popular (Azul) vai conseguir pilotar uma Ferrari (Latam)? Aqui sim me paira a dúvida...  e ... ñ cheira muito bem.

Mano, não diz uma coisa dessas. A AD está longe de ser um carro popular, ela é, bem dizer, a companhia modelo do Brasil, boa gestão, grande abrangência, frota diversa, financeiramente viável e eficiente, pena que paga pouco e tem um ticket médio mais caro, mas para os acionistas, é uma situação muito boa. É uma empresa de apenas 13 anos e já tem esse tamanho todo. E, convenhamos, a LA também está longe de ser uma Ferrari, a empresa ainda não se encontrou depois da fusão, sobretudo depois do rebranding, e está em recuperação judicial. É uma potência, uma empresa gigante - eu, particularmente, a considero uma empresa global. Mas longe de ser uma Ferrari, que, na aviação, esse rótulo cairia muito bem ao Grupo Lufthansa. Estamos aí, no máximo, diante de dois Corollas, sendo um modelo mais moderno, e outro mais antigo, que mesmo com o seu valor, já está um pouco ineficiente. 

  • Like 7
Link to post
Share on other sites

Tirando o insucesso pela questão do nacionalismo, DN fez uma revolução na TP. Em 14 meses receberam dezenove 339.

Já pensou, trocar todos os Boeings por 339/359/35K, a Boeing pira! :lol:

Link to post
Share on other sites
2 minutes ago, A350-1041 said:

Mano, não diz uma coisa dessas. A AD está longe de ser um carro popular, ela é, bem dizer, a companhia modelo do Brasil, boa gestão, grande abrangência, frota diversa, financeiramente viável e eficiente, pena que paga pouco e tem um ticket médio mais caro, mas para os acionistas, é uma situação muito boa. 

Isso não dá pra garantir, a dívida e os prejuízos só aumentam.

Link to post
Share on other sites

Uma Ferrari em recuperação judicial é pior do que um versa pago kkkkkkkkk

Essa comparação do amigo está meio equivocada…

  • Like 3
Link to post
Share on other sites

Outra coisa: estive pensando e se essa compra realmente ocorrer, a mais prejudicada, além, é claro do consumidor, será a Avianca. A Azul já possui uma sinergia boa com a United e tem um trânsito muito bom com os membros da Star Alliance, diria até melhor que a própria AV. Não sei como ficou a questão acionária entre UA e AV após o chapter 11, mas a parceria foi mantida. Agora, no caso da formação de uma "Azul sul-americana", essa potencial empresa atenderia a todos os maiores mercados do continente, exceto a Argentina, com uma participação de mercado insana. Eu já acho que a AD tem um pé na Star Alliance e outro fora há uns bons anos, não entra porque não quer. Não sei se estou viajando, mas nesse processo todo, creio que a Avianca ficaria bem esquecida, pois a empresa já diminuiu de tamanho e seus parceiros teriam outro maior ainda à disponibilidade. Não sei se para a United e as outras empresas parceiras seria viável manter um acordo com a Avianca e relegar a Azul, como também não sei se seria viável manter um acordo com ambas as empresas que concorrem em alguns mercados importantes. Acho que a cada cenário que desenhamos a respeito da união Azul-Latam, vemos que o prejuízo será bem grande para o mercado e para o passageiro.

Link to post
Share on other sites

Para mim, o maior problema não é o dinheiro. DN & Cia. conseguem levantar, fazer lobby, mesmo que passe alguns anos em perregue como foi a LAN com a TAM.

O maior problema é unir duas culturas diferentes. Antes da pandemia tinha uma empresa com os salários mais altos entre as principais, e uma outra com os salários mais baixos. Esta última quer comprar a primeira e o que acontece é a eliminação de quadros duplicados. Primeiramente no administrativo, vão manter quem ganha mais ou quem ganha menos, mas que faz parte do time vencedor? Como ficam os tripulantes? Pois a frota será reduzida. 

E diferente de Azul-Trip, TAM-Pantanal, BA-DanAir, você tem duas empresas gigantes e vai passar a sensação que o time AD ganhou do LA. Nos casos que cite, também eram, mais uma era pequena perto da outra, então engoliam a seco, mas o que dizer de incorporar uma empresa que é até maior que a sua? A LAN apanhou muito e continua apanhando com a TAM.

Analisando do ponto de vista financeiro, a fusão vale a pena: acesso aos slots de CGH, ponte-aérea, rotas internacionais saindo do principal aeroporto do país, similaridade na frota doméstica (A320), complementaridade em outras frota (AT7, E-Jets, A330...), capacidade de cortar duplicidades, rotas com monopólio (Azul adora enfatizar isso), é perfeito.

Do ponto de vista cultural e gerencial, aí não rola. Melhor exemplo: PanAm/National, teoricamente e financeiramente lindo, na prática um fiasco.

8 hours ago, A350-1041 said:

Outra coisa: estive pensando e se essa compra realmente ocorrer, a mais prejudicada, além, é claro do consumidor, será a Avianca. A Azul já possui uma sinergia boa com a United e tem um trânsito muito bom com os membros da Star Alliance, diria até melhor que a própria AV. 

Não diria, convenhamos que a procura das aéreas brasileiras pelas alianças é para atender o nosso mercado e uns gato pingados do Uruguai, Paraguai, Bolívia e partes da Argentina. Em termos de capilaridade de rotas, tem a Copa Airlines atendendo os destinos majoritários e secundários da América Latina, que é reforçado pela Avianca.

E no fim a questão da aliança está ultrapassada, é melhor ter joint-ventures com parceiras-chaves. É a poligamia das parcerias.

  • Like 2
Link to post
Share on other sites

Estou torcendo para que a LATAM, consiga o acordo com os credores e mantenha sua operação no BR. É uma pena, que agora eles acordaram para VIDA. Estão investindo em novos destinos e contratando pessoal. Não tenho dúvidas, se ela conseguir o acordo com os credores, e cumprir a promessa de 2022, ela vai ficar mais que potência. Os novos destinos anunciados foi uma aposta certeira, imagine os próximos 10. Torcendo para que retorne completamente sua operação internacional e lance ao menos de 5 novos destinos, ainda tem o acordo com a DELTA, que estaria incluso novas rotas no JV.

Edited by Victor Alexander 12
  • Like 3
Link to post
Share on other sites
3 minutes ago, Victor Alexander 12 said:

Estou torcendo para que a LATAM, consiga o acordo com os credores e mantenha sua operação no BR. É uma pena, que agora eles acordaram para VIDA. Estão investindo em novos destinos e contratando pessoal. Não tenho dúvidas, se ela conseguir o acordo com os credores, e cumprir a promessa de 2022, ela vai ficar mais que potência. Os novos destinos anunciados foi uma aposta certeira, imagine os próximos 10. Torcendo para que retome completamente sua operação internacional e lance ao menos de 5 novos destinos, ainda tem o acordo com a DELTA, que estaria incluso novas rotas no JV.

No JN com Delta serão criadas 9 rotas novas com destino aos EUA, apenas não informaram quais e quem fará o que Latam ou Delta

Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.




×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade