Jump to content

Implantação do 5G pode aumentar risco de acidentes aéreos


jambock
 Share

Recommended Posts

Meus prezados

Em carta à Casa Branca

Implantação do 5G pode aumentar risco de acidentes aéreos

Executivos da Airbus e Boeing se uniram para defender restrições no uso da tecnologia

Fabricantes alegam potencial risco de interferências nos sistemas dos aviões, comprometendo a segurança de voo.

A implantação do 5G poderá criar um grave problema de segurança para a aviação em todo o mundo. Existe o temor que a tecnologia de comunicação possa afetar o funcionamento do radioaltímetro, utilizado justamente para aferir a altitude de voo dos aviões.

Os executivos da Airbus e da Boeing enviaram formalmente uma carta para a Casa Branca, sede do governo dos Estados Unidos, solicitando que a implantação da tecnologia móvel 5G, prevista para janeiro, seja adiada.

O Secretário de Transportes dos Estados Unidos, Pete Buttigieg, que recebeu o documento, foi alertado pelo CEO da Boeing, David Calhoun, e pelo CEO da Airbus nas Américas, Jeffery Knittel, que o 5G pode causar interferências graves na segurança de voo.

O radioaltímetro é um equipamento que utiliza ondas eletromagnéticas para analisar a altura da aeronave acima do solo e que é de vital importância para o GPWS (sistema de alerta de proximidade do solo), que alerta a tripulação para o risco de colisão com a superfície, seja em solo ou na água. Além disso, é utilizado pelo sistema pouso automático (autoland), onde o avião realiza todo o procedimento de forma autônoma e empregado especialmente em condições climáticas adversas, com baixa ou nenhuma visibilidade horizontal ou vertical.

No início do mês, a Administração Federal de Aviação (FAA) a agência que cuida da aviação civil dos Estados Unidos, dispensando a audiência pública normalmente feita antes que uma nova norma seja publicada, proibiu o uso do autoland e alguns outros sistemas durante voos de baixa altitude em áreas com cobertura do 5G.

Os executivos defendem a limitação do espectro da tecnologia no entorno de aeroportos, pois caso contrário, a quantidade de voos atrasados, cancelados e alternados poderá aumentar nos próximos meses, em um momento em que o mercado está se recuperando dos efeitos da pandemia de covid-19.

Caso nenhuma medida seja tomada, o temor dos fabricantes e autoridades é um aumento exponencial dos riscos de acidente aéreos em todo o mundo.

Fonte: Marcel Cardoso – Aero Magazine 22 dez 2021

Link to comment
Share on other sites

  • 2 weeks later...

Esta rolando este tópico sobre o assunto no Airliners. net.

Se o 5G é tão prejudicial para o meio aereo, porque os governos estão deixando ir pra frente? Vão esperar um acidente pra fazer algo?

FAA to prohibit many flight operations due to risk of ‘5G’ wireless interference


https://www.airliners.net/forum/viewtopic.php?f=3&t=1467683&sid=a5dbc2a92a3c883426602eb99357d25d

  • Thanks 1
Link to comment
Share on other sites

  • 2 weeks later...

Meus prezados

5G - Para garantir vendas da EMBRAER, ANATEL avalia instalação de filtros anti-5G em aviões

Medida está em estudo mesmo diante de risco desprezível de interferências entre telefonia e altímetrosir vendas da EMBRAER, ANATEL avalia instalação de filtros anti-5G em
Folha de São Paulo
Julio Wiziak
12 January 2022

 
A ANATEL (Agência Nacional de Telecomunicações) avalia a necessidade de instalação de filtros em equipamentos de aeronaves para evitar interferências com a chegada da telefonia 5G a partir de julho deste ano.
A medida, segundo técnicos da agência, seria "cosmética" para dar mais garantia à fabricante de jatos EMBRAER na venda de seus aparelhos.

No final do ano passado, a empresa enviou um ofício para a ANATEL questionando sobre possíveis interferências do 5G, que será prestado na faixa de frequência de 3,5 GHz (gigahertz).
Frequências são como avenidas no ar por onde as teles fazem trafegar seus sinais. Fora dessas vias ocorrem interferências.

Ainda segundo os técnicos da ANATEL, o pedido da EMBRAER é resultado de uma preocupação global dos fabricantes de aeronaves.
Nos EUA, a agência de telecomunicações, conhecida como FCC, também foi acionada devido ao início do serviço 5G no país.
No entanto, ainda segundo os técnicos, esses equipamentos aeronáuticos (rádio altímetros) –responsáveis pela aproximação dos aviões quando se preparam para a decolagem– operam entre 4,2 GHz e 4,4 GHz, muito distante da faixa de 3,5 GHz.

Segundo o conselheiro Moisés Moreira, que comandará um dos grupos de trabalho de implantação do 5G, o assunto das aeronaves vem sendo acompanhado pela Superintendência de Outorga e Recursos à Prestação (SOR), responsável por, entre outros assuntos, fazer a gestão do espectro de radiofrequências no país.

"Essa gestão do espectro inclui a interação com outros países e o acompanhamento de discussões sobre possíveis problemas de convivência entre diferentes serviços e sistemas, bem como a definição de medidas para mitigar eventuais interferências", disse.
Ainda segundo ele, a convivência entre os serviços de telefonia e dos rádio altímetros é uma questão debatida internacionalmente há diversos anos.
"Essa discussão ganhou maior repercussão nos EUA com a iminência da ativação do 5G por lá", disse.

Lá, os altímetros operam entre 3,7 GHz e 3,9 GHz –um espaço de até 200 MHz, conhecido como banda de guarda, entre o serviço de 5G e o dos altímetros dos aviões.
Esse risco no Brasil está afastado porque a banda de guarda conta com pelo menos 500 MHz.
Ou seja: as chances de interferência seriam desprezíveis.

Mesmo assim, para tranquilizar os futuros compradores de aviões da Embraer, a Anatel estuda a possibilidade de instalação de filtros nesses equipamentos.
Esses filtros impediriam que os aparelhos sofressem qualquer tipo de interferência no momento de uma aterrissagem, por exemplo.
Para isso, no entanto, a Anatel terá de incluir os aviões comerciais no projeto de limpeza da faixa de 3,5 GHz, algo que dependerá de deliberação do conselho diretor da agência.

A chamada "limpeza da faixa" é uma espécie de pente fino para evitar qualquer tipo de interferência dos serviços. Antes do leilão do 5G, ocorrido em novembro do ano passado, a faixa de 3,5 GHz era ocupada pela radiodifusão e milhares de antenas parabólicas captavam sinais abertos das principais emissoras nos rincões mais afastados do país.

Para evitar que a telefonia de quinta geração atrapalhe a recepção de sinais, as operadoras que venceram o leilão depositarão recursos na conta da Entidade Administradora da Faixa de 3,5 GHz (EAF), que será criada para levar adiante as medidas de mitigação de interferências.
Um dos projetos pré-definidos no edital do 5G estabeleceu a distribuição de kits de recepção das parabólicas, que passarão a operar em outra frequência.
A instalação de filtros nas aeronaves seria uma nova demanda, não prevista anteriormente pelos técnicos da agência porque não há necessidade, segundo um dos técnicos que participam dos estudos.

Fonte: Defesanet 12 jan 2022

                           

Link to comment
Share on other sites

https://www.reuters.com/business/aerospace-defense/us-faa-oks-45-commercial-airplane-fleet-operations-after-5g-deployment-2022-01-16/

U.S. FAA clears 45% of commercial plane fleet after 5G deployed

By David Shepardson

January 17, 2022

 

 The U.S. Federal Aviation Administration (FAA) said Sunday it had cleared an estimated 45% of the U.S. commercial airplane fleet to perform low-visibility landings at many airports where 5G C-band will be deployed starting Wednesday.

The FAA has warned that potential interference could affect sensitive airplane instruments such as altimeters and make an impact on low-visibility operations.

U.S. passenger and cargo airlines have been sounding the alarm to senior government officials that the issue is far from resolved and could severely impact flights and the supply chain.

"Even with the approvals granted by the FAA today, U.S. airlines will not be able to operate the vast majority of passenger and cargo flights due to the FAA's 5G-related flight restrictions unless action is taken prior to the planned Jan. 19 rollout," said Airlines for America, a trade group representing American Airlines (AAL.O), Delta Air Lines (DAL.N), Fedex (FDX.N) and other carriers.

The FAA approved two radio altimeter models used in many Boeing and Airbus planes, including some Boeing 737, 747, 757, 767, MD-10/-11 and Airbus A310, A319, A320, A321, A330 and A350 models. The announcement came just days before AT&T (T.N) and Verizon (VZ.N) launch new 5G service on Wednesday. The FAA said it expects to issue more approvals in the coming days.

The FAA said the aircraft and altimeter approvals open "runways at as many as 48 of the 88 airports most directly affected by 5G C-band interference." But the agency warned that "even with these new approvals, flights at some airports may still be affected."

Reuters reviewed the 36-page list of the runways covered by the approvals that has not yet been made public - and it does not include many larger U.S. airports.

The FAA told Boeing in a letter Sunday reviewed by Reuters that it was granting approvals for specific runways and planes with certain altimeters "because the susceptibility to interference from 5G C-band emissions has been minimized."

AT&T and Verizon, which won nearly all of the C-Band spectrum in an $80 billion auction last year, on Jan. 3 agreed to buffer zones around 50 airports to reduce interference risks and take other steps to reduce potential interference for six months. They also agreed to delay deployment for two weeks, averting an aviation safety standoff.

The FAA on Thursday issued nearly 1,500 notices detailing the extent of potential impact of 5G services.

"Passengers should check with their airlines if weather is forecast at a destination where 5G interference is possible," the FAA said Sunday.

On Jan. 7, the FAA disclosed the 50 U.S. airports that will have 5G buffer zones, including in New York City, Los Angeles, Chicago, Las Vegas, Minneapolis, Detroit, Dallas, Philadelphia, Seattle and Miami.

But airlines warn those buffer zones may not be enough to prevent flight disruptions at those airports.

On Thursday, Airports Council International – North America urged a delay 5G implementation to avoid widespread disruption across the U.S air transportation system.

On Friday, the FAA said it would require Boeing 787 operators to take additional precautions when landing on some wet or snowy runways.

Link to comment
Share on other sites

https://www.reuters.com/technology/faa-requires-new-precautions-some-boeing-787-landings-after-new-5g-launches-2022-01-14/?taid=61e1e90aed344f0001a699a4&utm_campaign=trueAnthem:+Trending+Content&utm_medium=trueAnthem&utm_source=twitter

The U.S. Federal Aviation Administration (FAA) said Friday it will require operators of Boeing 787s (BA.N) to take additional precautions when landing on wet or snowy runways at airports where new wireless services are deployed from next week.

The FAA said 5G interference could prevent engine and braking systems from transitioning to landing mode, which could prevent an aircraft from stopping on the runway.

The directive requires crews "to be aware of this risk and to adopt specific safety procedures when landing on these runways." It affects 137 U.S. aircraft and 1,010 planes worldwide.

Link to comment
Share on other sites

Hoje o CEO da AAL enviou uma carta no e-mail dos funcionários:

Traduzida:

“Caros colegas da equipe,

Como companhia aérea, estamos acostumados a operar em condições desafiadoras. É algo que fazemos todos os dias e o que experimentamos neste fim de semana com a tempestade de inverno que atingiu partes dos Estados Unidos e teve um grande impacto em nossa operação. Mas começamos esta semana enfrentando um desafio sem precedentes, já que duas grandes operadoras de celular começam a implantar o serviço sem fio 5G em todo o país amanhã, janeiro. 19. Prevemos que a American, juntamente com todas as companhias aéreas dos EUA e muitas transportadoras estrangeiras que prestam serviços a destinos dos EUA, experimentará grandes interrupções operacionais à medida que esta nova tecnologia 5G opera em frequências adjacentes às usadas pelos altímetros de rádio em aeronaves. Esses altímetros de rádio são um componente crítico de todas as aeronaves que voamos, pois medem com mais precisão a distância entre uma aeronave e o solo.

Não se sabe o suficiente sobre a maneira como as ondas de rádio 5G podem potencialmente interferir nas ondas de rádio altímetro e, por esse motivo, a Administração Federal de Aviação (FAA) impôs várias restrições operacionais às aeronaves, incluindo como e quando podemos voar para certos aeroportos dos EUA, particularmente em condições climáticas adversas. Essas restrições se concentram em garantir a segurança de todas as aeronaves e do público viajante, e apoiamos totalmente isso. A segurança orienta tudo o que fazemos na American, e é por isso que nós, juntamente com nossos parceiros sindicais na APA, APFA e PAFCA, continuamos a trabalhar com a FAA para apoiar a implantação segura dessa tecnologia, limitando as interrupções nas viagens aéreas.

Ainda estamos trabalhando no impacto total que isso terá em nossa operação. Até que uma solução técnica de longo prazo seja desenvolvida e implementada e enquanto o 5G for implantado, prevemos que sofreremos atrasos, desvios e cancelamentos que estão muito além do nosso controle. E não está perdido para ninguém o que isso significa para nossa equipe: treinamento adicional para nossa equipe, mudanças na maneira como operamos e suporte adicional para nossos clientes. Saiba o quanto somos gratos por sua flexibilidade contínua, profissionalismo e compromisso inabalável com a segurança.

Para ser muito claro, estamos incrivelmente desapontados por estarmos neste momento, que toda a indústria aérea dos EUA está enfrentando grandes interrupções à medida que a nova tecnologia sem fio é ativada. Os dois devem ser capazes de coexistir, mas isso só vem com uma melhor compreensão dos possíveis impactos. Continuaremos trabalhando com a FAA para encontrar alívio adicional de algumas dessas restrições operacionais sem comprometer a segurança de nossa equipe, clientes ou operação, e continuaremos a mantê-lo atualizado. Enquanto isso, encorajo você a visitar a Jetnet para obter mais informações.”

  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

Para a manutenção: Observar entradas nos livros das aeronaves Boeing com relação à:

Radio Altimeters, autopilot flight director system, autothrottle system, engine thrust reversers, Flight control, Flight instrument, TCAS, GPWS and configuration warnings.

Se uma suspeita de interferência 5G for notada: Test específico do FIM mais download do DFDR e contactar o MOC

Airbus: Essa semana será atualizado o TSM

Link to comment
Share on other sites

13 hours ago, MRN said:

Para a manutenção: Observar entradas nos livros das aeronaves Boeing com relação à:

Radio Altimeters, autopilot flight director system, autothrottle system, engine thrust reversers, Flight control, Flight instrument, TCAS, GPWS and configuration warnings.

Se uma suspeita de interferência 5G for notada: Test específico do FIM mais download do DFDR e contactar o MOC

Airbus: Essa semana será atualizado o TSM

Na sua opinião, é apenas excesso de precaução ou há risco real à segurança de voo?

Link to comment
Share on other sites

47 minutes ago, F-GSPN said:

Na sua opinião, é apenas excesso de precaução ou há risco real à segurança de voo?

Para a Emirates parar de voar por lá, e a AF está prestes a tomar a mesma decisão, penso que exista sim um certo risco. Na França, o 5G foi suspenso. Um colega falou com 2 pilotos da AF e eles disseram que voando sobre o território de Israel, no FL350, tem-se indicação de RA, entre outras coisas estranhas na cabine. Já tem um aviso para as tripulações sobre cálculo de autobrake em alguns aeroportos americanos. 

O problema é que a frequência do 5G nos EUA é muito próxima, vai 3,7 GHz a 3,98 GHz, e isso causa interferência. No Brasil fica entre 3,3 GHz e 3,7 GHz. Os RA operam entre 4,2 GHz e 4,4 GHz

  • Thanks 1
Link to comment
Share on other sites

Meus prezados

Em entrevista

Presidente da Emirates dá duras críticas ao problema com o 5G nos EUA

Tim Clark classificou o caso como 'delinquente' e 'irresponsável'

spacer.png

Companhia aérea foi a mais afetada pelas restrições de pousos impostas pelos EUA | Foto: Divulgação.

Em entrevista à rede de TV norte-americana CNN, o presidente da Emirates, Tim Clark, informou que a companhia somente foi informada sobre alguns dos problemas envolvendo a interferência do 5G na manhã de terça-feira (18), menos de 24 horas antes das restrições aos pousos em dezenas de aeroportos norte-americanos entrarem em vigor.

Clark classificou a situação como "uma das mais delinquentes e totalmente irresponsáveis" que ele viu em sua carreira de 50 anos na aviação. A companhia é a maior operadora do Boeing 777 no mundo, sendo a mais afetada pelas restrições impostas pela Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA) e pela própria fabricante, que determinou a suspensão das operações do modelo nos aeroportos afetados.

A Emirates cancelou voos para nove destinos por tempo indeterminado, a partir desta quarta-feira (19). Outras quatro companhias aéreas cancelaram ou tiveram de trocar de aeronaves para manter suas operações nos principais terminais norte-americanos. No Brasil, a Latam Airlines substituiu o Boeing 777-300ER nos voos entre São Paulo (GRU) para Miami (MIA) e Nova York (JFK) pelo 787-9 e pelo 767-300ER, respectivamente.
Devido aos crescentes transtornos, as duas maiores operadoras do 5G dos Estados Unidos, a AT&T e a Verizon, restringiram a implantação da tecnologia no entorno dos aeroportos norte-americanos até que haja uma definição sobre o assunto.

·       Receba as notícias de AERO diretamente das nossas redes sociais clicando aqui

Fonte: Marcel Cardoso – Aero Magazine 19 jan 2022

 

  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

AT&T e verizon vão atrasar a implantação de antenas. Divulgado pela AAL 

“Caros colegas da equipe,

Ontem à tarde, a AT&T e a Verizon concordaram em atrasar a implantação de antenas 5G selecionadas em certos aeroportos para ajudar a mitigar o impacto operacional significativo em todas as companhias aéreas que operam nos aeroportos dos EUA. Com esse alívio, nos aproximamos do retorno às operações normais.

Na verdade, ontem e da noite para o dia, começamos a receber requisitos operacionais atualizados (autorização do Método Alternativo de Conformidade {AMOC}) que foram e continuam a ser implementados por nossas equipes durante a noite e até hoje. Como o nome sugere, os AMOCs fornecem flexibilidade operacional sem comprometer a segurança. Recebemos AMOCs para nossas aeronaves Boeing 737, 777 e 787, o que significa que poderemos operar essas frotas normalmente na maioria dos aeroportos assim que os AMOCs forem implementados. Ainda não recebemos AMOCs para nossas frotas Airbus e regionais, mas esperamos muito em breve.

Vimos algum impacto operacional menor enquanto esperávamos os requisitos operacionais revisados da Administração Federal de Aviação (FAA) que se alinharam com o novo plano de implantação 5G. No lado principal, vimos alguns atrasos e quatro cancelamentos e esperamos algum impacto menor e localizado até que os AMOCs Airbus sejam finalizados. Para nossas frotas regionais Bombardier CRJ e Embraer, vimos mais alguns cancelamentos e atrasos hoje do que a linha principal enquanto aguardamos AMOCs, que a FAA e os fabricantes compartilharam que estão trabalhando diligentemente para finalizar.

A American, como outras companhias aéreas, agora está melhor posicionada para apoiar nossos clientes e manter a cadeia de suprimentos intacta. Agradecemos a vontade das operadoras de celular de implementar planos de implantação revisados para permitir que viagens aéreas e redes sem fio aprimoradas coexistam e o papel crítico da Casa Branca e do Departamento de Transportes em facilitar isso. Também agradecemos à FAA e aos fabricantes de aeronaves por seu foco contínuo na segurança e no equilíbrio do impacto operacional sentido pelas companhias aéreas e nossos clientes.

Mas o que mais me orgulhava é da maneira como nossa equipe se reuniu em torno dessa possível interrupção. Nossos departamentos operacionais e parceiros sindicais trabalharam 24 horas por dia para planejar e, em seguida, girar rapidamente à medida que esses planos mudavam. E todos na linha de frente, incluindo pilotos e despachantes, rapidamente se ajustaram às mudanças nos procedimentos neste ambiente dinâmico. Temos a melhor equipe do ramo. Lembro-me disso todos os dias, mas especialmente em momentos como este.”

Link to comment
Share on other sites

  • A345_Leadership changed the title to Implantação do 5G pode aumentar risco de acidentes aéreos

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

 Share

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade