Jump to content

Brasil torna aviação mais acessível e simples, inclusive na Amazônia Legal


jambock
 Share

Recommended Posts

Meus prezados 

Voo Simples

Brasil torna aviação mais acessível e simples, inclusive na Amazônia Legal

Anac fomenta o mercado brasileiro de aeronaves leves, simplificando e barateando processos

spacer.png

Anac quer incentivar a indústria nacional a desenvolver e certificar aeronaves voltadas ao desporto | Foto: Divulgação

Ļançado com pompa em 2020, o programa Voo Simples estabeleceu um conjunto de medidas voltado para a desburocratização e o desenvolvimento da aviação civil brasileira. O projeto abrange praticamente todas as áreas do transporte aéreo, da indústria aos operadores, passando por infraestrutura aeroportuária e regulamentação aeronáutica.̧ão e o desenvolvimento da aviação civil brasileira. O projeto abrange praticamente todas as áreas do transporte aéreo, da indústria aos operadores, passando por infraestrutura aeroportuária e regulamentação aeronáutica.

Desde o princípio, havia muita expectativa em relação à reformulação de algumas regras voltadas para o mercado de aeronaves leves e desportivas, criando diferenciações na comparação com outras categorias dentro da própria aviação geral. Até então, as normas eram praticamente as mesmas para uma gama muito variada de aeronaves, de um monomotor a pistão a jatos intercontinentais de ultralongo alcance.

·Categoria de Registro

Uma das primeiras ações do projeto, a iniciativa 03.04, prevê a redução do número de categorias de registro de aeronaves. Redução ou exclusão do número de categorias de registro de aeronaves, alinhando-se às melhores práticas internacionais sobre a matéria, de forma que a simplificação facilite a Superintendência de Aeronavegabilidade (SAR) e a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) a possuir um controle estatístico de frota por tipo de operação sem grandes ônus, destaca o programa Voo Simples. Na avaliação dos idealizadores do projeto, um dos entraves da aviação brasileira era o excesso de categorias, muitas vezes conflitantes, o que, além de oneroso, inviabilizava diversos operadores ingressarem em determinada categoria.

Digitalização

Na mesma linha, as iniciativas 03.03 e 03.05 preveem a máxima digitalização de processos. A primeira diz respeito ao RAB Digital, com uma série de validações geradas no Sistema Eletrônico de Informação (SEI), facilitando a acesso a documentos e procedimentos para cada tipo de petição. O segundo item planeja o uso de documentos digitais, simplificando o registro de aeronaves. Embora se refiram a todas as categorias de aeronaves, essas duas iniciativas têm especial destaque para a aviação leve, visto que o operador, em geral o próprio piloto, não dispõe de grandes equipes para cuidar de processos ligados à operação aérea. Em alguns casos, evolvendo aeronaves clássicas ou experimentais, por exemplo, o próprio piloto-proprietário é quem cuida de diversos assuntos junto a autoridades. “No país de Santos Dumont, no país da aviação, nós voamos pouco. Porque nós perdemos o gosto por voar. Voar se tornou burocrático, voar se tornou um sofrimento, comentou o ministro Tarcísio Freitas, na ocasião do lançamento do programa Voo Simples.

Vistoria e Manutenção

Justamente para evitar tal “sofrimento” é que a Anac criou também um projeto para processos de vistoria, com a ampliação da certificação de Profissional Credenciado em Aeronavegabilidade (PCA) para a realização de vistorias de aeronaves. A maior parte da frota de aviões leves está distante de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, estados que concentram a maior parte das oficinas credenciadas e profissionais capacitados. Para diversos operadores no interior brasileiro, em especial em regiões distantes, como a Amazônica ou cidades isoladas do Centro-Oeste, muitas vezes, o simples processo de vistoria é um pesadelo. Ironicamente, são áreas do território brasileiro onde a aviação é fundamental para a ligação e o desenvolvimento nacional. Outra medida muito bem-vinda para a aviação leve é a simplificação de requisitos de manutenção de aeronaves, como a ampliação das autorizações das organizações de manutenção, com a adequação das autorizações concedidas e possíveis simplificações.

Indústria

Para a indústria nacional, em especial fabricantes de aeronaves de pequeno porte, incluindo experimentais, a Anac trabalha na revisão do programa de fomento à certificação de aeronaves de pequeno porte (IBR 2020). O objetivo é incentivar empresas a certificar aviões voltados para o desporto, com atenção especial para a aviação geral de entrada. Um dos gargalos da regulamentação atual era exigir de empresas menores os mesmos processos de certificação de aviões comerciais e jatos de negócios. Ainda que a Anac não tenha planos de alterar o rigor de certificação, haverá mudanças no processo, tornando-o mais enxuto para pequenos fabricantes. Um dos motivos é a diferença entre o número de processos existentes no projeto de construção de um avião comercial (que envolve milhares de pessoas, centenas de milhares de componentes e inúmeros fornecedores, e todos devem ser qualificados) e um pequeno avião monomotor desenvolvido e montado por alguns técnicos e um punhado de fornecedores.

Com a simplificação, o que se espera é que a indústria nacional elabore projetos que tenham maiores condições de serem submetidos ao processo de certificação de tipo. Muitas aeronaves poderiam passar na campanha de ensaios e receber o certificado de tipo, porém, os custos envolvidos e as exigências (a maioria apenas de documentação) ficam acima das capacidades do fabricante. A intenção é usar um modelo similar ao norte-americano, dando maior responsabilidade ao fabricante, em vez de a agência reguladora ser o ente que cobra absolutamente tudo.

O modelo proposto é conhecido como “autorregulação regulada. Nele o fabricante envia para a Anac uma declaração assegurando que foram cumpridas normas consensuais da indústria e a agência apenas verifica se o processo feito pelo fabricante foi executado adequadamente. Ao passar para a empresa a responsabilidade quase total, a Anac reduz custos, tempo e mantém o elevado padrão de certificação. Afinal, nenhum fabricante vai assinar um laudo afirmando ter cumprido todos os requisitos sabendo que, diante de uma falha, a responsabilidade total será dele. Portanto, é teoricamente possível que sejam criadas aeronaves com alto nível de segurança, sem que haja qualquer envolvimento do Estado, afirma a Anac.

Áreas Povoadas

Ainda pensando na aviação leve, a Anac trabalha na regulamentação para flexibilizar o sobrevoo de aeronaves experimentas em áreas densamente povoadas. Basicamente, haverá uma interpretação normativa sobre o que é densamente povoado. Atualmente, um vilarejo com um pequeno número de casas pode ser considerado densamente povoado, o que inviabiliza quase todas as operações de aeronaves experimentais. A regra não vai liberar um LSA para voar sobre cidades como São Paulo, mas pode permitir sua operação na maioria dos aeródromos brasileiros.

Amazônia Legal

Outro ponto importante para a aviação leve é a simplificação de requisitos para aeródromos na Amazônia Legal. Haverá a unificação dos processos de autorização prévia de construção, simplificando os requisitos e procedimentos em áreas de difícil acesso e carente de conectividade do modal aéreo. Na Amazônia Legal, a aviação leve se mostra essencial, conectando regiões isoladas do território nacional. Além disso, ao melhorar a eficiência na regulamentação, o modelo permitirá a ampliação do uso de aeronaves de pequeno porte, incluindo os LSA, em todo o Brasil, ampliando a possibilidade de sucesso de novos fabricantes nacionais. Segundo a Anac, as aeronaves leves podem cumprir uma ampla gama de missões além do desporto, incluindo treinamento, transporte particular, entre outros. “O espectro de possibilidades de aplicação dessas aeronaves é bastante amplo e se aproxima da utilização de pequenas aeronaves certificadas”, diz a Anac.

* Texto publicado originalmente na AERO Magazine, edição 329

·       Receba as notícias de AERO diretamente das nossas redes sociais clicando aqui

Fonte:  Edmundo Ubiratan – Aero Magazine 28 jan 2022

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

 Share

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade