Jump to content

Inquérito contra controladores é retaliação


Guest Gnomo 727

Recommended Posts

Guest Gnomo 727

Advogado: inquérito contra controladores é retaliação

 

Maria Clara Cabral

Direto de Brasília

 

O advogado dos controladores de vôo, Fábio de Souza, classificou o resultado do Inquérito Policial-Militar (IPM) como uma retaliação da Aeronáutica. Para Souza, o comando não aceita a existência e ação da associação dos controladores.

 

O IPM, que investiga o motim realizado por controladores de vôo no dia 30 de março, quando uma crise paralisou os aeroportos do País, recomendou ao Superior Tribunal Militar a abertura de processo contra cinco controladores que estavam no Cindacta 1 no dia da paralisação.

 

Na opinião do advogado, o maior sinal da intransigência da Aeronáutica é o fato de dois indicados, os primeiros-sargentos Wellington Andrade Rodrigues e Edileuso Sousa Cavalcanti, fazerem parte do comando da Associação Brasileira dos Controladores do Tráfego Aéreo. "Na minha opinião eles (Aeronáutica) estão tentando minar a ação da associação", afirmou Souza.

 

Além de Rodrigues e Cavalcanti, os suboficiais Luiz Marques e Moisés Gomes de Almeira e o segundo-sargento Wellington Fábio de Lima também são apontados como os comandantes do motim.

 

Os advogados dos controladores ainda não tiveram acesso à íntegra do IPM e farão o pedido para análise do material ainda nesta segunda-feira. Souza afirmou que, apesar do resultado do IPM e da possibilidade de novas retaliaçãoes, a associação dos controladores vai continuar existindo.

 

Agora, a procuradora-geral da Justiça Militar, Maria Ester Henriques Tavares, analisa o inquérito para decidir se abre o processo. Caso a resposta seja positiva e os controladores condenados, eles podem ser expulsos da Aeronáutica e cumprir prisão de até 8 anos.

 

Na quinta-feira da semana passada, a Aeronáutica determinou a transferência de seis controladores de vôo do centro de Controle de Tráfego Aéreo de Manaus (AM), o Cindacta-4, apontados como "lideranças negativas".

 

CPI

Já na opinião do presidente da CPI do Apagão Aéreo da Câmara, deputado Marcelo Castro (PMDB-PI), o resultado do IPM não pode ser interpretado de maneira equivocada. Ele afirma que, em princípio, está do lado do comando da Aeronáutica, já que é muito difícil de falar sobre a hierarquia militar.

 

"É difícil de falar sobre questões militares. Eles têm um mundo próprio, sempre prevalecendo o comando do superior, a hierarquia, é uma norma deles. Não podemos imaginar como é quebrar essa hierarquia. Por isso, em princípio, estou do lado do comando da Aeronáutica", afirmou.

 

Redação Terra

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

Guest
This topic is now closed to further replies.
×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade