Jump to content

Zuanazzi defende sua agência


C010T3

Recommended Posts

Enviado por Gustavo Noblat - 25.7.2007 | 11h45m

 

Zuanazzi defende sua agência

 

Milton Zuanazzi, presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), está depondo neste momento na CPI do Apagão Aéreo da Câmara. Sem grandes novidades, a única coisa que ele faz é defender a atuação de sua agência.

 

- Ninguém gosta de ouvir críticas injustas. Do ponto de vista de uma agência reguladora que é limitada por lei, e dentro dessa lei um artigo diz que ela tem que obedecer às diretrizes do Conac (Conselho Nacional de Aviação Civil). Se não tivermos esse limite legal, nos tornamos uma agência imperial - afirmou há pouco.

 

Zuanazzi se sente injustiçado por críticas que na avaliação dele não deveriam ser dirigidas a ANAC:

 

- Essa culpa (de acúmulo vôos em aeroportos) não é da Anac. Recebo todas as críticas com humildade, mas aquelas que não são justas, me sinto no direito de não aceitá-las (...). As malhas (aéreas) são frutos desses tempos mais recentes e hoje é um realidade no mundo. Estamos admitindo que a malha integrada causa transtornos aos usuários e estamos convencendo as empresas que as malhas não podem continuar dessa forma(...). Nunca liberamos um horário de transporte de vôo sem o ok da Infraero.

 

Sobre a superlotação de vôos no Aeroporto de Congonhas e o remanejamento de viagens que passem por lá, afirmou Zuanazzi:

 

- Não diminui mais porque vai levar para onde se não tem capacidade alternativa? E a folga do aeroporto Guarulhos é para receber os vôos alternados de Congonhas.

 

Por determinação do CONAC, Congonhas receberá menos vôos a partir desta semana. Apenas viagens diretas (sem escalas) serão permitidas.

 

Ao ser questionado sobre a possibilidade de deixar a agência, Zuanazzi disse que "se qualquer parlamentar, qualquer cidadão entender que os problemas que estão ocorrendo são culpa da ANAC não tenho problema nenhum em deixar o cargo”.

 

Segundo o presidente da ANAC, um possível aumento de preço nas passagens aéreas por conta dos remanejamentos de vôos pode não ocorrer, pois "estão sendo feitos estudos para reduzir o preço do combustível dos aviões".

 

Zuanazzi disse ainda que "a TAM demorou muito a notificar os familiares" das vítimas do acidente com o Airbus 320 que caiu na última terça com 187 pessoas a bordo. Mas que fez isso dentro das "normas" da aviação aérea.

 

Quanto ao histórico de problemas do Airbus da TAM, como vem noticiando a imprensa, Zuanazzi garantiu que "como toda aeronave, seu ciclo de vida tem manutenção programada, e não tinha nenhuma anormalidade". Segundo ele, uma oficina em Xangai, na China, fez todas as verificações no avião e não encontrou defeitos. E disse mais:

 

- Viajar no limite do número de horas não tem relação com a segurança dos vôos. Cada hora a mais de vôo implica em manutenção do avião.

 

Ao ser perguntado se tinha alguma ligação com empresas aéreas, Zuanazzi respondeu irritado:

 

- Meu patrimônio é absolutamente franciscano. Nunca tive ligação com nenhuma empresa, nem nunca terei.

 

O depoimento começou às 09:45h e deve acabar às 14:20h. Assista aqui, ao vivo, pela TV Câmara.

 

Permalink: http://oglobo.globo.com/pais/noblat/post.a...67218&a=111

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

Guest
This topic is now closed to further replies.
×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade