Jump to content

TGV desiste de recursos do BNDES e VarigLog refaz oferta pela Varig


PR-GGA

Recommended Posts

TGV desiste de recursos do BNDES e VarigLog refaz oferta pela Varig

Sexta, 23 de Junho de 2006, 10h41

Fonte: Investnews

 

A TGV, que reúne os funcionários da Varig, desistiu ontem, oficialmente, de conseguir recursos junto ao Banco de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para depositar os US$ 75 milhões necessários para sacramentar a compra da chamada Nova Varig, arrematada no leilão do último dia 8 de junho.

 

Veja como os passageiros da Varig devem proceder

Diante da expectativa do mercado de que os recursos não sejam depositados pela NV Participações, o consórcio vencedor formado pela TGV, a VoLo, formada pelo fundo americano Mattlin Patterson e investidores brasileiros que controlam a VarigLog, voltou a anunciar a intenção de aportar US$ 485 milhões na Varig.

 

O aporte, que ocorreria por meio da aquisição da parte operacional da companhia, está condicionado, no entanto, ao insucesso da TGV, hoje. Por maior que seja a expectativa de que os Trabalhadores do Grupo Varig não consigam levantar os US$ 75 milhões exigidos pela Justiça para até hoje, o presidente da Associação dos Pilotos da Varig (Apvar), Rodrigo Marocco, disse que a TGV não jogará a toalha."Estamos tentando levantar os recursos por meio de nossas várias frentes de negociações com investidores", assegurou Marocco, que não quis antecipar qual seria o Plano B para o caso de não conseguirem os recursos. "Não posso adiantar qual é a nossa estratégia.

 

De qualquer maneira, Marocco admitiu a hipótese de compor com a VoLo no caso de um posterior aporte do fundo de investimentos. Embora tal hipótese também seja considerada improvável pelo mercado, exatamente pelo histórico de divergências entre as partes, um comunicado oficial assinado pela VarigLog abre a possibilidade de cessão de 5% do capital da futura Varig Operacional para os trabalhadores. O fundo não dá detalhes, porém, da forma como isso ocorreria. "Nós estamos abertos a negociações", disse Marocco, sem, no entanto, confirmar se já ocorreu qualquer tipo de negociação com a VoLo.

 

Com relação ao BNDES, o diretor da TGV justificou a capitulação ao lembrar que não teria como elaborar um plano de negócios para a Varig sem ter acesso aos números e toda contabilidade da empresa. O plano de negócios foi imposto como pré-condição pela diretoria do banco a qualquer empréstimo para a TGV.

 

A VarigLog já havia manifestado, há meses, interesse na parte operacional da Varig. A proposta chegou até a ser aprovada pela diretoria da companhia aérea. O negócio só não se tornou possível devido às incertezas jurídicas levantadas pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Os credores da companhia também não concordaram com a proposta, porque seria inferior ao valor mínimo desejado, na época, para o leilão de venda da companhia.

 

Embora o comunicado oficial não confirme o valor de uma nova proposta, fontes ligadas à VarigLog confirmam o valor de US$ 485 milhões. A intenção da VoLo seria justamente assumir as operações da companhia - com a absorção de uma parcela dos funcionários - até a realização pelo administrador judicial de um novo leilão ou assembléia de credores. Como a proposta da VarigLog é a única, pelo menos até o momento, especialistas do setor avaliam que a assunção da companhia pela VarigLog, mesmo que em caráter transitório, praticamente a confirmaria como nova proprietária da Varig.

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

Guest
This topic is now closed to further replies.
×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade