Jump to content

POA - A cerração que para o aeroporto


jambock

Recommended Posts

Meus prezados:

A cerração que pára o aeroporto

A instalação de equipamentos que aguardam remoção de vila poderia evitar a rotina de atrasos que passageiros amargam nesta época do ano em Porto Alegre

MARCELO GONZATTO

Duas situações desfavoráveis se combinaram para manter o Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre, fechado durante 72 horas desde o início do ano: a temporada intensa de nevoeiros e a falta de um equipamento mais sofisticado para guiar os pilotos em meio à cerração. A instalação do aparelho está emperrada pela demora na remoção da vila vizinha ao aeroporto.

O sistema que envia coordenadas para as aeronaves localizarem a pista com maior precisão exige uma visibilidade horizontal mínima de 800 metros. Essa distância poderia cair pela metade se um modelo mais avançado fosse instalado.

- Para instalar o equipamento, precisamos da área ainda ocupada pela Vila Dique - explica o superintendente-adjunto da Infraero no Estado, Marco Aurélio Franceschi.

Com uma versão menos potente do equipamento, os passageiros amargam horas de espera. Veja como e por que isso ocorre.

NEVOEIRO

Detalhe: partes das antenas do localizador foram furtadas ou avariadas, recentemente.

fonte: jornal "Zero Hora" 8 jun 2006

Link to comment
Share on other sites

Que aparelho é esse ? Por que os aeroportos do sul não são equipados com ILS idêntico ao de SCL (acho que é 3a). Nos últimos dias tem sido uma constante o fechamento de JOI, CWB e principalmente POA. Para um aeroporto que o governo quer ver usado como hub regional (e de fato vem sendo usado pela Gol como tal com vôos para EZE, MVD, ROS, COR e breve SCL) não deveriam ser feitos esses investimentos ? (Além claro de GIG e GRU)

 

Alguém tem idéia de custo do equipamento e das adaptações necessárias nos aviões, bem como treinamento de tripulantes. Se possível gostaria de aprender um pouco mais disso!

 

Obrigado desde já,

 

Felipe

Link to comment
Share on other sites

Felipe,

Os aparelhos que esta reportagem descreve são o ILS Categoria III.

No Brasil a quase totalidade de ILS (Instrument Landing System) são da categoria I, com exceção da pista 09 R de Guarulhos que tem Categoria II (que não sei se está operante, visto que a pista foi liberada mês passado).

Além do custo dos aparelhos em si, há o custo da constante aferição, maior do que o atual.

Mas o que emperra o uso deste equipamento no Brasil é o custo de se treinar as tripulações para usá-lo, devido à precisão do mesmo demanda mais simuladores e etc.

O raciocínio que as companhias fazem é econômico, como os fechamentos se dão em porcentagem mínima das horas de operação anual (cerca de 1%), é mais barato alternar o vôo ou esperar no chão do que treinar todos seus piloto a operarem ILS Cat III.

SF

Link to comment
Share on other sites

Que aparelho é esse ? Por que os aeroportos do sul não são equipados com ILS idêntico ao de SCL (acho que é 3a). Nos últimos dias tem sido uma constante o fechamento de JOI, CWB e principalmente POA. Para um aeroporto que o governo quer ver usado como hub regional (e de fato vem sendo usado pela Gol como tal com vôos para EZE, MVD, ROS, COR e breve SCL) não deveriam ser feitos esses investimentos ? (Além claro de GIG e GRU)

 

Alguém tem idéia de custo do equipamento e das adaptações necessárias nos aviões, bem como treinamento de tripulantes. Se possível gostaria de aprender um pouco mais disso!

 

Obrigado desde já,

 

Felipe

O equipamento ILS mencionado seria CAT II, nao CAT IIIa como o de SCL.

 

CAT II ou CAT IIIa/b/c soh podem ser operados por tripulacoes homologadas para tal, em aeronave homologada para a operacao CAT II.

varias aeronaves da VARIG sao CAT II, mas algumas trips nao sao. logo, nada de CAT II land.

 

nao eh simplesmente instalar e mandar o pessoal usar como a materia mostra

Sem contar as modificacoes que o sistema de iluminacao na pista deve ser sofrer para cumprir os requisitos CAT II. Custos de manutencao, homologacao, calibragem e checks constantes para manter CAT II... se ja ta dificil no brasil um procedimento ILS em alguns aeroportos importantes para a aviacao comercial, imagine CAT II ou um CAT IIIa.

 

tanto que o GIG na RWY 10 foi rebaixado de CAT II por falta de manutencao no sistema de iluminacao.

 

Viavel mesmo CAT II eh em CWB, GRU e no GIG, de resto seria um equipamento muito bom sendo sub-utilizado.

Link to comment
Share on other sites

Senhores,

 

Mais uma vez obrigado.

Não seria interessante instalar o IIIa em GRU (e talvez no GIG) repassando os II para CWB e algum outro aeroporto ? (Ja imaginando que POA tem o equipamento).

 

As cias dizem que treinar é mais caro, todavia o que tenho visto essa semana é POA fechar por até 5 horas seguidas, gerando cancelamento de vôos, atraso em trilhos e outros problemas. Nessas horas acho que a ANAC deveria intervir e preparar melhor os aeroportos. Se SCL que opera menos de 5 milhões de passageiros tem o IIIa (mesmo estando em região problemática próximo a Cordilheira dos Andes), GRU e GIG deveriam ter!

 

Felipe

 

Felipe

Link to comment
Share on other sites

Felipe,

A Infraero está mais interessada em alugar lojas nos seus shopping-centers do que com as condições dos aeroportos.

Esta questão de qual instrumentação seria necessária em cada aeroporto depende de estatísticas de fechamento de cada um e da reclamação dos usuários (companhias aéreas).

De qq jeito, penso que tanto Porto Alegre como Curitiba deveriam ter ILS Cat II, pois assim as operações melhorariam bastante.

Outro problema é adequar nossa legislação às mais avançadas do mundo e permitir decolagens com mínimos inferiores aos de pouso. Assim, pelo menos as aeronaves que se encontrassem no chão poderiam decolar.

SF

Link to comment
Share on other sites

GRU nem GIG deveriam ter CAT III.

 

os problemas de visibilidade devido nevoeiros em GRU eh apenas em uma parte do ano, no periodo da manha (entre 0330 ateh 0830 - 1030).

pode gerar problema? sim, mas nao eh algo constante, e que necessitem de um sistema CAT III.

o problema de quao maior a precisao do sistema, maior o custo de manutencao, assim como os impecilhos tecnicos de uma regiao para o equipamento.

nao eh viavel economicamente falando, um sistema CAT III no Brasil.

um sistema CAT II em alguns aeroportos como CWB (que eh critico esse negocio de nevoeiro), GRU... GIG de vez em quando...

agora volto a frisar, no Brasil tem aeroportos importantes que nao possuem sistema ILS, e estamos aqui debatendo se eh necessario/viavel um CAT II em POA.

 

nao duvido que, se um dia fizerem CAT II em poa, 2 meses depois o mesmo vai ser rebaixado por falta de manutencao da Infraero.

Link to comment
Share on other sites

Cadê o dinheiro que "nós" damos pra Infraero.... pô R$20,00 por embarque é muito caro pra ter sistemas operacionais não funcionando ou sem manutenção!!!

Abraços.

Link to comment
Share on other sites

GRU nem GIG deveriam ter CAT III....

 

 

...nao eh viavel economicamente falando, um sistema CAT III no Brasil....

um sistema CAT II em alguns aeroportos como CWB (que eh critico esse negocio de nevoeiro), GRU... GIG de vez em quando...

 

Dito! Já houve até campanha de um grande jornal de CWB para a implantação desse equipamento. Resultado: Foi provado por A + B que é inviável devido aos altos custos - além disso as empresas que operavam aqui à época (Vasp, Varig, Transbrasil, etc...) teriam que adaptar as acft e snme as tripulações tb teriam que se graduar para tal...

 

Resumo da ópera: Não foi adiante a idéia.

Link to comment
Share on other sites

Temos o Cat II operando em CWB há vários anos, e vos digo que o nevoeiro baixa tão rápido que apenas alguns TAM e RG aproveitam, mas já demonstrou sua utilidade, sem dúvida. Ontem foi do tipo, poucos pousaram, colou e saiu ao amanhecer. No GIG tem Cat II numa das pistas. até um Trip pousou aqui ontem em Cat II.

Link to comment
Share on other sites

Cadê o dinheiro que "nós" damos pra Infraero.... pô R$20,00 por embarque é muito caro pra ter sistemas operacionais não funcionando ou sem manutenção!!!

Abraços.

 

Aqui em Brasília eles construiram salas de cinema!!! No aeroporto!!! Você tá reclamando do que????? :angry: :th_banghead: :ranting_1: :suicide_anim:

Link to comment
Share on other sites

Temos o Cat II operando em CWB há vários anos, e vos digo que o nevoeiro baixa tão rápido que apenas alguns TAM e RG aproveitam, mas já demonstrou sua utilidade, sem dúvida. Ontem foi do tipo, poucos pousaram, colou e saiu ao amanhecer. No GIG tem Cat II numa das pistas. até um Trip pousou aqui ontem em Cat II.

 

SBRJ-J0857/06

Q)SBBS/QIIAS/ I/ B/ A/000/999/2249S04315W005

A) SBGL RIO DE JANEIRO INTL

B) 200607051947 C) 200608051400

E) ILS IM RWY 10 U/S )

 

 

sem IM, impossivel operacao CAT II.

gig RWY10 ateh presente momento, ILS "padrao"

Link to comment
Share on other sites

Enquanto isso.. cinemas, lojas, goteiras e infiltrações tomam conta dos terminais, as pistas permitem a patinação artistica de aeronaves, e combustivel (muito barato hoje em dia) é desperdiçado com viagens extras aos pontos alternativos.

 

Infelizmente nossos aeroportos na mão do governo não dão certo, tem que privatizar e fazer eles competirem !

 

Felipe

Link to comment
Share on other sites

nao precisa privatizar 100%

faz que nem a petrobras... abre 49% da infraero para capital misto e seja o que deus quiser.

Link to comment
Share on other sites

Em Campina Grande CPV, há muita críticas mas apesar de estar

no Nordeste temos esse problema. O pessoal da Gol não acreditou e

vinheram até a cidade para comprovar.

Eles resolveram parte desse problema com o 737-700 com GPS.

Hoje só não pousa se relamente não der.

Mas para o movimento de POA, assim como outros aeroportos

importantes do pais, acredito que um certo investimento valeria apena.

 

A infraero investe muito nos terminais, mas a parte operacional

deixa muito a desejar, isso já foi tema de várias materias e reposrtagens.

Link to comment
Share on other sites

nao precisa privatizar 100%

faz que nem a petrobras... abre 49% da infraero para capital misto e seja o que deus quiser.

 

Dessa forma o governo mantém sua parcela de irresponsabilidade, digo, de comando. Se ele acha os aeroportos importantes, que mantenha os 49% mas permita ao(s) consórcio(s), gerir o aeroporto. Podiam fazer, quem ganhar Congonhas fica por exemplo com São Luis, Natal, Aracaju e Macapá, quem ficar com Guarulhos leva Campo Grande, Goiânia, Maceió, Joinville e Boa Vista, quem levar Brasilia leva Fortaleza, Navegantes, Vitória, Campina Grande... e assim vai...

 

E viva a competição !

 

Felipe

Link to comment
Share on other sites

Prezado Omykron: seria possível explicar para a plebe ignara o que significa a expressão ILS IM RWY 10 U/S?

Desde já, agradeço.

Link to comment
Share on other sites

ILS - Instrument Landing System - Sistema de pouso por instrumentos;

IM - Inner Marker - Marcador (sinalizador) interno

RWY 10 - Runway 10 - Pista 10;

U/S - Unserviceable - Fora de serviço

SF

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

Guest
This topic is now closed to further replies.
×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade