Jump to content

Planos da TRIP para 2008


LipeGIG

Recommended Posts

10/07/2006 - Planos da TRIP para 2008

Fonte: Aerobusiness

 

A regional brasileira Trip anunciou que tem encomendados para receber até o ano que vem mais quatro aeronaves das linha ATR, sendo três da versão ATR-72 e um ATR-42. Ela pretende fechar o ano de 2008 com uma frota de 15 aeronaves, sendo sete do modelo ATR-72 e oito da versão ATR-42. A companhia está satisfeita com o desempenho dos bimotores ATR e os seus passageiros elogiam muito a aeronave. A escolha desses aviões deveu-se à política da empresa de padronizar sua frota com aviões de 50 a 70 lugares.

Link to comment
Share on other sites

Rivas, concordo contigo, mas será que alguém do governo e da Embraer tentou viabilizar mesmo um financiamento em condições satisfatórias ?

 

A Trip tem avançado bastante, e quem sabe lá por 2009 não teremos seus primeiros jatos de 100 ou mais lugares.

 

Felipe

Link to comment
Share on other sites

Guest Herson
pqp, o que era pra ser emb-145 e emb-170

 

Eu já discordo... Não é todo lugar que a TRIP opera com o ATR que teria a mesma facilidade/condição com os EMB-145/-170, grandes exemplos disso são os vôos pelo Amazonas e Mato Grosso. Acredito que sidades como Sinop, Alta Floresta, Barcelos, Rondonópolis, Caruari, Coari, Eirunepé, Lábrea, Humaitá, dentre outras não ofereçam condições ideais para a operação de jatos como o ERJ-145 e principalmente de asa baixa como o E-170. Para essas cidades tornam-se ideal os ATR 42/72 que levam a mesma quantidade de pax e podem se adequar à infra-estrutura local.

Link to comment
Share on other sites

Muito legal a quantidade de aeronaves que a Trip pretende operar. Só queria saber quanto as rotas, há demanda pra 15 aeronaves no eixo Norte-Centro-Oeste ou ela vai buscar outros nichos?

Link to comment
Share on other sites

Rivas, concordo contigo, mas será que alguém do governo e da Embraer tentou viabilizar mesmo um financiamento em condições satisfatórias ?

 

A Trip tem avançado bastante, e quem sabe lá por 2009 não teremos seus primeiros jatos de 100 ou mais lugares.

 

Felipe

 

Não se trata da Embraer tentar viabilizar um financiamento... porque o problema central agora não diz respeito a financiamento, mas sim a impostos.

Existem uma série de isenções de impostos para produtos que serão exportados, segundo a política do governo de incentivar as exportações. Entre eles existe o mecanismo de draw-back, que é a isenção do imposto de importação para os itens que irão posteriormente ser exportados. Essa isenção não pode ser aplicada se o produto ficar no país... esse é um exemplo do aumento no preço dos aviões que seriam vendidos internamente.

 

A Embraer já faz tempo tem precionado o Governo para que mudem estas regras... já conseguiu alguns avanços, mas faltam outros para tornar a aquisição de produtos Embraer pelas empresas nacionais, algo viável.

 

Sds,

Vector

Link to comment
Share on other sites

Só mesmo em um país destes é mais barato comprar aviões lá fora, "exportando" dinheiro e empregos, do que comprar um produto nacional de amplo sucesso no exterior.

Se dependermos do corte de impostos, nunca veremos aviões da Embraer voando por empresas brasileiras.

Pobre Brasil.

SF

Link to comment
Share on other sites

O estado atual da economia brasileira é resultado de anos e anos de submissão aos ditames do FMI/BID. Para consertar ou entra um governo forte ou um "chavito' peitudo pois terá que mudar muita coisa, começa pela banca que está deitando e rolando sobre nós, metendo a mão nos nossos bolsos. Olha o tamanho da dívida interna, 1 trilhão de reais, a dívida externa é troco perto disso.

Link to comment
Share on other sites

Eu já discordo... Não é todo lugar que a TRIP opera com o ATR que teria a mesma facilidade/condição com os EMB-145/-170, grandes exemplos disso são os vôos pelo Amazonas e Mato Grosso. Acredito que sidades como Sinop, Alta Floresta, Barcelos, Rondonópolis, Caruari, Coari, Eirunepé, Lábrea, Humaitá, dentre outras não ofereçam condições ideais para a operação de jatos como o ERJ-145 e principalmente de asa baixa como o E-170. Para essas cidades tornam-se ideal os ATR 42/72 que levam a mesma quantidade de pax e podem se adequar à infra-estrutura local

 

Mas chegando novas aeronaves, poderiam criar novas rotas, vide Oceanair. Operando simultaneamente os ATR42/72 e os ERJ!

 

ABRÇS

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

Guest
This topic is now closed to further replies.
×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade